Interaction of Physics Teachers with their Students in the Use of ICTs in Teaching Elementary Particle Physics Through Digital Games

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i11.27085

Keywords:

Learning; Teacher; High School; Particle physics; Digital games.

Abstract

The teaching of Elementary Particle Physics (EPF), with the scarcity of didactic materials of Modern and Contemporary Physics in high school, we realized the need to develop a didactic sequence with the support of Information and Communication Technologies (ICTs), in learning based on in digital games. The teaching of physics was already very complicated for some students, with a poor understanding of the subject and its constant presence in the school routine. Currently, students of this generation, known as digital natives, live in a highly technological reality, with access to digital games in different ways. However, teachers must be inserted in this context, because this population plays in different styles, such as: RPG (Role-Playing Game), adventure, sport, strategy. Therefore, teachers must have knowledge not only of the subject taught, but also of the way in which these games work, in this way, passing on to the student the knowledge of FPE, through a language close to the student, facilitating the engagement for their learning, motivating them to knowledge and fun. Revision bibliographic study, as well as an exploratory study of research and activities already carried out in some public education institutions in Brazil. It was concluded that ICTs are present in the school routine, with the need for teachers to be increasingly updated, ahead of their students, with a view to offering teaching and learning in an easy, comprehensive, joyful way, making students have greater interest in the subject studied, through digital games, in order to demonstrate this methodology as a great potential, differentiating the methods already used.

References

Abdalla, M. C. B. (2006). O discreto charme das partículas elementares. Unesp.

Almeida, M. E. B. de. (2003). Educação a distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educação e Pesquisa, 29(2), 327-340.

Arruda, S. M., & Villani, A. (1996) Sobre as Origens da Relatividade Especial: Relações entre Quanta e Relatividade em 1905. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 13(1), 32-44.

Bachelard, G. (1991). A filosofia do não. Editora Presença.

BNCC, M. (2017). BNCC Ensino Médio. [S.l.]: MEC.

C.O.M. (2001). Tecnologias de informação e de comunicação no âmbito do desenvolvimento - O papel das TIC na política comunitária de desenvolvimento. COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Bruxelas: 770 p.

Carelli, G. (2003). O campeão do lazer. Revista Veja. São Paulo, 26, nov. Divertimento, p. 92.

Castro, M.R. de. (2010). Possibilidades das Tecnologias Digitais. In: Castro, M.R. de. Cultura digital e escola. Salto para o Futuro. 10, 27-35.

Coll, C., & Monero, C. (2010). Educação e aprendizagem do século XXI: novas ferramentas, novos cenários, novas finalidades. In: Coll, C., & Monero, C. Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e comunicação. Tradução Naila Freitas. Porto Alegre: Artmed.

Correia, T. M., Alves, M. F. C., & Correia, T. D. H. M. (2016). Revisão bibliográfica sobre a aplicabilidade educativa e institucional dos jogos digitais. Redin-Revista Educacional Interdisciplinar, 5(1).

Demo, P. (2011). Metodologia do conhecimento científico. Atlas.

Eisberg. R., & Resnick, R. (1979). Física Quântica: Átomos, Moléculas, Sólidos, Núcleos e Partículas. Editora Elsevier.

Fauth, A. C., Grover, A.C., & Consalter, D.M. (2010). Medida da vida média do múon. Revista Brasileira de Ensino de Física, 32(4), 4502 (1-7).

Ferreira, M. (2009). Como usar a música na sala de aula. (3a ed.), Contexto.

Freire, P. (1988). Pedagogia do Oprimido. Paz e Terra.

Godoy, A S. (1995). Pesquisa Qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, 35(3), 20-29.

Guimarães, O., Piqueira, J.R., & Carron, W. (2014). Física 3. Editora Ática.

Heidemann, L.A., Oliveira, Â.M.M.D., & Veit, E.A. (2021). Ferramentas online no ensino de ciências: uma proposta com o google does. Física na escola. 11(2), 30-33.

Hewitt, P.G. (2002). Física Conceitual. (9a ed.), Tradução: Trieste Freire Ricci e Maria Helena Ravina. Editora Bookman.

Kenski, V.M. (2011). Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. (5a ed.), Papirus.

Lévy, P. (2011). A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. Tradução Luiz Paulo Rouanet. Loyola.

Marconi, M. D. A., &Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científica. (5a ed.), Atlas.

Martins, A. S. (1999). Simetrias e Leis de Conservação na Mecânica Clássica. Revista Brasileira de Ensino de Física, 21(1), 33-39.

Moran, J. M. (2011). Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: Moran, J.M; Masetto, M.T.; Behrens, M.A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. (19a ed.), Papyrus.

Moran, J. M. (1999). Novas tecnologias e o re-encantamento do mundo. Tecnologia Educacional, 23(126), 24-26.

