Food and nutrition in the climacteric period: literature review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29411

Keywords:

Climacteric; Food; Comprehensive assistance; Women's health; Nutrition.

Abstract

Introduction: The climacteric is a natural cycle of life that is of great importance in a woman's life, because during this period the woman undergoes several physical, biological, psychological and social changes due to the progressive decrease in hormones produced. Objective: to analyze the importance of food potential in the climacteric period for women's quality of life. Methodology: The present study is bibliographic research. Results: The study of dietary patterns in menopausal women is important because this is a relatively long period in a woman's life and the diet adopted has a great impact on public health. Develop nutritional education guidelines and interventions aimed at promoting measures to alleviate the problems of this period. Conclusion: the nutritionist's role in the care of women is in line with other studies that professionals need to rethink nursing practice, with other health professionals clarifying the implementation of Measures focused on women in menopause, meeting their needs and guiding them. them to lead an active, healthy, productive life, with well-being and quality.

References

Almeida, E. I. B., et al. (2020). Perdas pós-colheita de frutas e hortaliças no Maranhão: estimativas, causas, impactos e soluções. São Luís: EDUFMA.

Alves, N. R., et al. (2019). Avaliação das interações medicamentosas entre anti-hipertensivos e hipoglicemiantes orais. ID on line revista de psicologia, 13(44), 374-392, https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/ view/1625.

Arruda, F. S., et al. (2017). Associação entre a depressão e fatores clínicos em mulheres climatéricas. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 2178, 2091.

Avila, R. F., et al. (2019). Estado nutricional de mulheres no climatério e menopausa. In: Congresso Internacional em Saúde.

Belém, G. L. S., et al. (2019). Riscos e benefícios da terapia hormonal no climatério. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 11(4), 244-251.

Brasil. (2008). Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Manual de Atenção à Mulher no Climatério/Menopausa. Brasília: Ministério da Saúde.

Caires, C. S., De Oliveira, A. C. F., & Araujo, E. N. P. (2015). Pós-menopausa, disfunção sexual e personalidade: explorando alguns conceitos. Journal of Health Sciences, 17(3), 206-210.

Carneiro, M. E. S. J., et al. (2020). Assistência de enfermagem a mulher climatérica: estratégias de inclusão na rotina das unidades básicas de saúde. Revista Extensão, 4(2), 115-126.

Carvalho, C. V., et al. (2017). Adesão de pessoas com diabetes mellitus tipo II ao tratamento medicamentoso. Revista de Enfermagem UFPE on line, 11(9), 3402-3409.

Conte, F. A., et al. (2017). Educação nutricional e azeite de oliva melhoram a dislipidemia de mulheres climatéricas. Revista de Enfermagem UFPE on line, 11(8), 3100-3107.

Dorneles, A. B., et al. (2019). Padrão hormonal feminino na menopausa: parâmetros laboratoriais e consequências inestéticas. Revista Saúde Integrada, 12(24), 92-107.

Faria, A. C. P., & Oliveira, F. Q. (2017). Fitoestrogênios como alternativa na terapia de reposição hormonal no climatério. Revista Brasileira de Ciências da vida, 5(1).

Ferreira, A. A., et al. (2018). A Bioquímica da esteatose Hepética. Mostra Científica da Farmácia, 4(2), 1-13.

França, A. P., et al. (2018). Fatores associados à obesidade geral e ao percentual de gordura corporal em mulheres no climatério da cidade de São Paulo, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 23, 3577-3586.

Franchini, C. F. M. (2017). A importância dos níveis séricos de vitamina D em pacientes lúpicos e na menopausa. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde)- Universidade Estadual de Maringá.

Gaira, H. M., Wichmann, F. M. A., Poll, F. A. (2020). Impacto de uma intervenção de educação alimentar no perfil nutricional e padrão de consumo alimentar em mulheres no climatério. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, 17(1), 127-142.

Lakatos, E. M., & Marconi; M. A. (2010). Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas.

Lopez, J., Ramón, R.A., & Giordano, M. G. (2015). Psiquiatria em ginecologia e obstetrícia: da adolescência ao climatério. Rio de Janeiro: Rubio.

Luz, M. M. F. (2019). Atenção às mulheres no período do climatério: a construção de diálogos com profissionais de saúde no município de Santos, São Paulo. 2019. Dissertação (Ciências em Saúde) - Universidade Federal de São Paulo, Santos.

Marcena, B. G., et al. (2021). O uso da soja como alternativa terapêutica no controle de regulação hormonal e sintomatologia do climatério e menopausa. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Campina Grande, Cajazeiras.

Minayo, C. S. (2010). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 28ª ed. Rio de Janeiro: Vozes.

Moraes, T. O. S., Schneid, J. L. (2015). Qualidade de vida no climatério: revisão sistemática da literatura. Amazônia: Science & Health, 3(3), 34-40.

Mota, L. J., et al. (2021). Impactos do climatério em mulheres do sudoeste baiano. Research, Society and Development, 10(7), e22710716563-e22710716563.

Nunes, C. M. A. C. (2016). Conhecimento popular sobre plantas medicinais para o tratamento de sintomas climatéricos em Ouro Preto, Minas Gerais. 94 f. Monografia (Graduação em Farmácia) - Escola de Farmácia, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto.

Oliveira, A. K. D., et al. (2021). Uso de plantas medicinais e fitoterápicos no climatério e menopausa. Research, Society and Development, 10(10), e206101018752-e206101018752.

Oliveira, A. R., et al. (2019). Promoção à saúde da mulher: desmistificando o climatério. Brazilian Journal of Development, 5(10), 21431-21442.

Oliveira, B. M., & Costa, L. P. P. (2015). Influência dos hormônios sexuais na qualidade de vida em mulheres no climatério. Revista Ciência & Saberes-UniFacema, 1(1), 99-104.

OLIVEIRA, J. G., & GONÇALVES, K. A. M. (2021). Climatério e menopausa: orientações do farmacêutico e o impacto na saúde da mulher. Research, Society and Development, v. 10, n. 14, p. e509101422327-e509101422327.

Passos, S. P., Tomé, F. M., & Reis, M. J. A. (2017). Levantamento da conduta alimentar e fatores de risco para o surgimento da osteoporose em mulheres no climatério. Journal of the Health Sciences Institute. 35(3), 205-209.

PEPE, R. B. (2020). Efeito de orientação nutricional baseada em comer com atenção plena na perda de peso em mulheres com obesidade: estudo ATENTO. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Universidade de São Paulo, São Paulo.

Prodanov; C. C. (2013). Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

Raphaelli, C. O., Pereira, E. L., & Bampi, S. R. (2021). Importância da alimentação e da nutrição no climatério. Epitaya E-books, 1(2), 47-57.

Rezende, A. M. L., et al. (2020). A importância da musculação para a mulher na menopausa. Brazilian Journal of Health Review, 3(3), 5250-5262.

Rocha, B. M., et al. (2018). Terapias complementares: fitoterapia como opção terapêutica no climatério e menopausa. Revista De ciências da saúde nova esperança, 16(1), 16-25.

Salgado, J. (2017). Alimentos funcionais. Oficina de Textos.

Santos, M. A., et al. (2021). Qualidade do sono e sua associação com os sintomas de menopausa e climatério. Revista Brasileira de Enfermagem, 74, 2021.

Selbac, M. T., et al. (2018). Mudanças comportamentais e fisiológicas determinadas pelo ciclo biológico feminino: climatério à menopausa. Aletheia, 51(1-2), 177-190.

Serpa, M. A., et al. (2016). Fatores associados à qualidade de vida em mulheres no climatério. Reprodução & Climatério, 31(2), 76-81.

Silva, J. P. L., et al. (2015). Representações do climatério e suas repercussões na vida da mulher: uma revisão sistemática. Anais CIEH, 2(1), 1-12.

Silva, M. B. A., & Oliveira, D. C. (2021). Menopausa e alimentação: práticas nutricionais para uma sintomatologia satisfatória. revista acadêmica FACOTTUR-RAF, 2(1), 26-37.

Silva, M. M., et al. (2019). Evidências contemporâneas sobre o uso da terapia de reposição hormonal. Brazilian Journal of Health Review, 2(2), 925-969.

Silva, R. A. R., et al. (2017). Crianças com doenças renais: associação entre diagnósticos de enfermagem e seus componentes. Acta Paulista de Enfermagem, 30, 73-79.

Silva, V. H., Rocha, J. S. B., & Caldeira, A. P. (2018). Fatores associados à autopercepção negativa de saúde em mulheres climatéricas. Ciência & Saúde Coletiva, 23, 1611-1620.

Solis, M. Y. (2021). Nutrição e exercício no envelhecimento e nas doenças crônicas. Editora Senac São Paulo.

Souza, A., et al. (2020). A utilização de fitoterápicos no manejo de mulheres no climatério/menopausa. Research, Society and Development, 9(9), e415997416-e415997416.

Souza, M., et al. (2016). Prevalência de doenças crônicas não-transmissíveis em mulheres na fase do climatério. In: Congresso Internacional de Atividade Física, Nutrição e Saúde.

Stuczynski, V., et al. (2017). Consumo alimentar de mulheres climatéricas. Salão do Conhecimento.

Vartuli, M. A. (2020). Menopausa bem-vinda: o guia definitivo para se sentir bem e radiante na pré-menopausa, na menopausa e depois dela. São Paulo: SENAC.

Vieira, F., Ramos, G. B. X., & Bindaco, E. S. (2021). Projeto em educação nutricional aplicada em mulheres no climatério praticantes de atividade físicas em cachoeiro de itapemirim-es. Cadernos Camilliani, 15(3-4), 925-937.

Vieira, F. M., et al. (2017). Prevalência de sobrepeso e obesidade e associação entre as fases do climatério. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 6, S437-S441.

Published

03/05/2022

How to Cite

SOARES, C. .; SOUZA, D. C. .; SANTOS, M. S. dos .; FREITAS, F. M. N. de O. .; FERREIRA, J. C. de S. Food and nutrition in the climacteric period: literature review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e44111629411, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29411. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29411. Acesso em: 28 may. 2022.

Issue

Section

Review Article