Evaluation of family guidance provided to users of a Basic Health Unit in the city of Lagarto

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i4.27786

Keywords:

Chronic disease; Primary Health Care; Family Health Strategy.

Abstract

Objective: To evaluate the family orientation provided to users of a Basic Health Unit (BHU) located in the city of Lagarto-Se. Methods: This is an observational, analytical, cross-sectional and quantitative study carried out with users older than 18 years, assisted by the Basic Health Unit Dr. Davi Marcos in the municipality of Lagarto, Sergipe. We included people over 18 years of age, residents of the PHU area, who received or are seeking care. We used the Family Orientation component of the Primary Case Assessment Tool (PCATool) - Brazil adult version, besides the analysis according to the Brazil Criterion proposed by the Brazilian Association of Research Companies (ABEP). The Mann-Whitney and Kruskal-Wallis tests were used to verify the association between the sociodemographic variables. Results: The data obtained reflect a mostly female audience with a mean age of 56 years, elementary school education, low income and self-employed. The chronically ill represented 41% of the sample. As for family orientation, a mean score of 4.8 was obtained, classifying it as unsatisfactory, following the same classification when distinguishing between groups of patients and non-patients. Conclusion: The Family Orientation attribute is classified as unsatisfactory in the general public of PHC. In addition, it was seen an audience with the majority women, low income, with occupation of household activity or unemployed. The chronically ill represented a good portion of the population, and this group was also represented by women and those over 60 years of age.

References

Almeida, I. M. F. (2021). Estratégia para controle das Doenças Crônicas Não Transmissíveis e diminuição de novos casos no território da equipe Verde da Unidade Básica de Saúde São Bernardo em Belo Horizonte. Orientador: Daniela Coelho Zazá. Dissertação (Mestrado) - Curso de Especialização em Gestão do Cuidado em Saúde da Família. Minas Gerais.

Alves, L. C., Leimann, B. C. Q., Vasconcelos, M. E. L., Carvalho, M. S., Vasconcelos, A. G. G., Fonseca, T. C. O. (2007). A influência das doenças crônicas na capacidade funcional dos idosos do Município de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, 23(8): 1924-1930.

Antunes, B. S. (2015) Orientação familiar e comunitária da atenção primária à saúde dos municípios de procedência de crianças e adolescentes vivendo com HIV vinculados a um serviço especializado. Orientador: Stela Maris de Mello Padoin. Dissertação (Mestrado) – Curso de Mestrado do Programa de Pós-graduação em Enfermagem. Santa Maria, Rio Grande do Sul.

Araújo, J. P., Viera, C. S., Toso, B. R. G. O., Collet & N. Nassar, P. O. et al. (2014). Avaliação dos atributos de orientação familiar e comunitária na saúde da criança. São Paulo. Acta paul. enferm. 27(5):440-6.

Barbosa, K. T. F., & Fernandes, M. G. M. (2019). Vulnerabilidade Da Pessoa Idosa: desenvolvimento do conceito. Rev Bras Enferm. 73 (Suppl 3).

Barros, A L. B. A. (2022). Cuidados à população idosa. Rev. Longeviver, Ano IV, n. 13, 86.

Becker, R. M., Heidemann, I. T. S. B., Meirelles, B. H. S., Costa, M. F. B. N., Antonini, F. O., Durand, M. K. (2018). Práticas de cuidado dos enfermeiros a pessoas com Doenças Crônicas Não Transmissíveis. Rev. Bras. Enferm. 71, 2643-2649.

Bergalho, R. (2021). Como a Estratégia Saúde da Família ajuda a organizar o SUS? PEBMED.

Bifulco, V. A., Levites, M. (2018). A importância do cuidador no acompanhamento de doentes crônicos portadores de Alzhiemer. Archivos em Medicina Familiar, 2016-171.

Bispo, G. M. B., Rodrigues, E. M. D., Carvalho, A. C. O., & Lisboa, K. W. S. C. (2020). Avaliação do acesso ao primeiro contato na perspectiva dos profissionais. Rev. Bras. Enferm. 73(3).

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Organização do texto: Juarez de Oliveira. (4a ed.), Saraiva, 1990. 168p. (Série Legislação Brasileira).