Moreira, M. A. (2009). Aprendizagem Significativa Crítica. (2a ed.), Editora Universidade de Brasília.

Moreira, M. A. (2019). O conceito de simetria na Física. Revista do Professor de Física. 3(2), 1-8.

Moreira, M. A. (2004). Partículas e interações. Física na escola. 5(2), 10-14.

Moreira, M. A. (1999). Teorias de Aprendizagem. EPU.

Moreira, M. A. (2011). Unidades de ensenanza potencialmente significativas-ueps. Aprendizagem Significativa em Revista, 1(2), 43.

Nascimento, K. S., Stamberg, C. S., & Lemke, C. E. (2017). Jogos educacionais: revisão bibliográfica com base em trabalhos publicados no cinted. Informática na educação: teoria & prática, 20(3).

Nitzke, J. A., Carneiro, M. L. F., & Franco, S. R. K. (2002). Ambientes de Aprendizagem Cooperativa Apoiada pelo Computador e sua Epistemologia. In: Informática na Educação: teoria & prática. Porto Alegre: UFRGS. Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação.

Novaes, M., & Studart, N. (2016). Mecânica Quântica Básica. Editora Livraria da Física.

Nussenzveig, H. M. (1997). Curso de Física básica: eletromagnetismo. Editora Blücher.

Odorico, E. K., Nunes, D. M., Moreira, A., Oliveira, H.M., & Cardoso, A. (2022). Análise do não uso do laboratório de informática nas escolas públicas e estudo de caso. In: Anais do Workshop de Informática na Escola. 1(1).

O’Luanaigh, C. (2022). New results indicate that new particle is a higgs boson. CERN-2013. <http://home.cern/about/updates/2013/03/new-results-indicate-new-particle-higgs-boson>.

Oliveira, I. S. (2010). Física Moderna para iniciados, interessados e aficionados. (2a ed.), Editora Livraria da Física.

Penteado, M. G. (1999). Novos atores, novos cenários: discutindo a inserção dos computadores na profissão docente. In: BICUDO, M.A.V. Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: Unesp, p.297.

Pereira, M. G. C. B. (2009). A Relação dos Jovens com as TIC e o Factor Divisão Digital na Aprendizagem. X Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia. ACTAS. Braga: Universidade do Minho.

Pinheiro, L. A., & Costa, S. (2021). Relato sobre a implementação de uma de aprendizagem sobre partículas elementares e interações fundamentais no ensino médio. Experiências em Ensino de Ciências, 12(9), 101-116.

Polato, A. (2019). Tecnologia + conteúdos = oportunidades de ensino. Revista Nova Escola. 223, 50.

Porto, T.M.E. (2006). As tecnologias de comunicação e informação na escola; relações possíveis... relações construídas. Revista Brasileira de Educação, 11(3)1.

Prensky, M. (2012). Aprendizagem baseada em jogos digitais. São Paulo: SENAC, p. 575.

Prensky, M. (2001). Digital natives, digital immigrants. On the Horizon. NBC University Press, 9(5).

Prensky, M. (2006). Digital natives, digital immigrants. On the Horizon. NBC University Press, 14(11).

Santos, A. F. (2015). Lavoisier nos livros didáticos: uma Análise à Luz da História da Ciência. 2015. 105 f. Dissertação (Mestrado em História da Ciência) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Silva, M. G. P. (1996). Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. Gente.

Silveira, M. P., & Kiouranis, N. M. M. (2008). A música e o ensino de química. Química nova na escola, 28, 28-31.

Siqueira, M., & Pietrocola, M. (2005). Revisando materiais em ensino médio sobre o tema física de partículas elementares. V ENPEC-Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino em Ciências, Bauru.

Teixeira, S. A. (2011). Fazendo pesquisa escolar na Internet. 175 p. Dissertação (Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos) –Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG: Belo Horizonte.

Tori, R. (2010). Educação sem distâncias: as tecnologias interativas na redução de distâncias em ensino aprendizagem. São Paulo: SENAC.

Van Der Berg, E., & Hoekzema, D. (2006). Teaching conservation laws, symmetries and elementary particles with fast feedback. Physics Education, 41(1), 47-56

Vieira, C. L., & Videira, A. A. P. (2011). O papel das emulsões nucleares na institucionalização da pesquisa em física experimental no Brasil. Revista Brasileira de Ensino de Física, 33(2), 1-11.

Vilela, L.R. (2007). A formação de educadores na Era Digital. Educação Temática Digital, 8(2), 12-22.

Published

19/08/2022

How to Cite

SILVA JÚNIOR, J. F. da . Interaction of Physics Teachers with their Students in the Use of ICTs in Teaching Elementary Particle Physics Through Digital Games. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 11, p. e180111127085, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i11.27085. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/27085. Acesso em: 3 oct. 2022.

Issue

Section

Review Article