Challenges and methods in managing the family business

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26267

Keywords:

Family business; Business management; Succession process.

Abstract

Family businesses have a high importance in the development of the economy, since they represent a significant part of the GDP (gross domestic product) and are responsible for generating millions of jobs worldwide. The management of all companies has some common purposes, but family-owned companies have certain peculiarities due to their close ties. The objective was to present important aspects in the management of family businesses, approaching subjects that could represent challenges in their management and proposing methods for their resolution. The methodological processes used were qualitative, exploratory, descriptive, and bibliographic. The succession process, the importance of tradition and family’s values, and decision making were evaluated in the literature. The results indicate that an efficient succession process depends on the successor's planning and professionalization. It was concluded that there are effective methods established to support the decision making of family businesses in order to minimize the influence of conflicts of interest of the family. And the present work also highlights the importance of preserving the values of the family organization.

Author Biographies

Thiago Silva Brito, Universidade Estadual de Minas Gerais

Discente de administração na Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG) - campus Frutal.

Jhonata Ongaratto, Universidade Estadual de Minas Gerais

Discente de administração na Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG) - campus Frutal.

Miriam Pinheiro Bueno , Universidade Estadual de Minas Gerais

Docente na Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG) - campus Frutal.

References

Acquaah, M. (2013). Management control systems, business strategy and performance: A comparative analysis of family and non-family businesses in a transition economy in sub-Saharan Africa. Journal of Family Business Strategy, 4(2), 131–146. https://doi.org/10.1016/j.jfbs.2013.03.002

Adachi, P. P. (2006). Família SA: Gestão de empresa familiar e solução de conflitos. São Paulo: Atlas, 458–476.

Albuquerque Filho, A. R., Ribeiro Macedo, F. F. R., Moura, G. D. D., Bracht Fank, D. R., & Heberle, E. L. (2019). Fatores determinantes da intangibilidade em companhias abertas familiares. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 23(2), 37-52.

Alderson, K. (2011). Understanding the family business. Business Expert Press.

Andrade, D. M.; Grzybovski, D. & de Lima, J. B. (2005). Aplicabilidade do “modelo dos três círculos” em empresas familiares brasileiras: Um estudo de caso. Revista Eletrônica de Administração, 11(5), 1-25.

Astrachan, J. H., & Shanker, M. C. (2003). Family Businesses’ Contribution to the U.S. Economy: A Closer Look. Family Business Review, 16(3), 211–219. https://doi.org/10.1177/08944865030160030601

Bauer, M. W., & Gaskell, G. (2017). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Editora Vozes Limitada.

Berrone, P., Cruz, C., & Gomez-Mejia, L. R. (2012). Socioemotional wealth in family firms: Theoretical dimensions, assessment approaches, and agenda for future research. Family business review, 25(3), 258-279.

Buchweitz, M. J. R., Cruz, A. P. C. da, Barbosa, M. A. G., & Pereira, T. A. (2019). A riqueza socioemocional e o declínio em uma empresa familiar: Um estudo da Guerra S.A. RACE - Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 18(2), 231–258. https://doi.org/10.18593/race.19059

Borges, B., & Machado, G. (2017). O processo de tomada de decisão em empresas familiares de pequeno porte: Um estudo de casos múltiplos em organizações prestadoras de serviços em Alvorada/RS. Revista Acadêmica São Marcus 7(2), 61-101.

Chiavenato, I. (2006). Princípios da administração: o essencial em teoria geral da administração. Editora Manole.

Coimbra, D. G., Souza Júnior, A. A. de, & Moraes, A. F. D. M. (2020). Aspectos da Dominação Masculina no Processo Sucessório em Empresas Familiares do Setor Automotivo. Revista de Administração IMED, 10(2), 158-177. https://doi.org/10.18256/2237-7956.2020.v10i2.3969

Dante, F. S., Rodrigues, R. M., & Cremonezi, G. G. (2016). os impactos da gestão familiar nos conflitos e cultura organizacional. Revista de Carreiras e Pessoas (ReCaPe) ISSN 2237-1427, 6(2). https://doi.org/10.20503/recape.v6i3.31067

Daft, R. (2014). Organizações: Teoria e projetos. 11 ed. São Paulo: Thomson Learning. Pioneira. Dante, F. S., Rodrigues, R. M., & Cremonezi, G. G. (2016). Os impactos da gestão familiar nos conflitos e cultura organizacional. Revista de Carreiras e Pessoas (ReCaPe) ISSN 2237-1427, 6(2). https://doi.org/10.20503/recape.v6i3.31067

Silva, C. R. et al. (2018). Valores familiares e práticas de gestão: um estudo de caso na agroindústria “L” em Venda Nova do Imigrante – ES. https://admpg2018.com.br/anais/2018/arquivos/05072018_030549_5aeff5e1c9b2c.pdf

Oliveira, J. L., Álvares, E., Pinheiro, A. S., & Pimentel, T. D. (2011). A Governança corporativa como elemento mediador na empresa familiar. Revista de Administração FACES Journal.

Donnelley, R. G. (1967). A empresa familiar. Revista de administração de empresas, 7(23), 161-198.

Santos, M. C., dos Santos, A. F., Moreira, A. L. D., & dos Santos, D. F. Análise do processo da tomada de decisão em empresas familiares. https://aprepro.org.br/conbrepro/2020/anais/arquivos/09212020_200900_5f693e089b420.pdf

Santos, S. P., de Souza, R. F., & Macedo, L. R. (2021). A relevância do fluxo de caixa para a gestão em uma empresa familiar. Scientia: Revista Científica Multidisciplinar, 6(1), 183-203.

Duarte, F. D. (2006) Proposta para avaliação do processo sucessório em empresas familiares. 2006. Dissertação (Mestrado em Administração e Negócios). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Dutra, T. A., Bose, M., Nascimento, F., & Salomão, G. R. (2020). Processo sucessório e seu vínculo com a estratégia organizacional: Um estudo de casos múltiplos. Revista de Carreiras e Pessoas, 10(1). https://doi.org/10.20503/recape.v10i1.45921

Farah, B. C. R. (2019). Cultura organizacional em uma empresa familiar: Estudo de caso no ramo de materiais de construção. https://bdm.unb.br/handle/10483/25160

Ferreira, M. A. de A. (2015.Processo sucessório em organizações brasileiras: um estudo com uso de ground theory.Tese (Doutorado em Ciêncas). Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. https://doi.org/10.11606/T.12.2015.tde-29062015-155504

Fleury, M. T. L., & da Costa Werlang, S. R. (2016). Pesquisa aplicada: conceitos e abordagens. Anuário de Pesquisa GVPesquisa.

Frezarin, A. L., Andrade, B. O. C. de, Rossi, F. C., & Antonio, H. M. (2021). Desafios da gestão em uma empresa familiar. http://ric.cps.sp.gov.br/handle/123456789/6121

Gersick, K. E., Davis, J. A., Hampton, M. M., & Lansberg, J.(1997). De geração para geração: ciclos de vida das empresas familiares (N. Montingelli Jr., Trad.). Negócio.

Gómez-Mejía, L. R., Haynes, K. T., Núñez-Nickel, M., Jacobson, K. J., & Moyano-Fuentes, J. (2007). Socioemotional wealth and business risks in family-controlled firms: Evidence from Spanish olive oil mills. Administrative science quarterly, 52(1), 106-137.

Goes, T. H. M., Martins, H. H., & Machado Filho, C. A. P. (2017). Desempenho financeiro de empresas com características familiares: Análise de empresas brasileiras listadas na BM&F. REGE-Revista de Gestão, 24(3), 197-209.

Goetschin, P. (1987). La gestion de la succession dans les PME. Revue économique et sociale, Lausanne, 98-107.

Gomez-Mejía, L. R., Haynes, K. T., Núñez-Nickel, M., Jacobson, K. J. L., & Moyano-Fuentes, J. (2007). Socioemotional Wealth and Business Risks in Family-controlled Firms: Evidence from Spanish Olive Oil Mills. Administrative Science Quarterly, 52(1), 106–137. https://doi.org/10.2189/asqu.52.1.106

Groves, K. S. (2018). Succession Management Capabilities: Planning for the Inevitable Transition of Executive Talent. Academy of Management Proceedings, 2018(1), 15773. https://doi.org/10.5465/AMBPP.2018.15773abstract

Guerini, A. G. & Mattje, C. de O. (2018). Os benefícios da formalição de uma holding familiar. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel Ciências Contábeis). Centro Universitário Dinâmica das Cataratas–UDC, Foz do Iguaçu.https://semanaacademica.org.br/system/files/artigos/tcc_2_0.pdf

Kellermanns, F. W., Dibrell, C., & Cruz, C. (2014). The role and impact of emotions in family business strategy: new approaches and paradigms. Journal of Family Business Strategy, 5(3), 277-279.

Hall, D. T. (1986). Dilemmas in linking succession planning to individual executive learning. Human Resource Management, 25(2), 235-265.

Harrison, E. F. (1993). Interdisciplinary models of decision making. Management Decision.

Lodi, J. B. (1993). A Empresa Familiar. Pioneira.

Lodi, J. B. (1994). A Ética na Empresa Familiar. Pioneira

Maillard, N. de A. P. G. et al. (2020). Processo sucessório nas organizações públicas brasileiras. Tese (Doutor em Ciêncas). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Mamede, C. A. da S., Melo, M. C. de O. L., & Pinto, R. A. (2017). A visão empreendedora e o processo de sucessão em empresa familiar. Perspectivas Contemporâneas, 12(1), 169–187.

Martelli, A. et al. (2020). Análise de metodologias para execução de pesquisas tecnológicas. Brazilian Applied Science Review, 4(2), 468-477.

Maximiano, A. C. A. (2016). Introdução à Administração. Atlas.

Medeiros, A. B. de, Costa-Nunes, S., Moyzes-Sarsur, A., & Costa de Amorim, W.-A. (2019). Processo sucessório: O complexo desafio do desenvolvimento de lideranças. Estudios Gerenciales. https://doi.org/10.18046/j.estger.2019.151.3136

Miranda, C. V. dos S. (2019). Os impactos da proximidade da morte do fundador na gestão de uma empresa familiar. Trabalho de conclusão de curso (barachel em administração). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil. https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/27236

Muritiba, S. N., Muritiba, P. M., Domingues, L. M., Di Dio, G., & Zavarizzi, F. (2016). governança corporativa e sucessão em empresas familiares. Revista de Carreiras e Pessoas, 6(3). https://doi.org/10.20503/recape.v6i3.31062

Lisboa, J., Coelho, A., Coelho, F., & Almeida, F. (2004). Introdução à gestão de organizações. Barcelos: Vida Económica.

Ohtsuki, C. H. (2013). Como as organizações brasileiras identificam pessoas aptas a assumir atribuições e responsabilidades no contexto do processo sucessório: Um estudo de caso [Mestrado em Administração, Universidade de São Paulo]. https://doi.org/10.11606/D.12.2013.tde-26112013-203629

Oliveira, D. de P. R. (2000). Empresa Familiar: Como fortalecer o empreendimento e otimizar o processo sucessório. Atlas.

Oro, I. M., & Facin Lavarda, C. E. (2017). Interaction between strategy and organizational performance: The influence of family management. BBR. Brazilian Business Review, 14, 493-509.

Piccoli, E. R., Matte, J., Chais, C., Ganzer, P. P., Miri, D. H., & Olea, P. M. (2019). empresas familiares: um estudo sobre sucessão e continuidade. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, 6(1), 237–268. https://doi.org/10.21583/2447-4851.rbeo.2019.v6n1.152

Ricca, D. (1998). Da empresa familiar à empresa profissional. CL- A Cultural.

Robertsson, H.; Zellweger, T. & Hsueh, J. W-J. (2021). How the world’s largest family businesses are proving their resilience. https://familybusinessindex.com.

Rodrigues, J. (2019). Liderança e Sucessão em contexto de Empresas Familiares. ISLA Multidisciplinary e-Journal, 2(1), 16-32.

Rosa, H. C. (2019). A sucessão na empresa familiar: um estudo de caso na empresa polo sul logística. Repositório de Trabalhos de Conclusão de Curso. http://pensaracademico.unifacig.edu.br/index.php/repositoriotcc/article/view/895

Ruffatto, J., Pauli, J., & Ferrão, A. R. (2017). Influência do estilo de liderança na motivação e conflitos interpessoais em empresas familiares. Revista de Administração FACES Journal. https://doi.org/10.21714/1984-6975FACES2017V16N1ART3616

Santos, T. R., & Silva, J. O. (2018). A influência da família tem algum efeito? Análise da remuneração dos executivos das empresas familiares e não familiares. Revista de Contabilidade e Organizações, 12, 1-12.

Schreiber, D., & Froehlich, C. (2020). O processo de reposicionamento estratégico em uma empresa familiar do rio grande do sul. Revista Alcance, 27(1), 47-62.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas .SEBRAE. (2021a). Pais e filhos: os desafios e valores entre gerações de empreendedores

https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/ms/artigos/pais-e-filhos-os-desafios-e-valores-entre-geracoes-de-empreendedores,f646cf80c782c710VgnVCM100000d701210aRCRD#:~:text=De%20acordo%20com%20dados%20do,Brasil%20seguem%20o%20modelo%20familiar.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas .SEBRAE. (2021b). Guia completo sobre a gestão de empresas familiares. https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Arquivos/Guia%20sobre%20gesta%CC%83o%20de%20empresas%20familiares.pdf .

Silva, C. R. da, Cruz, A. P. C. da, Barbosa, M. A. G., & Machado, D. G. (2017). Uso do Sistema de Controle Gerencial como Instrumento de Implementação da Estratégia—O Caso de uma Empresa Familiar. Revista Contabilidade e Controladoria, 9(3). https://doi.org/10.5380/rcc.v9i3.53872

Silva, R. (2014). Processo sucessório na governança de organizações familiares: um estudo exploratório nas “Mehores Empresas. Revista de Carreiras e Pessoas (ReCaPe)| ISSN-e: 2237-1427, 4(1). https://doi.org/10.20503/recape.v4i1.19416

Silva, R. (2018). Estudos qualitativos: enfoques teóricos e técnicas de coleta de informações (Orgs). Sobral: edições UVA.

Simon, H. A. (1965). Comportamento administrativo: estudo dos processos decisórios nas organizações administrativas. Fundação Getúlio Vargas.

SOUZA, J. (2002). Gestão de empresa familiar: refletindo sobre suas peculiaridades e desafios. Salvador: FTE.

Teston, S. de F & Filippim, E. S. (2016). Perspectivas e desafios da preparação de sucessores para empresas familiares. Revista de Administração Contemporânea, 20,524-545.

Tillmann, C., & Grzybovski, D. (2005). Sucessão de dirigentes na empresa familiar: estratégias observadas na família empresária. Organizações & Sociedade, 12, 45-61.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. Atlas.

Troccoli, I. R., & Lisboa, F. (2018). Governança corporativa na empresa familiar. Revista Vianna Sapiens, 9(1), 32-32.

Vieira, A. C. P., Maccari, G. M., Freire, P. de S., Zilli, J. C. F., & Topanotti, A. P. (2014, dezembro 3). Análise de Modelos de Tomada de Decisão para Implantação em Empresas Familiares a Fim de Evitar Conflitos e Interferências. XIV Mostra de Iniciação Científica, Pós-graduação, Pesquisa e Extensão. XIV Mostra de Iniciação Científica, Pós-graduação, Pesquisa e Extensão. http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/mostraucsppga/mostrappga2014/paper/view/3764

Vinagre, L. M., Silva, S. W., Júnior, P. D. S. P., da Silva Souza, R., Gonçalves, J. E., & PEREIRA, W. F. (2017). O processo sucessório em uma empresa familiar: um estudo de caso em um supermercado de Varginha-MG. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 15(1), 689-700.

Vogt, M.; Haveroth, J.& Zonatto, V. C. da S. (2017). Efeito das Emoções na Tomada de Decisão Estratégica de uma Empresa Familiar de Santa Catarina. https://congressousp.fipecafi.org/anais/17UspInternational/ArtigosDownload/539.pdf

Published

09/02/2022

How to Cite

BRITO, T. S.; ONGARATTO, J.; BUENO , M. P. . Challenges and methods in managing the family business. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 3, p. e3011326267, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i3.26267. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26267. Acesso em: 16 jun. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences