Involution of the Local Sustainability Index in Cities from Pernambuco - Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i4.24548

Keywords:

Indexes and indicators; Sustainability; Local Sutainability Index.

Abstract

This paper contributes to the debate on sustainability indices and indicators applied at the local, presenting the Local Sustainability Index (ISL), a combination of two established indexes, the Municipal Human Development Index (HDI-m) and the Anthopic Pressure Index (IPA).The aim of the study was to analyze the evolution of these indices over a decade (2000 to 2010) in six cities of Agreste de Pernambuco, where a significant population resides and, consequently, there is a large amount of human activities tha impact the environment. This article summarizes how the three indices are calculed in order to allow the reader to assess sustainability in the Pernambuco Agreste in the focused decade. It is concluded that, observing the rates discussed, these municipalities suffered, on average, a slight decrease in the quality of human welfare in the face of strong pressure from antropogenic activities on the environment over tha period. Local Sustainability Indexes that reflect that decrease in human quality life deserve reflection, given the deterioration curve presented between the beginning and the and of the decade.

References

Aliste, E. (2011). Territorio y huellas territoriales: una memoria del espacio vivido en el Gran Concepción, Chile. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 23(1), 25-38.

Antunes, D. C. & Conti, B. R. (2012). Dilemas de uma Nova Agenda de Desenvolvimento: um olhar sobre a Política Ambiental Brasileira. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 25(1), 73-86.

Barlow, M. (2012). Natureza: um Ecossistema Vivo do qual brota toda a vida. INTERthesis, 9(1), 1-15.

Begnini, S. & De Almeida, L. E. D. F. (2016). Grau de desenvolvimento regional dos municípios da mesorregião oeste catarinense: caracterização e classificação. Interações (Campo Grande), 17(4), 547-560.

Capra, F. (2004). A Teia da Vida: Uma Nova Compreensão Científica dos Sistemas Vivos. Cultrix editora.

Capra, F. (2006). O Ponto de Mutação. Cultrix editora.

CMMAD - Comissão Mundial Sobre Meio Ambiente E Desenvolvimento (1991). Nosso Futuro Comum, FGV editora.

Corrêa, C. (2011). A Contribuição dos Serviços de Salvamento e Combate a Incêndios para o Desenvolvimento Sustentável: um panorama pernambucano, sob a ótica dos gestores municipais. Dissertação, Universidade de Pernambuco – UPE.

Corrêa, C. & Pedrosa, I. V. (2014). Por um Índice de Sustentabilidade Local (ISL). RMP-Revista dos Mestrados Profissionais, 3(1), 113-136.

Duque, G., Mello, A. C. P. & Araújo, M. G. B. (2012). Ação coletiva e desenvolvimento sustentável. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 25(1), 109-116.

Fernandez, B. P. M. (2011). Ecodesenvolvimento, Desenvolvimento Sustentável e Economia Ecológica: em que sentido representam alternativas ao paradigma de desenvolvimento tradicional? Desenvolvimento e Meio Ambiente, 23(1), 109-120.

Gonçalves, C.W. P. (2012). A Ecologia Política na América Latina: reapropriação social da natureza e reinvenção dos Territórios. INTERthesis, 9(1), 16-50.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Perfil dos municípios brasileiros: Meio Ambiente 2002. IBGE, 2005.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2005). Indicadores de Desenvolvimento Sustentável, Brasil 2004.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2009). Indicadores de Desenvolvimento Sustentável, Brasil 2008.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2016). Indicadores de Desenvolvimento Sustentável, Brasil 2015.

Pedrosa, I. V. & Corrêa, C. (2021). Alterações Ambientais em Municípios do Agreste Pernambucano e ações dos Governos para minimizá-las, seguindo a percepção de gestores municipais. In: Anais do III Workshop da Rede Internacional de Pesquisa Resiliência Climática. CEPED/UNOESTE editora.

Pedrosa, I. V., Reis, A. C. & Silva, E. M. (2006). Políticas públicas municipais relacionadas com a melhoria do ambiente urbano no Estado de Pernambuco: limitações e possibilidades. In: III Encontro da ANPPAS, ANPPAS editora.

Pereira, M. S., Sauer, L. & Fagundes, M. B. B. (2016). Mensurando a sustentabilidade ambiental: uma proposta de índice para o Mato Grosso do Sul. Interações (Campo Grande), 17(2), 1-15.

PNUD (2005). Atlas do Desenvolvimento Humano – 2003.

PNUD (2015). Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, 2010 - Todos os Estados do Brasil. 21(07).

Van Bellen, H. M. (2006). Indicadores de Sustentabilidade: uma análise comparativa. FGV editora.

Published

11/03/2022

How to Cite

CORRÊA, C. Involution of the Local Sustainability Index in Cities from Pernambuco - Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 4, p. e7411424548, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i4.24548. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/24548. Acesso em: 2 oct. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences