Use of benzodiazepines in the city of Porteirao, Goias, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29187

Keywords:

Benzodiazepines; GABA-A receptors; Benzodiazepines abuse.

Abstract

Benzodiazepines (BZD), as they are considered safe drugs, are among the most consumed controlled drug classes worldwide. They are anxiolytics and hypnotics, mainly indicated for the treatment of anxiety and insomnia. They should be used in the acute phase of symptoms, that is, at the beginning of treatment. This study aimed to analyze the profile of benzodiazepine users in a private pharmacy in the city of Porteirão. A field research was carried out in July and August 2021, through interviews in a questionnaire format, with users of BZD, during the purchase of the drug. The results of this research show that most users of this drug class are female, between 18 and 59 years old, with no education, with low purchasing power. They are drugs prescribed by psychiatrists and general practitioners for cases of anxiety and insomnia. The period of use of the drug is longer than recommended in the literature, that is, it is inappropriately used. Clonazepam and alprazolam are the most used medications according to clinical prescriptions. Benzodiazepines have proven their effectiveness as long as the treatment is followed up periodically to intervene whenever necessary, in order to avoid health risks.

Author Biographies

Renata Silva Oliveira Costa, Faculdade Unibras de Goias

Acadêmica do curso de Farmácia

Celiana Maria Ferrarini Triches, Faculdade Unibras de Goiás

Professora do curso de Farmácia da Faculdade Unibras de Goiás.

References

Alvarenga, J. M., et al. (2015). Uso de benzodiazepínicos entre idosos: o alívio e" jogar água no fogo", não pensar e dormir. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 18 (2), 249-258.

Andrade, S. M. de et al. (2020). Uso crônico e indiscriminado de benzodiazepínicos: uma revisão de literatura. Research, Society and Development, 9 (7), e317973954-e317973954.

ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (2014). Ansiolíticos. Em 12. ed. Porto Alegre: AMGH.

Araújo, P. L. (2015). Associação do uso prolongado de benzodiazepínicos com o aumento do risco de demência em idosos: uma revisão bibliográfica. 41 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Pós-Graduação) – Curso de Farmácia da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma.

Azevedo, A. J. P., Araújo, A. A., Ferreira, M. (2016). Consumo de ansiolíticos benzodiazepínicos: uma correlação entre dados do SNGPC e indicadores sociodemográficos nas capitais brasileiras. Ciência & Saúde Coletiva, 21 (1).

Brasil (1998). Ministério da Saúde. Portaria nº 344, de 12 de maio de 1998. Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 1998.

Carvalho, L. F.; Dimenstein, M. (2004). O modelo de atenção à saúde e uso de ansiolíticos entre mulheres. Estudos de Psicologia, 9 (1), 1-3.

Carvalho, T. C. de. (2021). Uso abusivo de psicotrópicos (benzodiazepínicos) por usuários atendidos pela unidade básica de saúde palha, no município de Bujaru, Estado do Pará. Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/23848.

Casali, F. T. (2010). Avaliação do uso de benzodiazepínicos pelos usuários da unidade básica de saúde do município de Camacho - MG pela dispensação realizada na farmácia básica do SUS. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/2531.pdf.

Chellappa, S. L. (2009). Sonolência excessiva diurna e depressão: causas, implicações clínicas e manejo terapêutico. Rev. Psiquiatr. Rio Gd. Sul, 31 (3).

Correia, G. A.; Gondim, A. P. S. (2014). Utilização de benzodiazepínicos e estratégias farmacêuticas em saúde mental. Saúde e debate, 38, 393-398.

Delucia, R. (2017). Da revolução ao uso e abuso de ansiolíticos. Disponível em:https://jornal.usp.br/artigos/da-revolucao-ao-uso-e-abuso-deansioliticos.

Facundo, R. D. S. (2017). Uso indiscriminado de benzodiazepínicos: alternativas ao uso indevido e prolongado de benzodiazepínicos. Saúde & Ciência em Ação, 18.

Fiorelli, K; Assini, F. L. A. (2017). prescrição de benzodiazepínicos no Brasil: uma análise da literatura. ABCS Health Sciences, 42 (1).

Firmino, K. F. et al. (2012). Utilização de benzodiazepínicos no Serviço Municipal de Coronel Fabriciano, Minas Gerais. Rev. Ciência e Saúde Coletiva, 7 (2).

Huf, G; Lopes, C.S; Rozenfeld, S. (2000). O uso prologando de benzodiazepínicos em mulheres de um centro de convivência para idosos. Caderno de Saúde Pública, 16 (2), 351-362.

Katzung, B. G., Masters, S. B., & Trevor, A. J. (2015). Farmacologia básica e clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015.

Lopes, A. G.; Cavalcanti, M. A. (2021). Controle do uso indiscriminado de benzodiazepínicos na Unidade Básica de Saúde Oiti do município de Pimenteiras-PI. Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/24248.

Mihic, S. J., Mayfield, J., & Harris, R. A. (2019) Hipnóticos e Sedativos. In.: Brunton, L. L., Chabner, B. A., & Knollmann, B. C. As bases farmacológicas da terapêutica de Goodman e Gilman. 13 ed. Porto Alegre: AMGH. (pp. 415-433).

Moreira, R. B et al. (2019). Benzodiazepínicos: revendo o uso para o desuso. Rev. Med., 98 (6), 423-6.

Naloto, D. C. C. et al. (2016). Prescrição de benzodiazepínicos para adultos e idosos de um ambulatório de saúde mental. Ciência & Saúde Coletiva, 21, 1267-1276.

Nunes, B. S., & Bastos, F. M. (2016). Efeitos colaterais atribuídos ao uso indevido e prolongado de benzodiazepínicos. RAICS, Goiânia, 3 (1).

Orlandi, P.; Noto, A. R. (2005). Uso indevido de benzodiazepínicos: um estudo com informantes-chave no município de São Paulo. Rev. Latino-am. Enfermagem, 13 (especial), 896-902.

Pereira, A. A. et al. (2016). Saúde Mental. Revista Acadêmica do Instituto de Ciências da Saúde, 3 (1).

Ribeiro, L. M.; Medeiros, S. M.; Sami, J. A.; & Fernandes, S. M. B. A. (2010). Saúde mental e enfermagem na estratégia saúde da família: como estão atuando os enfermeiros? Rev Esc Enferm., 44 (2).

Rodrigues, S. S. (2017). Análise do uso de benzodiazepínicos na Unidade de Saúde da Família Weissópolis, Pinhias-PR. Ciênc. Saúde Coletiva, 17 (1), 157-166.

Schallemberger, B. J., & Colet, C. F. (2016). Avaliação da dependência e ansiedade em usuários de benzodiazepínicos em município da província do Rio Grande do Sul, Brasil. Tendências em psiquiatria e psicoterapia. 38 (2), 63-70.

Silva, P. Farmacologia. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.

Published

30/04/2022

How to Cite

COSTA, R. S. O. .; TRICHES, C. M. F. .; AGUIAR NETO FILHO, M.; PORFIRO, C. A. .; DANTAS, L. A. .; SANTOS, J. da S. G. dos. Use of benzodiazepines in the city of Porteirao, Goias, Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e35411629187, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29187. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29187. Acesso em: 18 may. 2022.

Issue

Section

Health Sciences