Trans ambulatory: profile of users and demands for occupational therapy

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29637

Keywords:

Occupational Therapy; Profile; Transgender people.

Abstract

The daily reality of trans people goes through variables that are determined by historical, social and cultural conditions and affect their ways of living and forms of social participation. The general objective of this work is to understand the profile and demands for Occupational Therapy, of the users of the Transgender Comprehensive Health Outpatient Clinic of the Federal University of Sergipe. This is a cross-sectional and descriptive study in a service for trans people in a city on the interior of the State of Sergipe. Data regarding the profile of users were collected from Occupational Therapy assessment sheets to the profile of users carried out in the period from 2016 to July 2021. The population profiles are of people who on the average are people with 23 years old, live in Aracaju, have completed high school, have a good/normal relationship with their mother, live with primary family members and are allocated underemployment. They have culinary skills and manual skills, maintain leisure activities and have as life projects the possibility of traveling and working with a formal bond. Literature tells us that a good part of trans people are in prostitution spaces, which does not corroborate the findings of this research, when we observe, for example, data related to trans people and work experiences.

References

Antra. (2021). Dossiê: Assassinatos e Violência contra Travestis e Transexuais no Brasil em 2020. ANTRA/IBTE.

Brasil. (2008). Portaria Nº 457/SAS de 19 de agosto de 2008. Diário Oficial da União.

Braz, D. G. C., Reis, M. B., Horta, A. L. M., & Fernandes, H. (2020). Vivências Familiares no Processo de Transição de Gênero. Acta Paul Enferm, 33 (1), 1-8.

Bueno, K. M. P. (2007). Construção de habilidades: trama de ações e relações.Autentica.

Dias, J. A. H. & Bernardineli, M. C. (2016). O Transexual e o Direito de Acesso ao Mercado de Trabalho: do Preconceito à Ausência de Oportunidades. Revista de Gênero, Sexualidade e Direito, 2 (2), 243- 259.

Galheigo, S. M. (2003). O cotidiano na terapia ocupacional: cultura, subjetividade e contexto histórico-social. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 14 (3), 104-109.

Lionço, T. (2009). Atenção Integral à Saúde e Diversidade Sexual no Processo Transexualizador do SUS: avanços, impasses, desafios. Physis Revista de Saúde Coletiva, 19 (1), 43-63.

Melo, K. M. M. (2016). Terapia Ocupacional Social, pessoas trans e Teoria Queer: (re)pensando concepções normativas baseadas no gênero e na sexualidade. Cadernos Brasileiros De Terapia Ocupacional, 24 (1), 215–223.

Melo, K. M. M. (2021). Entre rupturas e permanências: Modos de vida e estratégias de enfrentamento à vida nas margens no cotidiano de pessoas trans. (Tese de doutorado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Mocelin, C. E., Martinazzo, C. J., & Guimarães, G. T. D. (2018). A trajetória histórica da constituição do marco legal das Ações Afirmativas. Argumentum, 10 (1), 293–308.

Pereira, M. C. (2020). Análise das Experiências Sociais e Subjetivas de Mulheres Trans: um estudo sobre rupturas e continuidades geracionais. (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

Porto, T. S. (2016). A incômoda performatividade dos corpos abjetos. Ide, 39 (62), 157-166.

Reis, D. A. S., & Martins, A. M. (2020). Diversidade Sexual e Políticas Públicas de Lazer para as Pessoas LGBTTI. Revista do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer – UFMG, 23 (4), 510-534.

Salles, M. M., & Matsukura, T. S. (2013). Estudo de revisão sistemática sobre o uso do conceito de cotidiano no campo da terapia ocupacional no Brasil. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 21 (2), 265-273.

Sehnem, G. D., Paula, F. M., Monteiro, A. S., Machado, A. S., Scopel, M. F., Dallabrida, G. S., & Neves, E. T. (2021). Projetos de vida de adolescentes que vivem com HIV/AIDS. Saúde (Santa Maria), 47 (1), 1-13.

Serrano, J. L., Caminha, I. O., Gomes, I. S., Neves, E. M., & Lopes, D. T. (2019). Mulheres Trans e Atividade Física: Fabricando o Corpo Feminino. Interface (Botucatu), 23 (1), 1-15.

Silva, E. L., & Menezes, E. M. (2005) Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. UFSC.

Silva, B. B., & Cerqueira-Santos, E. (2014). Apoio e Suporte Social na Identidade Social de Travestis, Transexuais e Transgêneros. Revista da SPAGESP, 15 (2), 27-44.

Silva, M. F. (2018). Trajetória Trans: Apoio Social e Relações Afetivo-Sexuais de Transexuais. Dissertação (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Silva, M. A., Luppi, C. G., & Veras, M. A. S. M. (2020). Trabalho e saúde na população transexual: fatores associados à inserção no mercado de trabalho no estado de São Paulo, Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, 25 (5), 1723-1734.

Silva, R. G. L. B., Bezerra, W. C., & Queiroz, S. B. (2015). Os Impactos das Identidades Transgêneros na Sociabilidade de Travestis e Mulheres Transexuais. Rev Ter Ocup Univ São Paulo, 26 (3), 364-72.

Silva, V. N. F., & Souza, A. V. M. (2018). Pessoas Trans: Processos de Inclusão e Exclusão Social. Conferência Internacional de Estudos Queer.

Siriano, F. F., & Grandino, P. J. (2018). Juventude em desenvolvimento: as experiências formativas e a construção de projeto de vida. Rev. Cienc. Educ., 42 (1), 79-98.

Souza, H. A., & Bernardo, M. H. (2014). Transexualidade: as consequências do preconceito escolar para a vida profissional. Revista Bagoas. 11 (1), 157-175.

Tiveron, R. M. A (2008). Terapia Ocupacional no campo da gerontologia: uma contribuição para revisão de projetos de vida. (Dissertação de Mestrado), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Zucchi, E. M., Barros, C. R. S., Redoschi, B. R. L., Deus, L. F. A., & Veras, M. A. S. M. (2014). Bem-estar psicológico entre travestis e mulheres transexuais no Estado de São Paulo. Cad. Saúde Pública, 35 (3), 1-13.

Published

10/05/2022

How to Cite

COSTA, M. S.; OLIVEIRA, M. M. A. de; MELO, K. M. M. de .; MENTA, S. A. Trans ambulatory: profile of users and demands for occupational therapy. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e54711629637, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29637. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29637. Acesso em: 22 may. 2022.

Issue

Section

Health Sciences