Irrational use of emergency and your risks to women’s health

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.28619

Keywords:

Emergency contraceptives; Contraceptive method; Indiscriminate use.

Abstract

Introduction: Emergency contraceptives, known as "morning after pills", belong to the class of drugs used to prevent unwanted pregnancy. Excessive use of EC can cause several health problems and should be used in extreme need. Objective: To observe the abusive use of emergency contraceptives and the months with the highest rates of use. Methodology: This is a descriptive, qualitative research with a review of available scientific studies, in order to observe the consequences of excessive use and greater demands in 10 pharmacies in downtown Rio de Janeiro in order to record the months with the highest purchase rate. Final Considerations: The consequences of abusive use, the contraindications and diseases linked to this abuse were observed. The topic is extremely important and should be further addressed in scientific research. Based on the material collected, it was possible to conclude that the seasonality of purchases occurred sporadically between February and November.

References

Alano, G. M., Costa, L. N., Miranda, L. R., & Galato, D. (2012). Conhecimento, consumo e acesso à contracepção de emergência entre mulheres universitárias no sul do Estado de Santa Catarina. Ciência & Saúde Coletiva, 17, 2397-2404.

Almeida, A. C., Almeida, A. C., Costa, M. R., & Firmo, W. D. C. A. (2016). Conhecimento sobre a contracepção de emergência por adolescentes de uma escola pública de Lago Verde, Maranhão, Brasil. Uningá Review, 27(1).

Almeida, A. P. F. D., & Assis, M. M. D. (2017). Efeitos colaterais e alterações fisiológicas relacionadas ao uso contínuo de anticoncepcionais hormonais orais. Rev. Eletrôn. Atualiza Saúde, 5(5), 85-93.

Alves, C. A., & Brandão, E. R. (2009). Vulnerabilidades no uso de métodos contraceptivos entre adolescentes e jovens: interseções entre políticas públicas e atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 14, 661-670.

Angonesi, D., & Sevalho, G. (2010). Atenção Farmacêutica: fundamentação conceitual e crítica para um modelo Brasileiro. Ciência & saúde coletiva, 15, 3603-3614.

Bastos, S., Bonfim, J. R. D. A., Kalckmann, S., Figueiredo, R., & Fernandes, M. E. L. (2009). Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e procura da contracepção de emergência em farmácias e drogarias do município de São Paulo. Saúde e Sociedade, 18, 787-799.

Bataglião, E. M. L., & Mamede, F. V. (2011). Conhecimento e utilização da contracepção de emergência por acadêmicos de enfermagem. Escola Anna Nery, 15, 284-290.

Brambilla, A., Riechel, T., & Amadei, J. L. (2016). Contracepção de emergência e universitárias da área da saúde. Revista Sustinere, 4(2), 253-264.

Brandão, E. R., Cabral, C. D. S., Ventura, M., Paiva, S. P., Bastos, L. L., Oliveira, N. V., & Szabo, I. (2017). Os perigos subsumidos na contracepção de emergência: moralidades e saberes em jogo. Horizontes Antropológicos, 23, 131-161.

Brasil. (2012a). Ministério da saúde. Anticoncepção de Emergência: perguntas e respostas para profissionais de saúde. Brasília-DF, 2006. Estratégicos. Uso Racional de Medicamentos: temas selecionados. Brasília (DF): Ministério da Saúde. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Brasil. (2012b). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Protocolo para utilização do levonorgestrel. Brasília (DF): Ministério da Saúde. 8 p.

Brasil. (2015a). Ministério da saúde. Anticoncepção de Emergência: perguntas e respostas para profissionais de saúde. Brasília-DF, 2015.

Brasil. (2015b). Ministério da saúde. Anticoncepção de Emergência: Perguntas e respostas para profissionais de saúde. 2 a Ed. Revisada e Ampliada. Caderno n.3. Brasília- 24 DF.

Brasil. (2017). Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais: RENAME. Brasília (DF): Ministério da Saúde.

