Study on cow's milk protein allergy and specific foods for allergic

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.28615

Keywords:

Food allergy; Infant formulas; Infants; Legislation.

Abstract

Cow's milk protein allergy (CMPA) is an inflammatory condition against some proteins present in cow's milk and is the most common food allergy in children. The objective was to evaluate infant formulas recommended for CMPA and develop specific and informative material about the studied subject. The work was done in two stages: (1) investigation of infant formulas for infants with CMPA in supermarkets and drugstores in the city, and (2) creation of educational material. A total of 30 formulas was found, 24 of them repeated, among the 13 investigated places, that was composed of six different formulas for evaluation, in three categories: hydrolyzed formulas, soy protein-based formulas, and free amino acid-based formulas. Infant formulas intended for infants with APLV have a higher marketing value than conventional infant formulas. Most of the formulas had nutrients according to the evaluated resolutions. The free amino acid formula was found in less variety and higher price. The educational material created brought information about what CMPA is, differences in symptoms, information about treatment, infant formulas for infants with CMPA, foods that should be excluded and which should be included, and five recipes that would originally contain milk. Overall, the study showed a good result in appropriate nutrients and labeling of special formulas. The booklet was prepared in a didactic way, easy to access and that brings the information of great help for parents or people with CMPA.

References

Alves, J. Q. N. & Mendes, J. F. R. (2013). Consumo dietético e estado nutricional em crianças com alergia à proteína do leite da vaca. Ciência saúde. 24 (1), 65-72.

Barbosa, N. E. A., Ferreira, N. C. J., Vieira, T. L. E., Brito, A. P. S. O. & Garcia, H. C. R. (2019). Intolerância à lactose: revisão sistemática. Pará Research Medical Journal. 4 (33), 1-10.

Brasil. (2006). Lei n° 11.265, de 13 de janeiro de 2006. Regulamenta a comercialização de alimentos para lactentes e crianças de primeira infância e também a de produtos de puericultura correlatos. Ministério da Justiça. Diário Oficial da União, Brasília.

Brasil. (2011a). RDC nº 43, de 19 de setembro de 2011. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diário Oficial da União, Brasília.

Brasil. (2011b). RDC nº 44, de 19 de setembro de 2011. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diário Oficial da União, Brasília.

Brasil. (2011c). RDC nº 45, de 19 de setembro de 2011. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diário Oficial da União, Brasília.

Brasil. (2015). RDC nº 26, de 2 de julho de 2015. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diário Oficial da União, Brasília.

Brasil. (2016). Aleitamento materno, distribuição de leites e fórmulas infantis em estabelecimentos de saúde e a legislação. Ministério da Saúde. Diário Oficial da União, Brasília.

Brasil. (2017). Perguntas e respostas: rotulagem de alimentos alergênicos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília.

Brasil. (2018). Portaria nº 67, de 23 de novembro de 2018. Torna pública a decisão de incorporar as fórmulas nutricionais à base de soja, à base de proteína extensamente hidrolisada com ou sem lactose e à base de aminoácidos para crianças de 0 a 24 meses com alergia à proteína do leite de Vaca (APLV) no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Ministério da Saúde. Brasília.

Brasil. (2019). Guia alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos. Ministério da Saúde. Brasília.

Brito, H. C. A., Brandão, H. F. C., Lins, T. I. S., Neves, C. M. A. F., Macêdo, D. J. N. & Silva, D. R. L. S. (2021). Estado nutricional e hábitos alimentares de crianças diagnosticadas com alergia a proteína do leite de vaca em dieta de exclusão. Brazilian Journal of Development. 7 (1), 10029-10042.

Cavenaghi, B., Sanches, M. R. A. & Diniz, S. N. (2013). A importância do tratamento de dessensibilização na alergia às proteínas do leite de vaca (APLV). Enciclopédia biosfera. 9 (17), 2883-2903.

Codex Alimentarius. (2020). Standard for infant formula and formulas for special medical purposes intended for infants. International food standards.

Conitec. (2018). Fórmulas nutricionais para crianças com alergia à proteína do leite de vaca. Ministério da Saúde, Brasília.

Corozolla, W. & Rodrigues, A. G. (2016). Intolerância à Lactose e Alergia à Proteína do Leite de Vaca: e o desafio de como diferenciá-las. Saúde em Foco. 8 (2), 219-228.

Cubides-Munévar, A. M., Linero-Terán, A. S., Saldarriaga-Vélez, M. A., Umaña-Bautista, E. J. & Betancourt, E. A. V. (2020). Diagnostic and therapeutic approach to cow’s milk protein allergy. Revista colombiana de gastroenterologia. 35 (1), 83-93.

Dolci, M. I. & Cury, C. (2016). Cartilha da Alergia Alimentar. Proteste associação de consumidores, São Paulo.

FAO. (2013). Milk and dairy products in human nutrition. Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, Roma.

Ferreira, J. M. S. & Pinto, F. C. H. (2012). Alergia alimentar: definições, epidemiologia e imunopatogênese. Revista Brasileira de Nutrição Clínica. 27 (3), 193-198.

Garcia, L. R. S., Brito, C. T. & Silva, J. V. E. (2018). Perfil nutricional de crianças atendidas pelo programa de controle de alergia à proteína do leite de vaca no município de Natal/RN. Revista Humano Ser. 3 (1), 1-18.

Giovannini, M., D’Auria, E., Cafarelli, C., Verduci, E., Barberi, S., Iacono, I. D., Martelli, A., Riva, E. & Bernardini, R. (2014). Nutritional management and follow up of infants and children with food allergy: Italian Society of Pediatric Nutrition/Italian Society of Pediatric Allergy and Immunology Task Force Position Statement. Italian Journal of Pediatrics. 40 (1), 1-12.

Hess, J. R. & Greenberg, N. A. (2012). The role of nucleotides in the immune and gastrointestinal systems: potential clinical applications. Nutrition in Clinical Practice. 27 (2), 281-294.

Martin, C. R., Ling, P. & Blackburn, G. L. (2016). Review of Infant Feeding: Key Features of Breast Milk and Infant Formula. Nutrients. 8 (5), 279-291.

Mathiús, L. A., Montanhali, C. H. S., Oliveira, L. C. N., Bernardes, D. N. D., Pires, A. & Hernandes, F. M. O. (2016). Aspectos atuais da intolerância à lactose. Revista Odontológica de Araçatuba. 37 (1), 46-52.

Mendonça, K. R. C., Nascimento, L. P., Mansour, I. B., Silva, A. L. F. S., Nobre, A. L. N. & Nascimento, L. P. (2020). Custos diretos dos responsáveis pelos pacientes portadores de alergia alimentar à proteína do leite de vaca em uma unidade básica de saúde em Belém. Brazilian Journal of Health Review. 3 (5), 12684-12699.

Miranda, C. C. S. & Gama, L. L. A. (2018). Inadequação da rotulagem de alimentos alergênicos: risco para indivíduos com hipersensibilidade alimentar. Demetra: alimentação, nutrição e saúde. 13 (3), 731-743.

Oliveira, A. R. V., Pires, T. O., Nascimento, L. P. C., Gonçalves, J. E. M., Nogueira, A. T. B. & Rolim, L. B. F. (2018). Alergia alimentar: prevalência através de estudos epidemiológicos. Revista de Ciências da Saúde Nova Esperança. 16 (1), 8-16.

Pereira, A. S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [free e-book]. Santa Maria/RS. Ed. UAB/ NTE/ UFSM.

Ramos, R. E. M., Lyra, N. R. S. & Oliveira, C. M. (2013). Food allergy: reactions and diagnoses. Journal of Management & Primary Health Care. 4 (2), 54-63.

Reis, P., Marcon, S. S., Batista, V. C., Marquete, V. F., Nass, E. M. A., Ferreira, P. C. & Ichisato, S. M. T. (2020). Repercussions of cow’s milk allergy from the perspective of mothers. Revista Rene. 21 (42929), 1-10.

Rosa, R. S. (2017). O exercício da sororidade entre mães de crianças com alergia a proteína do leite de vaca. Anais do Congresso Latino-Americano de Gênero e Religião. 5 (1), 576-585.

Sampaio, R. C. S. & Sousa, J. H. M. (2017). Intolerância a lactose vs. Alergia a proteína do leite de vaca: a importância dos sinais e sintomas. Nutrição Brasil. 16 (2), 111-116.

Skypala, I. & Mckenzie, R. (2019). Nutritional Issues in Food Allergy. Clinical Reviews in Allergy & Immunology. 57 (2), 166-178.

Solé, D. S. et al. (2018a). Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar: 2018 - Parte 1 - Etiopatogenia, clínica e diagnóstico. Documento conjunto elaborado pela Sociedade Brasileira de Pediatria e Associação Brasileira de Alergia e Imunologia. Arquivos de Asma, Alergia e Imunologia, São Paulo.

Solé, D. S. et al. (2018b). Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar: 2018 - Parte 2- Diagnóstico, tratamento e prevenção. Documento conjunto elaborado pela Sociedade Brasileira de Pediatria e Associação Brasileira de Alergia e Imunologia. Arquivos de Asma, Alergia e Imunologia, São Paulo.

Souza, C. C. F. (2017). Consumidores com intolerância ou alergia alimentar: um estudo exploratório sobre suas estratégias de compra. 63p. [Trabalho de Conclusão de Curso] Curso de Administração PUC- Rio, Rio de Janeiro.

Vanderhoof, J. A. (2015). In time: misuse and overuse of amino acid formulas in cow milk allergy. Revista Paulista de Pediatria. 33 (4), 379-380.

Verduci, E., Di Profio, E., Cerrato, L., Nuzzi, G., Riva, L., Vizzari, G., D'Auria, E., Giannì, M. L., Zuccotti, G. & Peroni, D. G. (2020). Use of Soy-Based Formulas and Cow's Milk Allergy: Lights and Shadows. Frontiers in Pediatrics. 8 (591988), 1-11.

Vieira, R. J. L. (2015). Alergénios alimentares: um estudo sinóptico. Run, Lisboa.

Published

20/04/2022

How to Cite

ZANETTI, J. T. .; SILVA, M. N. da. Study on cow’s milk protein allergy and specific foods for allergic. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e5811628615, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.28615. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/28615. Acesso em: 25 may. 2022.

Issue

Section

Health Sciences