From magic to imagination: the use of fairy tales by the Occupational Therapist

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.28993

Keywords:

Oncology; Occupational therapy; Fairy tale.

Abstract

Cancer is its invasive disease and causes a people's life and a people's life. A multiprofessional experience of interruption is necessary, where hospitalization is part, generating an experience of family rupture, providing preliminaries of their family and social interruption process, invasive interventions, in addition to pain. The general objective of this research was to understand the use of fairy tales as a therapeutic resource by the occupational therapist objective, with children and adults hospitalized for cancer treatment. Specific objectives: to identify, during the meetings, the stories of meaning, expressed through reports and/or expressive painting activity; to compare the differences in behavior and similarities in behavior in the meanings brought by and by adults in relation to fairy tales and possible in the same ones during the activity. This is an experience report, within a Hospital in Sergipe for cancer treatment, where meetings were held, in which the activities used fairy tales and expressive. Patients can be seen to make a significant contribution to the occupational therapist using fairy tales, highlighting sick subjects not only as active, but active, reactive beings, who have needs and dreams, in addition to a life story that can be considered. The main difference between children and adults was what children brought in the drawings and correlated the elements of the story that most caught their attention, while adolescents and adults correlated their lives with that tale.

References

Allegretti, F. E. (2019). Os contos de fadas como recurso terapêutico diante das questões da primeira infância. Evento: XXIV Jornada de Pesquisa. UNIJUÍ.

Anders, J. C.; Boemer, M. R. (1995). O contexto de um setor de radioterapia sob a perspectiva da literatura. Revista Gaúcha de Enfermagem; 16(1/2): 88-93.

Batista, D. R. R.& Mattos, M.; Silva, S. F. (2015). Convivendo com o câncer: do diagnóstico ao tratamento. Revista de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Maria, jul./set.; 5(3): 499-510.

Bettelheim, B. (1979). A psicanálise dos contos de fadas. Trad. Arlene Caetano. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Bettelheim, B. (2007). A Psicanálise dos Contos de Fadas. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Campbell, J. (1990). O poder do mito. Tradução de Carlos Felipe Moisés. São Paulo: Palas Athena.

Cardoso, W. M. G.; Chagas, W. E. C.& Costa, N. A. (2008). A Percepção das mães acompanhantes das crianças com câncer atendidas na casa da criança sobre atividade lúdica. In: X Encontro de Extensão da UFPB, João Pessoa.

Cashdan, S. (2000). Os sete pecados capitais nos contos de fadas: como os contos de fadas influenciam nossas vidas. Trad. Maurette Brandt. Rio de Janeiro: Campus.

Castro, A. S. V. P. (2008). Diálogos entre literatura clássica infantil e psicanálise. CES Revista, Juiz de Fora, 22, 267-281.

Coelho, N. N. (2003). O conto de fadas: símbolos mitos arquétipos. São Paulo: DCL.

Coelho, N. N. (2000). Literatura Infantil. São Paulo: Moderna.

Corso, D. L.& Corso, M. (2006). Fadas no divã: psicanálise nas histórias infantis. Porto Alegre: Artmed.

De Carlo, M. M. R. P.; Bartalotti, C.& Palm, R. (2004). A terapia ocupacional em reabilitação física e contextos hospitalares: fundamentos para a prática. In: De Carlo M.M.R.P., Luzo, M. C., organizadores. Terapia ocupacional: reabilitação física e contextos hospitalares. São Paulo: Roca.

Diegues, S. R. S & Pires, A. M. T. (1997). A atuação do enfermeiro em radioterapia. Revista Brasileira de Câncer; 43(4), 251-5.

Falconi, I. M.& Farago, A. C. (2015). Contos de Fadas: origem e contribuições para o desenvolvimento da criança. Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade, Bebedouro, SP, 2(1), 85-111.

Freire, M. E. M.; Sawada, N. O.; França, I. S. X.; Costa, S. F. G. & Oliveira, C. D. B. (2014). Qualidade de vida relacionada à saúde de pacientes com câncer avançado: uma revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP; 48(2), 357-67.

Guerrero, G. P.; Zago, M. M. F.; Sawada, N. O.& Pinto, M. H. (2011). Relação entre espiritualidade e câncer: perspectiva do paciente. Revista Brasileira de Enfermagem, jan-fev.; 64 (1), 53-59.

INCA. Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva. (2012). Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Coordenação de Educação ABC do câncer: abordagens básicas para o controle do câncer. 2ª ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: INCA.

INCA/MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2009). Estimativa 2010: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro.

Joaquim, R. H. V. T.; Soares, F. B.; Figueiredo, M. O. & Brito, C. M. D. (2017). Terapia ocupacional e oncologia pediátrica: caracterização dos profissionais em centros de referência no Estado de São Paulo. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, jan.-abr.; 28 (1), 36-45.

Kudo, A. M.& Pierri, S. A. D. (1994). Terapia ocupacional com crianças hospitalizadas. In: KUDO, A.; et al. Fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional em pediatria. 7a ed. São Paulo: Sarvier, 194-203.

Machado, D. T. (2012). Onde moram as fadas? Da origem à permanência do imaginário infantil. Monografia Apresentada ao curso de graduação em Letras da Universidade Católica de Brasília.

Mitre, R. M. A. (2000). Brincando para viver: um estudo sobre a relação entre a criança gravemente adoecida e hospitalizada e o brincar [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Instituto Fernandes Figueira.

Oliveira, L. (2002). Tratado de Metodologia Científica. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Oliveira, A. S; Silva, A. A.; Albuquerque I.& Akashi, L. T. (2003). Reflexões sobre a prática de terapia ocupacional em oncologia na cidade de São Carlos. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, 11 (2).

Palm, R. C. M. (2007). Oncologia. In: CAVALCANTI, A.& GALVÃO, C. Terapia Ocupacional: Fundamentação e Prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Sanchez, K. O. L.; Ferreira, N. M. L. A.; Dupas, G.& Costa, D. B. (2010). Apoio social à família do paciente com câncer: identificando caminhos e direções. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, março-abril, 63(2), 290-9.

Sarti, M. H. C. (1989). A criança hospitalizada: contribuição do desenho da figura humana para avaliação do seu estado emocional. 1988. 131 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Schneider, R. E. F.& Torossian, S. D. (2009). Contos de fadas: de sua origem à clínica contemporânea. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, 1 (2), p. 132-148, agosto.

Silva, R. F.; Bezerra, V. F.& Oliveira, S. F. (2018). A contribuição dos contos de fadas no processo de aprendizagem das crianças. Coloquium Humanarum, jul-dez.; 15(2), , 22-26.

Silva, R. C. F.& Hortale, V. A. (2006). Cuidados paliativos oncológicos: elementos para o debate de diretrizes nesta área. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 22(10).

Souza, L. P. S.; Silva, R. K. P.; Amaral, R. G.; Souza, A. A. M. Mota, E. C.& Silva C. S. O. (2012). Câncer infantil: sentimentos manifestados por crianças em quimioterapia durante sessões de brinquedo terapêutico. Revista Rene. Fortaleza, 13(3), 686-92.

Takatori, M. (2003). Reflexões sobre a clínica da terapia ocupacional. São Paulo: Atheneu.

Trufelli, D. C.; Miranda, V. C.; Santos, M. B. B.; Fraile, N. M. P.; Pecoroni, P. G.; Gonzaga, S. F. R.; Riechelmann, R.; Kaliks, R.& Del Giglio, A. (2008). Análise do atraso no diagnóstico e tratamento do câncer de mama em um hospital público. Revista da Associação Médica Brasileira. 54(1), 72-76.

Valle, E. R. M. (1994). Vivências da família da criança com câncer. In: Carvalho MM, organizador. Introdução à psico-oncologia. Campinas: Psy.

Valle, E. R. M. (1997). Câncer infantil – compreender e agir. Campinas: Psy, 205p.

Vincent, S. P. (2007). Educação permanente: componente estratégico para a implementação da política nacional de atenção oncológica. Revista Brasileira de Cancerologia; 53(1), 79-85.

Published

25/04/2022

How to Cite

SILVA, C. S. .; ANDRADE, L. F. .; AZEVEDO, I. E. de .; FARIAS, M. L. F. de .; HERNANDES, R. S. . From magic to imagination: the use of fairy tales by the Occupational Therapist . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e19111628993, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.28993. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/28993. Acesso em: 28 may. 2022.

Issue

Section

Health Sciences