Brito, M. B., Nobre, F., & Vieira, C. S. (2011). Contracepción hormonal y sistema cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 96, e81-e89.

Carvalho, C., Pinheiro, M. D. R., Pinto Gouveia, J., & Vilar, D. (2017). Conhecimentos sobre sexualidade: Construção e validação de um instrumento de avaliação para adolescentes em contexto escolar. Revista Portuguesa de Educação, 30(2), 249-274.

Cavalcante, M. D. S., Soares, M. A., Feijó, C. M., & Fonteles, M. M. D. F. (2016). Perfil de utilização de anticoncepcional de emergência em serviços de atendimento farmacêutico de uma rede de farmácias comunitárias. Revista Eletrônica de Farmácia, 13(3), 131-139.

Cavalcanti, M. A. F., de Miranda, F. A. N., Alchiere, J. C., Júnior, J. M. P., de Oliveira, L. D. F. R., & do Nascimento, E. G. C. (2015). Adesão de adolescentes à camisinha masculina. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, 7(1), 1765-1773.

De Almeida, F. B., de Sousa, N. M. M., Barros, G. L., de Almeida, F. B., Farias, P. A. M., & Cabral, S. A. A. O. (2015). Avaliação do Uso de Anticoncepcionais de Emergência entre Estudantes Universitários. Revista Brasileira de Educação e Saúde, 5(3), 49-55.

dos Santos, A. A. P., Ferreira, C. C., & da Silva, M. L. (2015). Fatores que interferem na escolha do método contraceptivo pelo casal: revisão integrativa. Revista de APS, 18(3).

dos Santos, O. A., Borges, A. L. V., & do Nascimento Chofakian, C. B. (2014). Razões para não utilizar a anticoncepção de emergência: subestimação do risco de engravidar. Revista de Enfermagem e Atenção à Saúde, 3(2).

Elger, W., Beier, S., Pollow, K., Garfield, R., Shi, S. Q., & Hillisch, A. (2003). Conception and pharmacodynamic profile of drospirenone. Steroids, 68(10-13), 891-905.

Paiva, S. P., & Brandão, E. R. (2012). Contracepção de emergência no contexto das farmácias: revisão crítica de literatura. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 22, 17-34.

Pinto, A. P., & Tocci, H. A. (2003). O aborto provocado e suas consequências. Rev Enferm UNISA, 4, 56-61.

Poli, M. E. H., Mello, C. R., Machado, R. B., Pinho Neto, J. S., Spinola, P. G., & Tomas, G. (2009). Manual de anticoncepção da FEBRASGO. Femina, 37(9), 459-92.

Saito, M. I., & Leal, M. M. (2003). O exercício da sexualidade na adolescência: a contracepção em questão. Pediatria (São Paulo), 25(1/2), 35-42.

Souza, R. A. D., & Brandão, E. R. (2012). À sombra do aborto: o debate social sobre a anticoncepção de emergência na mídia impressa Brasileira (2005-2009). Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 16, 161-176.

Vargas, A. C., Paula, E. L., Pissolito, P. S., Mendes, A. B., Baptista, V. J., & Antunes, M. D. (2017). Uso indiscriminado de contraceptivo de emergência por universitárias no norte do Paraná. Braz. J. Surg. Clin. Res, Maringa, 20(1), 65-71.

Published

01/08/2022

How to Cite

BOMFIM, V. V. B. da S. .; BEHRENS, P. de A. C. .; SOBRINHO, W. D. .; ARAÚJO, P. da C. .; LIMA, T. M. dos S. .; SILVA, M. E. S. da .; MIRANDA, D. G. de .; NEVES, A. P. C. D. .; BASTOS, C. L. da S. T. .; BELOTA, L. H. A. .; BRAVO, A. F. . Irrational use of emergency and your risks to women’s health. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e299111028619, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.28619. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/28619. Acesso em: 30 nov. 2022.

Issue

Section

Health Sciences