Factors associated with musculoskeletal symptoms and physical activity in basic education teachers in Campo Grande/MS

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29153

Keywords:

Musculoskeletal pain; Physical activity; School teachers; Occupational health.

Abstract

Musculoskeletal symptoms constitute one of the main causes that keep workers away from their occupational activities in Brazil, and generate a direct impact on the quality of life and health of teachers. Given this context, this study was carried out with the objective of identifying the factors associated with musculoskeletal symptoms and the practice of physical activity in elementary school teachers in Campo Grande/MS. A cross-sectional observational study was carried out with 37 teachers from a municipal urban school in Campo Grande/MS, between May and June 2019. A questionnaire was applied to characterize the sample along with the Nordic Questionnaire of Musculoskeletal Symptoms. The associations between the study variables, musculoskeletal symptoms and the practice of physical activity were performed using Fisher's exact test. The prevalence of musculoskeletal symptoms in the last 12 months was 97.3%, 83.8% in the last seven days and were reasons for absences in 32.4% of the teachers, with the greatest complaint in the lumbar region (78.4%). The male gender was related to greater practice of physical activity (p=0.001), the shortest time of experience (up to 10 years) associated with the greater complaint of musculoskeletal symptoms in the last seven days (p=0.008) and the statutory employment relationship with a greater distance in the last 12 months (p=0.029). It is concluded that basic education teachers have a high prevalence of musculoskeletal symptoms, which causes a high demand for leaves, mainly due to symptoms in the lumbar region, which is associated with shorter experience and statutory employment relationship.

Author Biographies

Gildiney Penaves de Alencar, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul; Centro Universitário da Grande Dourados; Instituto de Educação e Pesquisa Alfredo Torres

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Centro de Estudos e Pesquisas em Atividade Física e Saúde (CEPAFS), Pesquisador; Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN EAD), Docente do Curso de Educação Física; Instituto de Educação e Pesquisa Alfredo Torres (IEPAT), Pesquisador; Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande/MS (SEMED), Equipe técnica de Educação Física. Campo Grande, MS, Brasil.

Orcid: https://orcid.org/0000-0002-5177-495X

Lattes: http://lattes.cnpq.br/3883241550077012

E-mail: gildiney.gpa@gmail.com

Gabriel Elias Ota, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul; Faculdade Estácio de Sá Campo Grande; Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande/MS

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Faculdade de Medicina (FAMED), Programa de Pós-Graduação em Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste (PPGSD), Aluno regular de Doutorado; Faculdade Estácio de Sá Campo Grande (FESCG), Docente do Curso de Educação Física; Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande/MS (SEMED), Professor de Educação Física. Campo Grande, MS, Brasil.

Orcid: https://orcid.org/0000-0001-8862-945X

Lattes: http://lattes.cnpq.br/7409697046814287

E-mail: gabriel.elias.ota@gmail.com

Lúcio Barbosa Neto, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul; Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande/MS

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Instituto Integrado de Saúde (INISA), Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento (PPGCMOV), Aluno regular de Mestrado; Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande/MS (SEMED), Professor de Educação Física. Campo Grande, MS, Brasil.

Orcid: https://orcid.org/0000-0003-2028-1754

Lattes: http://lattes.cnpq.br/4532598197930184

E-mail: luciobarbosa84@gmail.com

Joel Saraiva Ferreira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Faculdade de Educação (FAED), Docente do Curso de Educação Física; Centro de Estudos e Pesquisas em Atividade Física e Saúde (CEPAFS) da UFMS, Líder e Pesquisador. Campo Grande, MS, Brasil.

Orcid: https://orcid.org/0000-0003-4437-3100

Lattes: http://lattes.cnpq.br/3278891471590981

E-mail: joel.ferreira@ufms.br

Priscilla Gois Basilio, Faculdade de Desporto da Universidade do Porto; Instituto de Educação e Pesquisa Alfredo Torres

Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP), Programa de Pós-Graduação em Atividade Física e Saúde, Aluna regular do Doutorado, Porto, Portugal; Instituto de Educação e Pesquisa Alfredo Torres (IEPAT), Docente do Programa de Pós-Graduação lato sensu em Educação Física Escolar e Inclusiva. Campo Grande, MS, Brasil;

Orcid: https://orcid.org/0000-0001-8230-7855  

Lattes: http://lattes.cnpq.br/5079123383522923

E-mail: priscillaedfisica@hotmail.com

References

Alencar, G. P. (2020). Nível de atividade física e qualidade de vida de professores de ensino fundamental da Rede Municipal de Ensino de Campo Grande, MS (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande. Recuperado em 13 de março de 2022, de https://posgraduacao.ufms.br/portal/trabalho-arquivos/download/7788

Alencar, G. P., Rabacow, F. M., & Carvalho, A. M. A. (2021). Fatores associados à prática insuficiente de atividade física em professores escolares brasileiros: um estudo de revisão integrativa. Multitemas, 26 (62), 103-124. https://doi.org/10.20435/multi.v26i62.3005

American College of Sports Medicine. (2014). Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição (8ª ed.). Rio de Janeiro: Guanabara.

Andreatta, L. B., Trelha, C. S., Fujisawa, D. S., Katayama, A. H., Fuginam, C. N., & Siqueira, C. P. C. M. (2013). Conhecimento dos professores da pré-escola sobre hábitos posturais. Saúde e Pesquisa, 6 (2), 197-203. https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/2513

Antonini, F. O., Heidemann, I. T. S. B., Souza, J. B. B., Durand, M. K., Belaunde, A. M. A., & Daza, P. M. O. (2022). Práticas de promoção da saúde no trabalho no trabalho do professor. Acta Paulista de Enfermagem, 35, eAPE02761. https://doi.org/10.37689/acta-ape/2022AO02761

Assunção, A. Á., & Abreu, M. N. S. (2019). Pressão laboral, saúde e condições de trabalho dos professores da Educação Básica no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 35 (13), 1-16, e0016951. http://doi.org/10.1590/0102-311X00169517

Barbosa, R. E. C., & Fonseca, G. C. (2019). Prevalência de tabagismo entre professores da Educação Básica no Brasil, 2016. Cadernos de Saúde Pública, 35 (supl. 1), 1-15. https://doi.org/10.1590/0102-311X00180217

Benach, J., Vives, A., Amable, M., Vanroelen, C., Tarafa, G., & Muntaner, C. (2014). Precarious employment: understanding an emerging social determinant of health. Annual Review of Public Health, 35 (1), 229-253. https://doi.org/10.1146/annurev-publhealth-032013-182500

Bergman S. (2007). Management of musculoskeletal pain. Best Practice and Research Clinical Rheumatology. 21 (1), 153-166. https://doi.org/10.1016/j.berh.2006.10.001

Bogaert, I., Martelaer, K., Deforche, B., Clarys, P., & Zinzen, E. (2014). Associations between different types of physical activity and teachers’ perceived mental, physical, and work-related health. BMC Public Health, 14 (534), 1-9. https://doi.org/10.1186/1471-2458-14-534

Branco, J. C., Silva, F. G., Jansen, K., & Giusti, P. H. (2011). Prevalência de sintomas osteomusculares em professores de escolas públicas e privadas do ensino fundamental. Fisioterapia em Movimento, 24 (2), 307-314. https://doi.org/10.1590/S0103-51502011000200012

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, Ministério da Saúde. https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. (2016). Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016, do Conselho Nacional de Saúde, do Ministério da Saúde. Brasília, Ministério da Saúde. http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. (2019). Saúde Brasil 2018: uma análise da situação de saúde e das doenças e agravos crônicos – desafios e perspectivas. Brasília: Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2018_analise_situacao_saude_doencas_agravos_cronicos_desafios_perspectivas.pdf

Brasil. Presidência da República. (2014). Lei nº. 13005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 26 de junho de 2014. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm

Brito, J. A. P. (2020). Percepção e presença dos sintomas osteomusculares em professores do ensino fundamental (Dissertação de Mestrado), Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. Recuperado em 10 de abril de 2022, de http://doi.org/10.14393/ufu.di.2020.280

Campo Grande. Câmara Municipal de Campo Grande. (2021). Projeto de Lei nº 10.348, de 21 de outubro de 2021. Institui a Política de Valorização, Saúde, Bem-Estar e Qualidade de Vida no Trabalho dos Profissionais da Educação. Campo Grande: Câmara Municipal de Campo Grande. https://sgl.camara.ms.gov.br/cmcg/arquivos_upload/PL%2010348-21.pdf

Campo Grande. Prefeitura Municipal de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. (2021). Edital conjunto SEMED/SEGES nº. 1/2021 - Processo seletivo para professores temporários atuarem nas unidades escolares da Rede Municipal de Ensino/REME de Campo Grande-MS. Diário Oficial do Município de Campo Grande, n. 6472, de 25 de novembro de 2021. https://diogrande.campogrande.ms.gov.br/download_edicao/eyJjb2RpZ29kaWEiOiI3ODU5In0%3D.pdf

Campo Grande. Prefeitura Municipal de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. (2015). Lei nº. 5565, de 23 de junho de 2015. Plano Municipal de Educação de Campo Grande, Mato Grosso do Sul – PME 2015-2025. Diário Oficial do Município de Campo Grande 24 jun 2015;4299(1 supl):46. https://prefcg-repositorio.campogrande.ms.gov.br/wp-cdn/uploads/sites/32/2017/03/20150821143356.pdf

Cardoso, J. P., Ribeiro, I. Q. B., Araújo, T.M., Carvalho, F. M., & Reis, E. J. F. B. (2009). Prevalência de dor musculoesquelética em professores. Revista Brasileira de Epidemiologia, 12 (4), 604-614. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2009000400010

Carvalho, A. J. F. P., & Alexandre, N. M. C. (2006). Sintomas osteomusculares em professores do ensino fundamental. Revista Brasileira de Fisioterapia, 10 (1), 35-41. https://doi.org/10.1590/S1413-35552006000100005

Carvalho, M. R. V. (2018a). Perfil do professor da educação básica. Série Documental: Relatos de pesquisa, 00 (41), 68. http://relatos.inep.gov.br/ojs3/index.php/relatos/article/view/4083

Carvalho, M. R. V. (2018b). O perfil do professor nas etapas da educação básica. Cadernos de Estudos e Pesquisas em Políticas Educacionais, 1 (00), 119-141. https://doi.org/10.24109/9788578630669.ceppe.v1a4

Ceballos, A. G. C., & Santos, G. B. (2015). Fatores associados à dor musculoesquelética em professores: aspectos sociodemográficos, saúde geral e bem-estar no trabalho. Revista Brasileira de Epidemiologia. 18 (3) 702-715. http://doi.org/10.1590/1980-5497201500030015

Cirillo, J. C., Oliveira, D. M., Fernandes, E. V., Macedo, A. G., & Santos, D. (2022). Influência do trabalho de docência no bem-estar individual, qualidade de vida, e (in) atividade física de professoras do ensino fundamental. Research, Society and Development, 11 (1), e1511123919. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v11i1.23919

Cortez, P. A., Souza, M. V. R., Amaral, L. O., & Silva, C. A. (2017). A saúde docente no trabalho: apontamentos a partir da literatura recente. Cadernos Saúde Coletiva, 25 (1), 113-122. http://doi.org/10.1590/1414-462x201700010001

Delcor, N. S., Araújo, T. M., Reis, E. J. F. B., Porto, L. A., Carvalho, F. M., Silva, M. O., Barbalho, L., & Andrade, J. M. (2004). Condições de trabalho e saúde dos professores da rede particular de ensino de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 20 (1), 187-196. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000100035

Dias, D. F., Loch, M. R., González, A. D., Andrade, S. M., & Mesas, A. E. (2017). Atividade física insuficiente no tempo livre e fatores ocupacionais em professores de escolas públicas. Revista de Saúde Pública, 51 (68), 1-10. https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2017051006217

Fernandes, M. H., Rocha, V. M. R., & Costa-Oliveira, A. G. R. (2009). Fatores Associados à prevalência de sintomas osteomusculares em professores. Revista de Salud Publica, 11 (2), 256-267. https://doi.org/10.1590/S0124-00642009000200010

Fernandes, M. H., Rocha, V. M., & Fagundes, A. A. R. (2011). Impacto da sintomatologia osteomuscular na qualidade de vida de professores. Revista Brasileira de Epidemiologia, 14 (2), 276-84. http://doi.org/10.1590/S1415-790X2011000200009

Hirata, G., Oliveira, J. B. A., & Mereb, T. M. (2019). Professores: quem são, onde trabalham, quanto ganham. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 27 (102), 179-203. https://doi.org/10.1590/s0104-40362018002701888

Huse, O., Palermo, C., Evans, M., & Peeters, A. (2020). Factors influencing healthy eating and physical activity amongst school staff. Health Promotion International, 35 (1), 123–131. https://doi.org/10.1093/heapro/day100

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2021). Sinopse estatística da Educação Básica 2021. Brasília: Inep. https://www.gov.br/inep/pt-br/acesso-a-informacao/dados-abertos/sinopses-estatisticas/educacao-basica

Karakaya, I. Ç., Karakaya, M. G., Tunç, E., & Kihtir, M. (2015). Musculoskeletal problems and quality of life of elementar school teachers. International Journal Occupational Safety Ergonomics, 21 (3), 344-350. https://doi.org/10.1080/10803548.2015.1035921

Lima, D. F., Lima, L. A., Sampaio, A. A., & Stobaus, C. D. (2022). Revisão sistemática de revisões de literatura sobre a síndrome de burnout em docentes do ensino superior no Brasil. Perspectivas em Diálogo: Revista de Educação e Sociedade, 9 (19), 159-174. https://doi.org/10.55028/pdres.v9i19.12978

Mattos, J. G. S., Castro, S. S., Melo, L. B. L., Santana, L. C., Coimbra, M. A. R., & Ferreira, L. A. (2021). Dores osteomusculares e o estresse percebido por docentes durante a pandemia de COVID-19. Research, Society and Development, 10 (6), e25110615447. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15447

Mohammadi G. (2013). Musculoskeletal complaints among high school teachers. Journal of Musculoskeletal Research, 16 (2), 1-10. https://doi.org/10.1142/S0218957713500103

Nahas, M. V. (2017). Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo (7ª ed.). Londrina: Midiograf.

Oliveira, A. H., & Lima, M. C. (2014). Dor lombar e sintomas musculoesqueléticos em docentes do ensino fundamental I e II. Fisioterapia Brasil, 15 (2), 112-118. http://doi.org/10.33233/fb.v15i2.324

Pedrolo, E., Santana, L. L., Ziesemer, N. B. S., Carvalho, T. P., Ramos, T. H., & Haeffner, R. (2021). Impacto da pandemia de COVID-19 na qualidade de vida e no estresse de docentes de uma instituição federal. Research, Society and Development, 10 (4), e43110414298. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14298

Pinheiro, F. A., Tróccoli, B. T., & Carvalho, C. V. (2002). Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade. Revista de Saúde Pública, 36 (3), 307-312. https://doi.org/10.1590/S0034-89102002000300008

Rocha, R. E. R., Prado Filho, K., Silva, F. N., Boscari, M., Amer, S. A. K., & Almeida, D. C. (2017). Sintomas osteomusculares e estresse não alteram a qualidade de vida de professores da educação básica. Fisioterapia e Pesquisa, 24 (3), 259-266. https://doi.org/10.1590/1809-2950/16447524032017

