Traffic, signaling and accessibility analysis of an intersection in the city of Estância - SE

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.30132

Keywords:

Traffic Engineering; Traffic Signal Analysis; Urban Mobility; Accessibility.

Abstract

Seeking to evaluate and reduce the travel time of users, as well as analyze the efficiency of signaling and accessibility, this study aimed to point out alternatives that would increase the fluidity and safety of the intersection of the Avenue Getúlio Vargas, Street Raimundo Costa Carvalho and Plaza Orlando Gomes dos Santos, in the city of Estância, Sergipe, through operational improvement based on traffic signals reprogramming and conflicting movements reduction of the intersection. This approach can generate savings, quality of life, and traffic safety. This paper demonstrated that, in addition to signal reprogramming, it is necessary to upgrade the sidewalks around the intersection, to obtain better mobility and accessibility for passersby.

References

ABNT NBR 9050, de 03 de agosto de 2020. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas.

ABNT NBR 14644, de 12 de junho de 2013. Sinalização vertical viária — Películas — Requisitos. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Amante, A. T. D. P. T. (2017). Medidas de acessibilidade no sistema de planeamento urbano português (Tese de Doutorado). Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto – FEUP, Porto, Portugal. https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/109670

Amorim, D. G. (2019) Sustentabilidade urbana no planejamento de rodovia perimetral em região metropolitana (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo – USP, São Paulo, SP, Brasil. https://teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6139/tde-24102019-100356/pt-br.php

Aquino, T. D. C. (2017). Análise da interseção semaforizada formada pelas Av. Prudente de Morais e Av. Amintas Barros (Trabalho de conclusão de curso). Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN, Natal, RN, Brasil. https://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/4295

Lei n. 9.503, de 23 de setembro de 1997. Institui o Código de Trânsito Brasileiro. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9503compilado.htm

Cauduro, A. L., Righi, G. Z., Silveira, E. L. M. da, & Santos, M. S. dos (2018, novembro). Variação do fluxo de veículos em diferentes cruzamentos de uma Rua Central de Alegrete/RS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, Santana do Livramento, RS, Brasil, 10. http://200.132.146.161/index.php/siepe/article/view/40587/25402

Cervero, R. (2005). Accessible cities and regions: A framework for sustainable transport and urbanism in the 21st century, WP UCB-ITS-VWP-2005-3, UC Berkeley Center for Future Urban Transport, Berkeley, CA. https://escholarship.org/uc/item/27g2q0cx

CONTRAN – Conselho Nacional de Trânsito. (2007). Manual de Sinalização de Trânsito: Sinalização horizontal. (1rd ed). Brasília: CONTRAN.

CONTRAN – Conselho Nacional de Trânsito. (2014). Manual de Sinalização de Trânsito: Sinalização Semafórica. (2rd ed). Brasília: CONTRAN.

DENATRAN – Departamento Nacional de Trânsito. (2020). Portal Denatran: Frota de veículos. https://www.gov.br/infraestrutura/pt-br/assuntos/transito/conteudo-denatran/estatisticas-frota-de-veiculos-denatran

Ejzenberg, S. (2005). Reprogramação de Semáforos - Método de observação de campo. http://www.sinaldetransito.com.br/artigos/metodo_de_campo.pdf

Ghiraldi, A. L. D. (2014). Análise de acessibilidade em calçadas, vias públicas e prédios públicos na cidade de Doutor Camargo-PR (Trabalho de conclusão de curso). Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Curitiba, PR, Brasil. http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/5870

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Censo demográfico 2010. https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/populacao/9662-censo-demografico-2010.html?edicao=9749&t=downloads

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Educa IBGE. https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/20551-pessoas-com-deficiencia.html

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Agencia de notícias. https://censo2021.ibge.gov.br/2012-agencia-de-noticias/noticias/24036-idosos-indicam-caminhos-para-uma-melhor-idade.html

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2017). Atlas da Violência. https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/dados-series/153

Joner, S., & Volpi, N. M. P. (2013). Sincronização de semáforos: modelo matemático para uma aplicação ao tráfego de Curitiba. HOLOS, 2, 3-18. doi: 10.15628/holos.2013.1254

Liberalesso, R. (2014). Avaliação crítica da sinalização empregada nas travessias de pedestres situadas na BR-287 e RS-509 (Trabalho de conclusão de curso). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil. http://coral.ufsm.br/engcivil/images/PDF/2_2014/TCC_RAFAEL%20LIBERALESSO.pdf

Lima, G. R. G. de, & Valim, V. G. R. (2017). Estudo para melhoria de tráfego da interseção não semaforizada entre a avenida Pedro Ludovico e rua Quintino Bocaiuva na cidade de Anápolis-GO utilizando o HCM 2000 (Trabalho de conclusão de curso). Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA, Anápolis, GO, Brasil. http://repositorio.aee.edu.br/handle/aee/909

Litman, T. (2021) Evaluating Transportation Equity – Guidance For Incorporating Distributional Impacts in Transportation Planning. Victoria Transport Policy. https://www.vtpi.org/equity.pdf

Magalhães, D. J. A. V. de. (1981). Sincronização de semáforos em um corredor urbano: desenvolvimento de um modelo simplificado (Dissertação de Mestrado). Instituto Militar de Engenharia– IME, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. https://bdex.eb.mil.br/jspui/handle/1/990

Magalhães, V. de, Bessa Júnior, J. E. B., & Frade, G. H. M. (2019, novembro). Uma abordagem acerca da otimização de redes semafóricas utilizando simulação de tráfego. Anais do Congresso de Pesquisa e Ensino em Transporte da ANPET, Balneário Camboriú, SC, Brasil, 33. http://www.anpet.org.br/anais/documentos/2019/Tr%C3%A1fego%20Urbano%20e%20Rodovi%C3%A1rio/Comunica%C3%A7%C3%B5es%20T%C3%A9cnicas/2_494_CT.pdf

Mello, C. A. de (2015). Possíveis rotas cicloviárias em áreas urbanas: uma aplicação para a cidade de Caruaru-PE (Trabalho de conclusão de curso). Universidade Federal de Pernambuco – UFPE, Caruaru, PE, Brasil.

Mello, C. A. de (2019). Análise da atratividade de um território gerador de viagens em um centro atacadista de vestuário no interior do Nordeste (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco – UFPE, Caruaru, PE, Brasil. https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/33203

Melo, F. B. (2005). Proposição de medidas favorecedoras à acessibilidade e mobilidade de pedestres em áreas urbanas. Estudo de caso: o centro de Fortaleza (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Ceará – UFC, Fortaleza, CE, Brasil. http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/4845

Oliveira, C. M. da S., Silva, C. P. da, Silva, C. M., Santos, M. de M., & Silva, P. C. M. da. (2018, novembro). Modelo multicritério para a implantação de sinalização semafórica na cidade de Campina Grande-PB. Anais do Congresso de Pesquisa e Ensino em Transporte da ANPET, Gramado, RS, Brasil, 32. http://www.anpet.org.br/anais32/documentos/2018/Trafego%20Urbano%20e%20Rodoviario/Trafego%20em%20Vias%20Urbanas%20I/6_287_AC.pdf

Portugal, L. da S. (Org.). (2017). Transporte, Mobilidade e Desenvolvimento Urbano (1a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier Ltda.

Rabelo, G. B. (2008). Avaliação da acessibilidade de pessoas com deficiência física no transporte coletivo urbano (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Uberlândia – UFU, Uberlândia, MG, Brasil. https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/14246

Soares, B. R. (2016). Análise da sinalização e iluminação empregadas nas faixas de pedestres: Estudo de caso campus UFSC/Florianópolis (Trabalho de conclusão de curso). Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, SC, Brasil. https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/171415

TCE/SE – Tribunal de Contas do Estado de Sergipe. (2020). Quadro de Indicadores Municipais – Taxa de Mortalidade por Acidentes de Transito por 100 mil Habitantes. https://www.tce.se.gov.br/IndicadoresMunicipais/mapa?area=4&indicador=12

Vilanova, L. M. (2005). Dimensionamento dos tempos de entreverdes para veículos. http://www.sinaldetransito.com.br/artigos/dimensionamento.pdf

WHO – World Health Organization. (2018). Global status report on road safety 2018. https://www.who.int/publications/i/item/9789241565684

Published

29/05/2022

How to Cite

ARAGÃO JÚNIOR, W. R.; NASCIMENTO, A. S. S.; PAES, J. S. dos S.; SANTOS, J. N. S.; MELLO, C. A. de. Traffic, signaling and accessibility analysis of an intersection in the city of Estância - SE. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e40911730132, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.30132. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30132. Acesso em: 6 jul. 2022.

Issue

Section

Engineerings