Challenges of diversity in intercultural contexts. A quantitative study on black women and men in the management of Pernambuco's Sertão Central

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.29931

Keywords:

Race; Gender; Management; Contributors; Rise; Racial exclusion.

Abstract

The present work aims to analyze the challenges of diversity in intercultural contexts related to the experiences of black women and men in management positions in the Sertão Central of Pernambuco. The study aims to understand the processes of inclusion and exclusion under the focus of gender and race in professional business management activities, whether in the public or private spheres. Thus, evaluating the impacts of structural racism directed at the raciality of black employees, intersecting gender issues, empirically investigating the subjective view of employees related to the process of inclusion and career advancement and describing, in a quantitative way, the others processes and challenges of interculturality and the absence of diversity in the field of public-private management. The findings of the study reveal that the problems of raciality and gender are obstacles and challenges experienced in daily life by black women and men employees and that need to be faced, seeking to consolidate a culture that is more inclusive of diversity.

Author Biographies

Miguel Melo Ifadireó, Universidade de Pernambuco

Pós-doutorado em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Ibero-Americana do Paraguai (UIA/PY). Possui Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (2017). Possui mestrado em Criminologia e Direito Internacional e Europeu pela Universidade de Hamburgo/Alemanha (2001) e mestrado em Educação Intercultural e Inclusiva pela Universidade de Hamburgo/Alemanha (2005). Possui Graduação-Bacharelado em Direito pela Universidade de Fortaleza (1997) e possui Graduação-Bacharelado em Pedagogia pela Faculdade Kurios do Ceará (2015). Professor Associado de dois Cursos de Administração e Logística da Universidade do Estado de Pernambuco (UPE) e Professor Efetivo do Programa de Docência Profissional em Educação em Saúde do Centro Universitário Doutor Leão Sampaio (MePESa/ UNILEÃO). Na área do Direito, temos Especialização em Direito do Trabalho e Especialização em Direito Empresarial; na área de Educação e Ensino, temos Especializações em: 1) Transtorno do Espectro Autista (TEA); 2) Ensino Superior e Coordenação Pedagógica; 3) Didática e Metodologias Ativas no Ensino Superior; 4) Gestão de Políticas Públicas; 5) Mostrar dois Direitos Humanos; e 6) Neuropsicopedagogia e Educação Especial e Inclusiva. Especializou-se ainda em Psicologia Analítica Junguiana - perspectiva multidisciplinar, Ensino de Sociologia e Educação Indígena. Atualmente pesquisamos Teorias Raciais Críticas em Interfaces Não Diretas e na Administração, Educação Comparada, Políticas Públicas de Educação para Pessoas com Deficiência, Políticas Públicas de Direitos Humanos para o Enfrentamento da Violência (Gênero, LGBTfobia, Racismo e Racismo Religioso) e Acessibilidade e Inclusão de Negros e LGBTIQ+ nas Organizações. Pesquisadora-líder do Núcleo de Estudos em Gênero, Raça, Organizações e Sustentabilidade (BLACKS) e Pesquisadora-coordenadora do GT 2: NBUNTU ? DECOLONIALIDADE, PENSAMENTO AFRODIAPÓRICO E RELIGIOSIDADES HEGEMONICAS do G-PENSE! (Grupo de Pesquisa em Contemporaneidade, Subjetividades e Novas Epistemologias) da Universidade Estadual de Pernambuco.

Yohana Maria Monteiro de Augusto Alencar, Centro Universitário de Juazeiro do Norte

Advogada OAB/CE nº 39.296. Mestra em Ensino em Saúde pelo Centro Universitário Doutor Leão Sampaio (UNILEÃO). Integrante da Comissão de Promoção da Igualdade Racial OAB/CE. Bacharel em Direito pela Faculdade Paraíso do Ceará (FAP). Licenciada em Pedagogia pela União Brasileiras de Faculdades -Unibf. Professora do Centro Universitário de Juazeiro (UNIJUAZEIRO). Produtora e Diretora do Documentário Saber-se Negra ( https://www.youtube.com/watch?v=feZF4xrJtyU). Integrante do Grupo de Pesquisa Oju Obinrin Observatório de Mulheres Negras - UESB. Professora-Pesquisadora do grupo LIEVI (Laboratório Interdisciplinar de Estudos e Extensão em Educação Inclusiva e Violência) pelo Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (UNILEÃO). Integrante da Rede de Mulheres Negras do Ceará. Ênfase em pesquisas sobre: direitos humanos e sociais, políticas públicas, educação, gênero, movimentos LGBTQIA+, feminismo negro e cultura afro. Integrante e coordenadora do Projeto Social Anjos Solidário CEVEMA

Wanderberg Alves Brandão, Universidade de Pernambuco

Graduado em Administração pela Universidade Federal do Ceará, Campus Cariri. Mestre em Administração, com ênfase em Marketing e Sociedade pelo Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal da Paraíba. Foi professor substituto na Universidade Federal de Campina Grande e na Universidade Federal do Cariri e atuou como coordenador dos cursos de Administração e Marketing, da Uninassau (Unidade Campina Grande-PB) e do curso de Administração na Universidade de Pernambuco. Atualmente é professor assistente na Universidade de Pernambuco, Campus Salgueiro e doutorando em Administração pela Universidade Federal da Paraíba.

Francisco Renato Silva Ferreira, Secretaria Municipal de Educação de Juazeiro do Norte; Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (UNILEÃO)

Mestrando do Programa de Mestrado Profissional de Ensino em Saúde do Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (MePESa/UNILEÃO). Especialista em Educação Especial e Treinamento Desportivo pela Faculdade Dom Alberto (DOMALBERTO). Especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdades Integrada de Patos (FIP). Especialista em Educação Especial/ Educação Inclusiva/ Altas Habilidades pela Faculdade de Venda Nova do Imigrante (FAVENI). Especialista em Personal Trainer e Educação Física Escolar pela Faculdade de Venda Nova do Imigrante (FAVENI). Especialista em Gestão Escolar pela Faculdade de Venda Nova do Imigrante (FAVENI). Pós-graduando em Psicopedagogia Institucional e Clínica pelo Centro Universitário Faveni (UNIFAVENI). Graduação-Bacharelado em Educação Física pelo Centro de Ensino Superior de Piracanjuba EIRELI (FACULDADE DE PIRACANJUBA -FAP). Graduação-Licenciatura em Educação Física pelo Centro Universitário Doutor Leão Sampaio (UNILEÃO). Graduação-Licenciatura em Pedagogia pelo Centro Universitário Faveni (UNIFAVENI). Atualmente é Diretor Administrativo da Rede Municipal de Educação de Juazeiro do Norte - CE (SEDUC/JN). Experiência profissional com formação e capacitação na área de Educação Adaptada e Inclusiva, com ênfase em Atividades Adaptadas através da integração de grupos especiais de Pessoas com Deficiência. Certificação Internacional pela World Top Trainers Certification (WTTC); Experiência Profissional na área de Personal Trainer. Pesquisador do Laboratório Interdisciplinar de Estudos e Extensão da Educação Inclusiva e Violência (LIEVI/UNILEÃO). Pesquisador-voluntário do Grupo de Pesquisa sobre Contemporaneidade, Subjetividade e Novas Epistemologias (G-PENSE/UPE).

References

Alencar, Y. M. M. A. (2021). Racismo, identidade e formação profissional: Trajetória de vidas de mulheres negras na Docência do Ensino Superior. Dissertação (Mestrado). Centro Universitário Dr. Leão Sampaio – Unileão. Programa de Pós-Graduação em Ensino em Saúde - Mestrado Profissional em Ensino em Saúde.

Alencar, Y. M. M. A., Ifadireó, M. M. & Bitu, V. C. N. (2020). Quando a cor da pele é empecilho para a gestão organizacional: Uma revisão de literatura sobre mulheres negras no mercado de trabalho. Curitiba, PR, v. 6, n.5, p.29517-29532, may. Brazilian journal of development.

Alfano, B. (2019). Analfabetismo entre negros cai, mas ainda é o dobro de brancos. Extra. https://extra.globo.com/noticias/educacao/analfabetismo-entre-negros-cai-mas-ainda-o-dobro-de-brancos-24079548.html.

Almeida, N. C. (2020). O impacto do racismo na saúde mental e no desenvolvimento de negros(as) no Brasil. Revista de Estudos Vale do Iguaçu, v. 02, n. 36, p.60-70.

Almeida, S. (2018). O que é Racismo Estrutural? Belo Horizonte: Editora Letramento, 204p.

Araújo, R. M.; Gomes, F. P. & Lopes, A. O. B. (2017). Pesquisa em administração: qualitativa ou quantitativa? Revista Vianna Sapiens, [S.l.], v.3, n.1, p.25.

Bastide, R. (1959). Negros e brancos em São Paulo. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1959.

Batista, E. H. A. B. (2020). Processos de branqueamento, racismo estrutural e tensão na formação social brasileira. Presidente Prudente, SP, Revista Geografia em atos (on-line), v. 4, n. 19, p. 12-35.

Bertão, N. (2019). “Profissionais negros são minoria em cargos de média e alta gestão, mostra levantamento”. Valor Investe. https://valorinveste.globo.com/objetivo/empreenda-se/noticia/2020/09/19/profissionais-negros-sao-minoria-em-cargos-de-media-e-alta-gestao-mostra-levantamento.ghtml.

Bulgarelli, R. (2006). A Valorização da Diversidade nas Empresas. IN: O Compromisso das Empresas com a Promoção da Igualdade Racial. Benjamin S. Gonçalves (coordenação e edição), São Paulo: Instituto Ethos.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Editora Eletrônica Imagem Virtual, 2003.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidente da República, [2016].

CARAM, B. (2020). Negros são minoria no serviço público federal e ocupam apenas 15% de cargos mais altos. Folha de São Paulo, online. https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/12/negros-sao-minoria-no-servico-publico-federal-e-ocupam-apenas-15-de-cargos-mais-altos.shtml.

Figueiredo, Â. & Grosfoguel, R. (2009). Racismo à brasileira ou racismo sem racistas: colonialidade do poder e a negação do racismo no espaço universitário. Sociedade e Cultura, 12.2, p. 223-234.

Franciscani, J. S. (2019). A mulher no mercado de trabalho e a luta pela valorização. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Administração). Instituto Municipal de Ensino Superior de Assis – IMESA e a Fundação Educacional do Município de Assis – FEMA. Assis-SP.

Freitag, R. M. K. (2018). Amostras sociolinguísticas: probabilísticas ou por conveniência? Revista de estudos da linguagem, 26.2: 667-686.

Gonçalves, E.; Espejo, M.; Altoé, S. & Voese, S. (2015). Gestão da diversidade: um estudo de gênero e raça em grandes empresas brasileiras. Maringá, PR, Enfoque: Reflexão contábil, Uem – Paraná, v. 35, n. 1, p. 95-11, jan.-abril..

Kerner, I. (2012). Tudo é interseccional? Sobre a relação de racismo e sexismo. Tradução de Bianca Tavolari, Dossiê teoria crítica. Novos Estudos, v. 93, II Julho, p. 45-58.

Kilomba, G. (2021). Memórias da plantação: Episódios de racismo cotidiano. Tradução Jess Oliveira.5.ed. Rio de janeiro, RJ: Editora de livros Cobogó, 248p.

Oliveira, A. L. M. (2018). Negros são 78% entre os mais pobres e somente 25% entre os mais ricos. Fundação Perseu Abramo, 2018.

Mbembe, A. (2016). Necropolítica. Biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. Arte & Ensaios, revista do ppgav/eba/ufrj, n. 32, pp. 123-151, dezembro.

Mudimbe, V. Y. (2019). A invenção da África: gnose, filosofia e a ordem do conhecimento. Tradução de Fábio Ribeiro. Petrópolis, RJ; Vozes.

Moreira, A. J. (2019). Pensando como um negro. Ensaio de hermenêutica jurídica. São Paulo: Editora Contracorrente.

Oyewùmì, O. (2021). A invenção das mulheres. Construindo um sentido africano para os discursos ocidentais de gênero. Tradução Wanderson Flor Nascimento.1. ed. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo.

Pamplona, N. (2020). “Aumenta desigualdade salarial entre brancos e pretos, diz IBGE”. Folha de São Paulo. https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/05/aumenta-desigualdade-salarial-entre-brancos-e-negros-diz-ibge.shtml .

Penha, D. (2019). Negros são 82% dos resgatados do trabalho escravo no Brasil. Repórter Brasil, online. https://reporterbrasil.org.br/2010/11/negros-sao-82-dos-resgatados-do-trabalho-escravo-no-brasil.

Petry, C. & Dias, F. (2018). O racismo velado sob a ótica da teoria do etiquetamento e cifra oculta, Porto Alegre,RS, IMED Revista, p. 1-5. https://soac.imed.edu.br/index.php/mic/xiimic/paper/viewFile/1129/330.

Fleury, D. R. R. & Oliveira, V. C. (2020). Porque é importante produzir informações sobre raça no Brasil. Coluna Por Elas, Justificando, Nov, online. https://www.justificando.com/2020/12/10/por-que-e-importante-produzir-informacoes-sobre-raca-no-brasil/.

Rodrigues, K. W. (2021). A Mulher no Mercado de Trabalho e a Conquista de Direitos: Uma Luta Contemporânea. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Direito). Escola de direito e relações Internacionais- Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Goiânia-GO.

Romero, S. & Finamor, A. (2007). As questões de gênero no ensino de graduação: o caso de uma universidade privada do Rio Grande do Sul. Brasil, UFSM CE Revista Educação, v. 32, n. 1, jan.jun. p. 165-182. https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/667/477.

Sanz, B. (2017). Racismo não dá descanso e impacta a saúde e o trabalho dos negros no Brasil. El País. https://brasil.elpais.com/brasil/2017/11/17/politica/1510954056_774052.html .

Silva, D. N. "Escravidão no Brasil"; Brasil Escola. https://brasilescola.uol.com.br/historiab/escravidao-no-brasil.htm.

Silveira, L. S. (2019). Reclassificação racial e desigualdade: análise longitudinal de variações socioeconômicas e regionais no Brasil entre 2008 e 2015. Tese (Doutorado em Sociologia) -Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Silvério, V. R. et al. (2010). Relações Étnico-Raciais, p. 113-156. In: Miskolci, R. (Org.). Marcas da diferença no ensino escolar. São Carlos: EDUFSCar, Cad. Pagu (40), Jun. https://www.scielo.br/j/cpa/a/HpP8KjfVXCzfm5wCzKhwgWv/?lang=pt.

Souza, C. A. (2020). A cor da minha infância. Trabalho de Conclusão de Curso (Monografia). Graduação Jornalismo, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, 12 de dezembro de 2020. https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/218754/TCC.pdf.

Uol, Universa “IBGE: Mulher ganha menos que homem e é minoria no mercado de trabalho''. Universa. https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2021/06/24/ibge-mulheres-representam-448-dos-assalariados-no-mercado-de-trabalho.htm.

Published

24/05/2022

How to Cite

ARAÚJO, M. D. L.; SANTOS, M. A.; IFADIREÓ, M. M.; MACHADO, T. S.; ALENCAR, Y. M. M. de A.; BRANDÃO, W. A.; FERREIRA, F. R. S. Challenges of diversity in intercultural contexts. A quantitative study on black women and men in the management of Pernambuco’s Sertão Central. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e28611729931, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.29931. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29931. Acesso em: 13 aug. 2022.

Issue

Section

Review Article