Educational actions in prenatal care from the perspective of the nurse

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29274

Keywords:

Prenatal care; Health education; Teaching.

Abstract

Since the beginning, women have always been the protagonists of childbirth, being helped by midwives, family women and religious. However, with the passage of time and technological advances, women became dependent on external means to carry out a process that was once natural. With this, the woman began to have fears and doubts about motherhood. When observing pregnant women in the waiting room, they present doubts and anxieties related to pregnancy and childbirth, doubts that are not always clarified due to the large number of consultations and reduced consultation time to meet the demand. At this point, it is possible to perceive the importance of educational practice to meet the need for knowledge to be offered to these pregnant women, which can be performed by all health professionals in the unit, in order to requalify the care provided to the group of pregnant women. This work aims to improve the quality of prenatal and postpartum care and to promote the health of pregnant and postpartum women. The target audience will be all pregnant women in the primary care unit, as they realize the importance of clarifying doubts about the different stages involving pregnancy, childbirth and the puerperium. As a result, we hope to promote the health of pregnant and postpartum women through guidance on the benefits of natural childbirth, healthy eating, care for the newborn, importance of breastfeeding, contraception after childbirth, increase the bond between pregnant women, family and health unit professionals and carry out pregnancy risk assessment.

Author Biographies

Laila Nascimento Barcellos, Centro Universitário Celso Lisboa

Enfermeira, Pós graduada em neonatal e pediátrica pelo Centro Universitário Celso Lisboa e Pós graduada em Enfermagem do trabalho pela Uniabeu.

Wanderson Alves Ribeiro, Universidade Iguaçu

Enfermeiro. Mestre e Doutorando pelo Programa Acadêmico em Ciências do Cuidado em Saúde pela Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da UFF. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem e Pós-graduação da Universidade Iguaçu, Brasil.

Larissa Christiny Amorim dos Santos, Universidade Iguaçu

Acadêmica do curso de graduação em Enfermagem pela Universidade Iguaçu, Brasil.

Enimar de Paula, Universidade Iguaçu

Enfermeiro. Mestre em Saúde Materno-Infantil Faculdade de Medicina - Universidade Federal Fluminense – UFF. Docente do curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Iguaçu. Coordenador do Curso de Pós-Graduação em Enfermagem em Obstetrícia da Universidade Iguaçu, Brasil.

Keila do Carmo Neves, Universidade Iguaçu

Enfermeira. Pós-Graduada em Nefrologia; Mestre e Doutora em Enfermagem pela UFRJ. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Iguaçu, Brasil.

Bruna Porath Azevedo Fassarella, Universidade Iguaçu

Enfermeira. Mestre em Urgência e Emergência. Docente do curso de Enfermagem na Universidade Iguaçu, Brasil.

Júlio César Figueiredo Júnior, Faculdade de Saúde Ibituruna

Enfermeiro graduado pela Faculdade de Saúde Ibituruna – FASI; Pós-Graduado em Saúde da Família e Protocolo de Manchester (IPEMIG), Brasil.

Douglas Mendes da Silva Souza , Centro Universitário Uniabeu

Enfermeiro graduado pela Uniabeu, Brasil.

Leandro Mendes Martins, Faculdade São Camilo

Enfermeiro. Pós-Graduado em Saúde da Família pela Escola de Enfermagem Luiza de Marilac/ Faculdade São Camilo; Subsecretário Adjunto de Atenção Básica e Saúde Integral pela PMQ, Brasil.

Daiana Silva Lima, Universidade Iguaçu

Enfermeira graduada pela Universidade Estácio de Sá, Mestre em Saúde da mulher, criança e adolescente pela UNIRIO; Docente do curso de graduação em enfermagem da Uiversidade Iguaçu, Brasil.

Kemely de Castro, Universidade Iguaçu

Acadêmica do curso de graduação em Enfermagem da Universidade Iguaçu, Brasil.

Matheus Nery Martinho, Universidade Iguaçu

Acadêmico do curso de graduação em enfermagem pela Universidade Iguaçu, Brasil.

Clarissa Rosa de Oliveira Arnaldo, Universidade Iguaçu

Acadêmica do curso de graduação em enfermagem pela Universidade Iguaçu, Brasil.

References

Aguiar, L. C., Silva, M. D. L. C., de Oliveira, V. S., de Aguiar, J. R. R., Dourado, L. K. M. (2020). Perfil das gestantes e conteúdo das orientações sobre os sinais de trabalho de parto recebidas no pré-natal. Revista Ciência Plural, 48-60.

Brasil, C. F. (2010). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Academiaedu, 2(4), 124-234.

Brasil, & Brasil. (2007). Lei nº 11.634, de 27 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o direito da gestante ao conhecimento ea vinculação à maternidade onde receberá assistência no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, 2007.

Brasil. (2002). Ministério da Saúde. Sistema de Informação em Pré-Natal (Sisprenatal). Brasília: Ministério da Saúde; Datasus.

Brasil. (2000). Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Programa Humanização do Parto: humanização no pré-natal e nascimento. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (1996). Norma operacional básica do SUS-NOB-SUS 01/96. Redefine o modelo de gestão do Sistema Único de Saúde, Datasus.

Brasil (2000). Portaria nº 569 de 01 de junho de 2000. Acesso das gestantes e recémnascidos a atendimento digno e de qualidade no decorrer da gestação, parto, puerpério e período neonatal são direitos inalienáveis da cidadania. Datasus.

Brasil. (2006). Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada: manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2000). Urgências e emergências maternas: guia para diagnóstico e conduta em situações de risco de morte materna. Brasília: Ministério da Saúde.

Caldas, R. W., Lopes, B., Amaral, J. N. (2008). Políticas Públicas: Conceitos e Práticas. Belo Horizonte: Sebrae, 167-187.

Cardoso, Â. M. R., Santos, S. M. D., Mendes, V. B. (2007). O pré-natal e a atenção à saúde da mulher na gestação: um processo educativo. Diálogos possíveis, 6(1), 141-59.

Conselho Nacional de Educação. (2001). Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 3/2001. Diário Oficial da União, Seção 1, p. 37.

Costa, C. S. C., Carvalho Vila, V., Rodrigues, F. M., Martins, C. A., Pinho, L. M. O. (2013). Características do atendimento pré-natal na Rede Básica de Saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem, 15(2), 516-22.

Delfino, M. R. R., Patrício, Z. M., Martins, A. S., Silvério, M. R. (2004). O processo de cuidar participante com um grupo de gestantes: repercussões na saúde integral individual-coletiva. Ciência & Saúde Coletiva, 9, 1057-1066.

Delfino, J. A. ., Pereira Melo, A. K. ., de Sousa Bernardes, I. A., Xisto Diniz, A. L. ., Souza de Almeida, C. ., Silva Souza, D. A. . (2021). Ações educativas para a gestante no pré-natal acerca dos cuidados com recém-nascido. Saúde Coletiva (Barueri), 11(63), 5362–5375. https://doi.org/10.36489/saudecoletiva.2021v11i63p5362-5375

Fundação Nacional de Saúde. Diretrizes de educação em saúde visando à promoção da saúde: documento base - documento I/Fundação Nacional de Saúde -Brasília: Funasa, 345-563.

Gil, A.C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ed. São Paulo: Atlas, 204-236.

Guerreiro, E. M., Rodrigues, D. P., Queiroz, A. B. A., Ferreira, M. D. A. (2014). Educação em saúde no ciclo gravídico-puerperal: sentidos atribuídos por puérperas. Revista brasileira de enfermagem, 67, 13-21.

Orgnização Mundial da Saúde. (2016). Recomendações da OMS sobre cuidados pré-natais para uma experiência positiva na gravidez.

Paim, J. S., Teixeira, C. F. (2006). Política, planejamento e gestão em saúde: balanço do estado da arte. Revista de Saúde Pública, 40, 73-78.

Penna, L. H. G., Progianti, J. M., Correa, L. M. (1999). Enfermagem obstétrica no acompanhamento pré-natal. Revista Brasileira de Enfermagem, 52, 385-391.

Reis, D. O., Araújo, E. C. D., & Cecílio, L. C. D. O. (2012). Políticas Públicas de Saúde no Brasil: SUS e pactos pela Saúde. Unifesp. São Paulo. s/d. Disponível em: http://www. unasus. unifesp. br/biblioteca_virtual/esf/1/modulo_politico_gestor/Unidade, 4.

Rios, C. T. F., Vieira, N. F. C. (2007). Ações educativas no pré-natal: reflexão sobre a consulta de enfermagem como um espaço para educação em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 12, 477-486.

Santos, D. S., Andrade, A. L. A. D., Lima, B. S. D. S., Silva, Y. N. D. (2012). Sala de espera para gestantes: uma estratégia de educação em saúde. Revista brasileira de educação médica, 36, 62-67.

Saupe, R. (1999). Preparo do enfermeiro para ser educador: realidade e possibilidades. Florianópolis: UFSC. 234-321.

Serruya, S. J., Lago, T. D. G., Cecatti, J. G. (2004). O panorama da atenção pré-natal no Brasil e o Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 4, 269-279.

Souza, A. Q., Marchiori, M. R. C. T., Cabral, F. B., Diaz, C. M., dos Santos, N. O., Pizolotto, A. L. Z. (2019). A assistência no pré-natal no contexto da estratégia de saúde da família sob o olhar do enfermeiro. Revista Eletrônica Acervo Saúde, (27), e733-e733.

Teixeira, E. C. (2002). O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. Salvador: AATR, 200.

Torres , L. G. M., Vasconcelos , M. N. G. ., Prata, J. R. da S., Nascimento, M. L. do, Oliveira , E. A., Monteiro , A. N. ., Santos , A. C. F. D., Prata, M. do L. C. . (2020). Prenatal care from the perspective of the pregnant woman. Research, Society and Development, 9(11), e41891110117. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10117

Word Health Organization (WHO). (2014). Recommendations on community mobilization through facilitated participatory learning and action cycles with women’s groups for maternal and newborn health. Geneva: World Health Organization, 26, 931-940.

Published

01/05/2022

How to Cite

BARCELLOS, L. N. .; RIBEIRO, W. A. .; SANTOS, L. C. A. dos .; PAULA, E. de .; NEVES, K. do C. .; FASSARELLA, B. P. A. .; FIGUEIREDO JÚNIOR, J. C. .; SOUZA , D. M. da S. .; MARTINS, L. M. .; LIMA, D. S. .; CASTRO, K. de .; MARTINHO, M. N. .; ARNALDO, C. R. de O. . Educational actions in prenatal care from the perspective of the nurse. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e39811629274, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29274. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29274. Acesso em: 18 may. 2022.

Issue

Section

Health Sciences