Situational diagnosis of safety practice in a hospital: a descriptive study

Authors

  • Fernanda Rego Pereira dos Santos da Rocha Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
  • Cristiane de Oliveira Novaes Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0002-5272-3759

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.29404

Keywords:

Patient safety; Quality indicators in health care; Adverse events; Health teaching.

Abstract

This study aims to describe safety practices in a hospital after the implementation of the Patient Safety Center Commission. Descriptive, retrospective, quantitative and documentary study, based on data from the collection of this committee, referring to the years 2020 and 2021, and eight hospitalization sectors of the hospital were evaluated. The results showed that, in relation to the identification of the patient, there was no safe protocol or use of white bracelets to identify the patients, while the location of beds with full name presented 100% support in 2021. For the prevention of risk of falls, the hospital did not have a protocol, but there was an improvement in the treatment of medications that cause drowsiness at night and in the maintenance of a safe environment. In the prevention of pressure injury, there was no established safety protocol; on the other hand, improvement in risk assessment practices of this type of injury on admission, and availability of pneumatic mattresses. Regarding safety in the drug process, the research pointed out the lack of an established protocol, but there was a reduction in carbonated prescriptions, with 100% support in 2021; use of printed for refrigerator temperature control record; and control of medications used in cardiorespiratory arrest by validity and quantity. The data indicated advances in the patient safety process after the implementation of this committee, but pointed out the need to implement the organizational culture of patient safety for the evolution of the goals.

References

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2011). RDC n. 63, de 25 de novembro de 2011. Dispõe sobre os Requisitos de Boas Práticas de Funcionamento para os Serviços de Saúde. Diário Oficial da União.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2013). RDC n. 36, de 25 de julho 2013. Institui ações para a segurança do paciente em serviços de saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2019). Orientações para preenchimento da autoavaliação das práticas de segurança do paciente – 2019.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2020). Relatório da avaliação nacional das práticas de segurança do paciente em serviços de saúde – 2020. https://www.gov.br/anvisa/pt-br/centraisdeconteudo/publicacoes/servicosdesaude/publicacoes/relatorio-avaliacao-nacional-das-praticas-de-sp-maio-2021-versao-02-06-21.pdf

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2021). Plano integrado para a gestão sanitária da segurança do paciente em serviços de saúde 2021-2025. https://www.gov.br/anvisa/pt-br/centraisdeconteudo/publicacoes/servicosdesaude/publicacoes/plano-integrado-2021-2025-final-para-publicacao-05-03-2021.pdf

Fonseca, A. S., Peterlini, F. L., & Costa, D. A. (2014). Segurança do paciente. Martinari.

Göttems, L. B. D., Santos, M. L. G., Carvalho, P. A., & Amorim, F. F. (2016). A study of cases reported as incidents in a public hospital from 2011 to 2014. Rev. Esc. Enferm. USP (Online), 50(5), 861–867. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000600021

Laurindo, M. C., Menezes, M. S., Souza, D. A., & Nadai, T. R. (2016). A implantação do protocolo de identificação segura como ferramenta de segurança do paciente. Revista Qualidade HC, (304), 14–20. https://www.hcrp.usp.br/revistaqualidade/uploads/Artigos/139/139.pdf

Ministério da Saúde. (2013). Portaria n. 529, de 01 de abril de 2013. Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). Diário Oficial da União.

Ministério da Saúde. (2014). Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente. Ministério da Saúde; Fundação Oswaldo Cruz; Agência Nacional de Vigilância Sanitária. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/documento_referencia_programa_nacional_seguranca.pdf

Pereira, M. O., Ludvich, S. C., & Omizzolo, J. A. E. (2016). Segurança do paciente: Prevenção de úlcera por pressão em unidade de terapia intensiva. Revista Inova Saúde, 5(2), 29–44. http://dx.doi.org/10.18616/is.v5i2.3009

Santos, P. R. A., Rocha, F. L. R. S., & Cintra, C. S. J. (2019). Ações para segurança na prescrição, uso e administração de medicamentos em unidades de pronto atendimento. Rev. gaúcha enferm. (Online), 40(spe), e20180347. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2019.20180347

Soares, C. F., & Heidemann, I. T. S. B. (2018). Promoção da saúde e prevenção da lesão por pressão: Expectativas do enfermeiro da atenção primária. Texto & contexto enferm. (Online), 27(2), e1630016. https://doi.org/10.1590/0104-070720180001630016

Sousa, P., & Mendes, W. (2014). Segurança do paciente: Criando organizações de saúde seguras. Editora Fiocruz.

Tres, D. P., Oliveira, J. L. C., Vituri, D. W., Alves, S. R., Rigo, D. F. H., & Nicola, A. L. (2016). Qualidade da assistência e segurança do paciente: Avaliação por indicadores. Cogit. Enferm. (Online), 21(5), 1–8. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i5.44938

Published

19/05/2022

How to Cite

ROCHA, F. R. P. dos S. da .; NOVAES, C. de O. . Situational diagnosis of safety practice in a hospital: a descriptive study. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e17011729404, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.29404. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29404. Acesso em: 6 jul. 2022.

Issue

Section

Health Sciences