Psychosocial care: expanding care in the construction of an articulated network in mental health

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26634

Keywords:

Psychosocial care; Mental health; Psychiatric reform.

Abstract

The substitutive services created from the regulatory legislation of the Psychiatric Reform compete to overcome the hospital-centered, institutionalized model, starting with an intervention model that privileges integral and territorialized care. The CAPS occupies a strategic place in the Psychiatric Reform process and in the articulation of the mental health care network, increasing the capacity of the local teams to resolve mental health problems. This study aims to analyze the contributions that matrix support can provide for the expansion of an articulated network in mental health. A qualitative study was carried out using the technique of semi-structured interviews, according to some thematic axes. As a method of analysis, thematic analysis was used. The results indicate that CAPS need to work in articulation with the network of health services, assuming a strategic role in this articulation and in the constant weaving of the network. Substitute services do not cover Mental Health, so Primary Care should enter to expand mental health coverage. CAPS occupies a strategic place, to reorganize mental health in the territory. Finally, articulation with the health network as a whole and with the community is essential, providing comprehensive care; Enabling the exchange of knowledge and experiences, in addition to advising the basic health units.

References

Bezerra, E. N. R. & Dimenstein, M. D (2008). O Caps e o trabalho em rede: tecendo o apoio matricial na atenção básica. Psicol. cienc. prof. 28(3), 632-645 https://doi.org/10.1590/S1414-98932008000300015

Brasil. (2005). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de saúde mental. Reforma Psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos serviços de saúde mental: 15 anos depois de Caracas. Brasília: OPAS.

Brasil. (2007). Ministério da Saúde. Coordenação Geral de Saúde Mental. Saúde Mental no SUS: acesso ao tratamento e mudança do modelo de atenção. Relatório da gestão 2003- 2006. Brasília/DF.

Brasil. Ministério da Saúde. (2004). Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação Geral de Saúde Mental. Saúde Mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília/DF, 2004.

Campos, G. W. S. & Domitti, A. C. (2007). Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde, Cadernos de Saúde Pública, 23(2), 399-407. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000200016

Campos, G. W. S. (2007). Subjetividade e administração de pessoal: considerações sobre modos de gerenciar o trabalho em equipes de saúde. In E.E Merhy & R Onocko Campos (Eds.), Agir em saúde: um desafio para o público. Hucitec.

Cecílio, L. C. O., & Matsmuto, N. F. (2006). Uma taxonomia operacional de saúde. In P. Roseni & R. Mattos (Orgs.), Gestão em redes: tecendo os fios da integralidade em saúde. CEPESC.

Dias, J. V. S. & Amarante, P. D. (2022). Educação Popular e Saúde Mental: Aproximando Saberes e Ampliando o Cuidado. Saúde em Debate, 46(132), 188-199. https://saudeemdebate.org.br/sed/issue/view/51

Dias, J. V. S. & Amarante, P. D. (2020). Saúde Mental e Educação Popular: possíveis diálogos. In C.A Paro, M.A.A, Lemões & R, Pekelman (orgs.), Educação Popular e a (re)construção de práticas cuidadoras, 2, Editora do CCTA, 135-154. Coletânea Educação Popular em Saúde.

Dimenstein, M. D., Lima, A. I. & Macedo, J. P. (2013). Integralidade em saúde mental: coordenação e continuidade de cuidados na atenção primária. In S Paulon & R Neves (eds.), Saúde mental na atenção básica: a territorialização do cuidado. Sulina.

Dimenstein, M. D., Severo, A. K. S., Brito, M., Pimenta, A. L., Medeiros, V. & Bezerra, E. N. R. (2009). O apoio matricial em unidades de saúde da família: experimentando inovações em saúde mental. Saude soc, 18(1), 63-74. https://doi.org/10.1590/S0104-12902009000100007

Feuerwerker, L. (2005). Modelos tecnoassistenciais, gestão e organização do trabalho em saúde: nada é indiferente no processo de luta para a consolidação do SUS. Interface Comunicação, Saúde e Educação, 9(18), 489-506.

Figueiredo, M. D. & Onocko Campos, R. (2008). Saúde mental e atenção básica à saúde: o apoio matricial na construção de uma rede multicêntrica. Saúde Debate, 32(78-79-80), 143-149. https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=406341773014

Leite, A. L. S. & Paulon, S. (2013). Atenção básica e desinstitucionalização da loucura: acionando competências dos agentes comunitários de saúde. In S. Paulon & R. Neves (Orgs.), Saúde mental na atenção básica: a territorialização do cuidado. Sulina.

Lima, A. F. (2018). (Re) pensando a saúde mental e os processos de desinstitucionalização. Histórias, intervenções e desafios ético-políticos. 15-224, Curitiba: Appris.

Martín-Baró, I. (1984). Guerra y Salud Mental. Estudios Centroamericanos, 429-430, 503-514.

Merhy, E. E. (2006) A rede básica como uma construção da saúde pública e seus dilemas. In E. E. Merhy & R. Onocko (Orgs.), Agir em Saúde. Um desafio para o público. Hucitec.

Merhy, E. E. (2012). Saúde e direitos: tensões de um SUS em disputa, molecularidades. Saude soc, 21(2), 267-279. https://doi.org/10.1590/S0104-12902012000200002

Minayo, M. C. S. (2010). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. (12a ed. Hucitec.

Nascimento, C. C. (2007). Apoio matricial em saúde mental: possibilidades e limites no contexto da reforma psiquiátrica. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Natal. Secretaria Municipal de Saúde. (2005). Relatório Anual de Gestão.

OMS. (2005). Organização Mundial da Saúde. Cuidados inovadores para condições crônicas: componentes estruturais de ação – relatório mundial.

Pitta, A. (2001). Reabilitação Psicossocial no Brasil. São Paulo: Hucitec.

Rotelli, F. (2015). Formação e construção de novas instituições em saúde mental. In F. Basaglia., F. Rotelli & G. Butti (Orgs.), Saúde mental, formação e crítica. Rio de Janeiro: Laps. p.37-50.

Yasui, S. (2010). Rupturas e encontros: desafios da reforma psiquiátrica brasileira. Editora Fiocruz.

Published

03/03/2022

How to Cite

BEZERRA, E. N. R. . Psychosocial care: expanding care in the construction of an articulated network in mental health. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 3, p. e47511326634, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i3.26634. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26634. Acesso em: 19 jun. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences