Language Policy and Portuguese Language teaching in the school context

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i17.24457

Keywords:

Language policies; Teaching; Brazilian portuguese language.

Abstract

The aim of this work was to investigate the teachers' conceptions about first language teaching and its relation with Language Policies in High school in the context in a city in the North of Minas Gerais. Therefore, we chose a qualitative and interpretative exploratory research method. For data collection, interviews were conducted with four teachers from a public school and a private school of a city in the North of Minas Gerais. On this work we discuss Brazilian Portuguese language teaching representations and how this teaching occurs in the context of the investigated schools. The hypothesis that guided this work seemed to be confirmed, at least regarding the institutions investigated, since it was verified that there is a greater emphasis on language teaching focused on the grammatical tradition, establishing the Standard Language as the only correct one, putting aside other variants. As far as Language Policy is concerned, there has been a lack of consistent Language Policies that encompasses the linguistic reality of our country. The work evidenced the need for this theme to be widely disseminated in universities, undergraduate and postgraduate courses, since many teachers are not yet familiar with this subject.

References

Almeida, F. J. (1993). Dimensões Comunicativas no Ensino de Línguas. (1. ed). Pontes.

André, M. E. D. A. (1983). Texto, contexto e significado: algumas questões na análise de dados qualitativos. Cadernos de Pesquisa, (45), 66-71. http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/1491/1485.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Ministério da Educação.

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/14_24.pdf

Calvet, L.-J. (2002). Sociolinguística: uma introdução crítica.Parábola.

Calvet, L.-J. (2007). As políticas linguísticas. Parábola.

Correa, D. A. (2009). Política linguística e ensino de língua. Calidoscópio, 7(1). 72-78.

http://revistas.unisinos.br/index.php/calidoscopio/article/view/4856/2114.

Correa, D. A. (2010). Política linguística e o curso de licenciatura em letras: um estudo inicial sobre o PEC-G. Linguagem em foco, 2(3). 39-52.

https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/1709/1472

Correa, D. A. (2014). Práticas linguísticas e ensino de língua: variáveis políticas. In A. D. Correa (Org.), Política linguística e ensino de língua. (1, 1., 21-37) Pontes.

http://revistas.unisinos.br/index.php/calidoscopio/issue/archive

Fiad, R. S.; Carbonari, M. do C. (1985). Teoria e prática do ensino de língua materna. Cadernos CEDES.

https://www.cedes.unicamp.br/publicacoes/11

Fiorin, J. L. (2002). Considerações em Torno do Projeto de Lei n° 1676/99. In: C. A. Faraco. (org.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. Parábola.

Fiorin, J. L. (2008). A crise da representação e o contrato de veridicção no romance. Revista do GEL. 5(1). 197-218.

https://revistas.gel.org.br/rg/article/view/142/122

Fraga, L. (2014). Políticas linguísticas na formação do licenciado em letras: uma discussão introdutória. In A. D. Correa (Org.), Política linguística e ensino de língua. 45-59. Pontes.

Jabur, E. N. A.(2014). Ensino da língua na escola pública. In A. D. Correa (Org.), Política linguística e ensino de língua. Pontes.

Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Lima, M. C. (2004). Monografia: a engenharia da produção acadêmica. (1. ed). Saraiva.

Minayo, M. C. S. (1994). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Vozes.

Moita, L. , L. P. (1996). Oficina de linguística aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. (1. ed). Mercado das letras.

Mór, W. M. (2013). As políticas de ensino de línguas e o projeto de letramentos. In: C. Nicolaides. et al. (Orgs.). Política e Políticas Linguísticas. 1(1. ed). 219-235. Pontes.

Possenti, S. (1996). Por que (não) ensinar gramática na escola. (2. ed). Mercado de Letras.

Rajagopalan, K. (2003). Por uma linguística crítica. Linguagem, identidade e a questão ética. Parábola.

Rajagopalan, K. (2013). Política Linguística, do que é que se trata, afinal? In C. Nicolaides. et al (Orgs). Política e Políticas Linguísticas. 19-42. Pontes.

Rajagopalan, K. (2014).O professor de línguas e a suma importância do seu entrosamento na política linguística do seu país. In A. D. Correa. (Org.). Política linguística e ensino de língua. 73-82. Pontes.

Travaglia, L. C. (1998). Gramática e interação: uma proposta para o ensino da gramática no 1° e 2° graus. (4. ed). Cortez.

Published

25/12/2021

How to Cite

ALVES, T. A. da G. . Language Policy and Portuguese Language teaching in the school context . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 17, p. e208101724457, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i17.24457. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/24457. Acesso em: 17 jan. 2022.

Issue

Section

Education Sciences