Estimation of the viability of Brachiaria brizantha cv. MG-4 using the exudate pH test

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.28045

Keywords:

Germination; Brachiaria grass; Physiological quality.

Abstract

Forages play a key role in obtaining products of high biological value in Brazil. In view of this, the genus Brachiaria (synonym Urochloa) stands out for its rusticity and adaptation to the natural climate and soil. However, the species has difficulty germinating both in the field and in the laboratory, due to dormancy, affecting the uniformity of the pasture. The tests commonly used to determine the viability of the seed presente some inconveniences, such as the prolonged period of execution. In view of this, the rapid tests stand out for the speed in process, for later disposal of batches of inferior quality. Thus, the objective of the research is to analyze the efficiency of the pH test of exudate-phenolphthalein for seeds of Brachiaria brizantha cv. MG-4. The work followed a completely randomized design (DIC), in a 2 x 5 factorial scheme, with two seed lots (scarified and intact) and five soaking times (0, 30, 60, 90 and 120 minutes), with four replications. The test showed that intact seeds had greater viability, with 98.40% of seeds capable of originating normal seedlings. The soaking times of seeds for the test showed that with the increase in the period leads to a loss of approximately 8.51% of viability. For the species under study, the time of 0 minutes (control) allowed the identification of a greater number of viable seeds in relation to the other times. The pH test of exudate-phenolphthalein is efficient in estimating the viability of intact seeds of Brachiaria brizantha cv. MG-4. Seed treatment with sulfuric acid impaired the seed viability test.

Author Biographies

Felipe Souza da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia

Graduando do curso de Agronomia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO) - Campus Ariquemes.

Thassiane Telles Conde, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia

Doutora em Agronomia pela Universidade Estadual Paulista-UNESP(2020), Mestre em Ciências Ambientais pela UNIR (2016), graduada em Química pela Faculdade de Educação e Meio Ambiente (2012). É professora do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Rondônia - Campus Ariquemes atuando nas áreas de Ensino, Pesquisa e Extensão. Leciona as disciplinas de: Química Geral, Química Orgânica, Metodologia do Ensino de Ciências I e II. As principais linhas de pesquisa são: Recursos Hídricos e Metodologia do Ensino de Ciências/Química. Coordenadora de Polo EaD no Campus Ariquemes, do Curso de Especialização em Docência para o Ensino Profissional e Tecnológico em 2021

References

Amaral, A. S., & Peske, S. T. (1984). pH do exsudato para estimar, em 30 minutos, a viabilidade de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, 6 (3), 85-92.

Amaral, A. S., & Peske, S. T. (2000). Testes para avaliação rápida da qualidade fisiológica de sementes de trigo. Revista Brasileira de Agrociência, 6 (1), 12-15.

Andrade, A. C. (1994). Adaptação do teste rápido (pH do exsudato-fenolftaleína) para estimar a viabilidade de sementes de capim braquiária (Brachiaria decumbens Stapf). 67 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Escola Superior de Agricultura de Lavras.

Araldi, C. G., & Coelho, C. M. M. (2015). pH do exsudato na avaliação da viabilidade de sementes de Araucaria angustifólia. Floresta e Ambiente, 22 (3), 426-433.

Bisognin, M. B., Kulczynski, S. M., Ferrari, M., Gaviraghi, R., Pelegrin, A. J., & Souza, V. Q. (2016). Desempenho fisiológico de sementes olerícolas em diferentes tempos de hidrocondicionamento. Revista de Ciências Agrárias, 39 (3), 349-359.

Brasil. (2009). Regra para Análise de Sementes. MAPA.

Cabrera, A. C., & Peske, S. T. (2002). Testes do pH do exsudato para sementes de milho. Revista Brasileira de Sementes, 24 (1), 134-140.

Cardoso, E. D., Sá, M. E., Haga, K. I., Binotti, F. F. S., Nogueira, D. C., & Valério Filho, W. V. (2014). Desempenho fisiológico e superação de dormência em sementes de Brachiaria brizantha submetidas a tratamento químico e envelhecimento artificial. Semina: Ciência Agráriais, 35 (1), 21-38.