Saldiva, P. H., & Veras, M. (2018). Gastos públicos com saúde: breve histórico, situação atual e perspectivas futuras. Estudos Avançados, 32 (92), 47-61. https://doi.org/10.5935/0103-4014.20180005

Santos, E. C., Espinosa, M. M., Marcon, S. R., & Ferreira, L. P. (2021). Fatores associados ao comprometimento da qualidade de vida em professores do Ensino Fundamental. Research, Society and Development, 10 (13), e526101321302. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21302

Sato, L., Araújo, D. M., Udihara, L. M., Franco, J. A. M., Nicotera, N. F., Daldon, B. T. M., Settimi, M. M., & Silvestre, P. M. (1993). Atividade em grupo com portadores de LER e achados sobre a dimensão psicossocial. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 21 (79), 49-62.

Silva, K. N., & Dutra, F. C. M. C. (2016). Fatores psicossociais do trabalho e dor crônica: análise em duas escolas da rede municipal de educação em Serrana/SP. Revista Dor, 17 (3), 164-170. https://doi.org/10.5935/1806-0013.20160064

Silva, L. G., & Silva, M. C. (2013). Condições de trabalho e saúde de professores pré-escolares da rede pública de ensino de Pelotas, RS, Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, 18 (11), 3137-3146. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013001100004

Silva, N. R., & Almeida, M. A. (2012). Physical and postural aspects of teachers during work activity. Work, 41 (1) 3657-3662. https://doi.org/10.3233/WOR-2012-0005-3657

Silva, R. R. V., Moreira, A. D., Magalhães, T. A., Vieira, M. R. M., & Haikal, D. S. (2019). Fatores associados à prática de atividade física entre professores do nível básico de ensino. Journal of Physical Education, 30 (1), e3037. https://doi.org/10.4025/jphyseduc.v30i13037

Sociedade Brasileira de Reumatologia. (2011). Lombalgia ocupacional. Rio de Janeiro: SBR. https://www.reumatologia.org.br/orientacoes-ao-paciente/lombalgia-ocupacional/

Sousa, A. C., Miranda, K. R. A., Vieira, F. M., & Fonseca, A. A. (2021). Impacto da pandemia COVID-19 no comportamento sedentário e nível de atividade física de professores da rede estadual e um município do Norte de Minas Gerais. Research, Society and Development, 10 (11), e438101119643. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i11.19643

The Lancet. (2021). A sporting chance: physical activity as part of everyday life. The Lancet, 398 (10298), 365. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(21)01652-4

United Nations. (2015). Transforming our world: the 2030 agenda for sustainable development. Nova York: United Nations. https://sdgs.un.org/2030agenda

Wieclaw, J., Agerbo, E., Mortensen, P. B., & Bonde, J. P. (2006). Risk of affective and stress related disorders among employees in human servisse professions. Occupational and Environmental Medicine, 63 (5), 314–319. http://doi.org/10.1136/oem.2004.019398

World Health Organization. (2018). Noncommunicable diseases: Fact Sheet of 1 June 2018. Geneva: World Health Organization. https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/noncommunicable-diseases

World Health Organization. (2019). WHO report on the global tobacco epidemic, 2019: Offer help to quit tobacco use. Geneva: World Health Organization. https://www.who.int/teams/health-promotion/tobacco-control/who-report-on-the-global-tobacco-epidemic-2019

Published

28/04/2022

How to Cite

ALENCAR, G. P. de .; OTA, G. E. .; BARBOSA NETO, L. .; FERREIRA, J. S. .; BASILIO, P. G. . Factors associated with musculoskeletal symptoms and physical activity in basic education teachers in Campo Grande/MS. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e29211629153, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29153. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29153. Acesso em: 24 may. 2022.

Issue

Section

Health Sciences