Influential factors in the choice for Family and Community Medicine by medicine students from the sertão do Rio Grande do Norte

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.28633

Keywords:

Family practice; Medical education; Medical students; Health teaching.

Abstract

This article describes some factors that influence the choice of the Family and Community Medicine specialty by students from the first classes of the Medicine course at the Multicampi School of Medical Sciences of the Federal University of Rio Grande do Norte (UFRN), based in Caicó, in the state of Rio Grande do Norte. The objective of this study was to investigate the factors that influence the choice of Family and Community Medicine as a specialty, correlating them with the course's pedagogical project (PPC) and with the students' socioeconomic aspects. This is an exploratory research, with data collection through the application of a semi-structured questionnaire with 23 undergraduate students from the 9th, 10th, 11th and 12th periods, ensuring representativeness of each internship period. The results portray the analysis of the responses of the 23 medical students interviewed, according to a questionnaire with 17 questions. Most of the sample is male, half of the students are 25 years old or younger and only 25% of the students are over 27 years old and 60.87% come from a private school. As for the geographical origin of the students, 19 come from the interior of a state and only 4 from the metropolitan region and 95.65% were admitted to the university through some inclusion policy of the federal government. The results of the study demonstrate that students who choose Family and Community Medicine do so because of personal convictions, which may influence the course's pedagogical project, but also have roots in the students' life history. 

References

Alberti, H., et al. (2017) "'Just a GP': um estudo de método misto de enfraquecimento da Medicina de Família e Comunidade como uma escolha de carreira no Reino Unido." BMJ.

Alves-Mazzotti, A. J., & Gewandzsnajderm, F.. (1997). O Método nas Ciências Naturais e Sociais. Campinas, Papirus.

Blasco, P. G.(2002) Educação médica, medicina de família e humanismo: expectativas, dilemas e motivações do estudante de medicina analisadas a partir da discussão sobre produções cinematográficas. (Tese de Doutorado). São Paulo, FMUSP.

Bomfim, R. M. O. B. do. (2012) "Médico na estratégia saúde da família manter-se ou engajar-se? um estudo qualitativo sobre a permanência deste profissional na atenção primária à saúde."

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília/DF.

Brasil. Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e nº 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Brasília/DF.

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Mais Médicos – 2 anos: mais saúde para os brasileiros. Brasília/DF, 2015.

Cavalcante Neto, P. G., Lira, G. V., & Miranda, A. S. de. (2009). Interesse dos Estudantes pela Medicina de Família: Estado da Questão e Agenda de Pesquisa. Revista Brasileira de Educação Médica.

Chellappah, M. & Garnham, L. (2014) "Atitudes dos estudantes de medicina em relação à prática geral e fatores que afetam a escolha de carreira: um estudo por questionário." London Journal of Primary Care 6.6.

Corsi, P. R., et al. (2014) Fatores que influenciam o aluno na escolha da especialidade médica. Revista Brasileira de Educação Médica, p. 213-220.

Dalla Cost, E. T. T., Andrade, D. D. B. C., & Barbosa, C. C. H. (2018) "Percepção dos estudantes de medicina do UniCEUB sobre medicina de família e comunidade." Programa de Iniciação Científica-PIC/UniCEUB-Relatórios de Pesquisa 4.1.

Falk, J. W. (2004) A Medicina de Família e Comunidade e sua entidade nacional: histórico e perspectivas. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Rio de Janeiro, p. 5-10.

Gil, A. C. (2012). Métodos e técnicas de pesquisa social. (6ª ed.): Atlas.

Girardi, S. N., et al. (2017) "Preferências para o trabalho na atenção primária por estudantes de medicina em Minas Gerais, Brasil: evidências de um experimento de preferência declarada." Cadernos de Saúde Pública 33.

Gusso, G., & Poli Neto, P. (2012). Gestão da clínica. In: Gusso Gustavo; Lopes, José Mauro Ceratti (Orgs.). Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática: Artmed.

Issa, A. H. T. M., et al. (2017) Fatores influenciadores na escolha pela medicina de família segundo estudantes numa região neotropical do Brasil. Revista Educação em Saúde, p. 56-65.

Issa, A. H. T. M. (2013). Percepção dos discentes sobre a Estratégia de Saúde da Família e a escolha pela Medicina de Família e Comunidade. (Dissertação de Mestrado). Goiânia: UFG.

Jordan, J. J. B. B. & Grant, R. (2003). "Escolhendo a medicina familiar. O que influencia os estudantes de medicina?. “ Canadian Family Physician 49.9.

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M.(2003). Fundamentos de metodologia científica: Editora Atlas, (5ª ed.)

Martire Junior, L.. (2013) História da medicina: especializações médicas, uma história que não é de agora. Revista Ser Médico, nº 63, p. 36-38.

Massote, A. W., Belisário, S. A., & Gontijo, E. D. (2011) "Atenção primária como cenário de prática na percepção de estudantes de Medicina." Revista brasileira de educação médica 35.

Mello, G. A., et al. (2009) Médico de família: ser ou não ser? Dilemas envolvidos na escolha desta carreira. Revista Brasileira de Educação Médica, p. 475 – 482.

Melo, L. P. de., et al. (2017). A Escola Multicampi de Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil, no contexto do Programa Mais Médicos: desafios e potencialidades. Interface (Botucatu) [online], p.1333 -1343.

Minayo, M. C. de S. (2013). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Moreira, S. da N. T., et al. (2006). Processo de significação de estudantes do curso de medicina diante da escolha profissional e das experiências vividas no cotidiano acadêmico. Revista Brasileira de Educação Médica, p. 14-19.

Morin, E. (2000). Os sete saberes necessários à educação do futuro: Cortez Editora.

Olid, A. S., et al. (2012). "Percepções e atitudes de estudantes de medicina sobre a prática familiar: uma síntese de pesquisa qualitativa." BMC medical education 12.1.

Oliveira, F. P. de., Santos, L. M. P. dos., & Shimizu, H. E. (2019). Responsabilidade Social das Escolas Médicas e Representações Sociais dos Estudantes de Medicina no Contexto do Programa Mais Médicos. Revista Brasileira de Educação Médica, p. 473-483.

Oliveira, N. A. de., et al. (2008). Mudanças Curriculares no Ensino Médico Brasileiro: um Debate Crucial no Contexto do Promed. Revista Brasileira de Educação Médica, p. 333–346.

Oliveira, V. G. de., et al. (2014). Medicina de Família e Comunidade: breve histórico, desafios e perspectivas na visão de discentes de graduação. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Rio de Janeiro: p. 85-88.

Revell, J. (2001). Jogos de Escalas. Rio de Janeiro, FGVV.

Rodrigues, L. H. G., Duque, T. B., & Silva, R. M.da. (2020). Fatores associados à escolha da especialidade de Medicina de Família e Comunidade. Revista Brasileira de Educação Médica, p. 1-19.

Rotta, M. F. de O., & Nascimento, D. D. G. do. (2020). "Perspectivas profissionais e motivações de estudantes de Medicina para atuação na Estratégia Saúde da Família." Interface-Comunicação, Saúde, Educação 24.

Rotta, M. F. de O. (2019). Aspectos motivacionais de acadêmicos de medicina: perspectivas profissionais e atuação na Estratégia Saúde da Família. Diss.

Saigal, P., et al. (2007). "Fatores considerados por estudantes de medicina ao formular suas preferências de especialidade no Japão: descobertas de um estudo qualitativo." BMC Medical Education 7.1.

Sassi, A. P., et al. (2020). O Ideal Profissional na Formação Médica. Revista Brasileira de Educação Médica.

Scheffer, M. C., et al. (2018). Internal migration of physicians who graduated in Brazil between 1980 and 2014. Hum Resour Health.

Scheffer, Mário; et al. (2020). Demografia Médica no Brasil 2020. São Paulo, SP: FMUSP, CFM.

Scott Ian, W. B., Brenneis, Fr, Brett-Maclean, P., & Mccaffrey, L. (2007). Why would I choose a career in family medicine? Reflections of medical students at 3 universities. Can Fam Physician.; p.1956–1957.

Silva, P. J. C.da. (2006). O tratamento das paixões da alma nos primórdios da medicina moderna: o De victum romanorum de Alessandro Petronio. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., p. 64-75

Sousa, I. Q. de., Silva, C. P. da., & Caldas, C. A. M. (2014). Especialidade médica: escolhas e influências. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, p. 79-86.

Trindade, T. G., & Batista, S. R. (2016). Medicina de Família e Comunidade: agora mais do que nunca! Ciência & Saúde Coletiva, p. 2667-2669.

UFRN. CERES-FACISA. (2012). Projeto Pedagógico do Curso de Medicina. Natal/RN.

Watte, G., et al. (2015). Componentes determinantes na escolha da especialização em novos profissionais médicos. Revista Brasileira de Educação Médica, p. 193-195.

Wright, B., Scott, I., Woloschuk, W., Brenneis, F., & Bradley, J. (2004). Career choice of new medical students at three Canadian universities: family medicine versus specialty medicine. CMAJ - Canadian Medical Association Jornal; 170:1920-4.

Published

14/05/2022

How to Cite

SALLES, R. de A. N. .; AZEVEDO, G. D. de; BRAGA, L. P. . Influential factors in the choice for Family and Community Medicine by medicine students from the sertão do Rio Grande do Norte. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e3411728633, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.28633. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/28633. Acesso em: 6 jul. 2022.

Issue

Section

Education Sciences