Carvalho, J. A., Pinho, E. V. R. V., Oliveira, J. A., Guimarães, R. M., & Bonome, E. T. (2002). Testes rápidos para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de Citromelo swingle. Revista Brasileira de Sementes, 24 (1), 263-270.

Conde, T. T., Codognoto, L. C., Faria, G. A., & Maltoni, K. L. (2021). Resposta fisiológica de sementes de alface imersas em águas destilada e piscicultura. Brazilian Journal of Development, 7 (4), 37490-37499.

Custódio, C. C. (2000). Efeito do ácido sulfúrico concentrado sobre o potencial fisiológico de sementes de Brachiaria brizantha (A. Rich.) Stapf cv. ‘Marandu’ e Brachiaria humidicola (Rendle) Schweick. cv. ‘Tully’ durante o armazenamento. 204 f. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas) – Universidade Estadual Paulista, Campus de Rio Claro.

Ferreira, C. D., Souza, A. M., Martins, R. C. C., Sales, F. C. V., Freire, A. L. O., & Costa, A. S. (2020). Potencial fisiológico de sementes de Peltogyne confertiflora (Mart. Ex Hayne) Benth, por testes bioquímicos. Brazilian Journal of Development, 6 (9), 66428-66439.

Ferreira, D. F. (2019). SISVAR: a computer analysis system to fixed effects split plot type designs. Revista Brasileira de Biometria, 37 (4), 529-535.

Figueiredo, T. G. (2000). Adaptação do teste rápido (pH do exsudato-fenolftaleína), para estimar a viabilidade de semente de cafeeiro (Coffe arabica L.). 62 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade Federal de Lavras.

França-Neto, J. B., & Krzyzanowski, F. C. (2018). Metodologia do teste do tetrazólio em sementes de soja. Embrapa Soja, 2018. 108p. (Documentos, 406).

Galle, N. B. C. (2018). Avaliação de métodos para a superação da dormência em sementes de Brachiaria (SYN Urochloa) brizantha cv. Marandu. 50 f. Monografia (Graduando em Engenharia Agrícola e Ambiental) – Universidade Federal de Mato Grosso.

Gonzales, J. L. S., Paula, R. C., & Valeri, S. V. (2009). Teste de condutividade elétrica em sementes de Albizia hassleri (Chodat) Burkart. fabaceae-mimosoideae. Revista Árvore, 33 (4), 625-634.

Hilst, P. C. (2009). Teste de coloração de exsudatos para avaliação da viabilidade de sementes de café (Coffe arabica L.). 56 f. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) – Universidade Federal de Viçosa.

Lapig. (2019). Atlas Digital das Pastagens Brasileiras. https://pastagem.org/atlas/map

Lima, K. N, Teodoro, P. E., Pinheiro, G. S., Pereira, A. C., & Torres, F. E. (2015). Superação de dormência em capim-braquiária. Nucleus, 12 (2), 167-174.

Machado, L. A. Z., Lempp, B., Valle, C. B., Jank, L., Batista, L. A. R., Postiglioni, S. R., Resende, R. M. S., Fernandes, C. D., Verzignassi, J. R., Valentim, J. F., Assis, G. M. L., & Andrade, C. M. S. (2010). Principais espécies forrageiras utilizadas em pastagens para gado de corte. In A. V. Pires (Ed.), Bovinocultura de corte (pp. 375-417). Piracicaba: FEALQ.

Marcos-Filho, J. (2005). Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. FEALQ.

Marcos-Filho, J. (2015). Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. ABRATES.

Matos, A. L. M. (2017). Análise de viabilidade de sementes de Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos através dos testes de condutividade elétrica, envelhecimento acelerado e pH do exsudato. 33 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade de Brasília.

Matos, J. M. M. (2009). Avaliação da eficiência do teste de pH de exsudato na verificação de viabilidade de sementes florestais. 75 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade de Brasília.