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 28 p.: il.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: primary care assessment tool pcatool - Brasil / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção em Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância à Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes e recomendações para o cuidado integral de doenças crônicas não-transmissíveis: promoção da saúde, vigilância, prevenção e assistência / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância à Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2008. 72 p. – (Série B. Textos Básicos de Atenção à Saúde) (Série Pactos pela Saúde 2006; v. 8)

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: Anexo I da Portaria de Consolidação nº 2, de 28 de setembro de 2017, que consolida as normas sobre as políticas nacionais de saúde do SUS/ Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

Borges, M.; G. Campos, M. B.C., & silva, L. G. (2015). Transição da estrutura etária no Brasil: oportunidades e desafios para as próximas décadas. Mudança demográfica no Brasil no início do século XXI: Subsídios para as projeções das populações. Brasília, DF: IBGE.

Brotto, A. M. & Guimaraes, A. B. P. (2017) A influência da família no tratamento de pacientes com doenças crônicas. Psicol. hosp. 15(1), 43-68.

Buss, P. M. (2017). A saúde e seus determinantes sociais. Physis: revista de saúde coletiva, 17, 77-93

Chistofoletti, M., Duca, G. F. D., Gerage, A. M. & Malta, D. C. (2020). Simultaneidade de doenças crônicas não transmissíveis em 2013 nas capitais brasileiras: prevalência e perfil sociodemográfico. Rev Epidemiol. Serv. Saúde, 29 (1).

Costa, L. M., Higino, W. J F. Leal, F. J. & Couto, R. C. (2011). Perfil clínico e socioeconômico dos portadores de doença venosa crônica atendidos em centros de saúde de Maceió (AL). Vasc Bras 2012, 11(2).

Daschevi, J. M., Tacla, M. R. G., Alves, B. A., Toso, B. R. G. & Collet, N. (2015). Avaliação dos princípios da orientação familiar e comunitária da atenção primária à saúde da criança. Rev. Ciências Biológicas e da Saúde, 36(1), 31.

Viana, L. A. C. (2017). Determinantes sociais da saúde e da doença. In: Processos de trabalho em saúde e modelo de atenção. Belo Horizonte: NESCON: UFMG, 2017. 49- 63.

GOTIJO, T. L. (2017). Avaliação da atenção primária: o ponto de vista de usuários. Saúde debate, 41(114), 741-754.

Gunther, H. (2006). Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psic: Teor. e Pesq. 22(2), 201-209.

Harzheim, E., Pinto, L. F., Hauser, L. & Soranz, D. (2016). Avaliação dos usuários crianças e adultos quanto ao grau de orientação para Atenção Primária à Saúde na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Rev. Ciência & Saúde Coletiva, 21(5).

Medeiros, K. K. A. S., Coura, A. S., Junior, E. P. P., França, I. S. X. & Bousquat, A. (2018). O perfil do idoso na Atenção Primária à Saúde em uma cidade média do Brasil. Revista Kairós-Gerontologia, 21(2), 135-153.

Lima, S. C.S. (2014). Orientação familiar e comunitária na estratégia saúde da família da regional norte de Teresina/PI: avaliação a partir do usuário adulto. Orientador: Aluísio Ferreira de Lima. Dissertação (Mestrado) - Curso Saúde da Família na Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Fortaleza.

Malta, D. C., Neto, O. L. M., Silva, M. M. A., Rocha, D., Castro, A. M., Reis, A. A. C. & Akerman, M. (2016). Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS): capítulos de uma caminhada ainda em construção. Rev. Ciênc. saúde coletiva 21(6), 1683-1694.

Melo, S. P. S., Cesse, E. A. P., Lira, P. I. C., Rissin, A. Cruz, R. S. B. L. & Filho, M. B. F. (2017). Doenças crônicas não transmissíveis e fatores associados em adultos numa área urbana de pobreza do nordeste brasileiro. Rev Ciênc. saúde coletiva, 24, 3159-3168.

Mendes, E. V. (2012). O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.512 p.

Mendes; E. V. (2015). A construção social da atenção primária à saúde [Internet]. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS; 194 p.

Brasil. Ministério da saúde. Desempenho da Atenção Primária à Saúde no Brasil é alvo de pesquisa inédita. (2020). Brasília: Ministério da Saúde

Paula, W. K. A. S., Samico, I. C. Caminha, M. F. C., Filho, M. B. & Figueiro, J. N. (2017). Orientação comunitária e enfoque familiar: avaliação de usuários e profissionais da estratégia saúde da família. Rev. Saúde Coletiva, 25, 242-248.

Perillo, R. D., Bernal, R. T., Poças, K. C., Duarte, E. C. & Malta, D. C. (2020). Avaliação da Atenção Primária à Saúde na ótica dos usuários: reflexões sobre o uso do Primary Care Assessment Tool-Brasil versão reduzida nos inquéritos telefônicos. Rev. bras. epidemiol. [23, suppl.

Pinto, A. G. A., Jorge, M. S. B., Marinho, M. N. A. S. B., Vidal, E. C. F., Aquino, P. S. & Vidal, E. C. F. (2017) Experiences In The Family Health Strategy: Demands And Vulnerabilities In Theterritory. Rev Bras Enferm [Internet], 70(5), 920-7.

Polit, DF e Beck, CT (2011) Delineamento de Pesquisa em Enfermagem. In: Polit, DF e Beck, CT, Eds., Fundamentos de pesquisa em enfermagem: Avaliação de ensaios práticos de enfermagem, Artmed, Porto Alegre, 247-368.

Prates, M. L., Machado, J. C., Silva, L. S., Avelar, P. S., Prates, L. L., & Mendonça, E. T., (2017). Desempenho da Atenção Primária à Saúde segundo o instrumento PCATool: uma revisão sistemática. Rev. Ciênc. saúde colet., 22(6), 1881-1893.

Queiroz, R. O., Moroskoski, M., Shibukawa, B. M., Uema, R. T. B., Oliveira, R. R. & Higarashi, I. H. (2021). Orientação familiar e comunitária na adolescência: avaliação na estratégia da saúde da família. Rev. Latino-Am. Enfermagem.

Raupp, L. M. (2015) Doenças crônicas e trajetórias assistenciais: avaliação do sistema de saúde de pequenos municípios. Physis Revista de Saúde Coletiva, 25 [2]: 615-634.

Rego, A. S. (2021). Satisfação de pessoas com hipertensão acerca dos atributos da Atenção Primária à Saúde. Revista de Promoção da Saúde., 4(2), 219-229.

Santos, V. C. F.; K. A.; Ruiz, E. N. F.; Roese, A. & Gerhardt, T. E. (2013). Perfil das internações por doenças crônicas não-transmissíveis sensíveis à atenção primária em idosos da metade sul do RS. Rev. Gaúcha Enferm. 34(3), 124-131.

Sato, T. O., Ferminiano, N. T. C., Batistão, M. V., Moccellin, A. S., Driusso, P. & Mascarenhas, S. H. Z. (2017). Doenças Crônicas não Transmissíveis em Usuários de Unidades de Saúde da Família -Prevalência, Perfil Demográfico, Utilização de Serviços de Saúde e Necessidades Clínicas. Rev Brasileira de Ciências da Saúde, 21(1), 35-42.

Schmidt, M. I. & Duncan, B. B. (2011). O enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis: um desafio para a sociedade brasileira. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 20(4), 421-423.

Schralber, L. B., Gomes, R. & Couto, M. T. (2005). Homens e saúde na pauta da saúde coletiva. Ciência & Saúde Coletiva, 10(1).

Schimiziu, E. H.; et al. (2012). Users’ Perceptions of the Performance of the Family Health Strategy in the Greater Brasilia Area, Brazil. Departament of Public Health, Brazil, Primary Health Care, 2, 2167-1079.

Simões, T. C. (2021). Prevalências de doenças crônicas e acesso aos serviços de saúde no Brasil: evidências de três inquéritos domiciliares. Ciênc. saúde coletiva, 26(9), 3991-4006

Starfield, B. (2002) Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. UNESCO, Ministério da Saúde. 710 p.

Solla, J. & Chioro, A. (2008) Atenção ambulatorial especializada. In: Giovanella, Lígia, et al (Org). Políticas e sistemas de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, p. 1-37.

Theme Filha, M. M., Junior Paulo, R. B. S., Damacena, G. N., & Szwarcwald. (2015) Prevalência de doenças crônicas não transmissíveis e associação com autoavaliação de saúde: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev. bras. epidemiol., 18(2), 83-96.

Published

27/03/2022

How to Cite

SANTOS, G. G. de S. .; SANTOS, M. D. dos; COSTA, J. G. R. da .; ALBUQUERQUE, T. I. P. e; TELES, C. P. S. Evaluation of family guidance provided to users of a Basic Health Unit in the city of Lagarto. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 4, p. e59111427786, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i4.27786. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/27786. Acesso em: 1 mar. 2024.

Issue

Section

Health Sciences