Bilingual education of the Deaf: a view at reading and writing from an RSL

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29237

Keywords:

Sign language; Bilingual education; Second language acquisition; Education of the deaf; Teaching.

Abstract

This study of qualitative nature consists of a bibliographic research based on a Systematic Literature Review (SLR). Its purpose is to analyze how studies published in Brazil in the period within 2010 and the first quarter of 2022 discuss reading and writing acquisition by deaf children. The analysis is supported by a theoretical framework focusing on the education of the deaf, sign language and bilingual education. It covers a total of 47 scientific papers published in national journals and available in SCIELO and CAPES databases on the period mentioned previously. The study intends to answer the following questions, “How is bilingual education of the deaf being understood in Brazil?” and “What is the role of Brazilian Sign Language (Libras) in the literacy process of deaf children?”. It was possible to identify four conceptions of bilingual education, in addition to different compositions of the teaching staff and different possibilities for the bilingual and the inclusive schools. It was also possible to notice that the studies analyzed have something in common: the importance attributed to Libras and how that is articulated in the second language acquisition process for the deaf. The authors of this study point out the need to promote more discussions about the education for the deaf and that this topic should be disseminated and studied more, not only by deaf people or those who work with the deaf, but involving other professionals who contribute and work in education.

Author Biographies

Eduarda Monteiro de Souza, Universidade de Caxias do Sul

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade de Caxias do Sul

Licenciatura em Pedagogia pela Universidade de Caxias do Sul

Carla Beatris Valentini, Universidade de Caxias do Sul

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCS

Doutora em Informática na Educação (PGIE/UFRGS)

Mestre em Psicologia do Desenvolvimento (UFRGS)

Licenciada em Filosofia (UCS)

Cristina Maria Pescador, Universidade de Caxias do Sul

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCS

Doutorado em Informática na Educação (PGIE/UFRGS)

Mestrado em Educação (PPGEdu/UCS)

Bacharel em Psicologia (UCS)

References

Almeida, D. L. de. & Lacerda, C. B. F. de. (2019). A escrita de sujeitos surdos: uma investigação sobre autoria. Pro-Posições, 30, 1-25.

Barros, H. de A. & Alves, FRV. (2019). As principais abordagens educativas ao surdo: e a valorização da cultura do surdo. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, 8(8), 1-16.

Bisol, C. A., Pegorini, N. N. & Valentini, C. B. (2017). Pensar a deficiência a partir dos modelos médico, social e pós-social. Cadernos de Pesquisa, 24(1), 87-100.

Bisol, C. A. & Valentini, C. B. (2011) Surdez e Deficiência Auditiva - qual a diferença? Projeto Incluir – UCS/FAPERGS. https://proincluir.org/surdez/surdez-vs-deficiencia-auditiva

Brasil (2005). Decreto no 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais (Libras). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/D5626.htm

Calixto, H. R. da S., Ribeiro, A. E. do. & A.; Ribeiro, A. do A. (2019). Ensino de língua portuguesa escrita na educação bilíngue de surdos: questões a partir de narrativas de professores da Baixada Fluminense. Rev. Bras. Estud. Pedagog, 100(256), 578-593.

Cavalcante, E. B. (2011). Delineando os aportes teórico-linguísticos para uma educação bilíngue para surdos. Exitus, [s. l], 1(1), 137-148.

Darde, A. O. G. & Donida, L. O. (2020). Recrutamentos linguísticos utilizados no Atendimento Educacional Especializado de Língua Portuguesa para surdos: Uma prática situada na Educação Básica. Rev. EntreLínguas,6(2), 405-418.

Freitas, I. F. de. (2020). Alfabetização de surdos: para além do alfa e do beta. Revista Brasileira de Educação, [S.L.], 25, 1-16.

Fritzen, M. P. (2012) Desafios para a educação em contexto bilíngue (alemão/português) de língua minoritária. Educação Unisinos, [S.L.], 16(2), 161-168.

Galvão, M. C. B. & Ricarte, I. L. M.(2020). Revisão sistemática da literatura: conceituação, produção e publicação, LOGEION: Filosofia da informação,6(1), 57-73.

Gomes, M. do C. F. (2010). O panorama actual da educação de surdos. Na senda de uma educação bilingue. Exedra: Revista Científica, [s. l], 3, 59-74.

Karnopp, L. & Pereira, M. C. da C. (2015). Concepções de leitura e escrita na educação de surdos. In: Lodi, A. C. B.; Mélo, A. D. B. de; Fernandes, E. (Org.). Letramento, bilinguismo e educação de surdos. Porto Alegre: Mediação.

Lopes, M. C. & Veiga-Neto, A. (2017). Acima de tudo, que a escola nos ensine. Em defesa da escola de surdos. Etd - Educação Temática Digital,19(4), 691-704.

Macedo, Y. M. (2020). Letramentos multimodais para o ensino do português como segunda língua para surdos. Rev. EntreLínguas, 6(2), 357-369.

Maquieira, J. dos S., Thewes., J. D. L. & Fronza, C. de A. (2020). Reflexões sobre as atividades de Língua Portuguesa Escrita (LPE) em contexto de escola bilíngue para surdos. WorkingPapers em Linguística, [S.L.], 21(2),46-68.

Martins, V. R. de O., Albres, N. de A. & Sousa, W. P. de A. (2015). Contribuições da Educação Infantil e do brincar na aquisição de linguagem por crianças surdas. Pro-Posições, [S.L.], 26(3),103-124.

Martins, V. R. de O. & Oliveira, G. S. de. (2015). Literatura surda e Ensino Fundamental: resgates culturais a partir de um modelo tradutório com especificidades visuais. Educ. Soc., 36(133),1041-1058.

Morais, F. C. de. & Cruz, O. M. (2017). A história em quadrinhos na aula de língua portuguesa como Segunda Língua (L2): relato de uma experiência com alunos surdos. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, p. 233-250.

Nascimento, L. C. R. & Liz, A. P. C. (2017). Jogos digitais no ensino da língua portuguesa para crianças surdas. Periferia: Educação, Cultura & Comunicação, 9(1), 263-289.

Nunes, S. da S., Saia, A. L, Silva, L. J. & Mimessi, S. D. (2015). Surdez e educação: escolas inclusivas e/ou bilíngues? Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 19(3), 537-545.

Palha, S. & Mineiro, A. (2019). Ensino de Português a Surdos em São Tomé e Príncipe: de um paradigma de exclusão até à inclusão. Revista Educação Especial, 32, 93-107.

Pereira, M. C. da C. (2014). O ensino de português como segunda língua para surdos: princípios teóricos e metodológicos. Educar em Revista, 2, 143-157.

Pereira, M. C. da C. & Vieira, M. I. da S. (2009). Bilinguismo e Educação de Surdos. Revista Intercâmbio, XIX, 62-67.

Pinheiro, L. M. (2019). Adaptações curriculares na construção de práticas de letramento para alunos surdos. Revista Educação Especial, 32, 85-107.

Quadros, R. M. de & Stumpf, M. R. (2019). Libras: o que é esta língua? Revista Roseta, 2(1). http://www.roseta.org.br/2019/02/21/libras-o-que-e-esta-lingua/

Quadros, R. M. de & Schmiedt, M. L. P. (2006). Idéias para ensinar português para alunos surdos– Brasília: MEC, SEESP.

Quadros, R. M. de (2017). Língua de herança: língua brasileira de sinais. Porto Alegre: Ed. Penso.

Sacks, O. (1998). Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras.

Santana, L. da S. (2015). Aquisição da língua escrita pelo surdo: um processo a ser questionado. Estudos linguísticos,44(2), 491-505.

Santos, W. de J. & Oliveira, A. S. C. L. de. (2019). Trocas categoriais entre nomes e verbos na aquisição da escrita do Português Brasileiro por surdos. Domínios de Lingu@gem, 13(3), 1115-1141.

Silva, C. M. da., Silva, D. S. da., Monteiro, R. & Silva, D. N. H. (2018). Inclusão Escolar: concepções dos profissionais da escola sobre o surdo e a surdez. Psicologia: Ciência e Profissão, [S.L.], 38(3), 465-479.

Silva, G. M. da. (2014). O processo de ensino-aprendizagem da leitura em uma turma de alunos surdos: uma análise das interações mediadas pela libras. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 14(4), 905-933.

Silva, R. A. F. da. & Seabra, A. G. (2022). Crianças surdas e experiências com a palavra escrita. Educação e Pesquisa, [S.L.], 48, 1-19.

Silva, S. G. de L. da. (2015). Consequências da Aquisição Tardia da Língua Brasileira de Sinais na Compreensão Leitora da Língua Portuguesa, como Segunda Língua, em Sujeitos Surdos. Revista Brasileira de Educação Especial, [S.L.], 21(2), 275-288.

Streiechen, E. M., Krause-Lemke, C., Oliveira, J. P. de. & Cruz, G. de. C. (2016). Pedagogia surda e bilinguismo: pontos e contrapontos na perspectiva de uma educação inclusiva. Acta Scientiarum. Education, 39(1), 91-101.

Stumpf, M. R. (2005). Aprendizagem de escrita de língua de sinais pelo sistema signwriting: línguas de sinais no papel e no computador. 2005. 330 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-Graduação em Informática na Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Teixeira, V. G., & Baalbaki, A. C. F. (2014). Novos caminhos: pensando materiais didáticos de língua portuguesa como segunda língua para alunos surdos. Em Extensão,13(2), 25-36.

Teixeira, W. D., Boer, N. & Franzin, R. de F. (2020). A profissionalidade e pessoalidade do docente da Língua Brasileira de Sinais - Libras. Research, Society And Development, [S.L.], 9(8), 1-20.

Vale, J. da S., Costa, L. G. da. & Vale, D. R. de S. (2021). Currículo surdo: a luta contra a hegemonia ouvinte inclusiva. Research, Society and Development, [S.L.], 10(11), 1-12.

Valentini, C. B. (1995). A apropriação da leitura e escrita e os mecanismos cognitivos de sujeitos surdos na interação em rede telemática.1995. 190 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Published

28/04/2022

How to Cite

SOUZA, E. M. de .; VALENTINI, C. B.; PESCADOR, C. M. Bilingual education of the Deaf: a view at reading and writing from an RSL . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e29611629237, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29237. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29237. Acesso em: 2 jul. 2022.

Issue

Section

Review Article