Matos, J. M. M., Martins, R. C. C., & Martins, I. S. (2009). Caracterização do teste de pH de exsudato pelo método individual para avaliação da viabilidade de sementes de Copaifera langsdorffii Desf. Heringeriana, 3 (1), 91-97.

Medeiros, L. T., Sales, J. F., Souza, R. G., Alves, B. A., & Freitas, N. F. (2013). Qualidade fisiológica de sementes de amendoim forrageiro submetidas a diferentes tempos e ambientes de armazenamento. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, 14 (3), 472-477.

Nani, T. F. (2015). Citogenética de espécies de Brachiaria: contribuições para a construção de mapas físicos. 124 f. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de Plantas) – Universidade Federal de Lavras.

Oliveira, T. M., Amaral, G. C., Farias, S. G. G., Alves, A. R., Maia, E. L., & Santos, L. M. (2013). Superação de dormência de sementes de mororó (Bauhinia forficata Linn.). Scientia Plena, 8(4(b).

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM.

Pereira, F. E. C. B. (2018). Testes para a avaliação do potencial fisiológico de sementes de Panicum maximum cvs. Mombaça, Massai e Tanzânia. 45 f. Tese (Doutorado em Agronomia) – Universidade Estadual Paulista.

Peske, S. T., Lucca-Filho, O. A., & Barros, A. C. S. A. (2006). Sementes: Fundamentos científicos e tecnológicos. UFPEL.

Peske, S. T., Rosenthal, M. A., Rota, G. R. M. (2003). Sementes: Fundamentos científicos e tecnológicos. Editora.

Rech, E. G., Vilela, F. A., & Tillman, M. A. (1999). Avaliação rápida da qualidade fisiológica de sementes de ervilha. Revista Brasileira de Sementes, 21 (2), 1-9.

Ribeiro, A. P. (2018). Estimativa da viabilidade das sementes de aveia preta por meio das características do exsudato. 54 f. Dissertação (Mestrado em Agricultura) – Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Sá, M. E, Oliveira, S. A., & Bertolin, D. C. (2011). Roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de sementes: análise de qualidade de sementes. Cultura Acadêmica.

Santana, D. C., Vieira, M. G. G. C., Carvalho, M. M., & Oliveira, M. S. (1998). Teste do pH do exsudato-fenolftaleína para rápida definição sobre o destino de lotes de sementes de milho. Revista Brasileira de sementes, 20 (1), 160-166.

Santos, J. F., Alvarenga, R. O., Timóteo, T. S., Conforto, E. C., Marcos Filho, J., & Vieira, R. D. (2011). Avaliação do potencial fisiológico de lotes de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, 33 (4), 734-751.

Souza, L. A., Carvalho, M. L. M., Kataoka, V. Y., & Oliveira, J. A. (2009). Teste de condutividade elétrica para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de mamona. Revista Brasileira de Sementes, 31 (1), 60-67.

Theodoro, J. V. C. (2013). Avaliação do potencial fisiológico de sementes de soja pelos testes de pH do exsudato, alagamento e índice de resistência ao endurecimento. 52 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Vasconcelos, A. D. M., Scardua, F. P., Martins, R. C. C., Souza, A. M., & Amorim, F. S. (2019). Viabilidade germinativa e condutividade elétrica em sementes de Amburana cearenses (Allemão) A.C Smith (Fabaceae). Revista Brasileira de Meio Ambiente, 7 (2), 98-104.

Viana, A. E. (2017). Análise de qualidade fisiológica de sementes de Handroanthus impetiginosus (Mart. Ex Dc.) Mattos. 38 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade de Brasília.

Published

19/04/2022

How to Cite

SILVA, F. S. da; NUNES, G. S.; CODOGNOTO, L. da C. .; CONDE, T. T. . Estimation of the viability of Brachiaria brizantha cv. MG-4 using the exudate pH test . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e4411628045, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.28045. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/28045. Acesso em: 18 may. 2022.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences