Nurses' perception regarding nursing assistance to the newborn with heart disease: integrative literature review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29007

Keywords:

Nursing care; Newborn; Congenital heart disease; Teaching.

Abstract

Introduction: The rate of children with congenital heart disease is only increasing. This anomaly is characterized by abnormalities in the structure and development of the heart, causing failure in its functions, resulting from changes in the baby’s embryonic development during pregnancy. Objective: To analyze the perception of nurses in relation to the care provided by the nursing team to newborns with heart disease, according to the literature, through research. Methodology: This is a literature review study, with the purpose of systematically organizing the results obtained through the research. Result: The work of nurses during the care process was identified in the study, highlighting the importance of being on the triage line when receiving the RN with heart disease, performing adequate nursing care, which in the face of the implementation of a nursing care system with processes of nursing with intervention, patient assessment and identification of signs and symptoms that lead to early diagnosis. In addition, the main risk factors that lead to newborn deaths can be exemplified. Conclusion: It is concluded that the Systematization of Nursing Care is responsible for the production and care line of the nursing team, coordinates the care process and improves care so that the care plan is monitored, risk factors identified and the early diagnosis of congenital heart disease with the multidisciplinary team.

References

Almeida, M. M. R. et al. (2016). Anomalia de Ebstein: relato de caso. Rev Med Saude, 5(2), 246-254.

Almeida, M. T. G., Galindo filho, P. J. S., França, A. M. B. et al. (2020). Cardiopatia congênita em crianças: caracterização do perfil clínico. UNIT-AL. Maceió: UNIT.

Andrade, S. M., Stefano, S. R., & Zampier, M. (2017). Metodologia de Pesquisa. 14. Paraná: UNICENTRO.

Baffa, J. M. (2015). Tetralogia de Fallot. Manual MSD. Canadá. https://www.msdmanuals.com/pt-pt/profissional/pediatria/anomalias-cardiovasculares-cong%C3%AAnitas/tetralogiadefallot#:~:text=reparo%20cir%C3%BArgico%20imediato.,Tratamento%20definitivo,retalho%20da%20art%C3%A9ria%20pulmonar%20principal

Barbosa, M. D. G. (2019). Cardiopatia congênita infantil: estudo dos aspectos miofuncionais orofaciais, comportamento alimentar e temperatura facial. Dissertação de mestrado (fonoaudiologia). São Paulo: UNIFESP.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. 70, 229. São Paulo.

Belo, W. A., Oselame, G. B., & Neves, E. B. (2016). Perfil clínico-hospitalar de crianças com cardiopatia congênita. Cad. Saúde Colet. 24(2), 216-220. Rio de Janeiro.

Brasil (2017). Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.727, de 11 de julho de 2017. Brasília.

Borges, F. G. et al. (2015). Prevalência de cardiopatia congênita em recém-nascidos no hospital maternidade Dona Íris. Revista Da Sociedade Brasileira De Ultrassonografia. 25, 19-23.

Born, D. (2009). Cardiopatia congênita. Arq. Bras. Cardiol. 93(6), 130-132.

Bortolotto, D.T. (2015). Cardiopatias Congênitas, um novo olhar: diagnóstico e tratamento. Revista SOCESP, 25(3), 1-60.

Chaves, K. N. et al. (2020). Perfil clínico-epidemiológico de crianças portadoras de cardiopatias congênitas submetidas à correção cirúrgica em serviço de referência no Estado de Alagoas. Caderno de Graduação - Ciências Biológicas e da Saúde. 6(1), 99. ALAGOAS: UNIT

Costa, M. F. S., Junior, S. C., & Magluta, C. (2018). Análise da distribuição dos nascimentos com marcadores de gravidade em maternidades com unidade de terapia intensiva neonatal no Sistema Único de Saúde. Cad. Saúde Colet., 26(2), 125-130. Rio de Janeiro.

Costa, M. S. M. D. (2019). Embolia Paradoxal na Anomalia de Ebstein. Universidade de Lisboa.

Farah, M. C. K., & Villela, G. C. (2018). Cardiopatia Congênita.

Felice, B. E. L., Werneck, A. L., & Ferreira, D. L. M. (2021). Políticas Públicas: a importância da aplicabilidade efetiva para detecção precoce da cardiopatia congênita. Research, Society and Development, 10(11), e56101119371. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i11.19371

Freire, R. M. A. de C., Tressoldi , K. de P., Frizzo , R. J., Mori, J de S. M., Rafael , D. I.., Pinto , J. M.., & Amorim, L. (2021). Possíveis fatores de risco para o desenvolvimento em crianças com cardiopatia congênita. Research, Society and Development, 10(11), e83101119138. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i11.19138

Freitas, C. B. S., & Teixeira, G. M. (2016). Sepse neonatal: fatores de risco associados. Revista Científica Univiçosa, 8(1), 883-889.

Hom, L. A., & Martin, G. R. (2016). Newborn critical congenital hearth disease screening using pulse oximetry: nursing aspects. Am J Perinatol, 33(11), 1072-5.

Klug, J., Hall, C., Delaplane, E. A, Meehan, C., Negrin, K., Mieczkowski, D., Russel, S. K., Hamilton, B. O., Hehir, D. A., & Sood, E. (2020). Promoting Parent Partnership in Developmentally Supportive Care for infants in the Pediatric Cardiac Intensive Care Unit. Adv Neonatal Care. 20(2), 161-170.

Lamy, Z. C., Gomes, R., & Carvalho, M. (1997). A percepção de pais sobre a internação de seus filhos em unidade de terapia intensiva neonatal. Jornal de Pediatria, 73(n.esp), 293-299.

Lima, V. F., Mazza, V. A., Mor, L. M., & Pinto, N. M. G. R. (2017). Vivência dos familiares de prematuros internados em unidade de terapia intensiva neonatal. REME rev. min. Enferm, 21, 1-8.

Lima, T. G., Silva, M. A., & Siqueira, S. M. C. (2018). Diagnóstico e cuidados de enfermagem ao neonato com cardiopatia congênita. Rev. Soc. Cardiol, 28(1), 101-109. Säo Paulo.

Maia, J. A., Pereira, L. A., & Menezes, F. A. (2015). Consequências do uso de drogas durante a gravidez. Revista Enfermagem Contemporânea, 4(2), 121-128.

Magalhães, S. S., Queiroz, M. V. O., & Chaves, E. M. C. (2019). Instructional design for nursing care to neonates with congenital heart defects. Texto & Contexto Enfermagem. 28.

Magalhães, S. S., Chaves, E. M. C., & Queiroz, M. V. O. (2016). Cuidados da enfermagem neonatal ao bebê com cardiopatia congênita: revisão integrativa. Online braz. j. Nurs. (Online), 15(4), 724-734.

Mclntyre, A. M., Lindeman, C., & Bernales, M. (2018). Barriers and Facilitators perceived by the health team for the implementation of pre and post ductal saturometry as a method of detection of congenital heart diseases in newborns, pior to discharge. Rev Chil Pediatr, 89(4), 441-447.

Nunes, R. M., Nunes, M. R., Assunção, I. A., & Lages, L. S. (2019). Sistematização da assistência de enfermagem e os desafios para sua implantação na unidade de terapia intensiva: uma revisão de literatura. Rev. UNINGÁ, 56(S2), 80-93. Maringá.

Oliveira, C. G. (2018). Cardiopatias congênitas uma revisão da literatura. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA.

Oliveira, M. R., Almeida, P. C., Moreira, T. M. M., & Torres, R. A. M. (2019). Sistematização da assistência de enfermagem: percepção e conhecimento da enfermagem Brasileira. Rev Bras Enferm, 72(6), 1625-1631.

Pavão, T. C. A., Souza, J. C. B., Frias, L. M. P., & Silva, L. D. C. (2018). Diagnóstico precoce das cardiopatias congênitas: uma revisão integrativa. J Manag Prim Health Care, 1-24.

Peterson, J. K. (2018.). Supporting Optimal Neurodevelopmental Outcomes in infants and Children With Congenital Heart Disease. Crit Care Nurse, 38(3), 68-74.

Peterson, J. K., & Evangelista, L. S. (2017). Developmentally supportive Care in Congenital Heart Disease: A concept Analysis. J Pediatr Nurse. 36, 241-247.

Pissaia, L. P., Costa, A, E, K., Moreschi, C., Rempel, C., Carreno, I., & Granada, D. (2018). Impacto de tecnologias na implementação da sistematização da assistência de enfermagem hospitalar: uma revisão integrativa. R Epidemiol Control Infec, Santa Cruz do Sul, 8(1), 92-100.

Ramos, C. A. (2010). A assistência de enfermagem a criança hospitalizada por cardiopatia congênita. Dissertação (mestrado). São Paulo: Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

Ribeiro, G. C., & Padoveze, M. C. (2018). Sistematização da Assistência de Enfermagem em unidade básica de saúde: percepção da equipe de enfermagem. Rev Esc Enferm USP, 52 (n.esp), 1-7.

Ribeiro, L. B., Brito, E. C., & Rosa, A. C. G. (2022). Fendas orofaciais e cardiopatias congênitas: existe relação?. Research, Society and Development, 11(5), e36711528469. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i5.28469

Ringle, M. L, Wernovsky, G. (2016). Functional, quality of life, and neurodevelopmental outcomes after congenital cardiac surgery. Semin Perinatol, 40(8), 556-570.

Romanowski, F.; Castro, M.; & Neris, N. (2019). Manual de tipos de estudos, 39. Anápolis: Centro Universitário de Anápolis.

Santos, S. E. J. (2020). Assistência do (a) enfermeiro (a) à criança hospitalizada por cardiopatia congênita: revisão integrativa de literatura. Monografia (bacharelado em enfermagem). Governador Mangabeira: FAMAM.

Silva, A. R. S., Silva, F. D., Moura, C. M., Santos, R. M., Luna, T. R., & Barbosa, F. K. (2017). Avanços no processo de tratamento da tetralogia de Fallot. Revista UNILUS Ensino e Pesquisa, 14(37), 21-31.

Silva, I. A., Campos, F. L. M., Nascimento, M. H. M., & Cruz, M. N. S. (2019). Desenvolvimento em cardiopatas congênitos – Avaliação e conduta de enfermagem. Para Res Med J, 3(2), 1-12.

Silva, A. J. H. (2014). Metodologia de pesquisa: Conceitos gerais. 57. Paraná: UNICENTRO.

Silva, A. L., Vieira, T. S., Ferreira, T. M. C., Oliveira, R. R. M. S., & Soares, A. (2020). Caracterização de crianças com cardiopatias congênitas em um hospital no estado da Paraíba. Saúde coletiva, 10(55), 2781-2788.

Silva, J. P., Garanhani, M. L., & Peres, A. M. (2015). Sistematização da Assistência de Enfermagem na graduação: um olhar sob o Pensamento Complexo. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 23(1), 59-66.

Silva, L. H. R. da, Rosa, L. V., Lima, U. T. S. de, Almeida, L. C. G. B. S., Silva, I. T. M. da, & Maciel, M. da P. G. de S. (2022). Práticas educativas na gravidez paterna: relatando uma pesquisação . Research, Society and Development, 11(6), e2311628698. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.28698

Sousa, L. M. M. et al. (2017). A metodologia de revisão integrativa da literatura em enfermagem. Revista Investigação Em Enfermagem, 17-26.

Souza, G. B., Santiago, A. X. S., Santos, O. P., Pereira, B. A., Caetano, S. R. S., & Santos, C. C. (2020). Sistematização da assistência de enfermagem e processo de enfermagem: conhecimento de graduandos. Braz. J. Hea. Ver, 3(1), 1250-1271. Curitiba

Shaan, C. W., Feltez, G., Schaan, B. D., & Pellanda, L. C. (2019). Capacidade funcional em crianças e adolescentes com cardiopatia congênita. Rev Paul Pediatria, 37(1), 65-72.

Thomi, M., Pfammatter, J. P., & Spichinger, E. (2019). Parental emotional and hands-on-work-Experiences of parents with a newborn undergoing congenital heart surgery; A qualitative study. J Spec Pediatr Nurs, 24(4).

Published

27/04/2022

How to Cite

SOARES, T. de N.; RODRIGUES, L. G. dos S.; FERREIRA, J. M. B.; FEITOSA, K. M. P.; MATOS, L. K. B. .; GALVÃO, M. M.; MARCENA, J. C.; VALOIS, R. C. Nurses’ perception regarding nursing assistance to the newborn with heart disease: integrative literature review . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e25611629007, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29007. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29007. Acesso em: 28 may. 2022.

Issue

Section

Health Sciences