Heterologous artificial insemination: the conflict between the right to recognition of genetic origin and donor intimacy

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29745

Keywords:

Heterologous assisted reproduction; Right to genetic origin; Right to privacy; Teaching.

Abstract

The present article sought to discuss how the Brazilian legal system sees the conflict between the recognition of genetic origin and the intimacy of the gamete donor and the future weight of the heterologous artificial insemination technique in the life of the individual generated from it, since it does not there is normalization in addition to the subjective concepts applied to each case. Therefore, the work was based on a qualitative study developed through bibliographic research, analyzing the relevant themes that permeate the theme, namely: family planning, sexual and reproductive rights, among others. Considering also the constitutional perspective and the conflicts of constitutional norms of the right to intimacy and identity, which have been placed on opposite sides, when in fact they are species that derive from the right to personality. The general objective was to analyze the best way to solve the antagonism of the theme, that is, the right to recognition of genetic origin and the right to identity and intimacy of the donor. It was shown that the best way to resolve the impasse is from the principled weighting of the norms, as in the Brazilian legal system there is no hierarchy between constitutional principles, whether explicit or implicit, as well as, there is no regulatory law, thus, to find out what the outlines of the fundamental rights and the identity of the donor and the individual are more than necessary as a matter of law there is a democratic and reassuring state that seeks the dignity of the human person on both sides.

References

Biogenetics. (2021). Como de fato funciona a herança genética e o teste de DNA? https://www.biogenetics.com.br/blog/como-de-fato-funciona-a-heranca-genetica-e-o-teste-de-dna/

Brasil. (2008) ADIN 3.510/08.: HTTP://WWW.STF.JUS.BR/ARQUIVO/CMS/NOTICIANOTICIASTF/ANEXO/ADI3510RELATOR.PDF

Brasil. (1990). Estatuto da Criança e Adolescente. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Brasil. (1990). Lei n° 8.080, de 19 de setembro de 1990. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Brasil. (1990). Decreto n° 99.710, de 21 de novembro de 1990. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/d99710.htm

Brasil. (1996). Lei n° 9.263, de 12 de janeiro de 1996. Regula o §7° da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9263.htm#:~:text=DO%20PLANEJAMENTO%20FAMILIAR-,Art.,pelo%20homem%20ou%20pelo%20casal.

Brasil. (2005). Lei de Biossegurança. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11105.htm

CFM. (1992). Resolução CFM nº 1.358/1992. http://www.ghente.org/doc_juridicos/resol1358.htm

CFM (2013). Resolução CFM nº º 2.013/13. https://portal.cfm.org.br/images/PDF/resoluocfm%202013.2013.pdf

CFM. (2015). Resolução CFM nº 2.121/2015. https://sistemas.cfm.org.br/normas/arquivos/resolucoes/BR/2015/2121_2015.pdf .

CFM. (2018). Código de Ética Médica. https://cremers.org.br/pdf/codigodeetica/codigo_etica.pdf

Correia, A. C. B. B. (2011). Reprodução humana assistida e suas consequências nas relações de família. Curitiba: Juruá.

Crisafulli, P. H. D. A. (2011). O DIREITO DE FAMÍLIA E A FILOSOFIA EUDEMONISTA. HTTPS://RI.UNIPAC.BR/REPOSITORIO/WP-CONTENT/UPLOADS/2019/08/PEDRO-HENRIQUE-DE-ASSIS-CRISAFULLI.PDF

Dias, M. B. (2013). Manual de Direito das Famílias. 9. ed. São Paulo: RT, 2013, pag. 363

Eduarda, M. (2020) A INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL POST MORTEM E O DIREITO SUCESSÓRIO. 1° ENCONTRO NACIONAL DA OAB. HTTPS://AMBITOJURIDICO.COM.BR/CADERNOS/DIREITO-DE-FAMILIA/A-INSEMINACAO-ARTIFICIAL-POST-MORTEM-E-O-DIREITO-SUCESSORIO/

Escobar, H. (2007). Quando começa o ser humano? https://emais.estadao.com.br/noticias/geral,quando-comeca-o-ser-humano,26620

Figueiredo, F. V. (2014). DIREITOS DA PERSONALIDADE E O RESPEITO À DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA. HTTPS://FABIOVIEIRAFIGUEIREDO.JUSBRASIL.COM.BR/ARTIGOS/112327969/DIREITOS-DA-PERSONALIDADE-E-O-RESPEITO-A-DIGNIDADE-DA-PESSOA-HUMANA.

Gama, G. C. N. (2003). A NOVA FILIAÇÃO: O BIODIREITO E AS RELAÇÕES PARENTAIS: O ESTABELECIMENTO DA PARENTALIDADE – FILIAÇÃO E OS EFEITOS JURÍDICOS DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA HETERÓLOGA. RIO DE JANEIRO: RENOVAR.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Grunwald, A. B. (2003). Laços de família: critérios identificadores da filiação. Jus Navigandi, Teresina, ano 7, n. 112, 24 ttps://jus.com.br/artigos/4362/lacos-de-familia

Krell, O. J. G. (2011). Reprodução humana assistida e a filiação civil. Curitiba: Juruá.

Loureiro, G. (2006). Prova pericial e a Filiação (análise da Súmula 301 do STJ). In: DIDIER JR, F. & NAZZEI, R. (Orgs.). Prova, exame médico e presunção: o artigo 232 do Código Civil. Salvador: Podivm.

Machado, M. T. (2003). A proteção constitucional de crianças e adolescentes e os direitos humanos. Barueri: Manoele.

Mello, C. A. B. (2004). Curso de direito administrativo. 17 ed. São Paulo: Malheiro.

Mendes, G. F. (2009). CURSO DE DIREITO CONSTITUCIONAL. 4ª ED. SÃO PAULO: SARAIVA.

Moraes, A. (2003). Constituição do Brasil interpretada. 2. Ed. São Paulo: Atlas.

Morandi, M. I. W. M. & Camargo, L. F. R. (2015). Revisão sistemática da literatura. Design Science research.

ONU. (1948). Declaração Universal dos Direitos Humanos. https://www.unicef.org/brazil/declaracao-universal-dos-direitos-humanos.

ONU. (1994). Convenção Internacional sobre População e Desenvolvimento – CIPD, amplamente (Convenção do Cairo), de 1994. https://brazil.unfpa.org/pt-br/conferencia-do-cairo.

Raupp, F. & Beuren, I. M. (2003). Metodologia da pesquisa aplicável às Ciências Sociais. In: Ilse Maria Beuren. (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas, v. 1, p. 76-97.

Rodrigues, S. (1999). Direito Civil. V. 1. São Paulo: Saraiva, In. Reprodução humana assistida e suas consequências nas relações de família. Site CREMESP. <http://www.cremesp.org.br/?siteAcao=Revista&id=133.

Published

11/05/2022

How to Cite

BARBERINO, J. S.; FERREIRA JÚNIOR, A. C. . Heterologous artificial insemination: the conflict between the right to recognition of genetic origin and donor intimacy. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e57111629745, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29745. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29745. Acesso em: 18 may. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences