Challenges of psychological practice in the social reintegration

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29098

Keywords:

Social reintegration; Prison psychology; Prison system; Juridical Psychology; Professional challenges; Teaching.

Abstract

This article aims to systematically review the literature on the challenges of the psychologist in the process of social reintegration. To this end, studies produced and published between 2015 and 2021, in Portuguese, English and Spanish, were reviewed. Searches were carried out in the SciELO, Capes Periodicals and BvsPsi databases using the descriptors: resocialization or social reintegration, psychology and resocialization or psychology and social reintegration and psychology and resocialization or psychology and social reintegration or psychology and penitentiary. According to the inclusion criteria, 18 articles were evaluated in this review. The results pointed out as the biggest challenge for professional performance the poor infrastructure of the prisons, the failures of the Brazilian penitentiary system and the possible strategies of social reintegration. In addition to the results found, it is worth emphasizing the need for further studies that can identify strategies and techniques that contribute to the process of social reintegration and to the performance of psychology in this context.

Author Biographies

Danielle Fernanda Silva Campos, Faculdade de Pará de Minas

Estudante de Psicologia pela Faculdade de Pará de Minas e pesquisadora na área de Psicologia Positiva e Psicologia Jurídica. 

Raquel de Oliveira da Silva, Universidade Salvador

Graduada em Psicologia pela Universidade Salvador (UNIFACS). Psicóloga clínica com abordagem psicanalítica. Perita nomeada pelo Tribunal de Justiça do Estado da Bahia.

Andreza Maia Silva Barbosa, Faculdade de Irecê

Doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestra em Psicologia pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), na linha de pesquisa de Processos Psicossociais e projeto com tema envolvendo a Teoria das Representações Sociais e o divórcio. Especialista em Psicologia Jurídica pela Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (FACAPE). Especialista em Gestão em Saúde pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Atualmente é docente na Faculdade Irecê (FAI).

References

Albuquerque, N. G. C., Cavalcante, S., & Ferreira, K. P. M. (2020). Percepções e afetos na prisão: análise de narrativas de presos e agentes penitenciários. Psicologia e Sociedade, 32. 10.1590/1807-0310/2020v32221694

Alencar, T. F., & Rique Neto, J. (2021). Perdão como meta de intervenção com apenados. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 37. 10.1590/0102.3772e37414

Almeida, P. R., Soares, R. S., Coura, A. S., Cavalcanti, A. L., Dutra, M. O. M., & Lima, T. M. (2015). Condição de saúde de mulheres privadas de liberdade: Uma revisão integrativa. Rev. Brasileira de Ciências da Saúde, 19 (1) 73-80. 10.4034/RBCS.2015.19.01.12

Baratta, A. (2007). Ressocialização ou controle social: uma abordagem crítica da reintegração social do sentenciado. Universidade de Saarland, Alemanha.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Editora: Presses Universitaires de France.

Borba, D. M., & Correia, I. M. (2007). Reintegração social: Estratégias de intervenção junto aos encarcerados. 3 (3).

Brito, L. M. T. (2012). Anotações sobre a Psicologia jurídica. Psicologia: Ciência e Profissão. Brasília, 32 194-205. 10.1590/S1414-98932012000500014

Carneiro, M. L. I., Santos, V. M. M. dos., & Souza, J. C. P. de. (2021). O processo de ressocialização de ex-detentos participantes de projetos sociais no Brasil. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, 10 (15), e135101522789. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i15.22789

Conselho Regional de Psicologia (2005). Psicólogos no Sistema Prisional. Jornal do Conselho Regional de Psicologia, Rio de Janeiro, Dez. Ano 2, n° 8.

Conselho Federal de Psicologia (2012). Referências técnicas para a atuação das(os) psicólogas(os) no Sistemas Prisional. CFP. Brasília, 1, 65.

Conselho Federal de Psicologia (2015). Parecer técnico sobre a atuação do(a) psicólogo(a) no âmbito do sistema prisional e a suspensão da resolução CFP n. 012/2011. CFP. Brasília

Cunico, S. D., Pizzinato, A., Strey, M. N., & Manso, A. G. (2018). Desafios e possibilidades da pesquisa qualitativa em Psicologia: Problematizações necessárias. Psicologia Conocimiento y Sociedad, 8 (1), 167-187. 10.26864/pcs.v8.n1.9

Dembogursk, L. S., Oliveira, D. D., & Durães, T. F. (2021). Análise do processo de ressocialização: O método da associação de proteção e assistência a condenados. Rev. de Ciencias Sociales, 34 (48), 131-154. 10.26489/rvs.v34i48.6

Gaudêncio, C. A., Oliveira, K. G. C., Braz, L. F., & Filho, V. N. F. (2017). Promoção de comportamentos proativos em reeducandos em processo de reintegração: Um relato de experiência. Estudos de Psicologia, 22 (2), 152-159. 10.22491/1678-4669.20170016

Ireland, T. D., & Lucena, H. H. R. (2016). Educação e trabalho em um centro de reeducação feminina: Um estudo de caso. Cad. Cedes, 36 (98), 61-78. 10.22491/1678-4669.20170016

Jesus, L. O., & Scarparo, H. B. K. (2015). O trabalho em saúde nas prisões: produção de sujeitos e territórios. Gerais: Rev. Interinstitucional de Psicologia, 8 (1), 78-93.

Lei de Execuções Penais (1984). Lei n. 7.210, de 11 de julho de 1984.

Leonardo, P. V., & Gonçalves, A. G. J. (2016). Entre a auto-identidade e a identidade criminal: O caminho traçado dos sentimentos vividos até o cárcere. Rev. de Movimentos Sociais e Conflitos, 2 (1), 24-39. 10.21902/

Livramento, A. M., & Rosa, E. M. (2016). Homens no cárcere: estratégias de vida na prisão. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 11 (2), 412-426.

Marques, J., Barreto, L., Santos, L., Santos, S. S., & Grosso, V. D. M. (2015). A realidade do sistema prisional no Brasil: Um dilema entre as penas e os direitos humanos. In: V Seminário da Pós Graduação em Ciências Sociais: Cultura, Desigualdade e Desenvolvimento, Cachoeira, BA.

Medeiros, A. C. A., & Silva, M. C. S. A (2015). A atuação do Psicólogo no sistema prisional: Analisando e propondo novas diretrizes. Revista Transgressões, 2 (1), 100-111.

Mueller, B. (2014). A reintegração social do egresso do sistema prisional e o papel da psicologia: Estudo de caso. Cadernos de Segurança Pública, 6 (5), 1–8.

Nascimento, L. G., & Bandeira, M. M. B. (2018). Saúde Penitenciária, promoção de saúde e redução de danos do encarceramento: Desafios para a prática do Psicólogo no sistema prisional. Psicologia: Ciência e Profissão, 38 (2), 102-116. 10.1590/1982-3703000212064

Oliveira, J. W., Rosato, C. M., Nascimento, A. M. R., & Granja, E. (2018). “Sabe a minha identidade? Nada a ver com genital”: Vivências travestis no cárcere. Psicologia: Ciência e Profissão, 38 (2), 159-174. 10.1590/1982-3703000212382

Oliveira, T. B., & Ribeiro, J. R. F. (2021). A assistência ao preso durante a execução da pena e sua influência na reinserção social do apenado. Revista Vertentes Do Direito, 8(2), 367-387. https://doi.org/10.20873/uft.2359-0106.2021.v8n2.p367-387

Perissé, A. R. S., Gomes, M. M., & Nogueira, S. A. (2001). Revisões sistemáticas (inclusive metanálises) e diretrizes clinicas. In: Gomes M. M. (org.), Medicina baseada em evidências: princípios e práticas. Reichmann & Affonso. 131-48.

Pimenta, B. E., & Fonseca, G. G. (2017). O Método APAC: O resgate da humanização do processo de cumprimento de pena de condenados. Rev. Psicologia e Saúde em Debate, 3 (1). 10.22289/V3S1A15

Pinto, A. V. L., Coutinho, M. P. L., Cavalcanti, J. G., & Silva, K. C. (2020). As representações sociais sobre a maternidade para mães em privação de liberdade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 20 (2), 442-463. 10.12957/epp.2020.52578

Sá, A. A. (1995). Sugestão de um esboço das bases conceituais para o Sistema Penitenciário Federal. Escola de Administração Penitenciária do Estado de São Paulo.

Santos, M. V., Alves, V. H., Pereira, A. V., Rodrigues, D. P., Marchiori, G. R., & Guerra, J. V. (2017). Fatores de proteção da saúde mental das mulheres encarcerados: Estudo descritivo-exploratório. Online Brazilian Journal of Nursing, 16 (4), 471.

Silva, F. H. A. & Góis, A. J. (2020). A vivência da espiritualidade no contexto carcerário à luz da logoterapia. Pretextos - Rev. da Graduação em Psicologia da PUC Minas, 5 (9), 117-137.

Souza, E. M., Costa, A. S. M., & Lopes, B. C. (2019). Ressocialização, trabalho e resistência: Mulheres encarceradas e a produção do sujeito delinquente. Cad. EBAPE.BR, 17 (2), 362-374. 10.1590/1679-395171382

Wermuth, M. A. D., & Assis, L. R. (2017). A pena privativa de liberdade e seu delineamento legal nacional e internacional: Descompasso com a realidade operativa do sistema carcerário brasileiro. Rev. Thesis Juris, 6 (2), 280-311. 10.5585/rtj.v6i2.419

Published

28/04/2022

How to Cite

CAMPOS, D. F. S.; SILVA, R. de O. da; BARBOSA, A. M. S. Challenges of psychological practice in the social reintegration. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e30511629098, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29098. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29098. Acesso em: 28 may. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences