Resurgence of measles cases in Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.30124

Keywords:

Measles; Vaccination coverage; Epidemiology; Health teaching.

Abstract

Introduction: Measles is an acute and severe disease, common in childhood, viral in nature, exanthematous, infectious, and transmissible, with the following main symptoms: high fever, above 38.5°C, generalized maculopapular exanthema, coryza, cough, conjunctivitis and Koplik's wounds. Objective: To analyze the causes of the resurgence of measles in Brazil, in the period 2010-2020. Method: This is an epidemiological, descriptive, retrospective and quantitative study, using secondary data from the Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), Programa Nacional de Imunizações (PNI), Boletins Epidemiológicos do Sarampo e pela Informe Técnico da 8ª Campanha Nacional de Seguimento e Vacinação de Trabalhadores da Saúde contra o Sarampo. Results/Discussion: This study revealed that the return of measles cases in Brazil in recent years is associated with incomplete vaccination coverage, low vaccination rates, mobility of people from different locations, false news, neglect of public health management, population misinformation on the subject, and the increase in anti-vaccine campaigns. Conclusion: Vaccination is the most effective and safe way to fight measles. Such justification is considered necessary, therefore, vaccination campaigns should be conducted annually to achieve the vaccination coverage recommended by the Ministry of Health, to report information about the safety of vaccination and that it does not cause side effects, being one of the best strategies to remedy the Fake News.

Author Biographies

Mirela Belarmino de Amorim, Centro Universitário Cesmac

Cesmac University Center, Brazil

Esther Alessandra de França Silva Vieira, Centro Universitário Cesmac

Centro Universitário Cesmac, Brasil

Marlene de Souza Lima, Centro Universitário Cesmac

Cesmac University Center, Brazil

Maria da Glória Freitas, Centro Universitário Cesmac; Secretária do Estado da Saúde de Alagoas

Cesmac University Center, Brazil

Uirassú Tupinambá Silva de Lima, Centro Universitário Cesmac; Secretária do Estado da Saúde de Alagoas

Cesmac University Center, Brazil Secretary of the State of Health of Alagoas, Brazil

Pollyanna Maria Neves de Melo, Centro Universitário Cesmac; Secretária do Estado da Saúde de Alagoas

Cesmac University Center, Brazil
Secretary of the State of Health of Alagoas, Brazil

Maria Lucélia da Hora Sales, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas; Secretária do Estado da Saúde de Alagoas

State University of Health Sciences of Alagoas, Brazil Secretary of the State of Health of Alagoas, Brazil

Tânia Kátia de Araújo Mendes, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas; Secretária do Estado da Saúde de Alagoas

State University of Health Sciences of Alagoas, Brazil Secretary of the State of Health of Alagoas, Brazil

References

Almeida, H. S., Costa, S. S., Costa, I. S. & Junior, C. R. R. (2021). A reemergência do sarampo no Brasil associada à influência dos movimentos sociais de pós verdade, fake news e antivacinas no mundo: revisão integrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde. 13(3), e6226. https://doi.org/10.25248/reas.e6226.2021.

Branco, V. G. C. & Morgado, F. E. F. (2019). O surto de sarampo e a situação vacinal no Brasil. Revista de Medicina de Família e Saúde Mental. 1(1) :74-88. https://www.unifeso.edu.br/revista/index.php/medicinafamiliasaudemental/article/view/1594.

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Situação do Sarampo no Brasil. Informe N° 19, 2017/2018. https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/agosto/22/Informe-Sarampo-n.19.pdf.

Brasil. (2022). Ministério da Saúde. Vigilância Epidemiológica do Sarampo. O Sarampo. https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/s/sarampo.

Brasil. (2019). Ministério da Saúde. Secretaria da Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico 39, 50: 1-39. https://Portalarquivos2.Saude.Gov. Br/ Images/Pdf/2019/ dezembro/27/Boletim-Epidemiologico-Svs-39-Final.pdf.

Brasil. (2022). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. 8ª Campanha Nacional de Seguimento e Vacinação de Trabalhadores da Saúde contra o Sarampo. https://sbim.org.br/images/files/notas-tecnicas/informe-tecnico8-campanha-seguimento-sarampo-trab-saude-220322.pdf.

Brasil. (2021). Um recorte de 2 anos. Revista Científica Fagoc Saúde. 6(1). https://revista.unifagoc.edu.br/index.php/saude/article/view/676.

Brasil. (2017). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde, 01-706. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf.

Brasil. (2022). Ministério da Saúde. Boletins Epidemiológicos. https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/boletins-epidemiologicos.

Brasil. (2014). Ministério da Saúde. DATASUS: Doenças e agravos de notificação - 2007 em diante (SINAN). Casos confirmados por Ano 1º Sintoma(s). Brasília, Ministério da Saúde. http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/exantbr.def.

Brasil. (2022). Ministério da Saúde. Vigilância epidemiológica do sarampo no Brasil – semanas epidemiológicas 1 a 52 de 2021. Boletim epidemiológico, Brasília, 53(2). https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de conteudo/publicacoes/boletins/boletins-epidemiologicos/edicoes/2022/boletim-epidemiologico-vol-53-no03.pdf.

Brasil. (2020). Ministério da Saúde. DATASUS: Imunizações de 1994. Coberturas vacinais por região segundo ano, Imuno: tríplice viral D1, tríplice viral D2, tetra viral (SRC+VZ). Brasília, Ministério da Saúde. http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/exantbr.def.

Brasil. (2021). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Articulação Estratégica de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília.https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_5ed.pdf ISBN 978-65-5993-102-6.

Escalante, G. (2019). O retorno do sarampo nas Américas. Revista médica do Uruguai. 35(2). http://www.scielo.edu.uy/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1688-03902019000200001&lang=pt.

Ferracioli, B. G., Magalhães, B. S. & Fernandes, W. L. (2020). A suscetibilidade do sarampo na região norte do Brasil, no ano de 2014 a 2018. Revista Extensão. 4(1). https://revista.unitins.br/index.php/extensao/article/view/2983.

Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). (2019). Ministério da Saúde, Brasil. Aumento de casos de sarampo e baixa cobertura vacinal preocupam especialistas. https://www.fiocruzbrasilia.fiocruz.br/aumento-de-casos-de-sarampo-e-baixa-cobertura-vacinal-preocupa especialistas/#:~:text=Em%202016%2C%20o%20Brasil%20recebeu,casos%20confirmados%20do%20mesmo%20v%C3%ADrus.

Souza, L. G. & Pereira, M. C. (2020). Evolução do Surto de Sarampo no Brasil e as ações de combate e de prevenção praticadas. Revista JRG De Estudos Acadêmicos, 3(6), 230–247. https://doi.org/10.5281/zenodo.3893027.

Goldfarb, J. M. (2019). A dangerous vaccine-preventable disease returns. Cleveland Clinic Journal of Medicine, 86(6). https://www.ccjm.org/sites/default/files/additional-assets/PDFs/86_6_393.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2022). Sistema de Avaliação do Programa de Imunização – PNI/API. Cômite de Estatísticas Sociais. https://ces.ibge.gov.br/base-de-dados/metadados/ministerio-da-saude/sistema-de-avaliacao-do-programa-de-imunizacao-pni-api.html.

Lopes, C. A. S., Souza, F. O., Santos, D. V. & Bomfim, G. S. S. (2021). Sarampo no Nordeste: análise da cobertura vacinal e dos casos confirmados de 2016 a 2020. Revista Eletrônica Acervo Saúde. 13(9), e8482. https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/8482.

Malta, L. C., Carvalho, P. L., Dias, M. F. M., Santos, A. M. L. & Fófano, A. G. (2021). Epidemiologia do Sarampo. Revista Científica Unifagoc. 6(1). https://revista.unifagoc.edu.br/index.php/saude/article/view/676/778.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2021). Fundamentos de metodologia científica. 9. Atlas. 99. recurso online.

Mello, J. N., Haddad, D. A. R., Câmara, G. N. P. A., Carvalho, M. S., Abrahão, N. M. & Procaci, V. R. (2014). Panorama atual do sarampo no mundo: Risco de surtos nos grandes eventos no Brasil. Jornal Brasileiro de medicina. 102(1). https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-712211.

Milani, L. R. N. & Busato, I. M. S. (2021). Causas e consequências da redução da cobertura vacinal no Brasil. Revista de Saúde Pública do Paraná. 10.32811/25954482-2021v4n2p157.

Organização Pan-Americana da Saúde. (2020). Mortes por sarampo em todo o mundo sobem 50% entre 2016 e 2019, com mais de 207,5 mil vidas perdidas em 2019. https://www.paho.org/pt/noticias/12-11-2020-mortes-por-sarampo-em-todo-mundo-sobem-50-entre-2016-e-2019-com-mais-2075-mil.

Rodrigues, B. L. P., Souza, L. R, Soares, N. M. S., Silva, K. N. S. & Júnior, A. F. C. (2020). Atualizações sobre a imunização contra o sarampo no Brasil: uma revisão sistemática. Revista Eletrônica Acervo Saúde. 55. https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/3919.

Rouquayrol, M. Z. & Silva, M. G. C. (2017). Epidemiologia & saúde. 8. MedBook. 9. Recurso online.

Saraiva, L. J. C. & Faria, J. F. (2019). A Ciência e a Mídia: A propagação de Fake News e sua relação com o movimento anti-vacina no Brasil. 42º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. https://portalintercom.org.br/anais/nacional2019/resumos/R14-1653-1.pdf.

Secretaria de Saúde. (2017). Governo do Estado do Rio de Janeiro. Medidas em Saúde Coletiva. http://www.riocomsaude.rj.gov.br/Publico/MostrarArquivo.aspx?C=w58VENa3gdU%3D.

SINAN: Sistema de Informação de Agravos de Notificação. (2022). Ministério da Saúde, Brasil. http://portalsinan.saude.gov.br/o-sinan.

Souza, L. G. & Pereira, M. C. (2020). Evolução do surto de sarampo no brasil e as ações de combate e de prevenção praticadas. Revista JRG De Estudos Acadêmicos. 3(60), 230-47. http://doi.org/10.5281/zenodo.3893027.

Zanella, L. C. (2013). Metodologia de pesquisa. 2. Florianópolis. Departamento de Ciências da Administração/UFSC. 35.

Published

26/05/2022

How to Cite

AMORIM, M. B. de .; VIEIRA, E. A. de F. S.; LIMA, M. de S. .; FREITAS, M. da G.; LIMA, U. T. S. de; MELO, P. M. N. de .; SALES, M. L. da H. .; MENDES, T. K. de A. Resurgence of measles cases in Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e33211730124, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.30124. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30124. Acesso em: 4 jul. 2022.

Issue

Section

Health Sciences