Analysis of the composition and distribution of street trees as a tool for urban planning

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26016

Keywords:

Urban growth; Management of green areas; Quality of life; GIS; Geotechnologies.

Abstract

The urban planning of a municipality, when well carried out, results in an increase in the quality of life of citizens via several factors, such as better urban mobility, thermal comfort and even health benefits. Faced with the increase in urbanization and its impact on the environment, as well as the need to create public policies, the objective of this work was to evaluate the situation of urban planning in the Jardim Aeroporto neighborhood of the municipality of Itu, São Paulo, Brazil. An inventory and georeferencing of the tree individuals of 22 routes was carried out. To analyze the spatial distribution, the data were evaluated using the Kernel index and the degree of attention index. A total of 338 arboreal individuals distributed in 26 families and 47 species were sampled, with the most frequent species Murraya paniculata (L.) Jack, of exotic origin (15.68%). Only one route had a low level of attention, the others were between medium and high level of attention (n=21). In addition, there was a deficit of 1352 trees in the neighborhood. The results show that the roads of the Jardim Aeroporto neighborhood have an uneven distribution of arboreal individuals with a considerable amount of exotic species used in regional afforestation. The proximity between some trees and their distribution in risk areas in the city show how often there is no long-term urban planning, which can cause risks to the physical integrity of properties and citizens when associated with inadequate management of the species.

References

Alvarez, I. A., Oliveira, U. R., de Carvalho, J. C. L. & Taura, T. A. (2009). Uso de geotecnologias para subsidiar planos de ação da arborização viária do centro de Petrolina-PE. In: Embrapa Semiárido-Artigo em anais de congresso (ALICE). In: congresso brasileiro de arborização urbana, 13, Rio Branco. Diversidade na floresta e na cidade: coletânea de trabalhos. Rio Branco: Sociedade Brasileira de Arborização Urbana.

Alvey, A. A. (2006). Promoting and preserving biodiversity in the urban forest. Urban Forestry & Urban Greening, 5, 195–201.

Andrade, M. N. M. M. & Jeronimo, C. E. M. (2015). Diagnóstico da arborização do espaço urbano da cidade de João Pessoa, PB. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 19 (3), 194-208.

Angeoletto, F., Santos, J. W. M. C., Ruiz Sanz, J. P., Silva, F. F. D. & Albertín, R. M. (2016). Tipología socio-ambiental de las ciudades medias de Brasil: aportes para un desarrollo urbano sostenible. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 8, 272-287.

Bacelar, W. J. L., Parry, M. M., Herrera, R. C., França, I. F. D., & Parry, S. M. (2020). Diagnóstico qualiquantitativo da arborização urbana da cidade de Monte Alegre, Pará, Brasil. Ciência Florestal, 30, 1019-1031.

Bechara, F. C., Topanotti, L. R. & Silva, L. M. (2015). Aspectos da arborização urbana ecológica. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, 7 (1), 49-55.

Camargo, E. C. G., Fucks, S. D. & Câmara, G. (2004). Análise espacial de superfícies. In: Druck, S.; Carvalho, M. S.; Câmara, G.; Monteiro

A. M. V. (Ed.). Análise espacial de dados geográficos. Planaltina: Embrapa Cerrados, 79-122.

Carvalho, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília, DF. Embrapa Informação Tecnológica; Colombo. Embrapa Florestas, 2003. 1 v. 1039 p. il. (Coleção espécies arbóreas brasileiras, 1).

Carvalho, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília, DF. Embrapa Informação Tecnológica; Colombo. Embrapa Florestas, 2006. 3 v. 627 p. il.; color. (Coleção espécies arbóreas brasileiras, v. 2).

Carvalho, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília, DF. Embrapa Informação Tecnológica; Colombo. Embrapa Florestas, 2008. 3 v. 593 p. il.; color. (Coleção espécies arbóreas brasileiras, v. 3).

Carvalho, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília, DF. Embrapa Informação Tecnológica; Colombo. Embrapa Florestas, 2010. 4 v. 644 p. il.; color. (Coleção espécies arbóreas brasileiras, v. 4).

Carvalho, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília, DF. Embrapa Informação Tecnológica; Colombo. Embrapa Florestas, 2014. 5 v. 634 p. il.; color. (Coleção espécies arbóreas brasileiras, v. 5).

Crispim, M. P., Palhano, E. & Carvalho, S. M. (2018). Tendências de pesquisa em arborização de vias públicas com o uso de geotecnologias. Anais da XXV Semana de Geografia da UEPG. Ponta Grossa (Brasil): Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Cruz, B. M. (2003). Procedimentos metodológicos para a avaliação da arborização urbana na cidade de São Paulo. Paisagem e ambiente: ensaios, 31, São Paulo, 25 – 60.

Emer, A. A., da Silva, L., Cadorin, D. A. & Mello, N. A. (2013). Avaliação quantitativa e qualitativa da arborização do bairro Santa Terezinha na cidade de Pato Branco (PR). Ambiência, 9 (1), 129-143.

Falce, B. O., Leão, B. D. A., Souza, D. M. & Oliveira, F. B. (2012). Análise da distribuição espacial de árvores e arbustos quanto ao porte, à taxonomia e à utilização através de sistema de informação geográfica. Revista da sociedade brasileira de arborização urbana, 7 (1), 23-34.

Instituto Florestal. (2020). Inventário florestal do Estado de São Paulo: mapeamento da cobertura vegetal nativa. Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo. https://smastr16.blob.core.windows.net/home/2020/07/inventarioflorestal2020.pdf.

Iwama, A.Y. (2014). Indicador de arborização urbana como apoio ao planejamento de cidades brasileiras. REVSBAU, 9 (3),156-172.

Jardim, J. P. & Umbelino, G. (2020). Mapeamento de áreas verdes e da arborização urbana: estudo de caso de Diamantina, Minas Gerais. Revista Espinhaço, 9 (2).

Köeppen, W. (1948). Climatologia: con un estudio de los climas de la tierra (No. QC861 K6).

Landgraf, P. R. C., Paiva, P. D. O & Reis, L. A. (2013). Desenvolvimento de software para o planejamento da arborização urbana. Ornamental Horticulture, 19, 19-24.

Lima Neto, E. M., Biondi, D., Araki, H. & Bobrowski, R. (2012). Fotografias aéreas para mensuração da área de copa das árvores de ruas de Curitiba–PR. Floresta, 42, 577-586.

Longley, P. Goodchild, M.; Maguire, D. & Rhind, D. (2005). Geographical Information Systems and Science. 2 ed. Chichester: John Wiley & Sons Ltd.

Mayer, C. L. D., Oliveira Filho, P. C., & Bobrowski, R. (2014). Análise espacial de conflitos da arborização de vias públicas: caso Irati, Paraná. Floresta, 45 (1), 11-20.

Melo, E. F. R. Q. & Romanini, A. (2008). Praça Ernesto Tochetto: Importância da sua preservação histórica e aspectos de sua arborização. Rev. SBAU, 3 (1), 54-72.

Mesquita, F. N., Silvestre, K. S. & Steinke, V. A. (2017). Urbanização e degradação ambiental: Análise da ocupação irregular em áreas de proteção permanente na região administrativa de Vicente Pires, DF, utilizando imagens aéreas do ano de 2016. Revista Brasileira de Geografia Física,10 (3), 722-734.

Nicodemo, M.L.F. & Primavesi, O. (2009). Por que manter árvores na área urbana? Dados eletrônicos. — São Carlos: Embrapa Pecuária Sudeste, 40p.

Osako, L. K., Brito, L., & Silva, P. A. (2022). Árvores de florestas urbanas: uma ótica ecológica para uma gestão promotora e mantenedora da biodiversidade na cidade. Research, Society and Development, 11(1), e31811124887.

Pires, N. A. M. T., Melo, M. S.; Oliveira, D. E. & Santos, S. X. (2010). A arborização urbana do município de Goiandira/GO –caracterização quali-quantitativa e propostas de manejo. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 5 (3), 185-205.

Santos, C. Z. A. D., Ferreira, R. A., Santos, L. R., Santos, L. I., Gomes, S. H. & Graça, D. A. S. D. (2015). Análise qualitativa da arborização urbana de 25 vias públicas da cidade de Aracaju-SE. Ciência Florestal, 25, 751-763.

Santos, N. D. & Teixeira, I. F. (2001). Arborização de vias públicas: ambiente x vegetação. Santa Cruz do Sul: Instituto Souza Cruz, 135p.

Sartori, R. A. & Balderi, A. P. (2011). Inventário da arborização urbana do município de Socorro–SP e proposta de um índice de danos à infra-infraestrutura das cidades. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 6 (4), 68-89.

Silva, A. G. (2000). Arborização urbana em cidades de pequeno porte: avaliação quantitativa e qualitativa. (Dissertação de Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

Silva, L. A., de Sousa, C. S., Parry, M. M., Herrera, R. C., Oliveira, F. P. M. & Parry, S. M. (2018). Diagnóstico da arborização urbana da cidade de Vitória do Xingu, Pará, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 13 (1), 57-72.

Silva, P. A., Silva, L. L., Cherutte, A. G., Gomes, A. C. S., Brito, L., & Rodrigues, B. M. (2021). Aves visitando flores do ipê-amarelo (Handroanthus vellosoi) na área urbanizada ressalta a importância da interação planta-animal na arborização de cidades. Research, Society and Development, 10(15), e414101522982.

Souza, S. M., de Lima Cardoso, A. & da Silva, A. G. (2013). Estudo da percepção da população sobre a arborização urbana, no município de Alegre-ES. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 8 (2), 68-85.

Tadenuma, S. S. K. & Carvalho, S. M. (2021). Levantamento e potencial de plantio da arborização de calçadas em vias públicas da área urbana de Ponta Grossa, PR. Terr@Plural, 15, 1-16, e2117148.

Toralles C. P. & Gerundo A. P. de S. (2021). Inventário de arborização viária: Um estudo piloto para o bairro Cassino, na cidade do Rio Grande, RS, Brasil. Projectare Revista de Arquitetura e Urbanismo, 12, 181-198.

Published

13/02/2022

How to Cite

PINHEIRO, M. A. .; COSTA, D. R. da .; DUTRA, F. B. .; FRANCISCO, B. dos S. .; TERAÇÃO, B. S. .; PERUSSI, G.; VIVEIROS, E.; SILVA, J. M. S. da . Analysis of the composition and distribution of street trees as a tool for urban planning. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 3, p. e8311326016, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i3.26016. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26016. Acesso em: 19 jun. 2024.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences