Physical-functional planning: Subsidy for food safety in meal production

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26844

Keywords:

Sizing; Physical Planning; Good Manufacturing Practices; Evidence-based facility design.

Abstract

Objectives: Evaluate the physical structure of a university restaurant according to the criteria for Good Manufacturing Practices, analyze the dimension of the sectors, the production flow and suggest a new layout. Methods: This is a study with descriptive design, carried out in a University Restaurant in Salvador, Bahia. The research was carried out in three stages: I - application of the checklist for the analysis of Good Manufacturing Practices; II - the physical dimensioning of the Unit was evaluated according to the literature, and the production flow through the floor plan; III - suggestion of new sizing and production flow. Results: The Unit obtained 65.03% (Group 2) of compliance with health legislation. The dimensioning of the Unit's sectors presented a reduction of, on average, 42.13% in relation to what is recommended in the consulted literature. The new proposed layout made better use of the spaces and expanded the production area by 102.18m² even without exceeding the space already available by the Institution, in addition to solving the problem of flow crossings. Conclusion: The Unit presented several inadequacies in relation to legislation and the requirements of Good Manufacturing Practices and undersized physical sizing presentation. These factors contribute to the increased risk of cross-contamination that can favor the occurrence of foodborne illnesses.

References

Associação Brasileira das Empresas de Refeições Coletivas – ABERC (2009). Manual ABERC de práticas de elaboração e serviço de refeições para coletividades. (9a ed.).

Alonso, C. M. P. et al. (2015). Capacitação de Manipuladores de Alimentos: Um estudo de caso em um restaurante universitário. Revista Higiene Alimentar, 29.

Bernardo, P. V. et al. (2014). Avaliação das boas práticas na produção de refeições na rede hoteleira de Belo Horizonte, MG. Cient. Ciênc. Biol. Saúde. 16(4): 265-270.

Brasil (a). (1978). Norma Regulamentadora - NR n°7. Programa de controle médico de saúde ocupacional. Portaria GM nº3.214, de 08 de junho de 1978. Ministério do Trabalho. Diário Oficial da União.

Brasil (b). (1978). Norma Regulamentadora - NR n°9. Programa de prevenção de riscos ambientais. Portaria GM nº3.214, de 08 de junho de 1978. Ministério do Trabalho. Diário Oficial da União.

Brasil (c). (1978). Norma Regulamentadora - NR n°17. Ergonomia. Portaria GM nº3.214, de 08 de junho de 1978. Ministério do Trabalho. Diário Oficial da União.

Brasil (d). (1978). Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978. Aprova as Normas Regulamentadoras do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), relativas à segurança e Medicina do Trabalho. Ministério do Trabalho. Diário Oficial da União.

Brasil (e). (1978). Norma Regulamentadora - NR n°24. Condições sanitárias e de conforto nos locais de trabalho. Ministério do Trabalho. Diário Oficial da União.

Brasil. (1997). Portaria n°326 de 30 de julho de 1997. Regulamento técnico sobre as condições higiênico-sanitárias e de boas práticas de fabricação para estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos. Ministério da Saúde. Diário Oficial da União.

Brasil. (2002). Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº275 de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o regulamento técnico de procedimentos operacionais padronizados aplicados aos estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos e a lista de verificação das boas práticas de fabricação em estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diário Oficial da União.

Brasil. (2004). Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº216 de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diário Oficial da União.

Cardoso, R. C. V. et al. (2010). Programa nacional de alimentação escolar: há segurança na produção de alimentos em escolas de Salvador (Bahia)?. Rev. Nutr. Campinas, 23(5):801-811.

Conselho Federal de Nutrição. (2018). Resolução do Conselho Federal de Nutricionistas - CFN nº600 de 25 de fevereiro de 2018. Dispõe sobre a definição das áreas de atuação do nutricionista e suas atribuições, indica parâmetros numéricos mínimos de referência, por área de atuação, para a efetividade dos serviços prestados à sociedade e dá outras providências. Disponível em: http://resolucao.cfn.org.br/

Correia, M. J. F. S., & Rocha, A. M. C. N. (2012). A importância dos fatores estruturais na garantia da segurança alimentar na produção de refeições para escolares. Demetra., 7(1); 39-46.

Food and Agriculture Organization of the United Nations. (1993). Codex Alimentarius. Code of Hygienic Practice for Precooked and Cooked Foods in Mass Catering. http://www.codexalimentarius.net/web/standard_list.jsp

Ferreira, M. A. et al. (2011). Avaliação de adequação às boas práticas em unidades de alimentação e nutrição. Rev. Inst. Adolfo Lutz., 70(2):230-235.

Vozes. http://www.adm.ufrpe.br/sites/ww4.deinfo.ufrpe.br/files/Fundamentos_de_Metodologia_Cienti%CC%81fica.pdf

Leal, J. P. N., et al. (2019). Avaliação das condições ambientais do restaurante escola de uma universidade pública de Pelotas – RS. RASBRAN - Revista da Associação Brasileira de Nutrição. 10(1):103-108.

Mezomo, I. F. B. (1994). A administração de serviços de alimentação. (4a ed.), Terra.

Sant’Ana, H. M. P. (2012). Planejamento físico-funcional de unidades de alimentação e nutrição. Rubio.

São José, J. F. B., Coelho, A. I. M., & Ferreira, K. R. (2011). Avaliação das boas práticas em unidade de alimentação e nutrição no município de Contagem-MG. Alim. Nutr. Araraquara, 22(3): 479-487.

Silva Filho, A. R. A. (1996). Manual básico para planejamento e projeto de restaurantes e cozinhas industriais. Varela.

Silva, A. L., & Rentes, A. F. (2012). Um modelo de projeto de layout para ambientes job shop com alta variedade de peças baseado nos conceitos da produção enxuta. São Carlos: Gest. Prod.,19(3); 531-541.

Silva Júnior, E. A. (2014). Manual de controle higiênico-sanitário em serviços de alimentação. (7a ed.), Varela.

Susin, V., et al. (2017). Condições higiênico-sanitárias, estruturais e de funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição. Vigil. sanit. Debate, 5(1):60-68. https://doi.org/10.22239/2317-269x.00820

Teixeira, S. M. F. et al. (1990). Administração aplicada às unidades de alimentação e nutrição. Atheneu.

Teixeira, S. M. F. G. et al. (1992). Índices para cálculos de unidades de alimentação e nutrição (UAN). Alimentos e Nutrição.

Published

03/03/2022

How to Cite

FERNANDES, B. C. .; LIRA, C. R. N. de .; FERREIRA, J. dos S.; FONSECA, M. da C. P. da. Physical-functional planning: Subsidy for food safety in meal production. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 3, p. e46111326844, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i3.26844. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26844. Acesso em: 20 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences