Work and health conditions of health care agents: An integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26585

Keywords:

Occupational health; Health worker; Community health agents; Work conditions; Primary health care.

Abstract

Objective: To analyze national and international scientific production regarding the working and health conditions of health agents, from 2007 to 2017. Methodology: Integrative review of the working and health conditions of health agents, through an electronic search for articles indexed in the PUBMED, MEDLINE, SCIELO and LILACS databases, using the descriptors primary health care, occupational health, health personnel, community health workers, in english, from october to december 2017. After applying the inclusion and exclusion criteria and full reading 26 articles were part of this review, and were analyzed according to a standardized form, with data referring to authorship, journal, year of publication, population, objective and methodology. The extracted information was submitted to categorical content analysis. Results: There was a predominance of studies published in Brazil, in the state of São Paulo, with a quantitative approach. Of this material, 18 studies addressed health conditions and 15 pointed to risk factors at work. Among the inadequate conditions, they highlighted the difficulties imposed by living and working in the territory, environmental situations, exposure to solar radiation, violence and ergonomic risks. Work-related mental disorders among health workers were the most studied health problems, followed by skin problems, voice complaints and musculoskeletal system injuries. Conclusions: It was found that the working conditions and health of health agents point to the need for changes in work processes, in order to minimize potential negative effects on health, especially mental health.

References

Alcântara, M. A. & Assunção, A. Á. (2016). Influência da organização do trabalho sobre a prevalência de transtornos mentais comuns dos agentes comunitários de saúde de Belo Horizonte. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional ,41 (21)e2.

Almeida, J. F., Peres, M. F. T. & Fonseca, T. L. (2019). O território e as implicações da violência urbana no processo de trabalho dos agentes comunitários de saúde em uma unidade básica. Saúde e Sociedade, 28 (1).

Almeida, S., Baptista, P. & Silva. A.(2016). Cargas de trabalho e processo de deformação em Agentes Comunitários de Saúde. Revista Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, 50(1)95-103.

Araújo, F. C., Sousa, B. R. de M., Leite, G. G., Freitas, L. C. de, Lemos, E. L. da C. & Pires, C. A. A. (2016). Avaliação dermatológica de agentes comunitários de saúde sujeitos à fotoexposição em região tropical do Brasil. Scientia Medica, 26(4).

Barbosa, R. E. C., Assunção, A. Á. & Araújo, T. M. (2012). Distúrbios musculoesqueléticos em trabalhadores do setor saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 28 (8)1569-1580.

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. Edições 70. LTDA

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. (2006). A situação do câncer no Brasil, Rio de Janeiro, Instituto Nacional de Câncer - INCA Coordenação de Prevenção e Vigilância – Conprev.

Botelho, L. L. R., Cunha, C. C. de A. & Macedo, M. (2011). O MÉTODO DA REVISÃO INTEGRATIVA NOS ESTUDOS ORGANIZACIONAIS. Gestão E Sociedade, 5(11), 121–136.

Castro, T. A., Davoglio, R. S., Nascimento, A. A. J., Santos, K. J. S., Coelho, G. M. P. & Lima, K. S. B. (2017). Agentes Comunitários de Saúde: perfil sociodemográfico, emprego e satisfação com o trabalho em um município do semiárido baiano. Cadernos e Saúde Coletiva, 25(3), 294-301.

Cipriano, F. G., Ferreira, L. P., Servilha, E. A. M. & Marsiglia, R. M. G. (2013). Relação entre distúrbio de voz e trabalho em um grupo de Agentes Comunitários de Saúde. CoDAS, 25(6)548-56.

Cipriano, F. G. & Ferreira, L. P. (2011). Queixas de voz em agentes comunitários de saúde: correlação entre problemas gerais de saúde, hábitos de vida e aspectos vocais. Revista Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 16(2)132-9.

Cremonese, G. R., Motta, R. F. & Traesel, E. S. (2013). Implicações do trabalho na saúde mental dos Agentes Comunitários de Saúde. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 16(2), 279-293.

Darboe, A., Lin, IF. & Kuo, HW. (2026). Effort-rewardimbalanceand self ratedhealthamongGambianhealthcareprofessionals. BMC Health Serv Res, 16(125).

Dilélio, A. S., Facchini, L. A., Tomasi, E., Silva, S. M., Thumé, E., Piccini, R. X., Silveira, D. S., Maia, M. F. S., Osório, A., Siqueira, F. V., Jaardim, V. M. R., Lemões, M. A. M. &Borges, C. L. S. (2012). Prevalência de transtornos psiquiátricos menores em trabalhadores da atenção primária à saúde das regiões Sul e Nordeste do Brasil. Caderno de Saúde Pública, 28(3) 503-514.

Drebit, S., Shajari, S., Alamgir, H., Yu, S. &Keen, D. (2010). Occupationalandenvironmentalriskfactors for fallsamongworkers in thehealthcare sector. Ergonomics, 53(4), 525–536.

El-Gilany, A.-H., El-Wehady, A., &Amr, M. (2010). ViolenceAgainstPrimary Health CareWorkers in Al-Hassa, Saudi Arabia. JournalofInterpersonalViolence, 25(4), 716–734.

Facchini, L. A. (1993). Uma contribuição da epidemiologia: o modelo de determinação social aplicado à saúde do trabalhador. In: Buschinelli, J. T. P., Rocha, L. E. & Rigotto, R. M. (orgs.). Isto é trabalho de gente? Vida, doença e trabalho no Brasil. São Paulo: VOZES,178-186.

Fisekovic, M. B., Trajkovic, G. Z., Bjegovic-Mikanovic, V. M. & Terzic-Supic, Z. J. (2015). Does workplaceviolenceexist in primaryhealthcare? EvidencefromSerbia. Europeanjournalofpublichealth, 25(4), 693–698.

Ge, C., Fu, J., Chang, Y. & Wang, L. (2011). FactorsassociatedwithjobsatisfactionamongChinesecommunityhealthworkers: a cross-sectionalstudy. BMC publichealth, 11, 884.

Guida, H. F. S., Souza, K. R., Santos, M. B. M., Silva, S. M. C. L., & Silva, V. P. (2012). As relações entre saúde e trabalho dos agentes de combate às endemias da Funasa: a perspectiva dos trabalhadores. Saúde e Sociedade, 21(4)858-870.

Haikal D.S.'A., Santa-Rosa, T. T. A., Oliveira, P. E. A., Sales, L. O. S.,Silveira, L. O., Pereira, A. C. A., Macedo. C. C. S., Ferreira, R. C., Martins, A. M. E. B. L. &Ferreira, E. F. (2013). Qualidade de vida, satisfação e esforço/recompensa no trabalho, transtornos psíquicos e níveis de atividade física entre trabalhadores da Atenção Primária à Saúde. RevistaAtençãoPrimária à Saúde,16(3)301-312.

Jardim, T. A., Lancman, S. (2009). Subjective aspects of living and working within the same community: the realities experienced by community healthcare agents. Interface:Comunicação, Saúde, Educação,13(28)123-35.

Lancman, S., Ghirardi, M. I. G., Castro, E. D., &Tuacek, T. A. (2009). Repercussões da violência na saúde mental de trabalhadores do Programa Saúde da Família. Revista de Saúde Pública, 43(4) 682-8.

Leonelli, L. B., Andreoni, S., Martins, P., Kozasa, E. H., Salvo, V. L., Sopezki, D., Montero-Marin, J., Garcia-Campayo, J. & Demarzo, M. M. P. (2017). Estresse percebido em profissionais da Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Epidemiologia, 20(2) 286-298.

Lima, A. G., Silva, A. M. M. da, Soares, C. E. C., Souza, R. A. X. & Souza, M. C. M. R. (2010). Fotoexposição solar e fotoproteção de agentes de saúde em município de Minas Gerais. Revista Eletrônica De Enfermagem, 12(3), 478–82.

Lopes, D. M. Q., Beck, D. M. Q., Colomé, C. L., Prestes, F. C., Weiller, T. H., Colomé, J. S. & Silva, G. M. (2012). Agentes Comunitários de Saúde e as vivências de prazer - sofrimento no trabalho: estudo qualitativo. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46, (3), 633-40.

Malakouti, S. K., Nojomi, M., Salehi, M., &Bijari, B. (2011). Job stress andburnoutsyndrome in a sampleof rural healthworkers, behvarzes, in tehran, iran. Iranianjournalofpsychiatry, 6(2), 70–74.

Malcher, C. M. S. R., Tembra, A. L., Amorim, F. C., Souza, T. R. M. de, & Pessoa, M. dos S. (2019). Fotoproteção em Agentes Comunitários de Saúde (ACS) de Belém-PA. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 14(41), 1798.

Mascarenhas, C. H. M., Prado, F. O. & Fernandes, M. H. (2013).Fatores associados à qualidade de vida de Agentes Comunitários de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 18(5)1375-1386.

Mendes, K. D. S. Silveira, R. C. C. P. & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto e Contexto Enfermagem, 17(4)758-764.

Menegussi, J. M., Ogata, M. N. & Rosalini, M. H. P.(2014). O agente comunitário de saúde como morador, trabalhador e usuário em são Carlos, São Paulo. Revista Trabalho, Educação e Saúde, 12 (1) 87-106.

Mota, C. M., Dosea, G. S. & Nunes, P. S.(2014). Avaliação da presença da Síndrome de Burnout em Agentes Comunitários de Saúde no município de Aracaju, Sergipe, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 19(12) 4719-4726.

Nascimento, G. M. & David, H. M. S. L. (2008). Avaliação de riscos no trabalho dos agentes comunitários de Saúde: um processo participativo. Revista Enfermagem UERJ, v. 16(4) 550-6.

Roman, A. R. & Friedander, M. R. (1998). Revisão integrativa de pesquisa aplicada à enfermagem. Cogitare Enfermagem, 3(2)109-112.

Samudio, J. L. P., Brant, L. C., Martins, A. C. F. D. C., Vieira, M. P. & Sampaio, C. A. (2017). Agentes comunitários de saúde na atenção primária no Brasil: multiplicidade de atividades e fragilização da formação. Revista Trabalho. Educação e Saúde, 15(3)745-769.

Santos, L. F. B. & David, H. M. S. L. (2011). Percepções do estresse no trabalho pelos agentes comunitários de saúde. Revista Enfermagem UERJ, 19(1) 52-7.

Santos, I. E. R., Vargas, M. M. & Reis, F. P. (2014). Estressores laborais em agentes comunitários de saúde. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 14(3), 324-335.

Santos, M. G., Santos, M. G.,Ceretta, L. B., Schwalm, M. T.,Dagostim, V. S. &Soratto, M. T (2015). Desafios enfrentados pelos agentes comunitários de saúde na estratégia saúde da família. Revista Inova Saúde, 4(1)26-46.

Silva, A. T. & Menezes, P. R. (2008). Esgotamento profissional e transtornos mentais comuns em agentes comunitários de saúde. Revista de Saúde Pública, 42(5)921-9.

Souza, M. C. M. R., Hort, G. T., Melo, E. S. & Rocha, F. D. B. (2016). Câncer de pele: hábitos de exposição solar e alterações cutâneas entre agentes de saúde em um Município de Minas Gerais. Revista de Enfermagem do Centro-oeste Mineiro, Minas Gerais, 1(6)1945-1956.

Telles, S. H. & Pimenta, A. M. C. (2009). Síndrome de Burnout em agentes comunitários de saúde e estratégias de enfrentamento. Saúde e Sociedade,18(3)467-478.

Tinoco, M. M. (2025). A relação saúde/doença no processo de trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde: uma revisão de literatura. Dissertação. Mestrado em Saúde Pública. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.

Trindade, L. L., Gonzales, R. M. B., Beck, C. L. C. &Lautert, L. (2007). Cargas de trabalho entre os agentes comunitários de saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, 28(4)473-9.

Ursine, B. L., Trelha C. S. & Nunes E. F. P. A. (2010). O Agente Comunitário de Saúde na Estratégia de Saúde da Família: uma investigação das condições de trabalho e da qualidade de vida. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(122)327-339.

Wai, M. F. P. & Carvalho A. M. P. (2009). O trabalho do agente comunitário de saúde: fatores de sobrecarga e estratégias de enfrentamento. Revista Enfermagem UERJ, 17(4)563-8.

Published

05/03/2022

How to Cite

LOPES, F. Q. R. de S. .; ARAÚJO, T. M. de .; CERQUEIRA, S. S. B. .; DA SILVA GOMES, A.; SILVA, E. A. L. .; FREITAS, P. de S. P. .; HELIOTÉRIO, M. C. . Work and health conditions of health care agents: An integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 3, p. e50911326585, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i3.26585. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26585. Acesso em: 17 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences