Financial education in the context of biopolitics and governmentality

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.25068

Keywords:

Biopower; Governmentality; Education; Financial education.

Abstract

Biopolitics is a term developed by Foucault to designate a set of management control practices and the life of populations, developed by states, mostly neoliberals, as a way to establish governmentality, which in turn needs to institute social inequalities for the organization of political rationality. In this scenery, the school is a space for the consolidation of the interests of the elite as a way to perpetuate its status quo. In the case of Brazil, there are numerous manifestations of biopolitical practices in education, such as the proliferation of educational policies following the market ordination. This text aims to discuss financial education based on foucaultian concepts of governmentality and biopolitics as a disciplinary society that structures class and society control, always aiming at maintaining order and morality. This is a section of the master's thesis "Financial Education and Minor Education: curricular experiments with a 9th year class in Ji-Paraná/RO", developed with the Graduate Program in School Education - Master and Professional Doctorate (PPGEEProf), of the Federal University of Rondônia.

Author Biography

Rafael Christofoletti, Universidade Federal de Rondônia

Possui graduação em Psicologia, Ciências Econômicas, Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Como psicólogo trabalhou no sistema prisional paulista e no campo da saúde mental em Centros de Atenção Psicossocial - CAPS I Santa Gertrudes (SP) e CAPS III Estação em Campinas (SP). Ministrou aulas na UNESP (SP), UNIMEP (SP) e UNC (SC) onde coordenou o programa de estágio em Psicologia Escolar. Atualmente é Professor do Departamento de Ciências da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar Profissional (PPGEEProf) da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) onde desenvolve (e orienta) projetos com os seguintes temas: processos de subjetivação, formação de professores, cotidiano escolar, arte e economia solidária. Coordenador da "Incubadora de Cooperativas Populares da UNIR" (INCOOP-UNIR), líder do grupo de pesquisa "DIPSA - Diferença e Processos de Subjetivação na Amazônia" e integrante do "Im@go: laboratório da imagem, experiência e criação".

References

Aguiar, K. F. & Rocha, A, M. L. (2003). Pesquisa-Intervenção e a Produção de Novas Análises [versão eletrônica]. Psicologia Ciência e Profissão. 4(23), 64-73. https://doi.org/10.1590/S1414-98932003000400010.

Deleuze, G. (1992). Conversações. Editora 34.

Deleuze, G. & Guattari, F. (2010). O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. Ed. 34.

Efing, A. C. & Resende, A. C. L. (2016). Educação para o consumo consciente: um dever do Estado [versão eletrônica], Revista Jurídico Brasileiro, 2(01), 713 – 746.

Florêncio, A., Filho, Rosa, P. O. & Marchiori, G. R. S. (2020). Do homo oeconomicus ao sujeito de desempenho: trajetória do sujeito no modelo neoliberal nos pensamentos de Foucault e Byung-Chul Han. Research, Society and Development, 9(4), 1-27. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i4.2964.

Foucault, M. (1988). História da Sexualidade I: a vontade de saber. Edições Graal.

Foucault, M. (1987). Vigiar e punir: nascimento da prisão. Vozes.

Foucault, M. (2008a). A Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2008b). Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes.

Gallo, S. (2002). Em torno de uma educação menor [versão eletrônica]. Revista Educação e Realidade, 27(02), 169 – 178.

Gallo, S. (2013, setembro). Em torno de uma educação menor: variáveis e variações. Anais da 36ª Reunião Nacional da ANPEd, Goiânia, GO, Brasil, 36.

Gallo, S. & Monteiro, A. (2020). Educação menor como dispositivo potencializador de uma escola outra [versão eletrônica], REMATEC Revista de Matemática, Ensino e Cultura, 15(33), p.185- 200. 10.37084/REMATEC.1980-3141.2020.n33.p185-200.id228.

Grupo Transversal (2015). Educação Menor: conceitos e experimentações. Appris.

Larrosa, J. B. (2002). Notas sobre a Experiência e o Saber de Experiência [versão eletrônica], Revista Brasileira de Educação , (19), 20-28.

Lima, I. S., Neto & Silva, F. V. (2021). O triângulo disciplina, biopolítica e governamentalidade na pandemia de Covid-19: um estudo de postagens de secretarias estaduais de educação no Instagram. Debates em Educação, 13(32), 348-373. https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13n32p348-373.

Lucarelli, S. (2010). A financeirização como forma de biopoder [versão eletrônica]. Revista do Instituto Humanitas Unissinos, ed. 327(X), 5-10.

Mascarenhas, L. B. (2018). Biopolítica, Educação e Resistência na Contemporaneidade [versão eletrônica]. Educação & Realidade, 43 (04), 1537-1554. https://doi.org/10.1590/2175-623675587.

Ministério da Educação (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental/MEC.

Ministério da Educação (2018). Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. MEC.

Pacheco, D. C. Educação menor e desterritorialização do currículo. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, SP, Brasil.

Prodanov, C. C. & Freitas, E. C. (2013) Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Feevale.

Santos, E. F. dos. (2005) O ensino superior no Brasil e os “Acordos MEC/USAID”: o intervencionismo norte-americano na educação brasileira. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil.

Saraiva, K. S. (2017). Os sujeitos endividados e a Educação Financeira. Educar em Revista, (66), 157-173. https://doi.org/10.1590/0104-4060.53867.

Savoia, J. R. F., Saito, A. T. & Santana, F. A. (2007). Paradigmas da educação financeira no Brasil. Rev. Adm. Pública, 6(04), 1120-1141. https://doi.org/10.1590/S0034-76122007000600006.

Published

01/03/2022

How to Cite

SANTOS, N. R. dos .; CHRISTOFOLETTI, R. . Financial education in the context of biopolitics and governmentality. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 3, p. e41211325068, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i3.25068. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25068. Acesso em: 16 jun. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences