The amazon rubber booms and the Free Trade Zone of Manaus: urban expansion and watersheds degradation

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29103

Keywords:

Environmental impacts; Igarapé; Rural emigration; Population growth; Abnormal occupation.

Abstract

This study presents a historical summary about the use and occupation of Manaus urban site which occurred during the first Amazon Rubber Boom between 1870 and 1920, the second, between 1942 and 1945, and with the Free Trade Zone implementation, up from 1967, performing the analysis of social aspects mainly related to habitation and the environment, highlighting the degradation of watersheds.  Such economic periods escalated the processes of change in urban space structures caused by the countryside-city population movement, culminating in an intense rural emigration. It was adopted the qualitative investigation, the use of cartographic base from Manaus Urban Drainage Master Plan of 2014, the Urban and Environmental Master Plan from the City of Manaus of 2014, secondary data from Brazilian Institute of Geography and Statistics and from Trata Brazil Institute, 2019, in addition to the references, field work in watercourses, use of GPS, photographic register and office work. Between both Amazon Rubber Booms, only the first cycle boosted the migratory flow which elevated the population growth by 158%, consequently increasing socio-environmental impacts. However, its potential of attraction was insufficient to sustain the expansion of the capital urban site after the sector decayed. In contrast, the Free Trade Zone became a permanent driving force of providing services, supported by an intense product trade around the centered area of the capital, and caused a constant migratory flow which initiated a disordered growth of the urban site and hasting degradation of watersheds.

Author Biographies

José Roselito Carmelo da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas

Graduado em Geografia, Especialista em Geografia da Amazônia Brasileira, Mestre em Geociências e Doutorando em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Professor pesquisador  no Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (IFAM). Experiência docente em ensino, pesquisa e extensão nas áreas de Geografia Física (Geomorfologia, Biogeografia, Hidrologia e Pedologia), Ciências Ambientais (avaliação e gestão ambiental, atuando principalmente nas seguintes temáticas: a percepção e a sensibilização ambiental, Educação Ambiental, planejamento ambiental com enfoque em recuperação de área degradada, caracterização e avaliação de impacto ambiental e gestão de resíduos sólidos), Geociências com ênfase em Geologia Ambiental. Linha de pesquisa com estudo em microbacias urbana. Líder do grupo de pesquisa: Núcleo de Pesquisa em Sustentabilidade na Amazônia (NUPESAM) e membro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

 

Veridiana Vizoni Scudeller, Universidade Federal do Amazonas

Veridiana Vizoni Scudeller concluiu o curso de Ciências Biológicas na Universidade Estadual Paulista UNESP Rio Claro, o mestrado em Botânica na Universidade Federal de Viçosa e o doutorado em Biologia Vegetal pela universidade estadual de campinas UNICAMP em 2002. Desde 2009 é professora da Universidade Federal do Amazonas - UFAM, sendo atualmente Associada III. Atua nas disciplinas de Morfologia e Taxonomia das Espermatófitas e Inventário florístico nos cursos de graduação em Biologia, Engenharia Florestal e Agronomia. Tem atuado na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Tupé, em inventários florísticos, uso dos recursos florestais e não florestais e conhecimento e valorização do conhecimento tradicional; na melhoria do aprendizado e divulgação da botânica do dia a dia; no conhecimento e sinalização da flora do campus da UFAM e de espécies amazônicas e, mais recentemente tem focado suas pesquisas na distribuição das espécies arbóreas do igapó e campinarana. Também é credenciada nos programas de pós-graduação em Ciências Florestais e Ambientais (PPGCIFA) e Ciências ambientais e sustentabilidade da Amazônia (PPG CASA) ambos UFAM.

References

Aguiar, F. E. (2018). Rio Javari: o rio martirizante na bacia amazônica. Appris.

Amazonas Atual. (2021). Lixo em igarapés custa R$ 9,7 milhões por ano ao contribuinte em Manaus. https://amazonasatual.com.br/lixo-em-igarapes-custa-r-97-milhoes-por-ano-ao-contribuinte-em-manaus/.

Barbosa, T. R. (2009). Ocupações e a (re)produção das moradias populares em Manaus: estudos no bairro do Coroado e Loteamento Rio Piorini (Dissertação de Mestrado em Sociedade e Cultura). Universidade Federal do Amazonas – UFAM, Manaus.

Barbosa, J. O. F. (2019). Amazônia: do paraíso perdido à primavera silenciosa. https://amazonialatitude.com/2019/07/24/amazonia-do-paraiso-perdido-a-primavera-silenciosa/.

Becker, K. B., & Stenner, C. (2008). Um futuro para Amazônia. Oficina de Textos.

Becker, K. B. (2013). Surtos de Crescimento de Manaus. Espaço Aberto. 3(1), 19-44.

Beltrão, O. G. A., & Beltrão, F. O. A. [199-]. Realidades do Amazonas. Enciclopédia da Amazônia Brasileira. Pro-Eco. v 1.

Brianezi, T. (2018). Zona Franca de Manaus: Ame-a ou deixe-a em nome da floresta. Editor Valer.

Costa, R. C. (2015). Do lugar à totalidade: metabolismo urbano, previsão de impacto e planejamento. In Freitas, C. M., & Giatti, L. L. (Org.). Sustentabilidade, ambiente e saúde na cidade de Manaus. (pp. 73-90). Edua, Editora Fiocruz.

Costa, J. B. (2021). A Amazônia e a Zona Franca de Manaus: caminhos independentes. Amazonas Et Al.

Cunha, E. (2011). Amazônia – Um paraíso perdido. (2a ed.), Editora Valer.

Dias, E. M. (2019). A ilusão do fausto: Manaus 1890-1920. (3a ed.), Editora Valer.

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas. (2021). Programa Ciência na Escola – PCE, 2021. http://www.fapeam.am.gov.br/editais/edital-n-o-0042021-programa-ciencia-na-escola-pce/.

Giatti, L. L., Freitas, C. M., Desmoulière S. J. M., Medeiros, M. S., SilvA, M. B. C., & Chagas, M. B. R. (2015). Manaus, Cidade-Região e Capital da Amazônia: modelo de desenvolvimento e pressões sobre os ecossistemas, seus serviços e saúde humana. In Freitas, C. M., & Giatti, L. L. (Org.). Sustentabilidade, ambiente e saúde na cidade de Manaus. (pp. 49-72). Edua, Editora Fiocruz,

Gonçalves, C. W. P. (2012). Amazônia, Amazônias. (3a ed.), Contexto.

Goodland, J. A., & Irwin, H. S. (1975). A selva amazônica: do inferno verde ao deserto vermelho? E. Itatiaia, Ed. da Universidade de São Paulo.

Grobe, C. M. P. (2014). Manaus e seus Igarapés: A construção da cidade e suas representações (1880-1915). (Dissertação de Mestrado em História). Universidade Federal do Amazonas – UFAM, Manaus.

Guillen, I. C. M. (1997). A batalha da borracha: propaganda política e migração nordestina para a Amazônia durante o estado novo. Revista de Sociologia e Política n⁰ 9. (pp. 95-102).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (1970, 1980, 1991, 2000, 2010). Censo demográfico. Unidade Estadual no Amazonas.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Sinopse do Censo Demográfico 2010. https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=6

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2021) Cidades. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/am/manaus/panorama.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). População residente, área e taxa de crescimento segundo as Zonas_Bairros_Área de Expansão_Zona Rural - Município de Manaus - 1996, 2000, 2007 e 2010. Unidade Estadual no Amazonas.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020). Aglomerados subnormais 2019: classificação preliminar e informações de saúde para o enfrentamento à COVID-19. Rio de Janeiro: IBGE. https://covid19.ibge.gov.br/.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Produto Interno Bruto dos Municípios. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/am/manaus/pesquisa/38/47001?ano=2018.

Jornal do Comércio. Edição comemorativa. (2006, 24 de outubro). Manaus comemora 337 anos com resgate da história dos bairros. Edição nº 39.675.

Kuwahara, M. Y. (2014). Resíduos sólidos, desenvolvimento sustentável e qualidade de vida. In Saiani, C. C. S.; Dourado, J.; Toneto Júnior, R. (Org.). Resíduos sólidos no Brasil: oportunidades e desafios da lei federal n° 12.305 (lei de resíduos sólidos). (pp. 55-100). Minha Editora.

Luz, S. L. B., Almeida, L. L., Silva, M., Miagostovich, M. P., Leite, J. P. G., Paula, V. S., Gaspar, A., Diniz-Mendes, L., Niel, C., Hamada, N., & Couceiro, S. (2015.). Avaliação da integridade biológica de igarapés urbanos do município de Manaus. In Freitas, C. M., Giatti, L. L. Sustentabilidade, ambiente e saúde na cidade de Manaus. (pp. 151-162). Edua, Editora Fiocruz,

Manaus. Secretaria Municipal de Infraestrutura. (2014a). Plano Diretor de Drenagem Urbana de Manaus. Manaus, AM.

Manaus. Plano de mobilidade urbana de Manaus. (2015). Vol. I. Prefeitura de Manaus.

Manaus. Plano Municipal de Saneamento Básico – PMSB. (2014b). Prefeitura Municipal.

Manaus. Plano Estadual de Recursos Hídricos do Estado do Amazonas: PERH/AM. (2020). Resumo executivo. Secretaria do Meio Ambiente.

Manaus. Lei Complementar nº 002, de 16 de janeiro de 2014. (2014c). Dispõe sobre o Plano Diretor Urbano e Ambiental do Município de Manaus e dá outras providências. Diário Oficial do Município de Manaus. Ano XV, Edição 3332.

Manaus. Secretaria Municipal de Limpeza Pública. (2021). https://semulsp.manaus.am.gov.br/servicos/.

Manaus. Lei nº 1401 de 14 de janeiro de 2010. (2010). Dispõe sobre a criação e a divisão dos bairros da cidade de Manaus, com estabelecimento de novos limites, e dá outras providências. Diário Oficial do Município de Manaus. Ano XI, Edição 2365.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2011). Metodologia científica. (6a ed.), Atlas.

Miranda, A. A. S. (2009). Políticas públicas e o discurso do neoliberalismo e da globalização. In Miranda. A. A. S., Oliveira, E. C., & Heyer, L. F. Políticas públicas e a questão ambiental no Estado do Amazonas. Sociedade de Desenvolvimento Cultural do Amazonas -SODECAM, Uninorte/Laureate.

Miranda, M. J. O. (2017). O uso de geotecnologias na análise temporal do processo de expansão urbana sobre a bacia hidrográfica do Puraquequara: Manaus-AM. (Dissertação de Mestrado em Geografia). Universidade Federal do Amazonas – UFAM, Manaus.

Monteiro, M. Y. (2016). História da Cultura Amazonense: I e II. Fundo Municipal de Cultura.

Nascimento, E. M. D. (2013). Parque Municipal do Mindu: um olhar para a sua problemática ambiental. Edua.

Oliveira, J. A., & Pereira da Costa, D. (2007). A análise da moradia em Manaus (AM) como estratégia de compreender a cidade. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. vol. XI, núm. 245 (30). http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-24530.htm.

Oliveira, M. L., Baccaro, F. B., Braga-Neto, R., & Magnusson, W. E. (Org.). (2008). Reserva Ducke: A biodiversidade amazônica através de uma Grade. Áttema Design Editorial.

Pereira, D. (2006). Amazônia (in)sustentável: Zona Franca de Manaus – estudo e análise. Editora Valer.

Pereira da Costa, D., & Schmitt, J. (2010). A geografia urbana de Manaus: desafios para mobilidade e circulação. 4°. Congresso Luso-Brasileiro para o planejamento urbano, regional, integrado, sustentável. Universidade do Algarve. Faro.

Pires, E. A., & Calegare, M. G. A. (2017). A habitação de interesse social no Brasil e sua expressão em Manaus. In Novos Cadernos NAEA, v. 20, n. 3 – setembro-dezembro, 2017. Núcleo de Altos Estudos Amazônicos.

Rey, K. M. M. (2019). Zona Franca de Manaus: análise dos 50 anos de atuação estatal no âmbito da Suframa em busca da promoção do desenvolvimento da Amazônia. (Dissertação de Mestrado). Programa de Mestrado Profissional em Governança e Desenvolvimento. Escola Nacional de Administração Pública. Brasília.

Ribeiro Filho, V. (1999). Mobilidade residencial em Manaus: uma análise introdutória. Editora da Universidade do Amazonas.

Ross, J. L.S. (2014). Geomorfologia: ambiente e planejamento. Contexto.

Rubim, M. A. L., & Ferraz, L. R. (Org.). (2020). Puraquequara em mosaico [recurso eletrônico]: histórias, vidas e recursos naturais. FUA.

Santos, R. (2019). História econômica da Amazônia: 1800-1920. (2a ed.), Organização: Tenório Telles. Editora Valer.

Schutze, A., Holz, R., & Assunção, J. (2021). Aprimorando a Zona Franca de Manaus Lições da Experiência Internacional. Climate Policy Initiative.

Schweickardt, J. C. (2015). O urbano e a saúde pública em Manaus, 1890-1930. In Freitas, C. M., & Giatti, L. L. (Org.). Sustentabilidade, ambiente e saúde na cidade de Manaus. Edua, Editora Fiocruz.

Silva Araújo, E. (2009). Desenvolvimento urbano local: o caso da Zona Franca de Manaus. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 1(1).

Silva, N. M., & Bentes Junior, J. L. (2015). Uso, ocupação e manejo das bacias hidrográficas urbanas de Manaus: a microbacia do igarapé do Tarumã. In Freitas, C. M., & Giatti, L. L. (Org.). Sustentabilidade, ambiente e saúde na cidade de Manaus. Edua, Editora Fiocruz.

Superintendência da Zona Franca de Manaus. (2020). Indicadores de Desempenho do Polo Industrial de Manaus 2015-2020. https://www.gov.br/suframa/pt-br/publicacoes/indicadores/caderno_indicadores_janeiro_novembro__gerado_em_01-02-2021_.pdf.

Tocantins, L. (2020). Amazônia, natureza, homem e tempo: uma planificação ecológica. (3a ed.), Editora Valer.

Trata Brasil. (2019). Saneamento e saúde na região Norte.http://www.tratabrasil.org.br/saneamento-e-saude-na-regiao-norte.

Published

29/04/2022

How to Cite

SILVA, J. R. C. da; SCUDELLER, V. V. . The amazon rubber booms and the Free Trade Zone of Manaus: urban expansion and watersheds degradation. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e33611629103, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29103. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29103. Acesso em: 25 may. 2022.

Issue

Section

Exact and Earth Sciences