Historic landmarks of the Brazilian hydroelectric sector

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.29680

Keywords:

Brazilian Electric Sector (SEB); Hydroenergetic Modal; Clean Energy; Climate.

Abstract

The objective of this article was to review the historical milestones of the Brazilian hydroelectric sector since its birth, at the end of the 19th century, until the year 2021. This period was divided into five phases, characterized according to the political and economic, national and international that shaped the Brazilian hydroelectric sector. Adopting the bibliographic method, the research corpus consists of reports and books produced by the government; official statistical databases published by regulatory bodies and energy companies; scientific works (articles, dissertations and books), and; applicable governing laws. From this narrative review, it was inferred that: 1) The big hydroelectric plants played a leading role, in terms of infrastructure, in all national developmental projects that rose to power in Brazil since the 1930 revolution; 2) Events such as the New York Stock Exchange crash in 1929 and the Second World War show how susceptible the Brazilian hydroelectric sector is to the nuances of international geopolitics; 3) The energy insecurity scenarios cannot be explained only by the various water crises that devastated the country in the analyzed period, and; 4) The “2001 blackout crisis” is the main catalyst in the history of the Brazilian electricity sector: It triggered both the execution of the last cycle of hydroelectric projects of great magnitude in Brazil and the diversification of the national energy matrix, primacy of the regulatory efforts underway since the beginning of this century.

References

Abreu, M. P. (2008) The brazilian economy, 1930-1945. In: Bethell, Leslie (Ed.). The Cambridge History of Latin America, New York: Cambridge University Press, vol. IX, 634p.

Alves, S. F. S. (2015) Movimento dos Atingidos por Barragens: perspectivas teóricas de lutas práticas. Revista Café com Sociologia, vol. 4, nº. 1, p. 221-230,. Disponível em:< https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/367/>. Acesso em: 23 de março de 2022.

ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica. (1998). Resolução ANEEL nº 394, de 04 de dezembro de 1998. Disponível em: < http://www.ibama.gov.br/sophia/cnia/legislacao/AGENCIAS/ANEEL/RS0394-041298.PDF>. Acesso em: 13 de fevereiro de 2022.

ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica. (2003). Resolução ANEEL nº 652, de 09 de dezembro de 2003. Disponível em: < https://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=1080727>. Acesso em: 13 de fevereiro de 2022.

ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica. (2022). Sistema de Informações de Geração da ANEEL - SIGA. Disponível em: < https://www.aneel.gov.br/siga>. Acesso em: 15 de janeiro de 2022.

Banco Mundial. (2008). Licenciamento Ambiental de Empreendimentos Hidrelétricos no Brasil: Uma Contribuição para o Debate. Relatório Nº. 40995-BR. Escritório do Banco Mundial no Brasil, Região da América Latina e Caribe. 156 p.

BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. (1996). O BNDES e o Plano de Metas. Rio de Janeiro: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (Fundação Getúlio Vargas). 148 p.

BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. (2002). 50 anos: Histórias setoriais. Rio de Janeiro: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (Fundação Getúlio Vargas). 280 p.

Brasil. (1903). Lei Federal nº 1.145, de 31 de dezembro de 1903. Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1900-1909/lei-1145-31-dezembro-1903-775726-publicacaooriginal-139481-pl.html>. Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1904). Decreto Federal nº 5.407, de 27 de dezembro de 1904. Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1900-1909/decreto-5407-27-dezembro-1904-527509-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1934). Decreto Federal nº 24.643, de 10 de julho de 1934. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d24643compilado.htm>. Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1939). Decreto-Lei Federal nº 1.285, de 18 de maio de 1939. Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-1285-18-maio-1939-349181-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1945) Decreto-Lei Federal nº 8.031, de 3 de outubro de 1945. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del8031.htm>. Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1950). O Plano Salte. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional. 78p.

Brasil. (1956) Decreto Federal nº 38.744, de 1º de fevereiro de 1956. Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1950-1959/decreto-38744-1-fevereiro-1956-338702-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1960). Lei Federal nº 3.782, de 22 de julho de 1960. Disponível em: < https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/l3782.htm>. Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1961) Lei Federal nº 3.890-A, de 25 de abril de 1961. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l3890acons.htm>. Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1964). Decreto Federal nº 53.914, de 11 de maio de 1964. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1960-1969/decreto-53914-11-maio-1964-393923-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1973). Lei Federal nº 5.899, de 05 de julho 1973. Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5899-5-julho-1973-358011-norma-pl.html>. Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1968). Decreto Federal nº 63.951, de 31 de dezembro de 1968. Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1960-1969/decreto-63951-31-dezembro-1968-405475-publicacaooriginal-1-pe.html >. Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1981). Lei Federal nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938compilada.htm>. Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1982). Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica. Portaria nº 109, de 24 de novembro de 1982. Disponível em: http://www3.ANEEL.gov.br/netacgi/cobaia.exe?S1=portaria&S2=&S3=&S4=109&S5=&l=20&SECT1=IMAGE&SECT4=e&SECT6=HITOFF&SECT3=PLURON&SECT2=THESON&SECT5=BIBL04&S6=legislacao&d=BIBL&p=2&uhttp://www.ANEEL.gov.br/biblioteca/pesquisadigit.cfm&r=31&f=G> Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1995). Lei Federal nº 9.074, de 7 de julho de 1995. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9074compilada.htm>. Acesso em: 21 de março de 2022.

Brasil. (1996). Lei Federal nº 9427, de 26 de dezembro de 1996. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9427compilada.htm>. Acesso em: 05 de março de 2022.

Brasil. (1997). Lei Federal nº 9433, de 08 de janeiro de 1997. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9433.htm>. Acesso em: 16 de janeiro de 2022.

Brasil. (2002). Lei Federal nº 10438, de 26 de abril de 2002. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10438.htm>. Acesso em: 05 de fevereiro de 2022.

Brasil. (2007). Decreto Federal nº 6025, de 22 de janeiro de 2007. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6025.htm>. Acesso em: 05 de fevereiro de 2022.

Brasil. (2015). Lei Federal nº 13097, de 19 de janeiro de 2015. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13097.htm#:~:text=Reduz%20a%20zero%20as%20al%C3%ADquotas,dezembro%20de%201995%2C%209.440%2C%20de>. Acesso em: 05 de fevereiro de 2022.

Brasil. (2016). Lei Federal nº 13360, de 17 de novembro de 2016. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13360.htm>. Acesso em: 05 de fevereiro de 2022.

Brasil. (2021). Lei Federal nº 14182, de 12 de julho de 2021. Disponível em: < https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.182-de-12-de-julho-de-2021-331549377#:~:text=Disp%C3%B5e%20sobre%20a%20desestatiza%C3%A7%C3%A3o%20da,2015%2C%2014.118%2C%20de%2013%20de>. Acesso em: 07 de fevereiro de 2022.

CEMIG - Companhia Energética de Minas Gerais S.A. (2022). Usina do Conhecimento. Disponível em: < https://www.cemig.com.br/usina-do-conhecimento/>. Acesso em: 21 de março de 2022.

CENTRO DA MEMÓRIA DA ELETRICIDADE. (2022) Acervo. Disponível em: < https://www.memoriadaeletricidade.com.br/acervo >. Acesso em: 19 de janeiro de 2022.

CHESF - Companhia Hidrelétrica do São Francisco. (2022). Base Jurídica. Disponível em: < https://www.chesf.gov.br/empresa/Pages/Base%20Jur%C3%ADdica/BaseJuridica.aspx>. Acesso em: 15 de março de 2022.

COGE - Comitê de Gestão Empresarial. (1994). Jurídico. Os serviços de Energia Elétrica e Meio Ambiente, COGE SJU 17/94. 147 p. Disponível em: <https://funcoge.org.br/Home/HistoricCOGE>. Acesso em: 15 de março de 2022.

Correa, L. C. (2005). Contribuição para uma história da regulamentação do setor de energia elétrica no Brasil: o Código de Águas

de 1934 e o Conselho Nacional de Águas e Energia Elétrica. Política & Sociedade, n. 6, p. 255-291.

CTG/BR - China Three Gorges Corporation. (2022). Negócios. Disponível em: < https://www.ctgbr.com.br/negocios/>. Acesso em: 16 de março de 2022.

Damasceno, I. A. (2014). Pequenas centrais hidrelétricas (PCHs): conceitos, normas e a PCH Malagone. Dissertação (mestrado), Universidade Federal de Uberlândia, Programa de Pós-Graduação Geografia. 152 p.

ELETRONORTE - Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A. (2022). Tucuruí. Disponível em: < https://www.eletronorte.gov.br/tucurui//>. Acesso em: 15 de fevereiro de 2022.

EMAE - Empresa Metropolitana de Águas e Energia S.A. (2022). Histórico. Disponível em: < http://www.emae.com.br/conteudo.asp?id=Historico>. Acesso em: 12 de março de 2022.

EPE - Empresa de Pesquisa Energética. (2022). Potencial dos Recursos Energéticos no Horizonte 2050. Disponível em: < https://www.epe.gov.br/sites-pt/publicacoes-dados-abertos/publicacoes/PublicacoesArquivos/publicacao-227/topico-416/03.%20Potencial%20de%20Recursos%20Energ%C3%A9ticos%20no%20Horizonte%202050%20(NT%20PR%2004-18).pdf>. Acesso em: 12 de março de 2022.

Estrela, E. S. (2006). Expropriados terra e água: o conflito de Itaipu. São Paulo. Imaginário, USP. vol. 12, nº 13, p. 457-459.

Fernandes, G. S. (2019). Centrais geradoras hidrelétricas: uma análise procedimental de sua aprovação e viabilidade. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Goiânia. 65 p.

FGV – Fundação Getúlio Vargas. (2022). Diretrizes do Estado Novo (1937 - 1945): Conselho Nacional de Águas e Energia Elétrica. Disponível em: < https://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/AEraVargas1/anos37-45/EstadoEconomia/ConselhoAguasEnergia>. Acesso em: 21 de março de 2022.

Fontes, G. D. A; Xavier, Y. M. D. A. & Guimarães, P. B. V. (2013). Princípio fundamental ao meio ambiente: pequenas centrais hidrelétricas na matriz energética brasileira. Revista Digital Constituição e Garantia de Direitos, v. 3, n. 01, p. 1-23.

FURNAS - Furnas Centrais Elétricas S.A. (2022). Geração. Disponível em: < https://www.furnas.com.br/geracao/?culture=pt>. Acesso em: 13 de março de 2022.

Hansen, C. R. S. O. (2012). Eletricidade no Brasil na Primeira República: A CBBE e os Guinle no Distrito Federal (1904-1923). Tese (Doutorado em História), Universidade Federal Fluminense, Niteroi. 284 p.

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2022). Capacidade instalada de geração de energia elétrica hidráulica do Brasil: quantidade. Disponível em: < http://www.ipeadata.gov.br/Default.aspx/>. Acesso em: 16 de março de 2022.

IEA – International Energy Agency. (2022). Net Zero by 2050: A Roadmap for the Global Energy Sector. Disponível em: < https://www.iea.org/reports/net-zero-by-2050/>. Acesso em: 16 de março de 2022.

IRENA – International Renewable Energy Agency. (2022). Renewables and Electricity Storage. Disponível em: <https://www.irena.org/publications/2015/Jun/Renewables-and-Electricity-Storage/>. Acesso em: 16 de março de 2022.

ITAIPU – Usina Hidrelétrica de Itaipu. (2022). Nossa história. Disponível em: < https://www.itaipu.gov.br/nossahistoria/>. Acesso em: 23 de abril de 2022.

JIRAU ENERGIA. (2022). A Estrutura da Usina Hidrelétrica Jirau. Disponível em: < https://www.jirauenergia.com.br/conheca-a-uhe/>. Acesso em: 22 de abril de 2022.

Kligermann, A. S. (2009) Um Sistema de Apoio à Decisão Bicritério para o Planejamento da Operação Energética. Tese (Doutorado em Computação), Universidade Federal Fluminense, Niterói. 118 p.

Lorenzo, H. C. (1993). Eletrificação, urbanização e crescimento industrial em São Paulo: 1880-1940. Tese (Doutorado em Geociências) - Instituto de Geografia e Ciências Econômicas, Universidade Estadual Paulista, São Paulo. 186 p.

Lorenzo, H. C. (2002). O setor elétrico brasileiro: Passado e futuro. Perspectivas, São Paulo, 24-25, p. 147-170.

Louzada, A. F.; Barp, A. R. B. & Magalhães, R. C. (2007). Hidrelétricas e conflitos socioambientais: estudo de caso do reservatório de Tucuruí (Pa). XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos.

MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens. (2022). Quem somos. Disponível em: < https://mab.org.br/quem-somos/>. Acesso em: 20 de janeiro de 2022.

Oliveira, N. C. C. (2018). A grande aceleração e a construção de barragens hidrelétricas no Brasil. Belo Horizonte: Varia Historia, v. 34, n. 65, p. 315-346.

ONS – Operador Nacional do Sistema. (2022). Base de Dados. Disponível em: < http://www.ons.org.br >. Acesso em: 13 de março de 2022.

Pereira, R. B. (2006). O Setor Elétrico Brasileiro no período de 1930 a 1964 e o Desenvolvimentismo. Monografia (Graduação em Ciências Econômicas), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 49 p.

SANTO ANTÔNIO ENERGIA. (2022). Geração. Disponível em: < https://www.santoantonioenergia.com.br/energia/energia1/>. Acesso em: 13 de março de 2022.

Silva, B. G. (2011). Evolução do setor elétrico brasileiro no contexto econômico nacional: Uma análise histórica e econométrica de longo prazo. Dissertação (mestrado), Programa de Pós-Graduação EP/ FEA/ IEE/ IF da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. 162p.

Silva, E. M. da. (2014). Das margens do rio São Francisco às marginalidades do Lago de Sobradinho. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, vol. 34, nº. 1, p. 49-64.

Tundisi, J. G. (2007). Exploração do potencial hidrelétrico da Amazônia. Estudos Avançados, vol. 21, n°. 59, p. 109-117.

Vaz, V. B. J. (2012). A represa de ribeirão das lajes e os efeitos socioespaciais no planalto da serra do mar no sul do Estado do Rio de Janeiro. Simpósio Internacional Globalización, innovación y construcción de redes técnicas urbanas en América y Europa, 1890 - 1930.

Vicentini, J. O; Albuquerque, C (2020). O Discurso Desenvolvimentista sobre a Usina Hidrelétrica de Belo Monte no Contexto do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC). São Carlos: Desenvolvimento em Questão, ano 19, n. 54, p. 28-47.

Published

16/05/2022

How to Cite

SOARES, K. de J. .; FREITAS, G. A. de .; MENEZES, B. F. .; ROCHA, M. H. F. de F.; MOREIRA, G. A. .; NAVES, A. C. T. S. G. .; RODRIGUES, L. G. de M.; PASSOS, M. A. .; OLIVEIRA, D.; MARQUES, R. F. de P. V. .; SOARES, D. de J. .; FERREIRA, I. T. R. . Historic landmarks of the Brazilian hydroelectric sector. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e9211729680, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.29680. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29680. Acesso em: 1 mar. 2024.

Issue

Section

Review Article