Sociodemographic and clinical profile of patients submitted to cardiac surgery

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.30150

Keywords:

Cardiac surgery; Clinical profile; Cardiovascular diseases; Health Teaching; Sociodemographic profile.

Abstract

Cardiovascular diseases (CVD) constitute the main cause of death in Brazil. The knowledge of the main types of heart attacks, as well as the possible treatments of these pathologies, is necessary. The work is justified by the importance of the theme and the lack of publications of this specific subject in view of its magnitude. The objective was to know the sociodemographic and clinical profile of patients who need to undergo some type of cardiac surgery. This is a literature review of the integrative type, carried out in April and May of 2019, with a systematic search in Latin American and Caribbean Literature in Health Sciences, Medical Literature Analisys and Retrieval System Online and Base of Nursing Data. Twelve articles were included, which answered the research question and met the inclusion criteria. He performed the data content analysis, which made it possible to divide the findings into categories. Despite the insipid literature in the last five years, it is observed that the most frequently performed surgery is myocardial revascularization, sociodemographically, a significant majority of the patients are men, sexagenarians, married and with elementary school, clinically have a family history and associated comorbidities.

References

Atik, E. & Atik, F. A. (2001). Cardiopatias Congênitas na Idade Adulta. Considerações acerca da Evolução Natural e da Evolução de Pacientes Operados. Arq. Bras. Cardiol., 76 (5), 423-429. http://publicacoes.cardiol.br/abc/2001/7605/7605011.pdf

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Barroso, T. A. et al. (2017). Associação Entre a Obesidade Central e a Incidência de Doenças e Fatores de Risco Cardiovascular. International Journal of Cardiovascular Sciences. 30 (5), 416-424. 10.5935/2359-4802.20170073

Beccaria, L. M. et al. (2018). Internação em Unidade Coronariana após Cirurgia Cardíaca: percepção do paciente e seu familiar. Cuidarte Enfermagem, 12 (1), 92 – 97.

Brasil. Ministério da Saúde. Prevenção clínica de Doenças Cardiovasculares: Cadernos de Atenção Básica, nº14. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2006.

Caram, L. M. O. et al. (2016). Fatores de risco de doença cardiovascular em pacientes com DPOC: DPOC leve/moderada versus DPOC grave/muito grave. Jornal Bras. Pneumol., 42 (3), 179-184. https://doi.org/10.1590/S1806-37562015000000121

Carlucchi, E. M. S. et al. (2013). Obesidade e Sedentarismo: fatores de risco para doença cardiovascular. Comun. ciênc. saúde; 24 (4), 375-384.

Carvalho, J. J. M. (1988). Aspectos preventivos em cardiologia. Arq. Bras. Cardiol., 50 (1), 59-67.

Contrin, L. M. et al. (2018). Complicações Pós-Operatórias Cardiocirúrgicas e tempo de internação. Rev. Enferm. UFPE, 12 (8), 2105-2112.

Costa, F. A. A.; Clemente, C. E. T.; Ueno, F. H. & Motta, A. R. (2016). Fatores de Risco Cardiovasculares em Lesões Coronarianas Críticas: Mito ou Realidade? International Journal of Cardiovascular Sciences., 29 (5), 378-384. DOI: 10.5935/2359-4802.20160058

Cunha, S. C.; Thiago, L. E. K. S. & Sartor, E. M. (2016). Desfechos Clínicos da Intervenção Percutânea na Doença Triarterial e de Tronco da Coronária Esquerda. International Journal of Cardiovascular Sciences. 29 (4), 262-269. DOI: 10.5935/2359-4802.20160050

Debona, K. V. (2017). Cuidado de Enfermagem centrado no homem cardiopata: proposta de um guia assistencial para a alta hospitalar. Dissertação de Mestrado pela Universidade Fluminense; Niterói.

Mello, C. B.; Alves, R. O. & Lemos, S. M. A. (2014). Metodologias de Ensino e Formação na Área da Saúde: Revisão de Literatura. Redalyc.org. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1693/169339740031.pdf. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1693/169339740031.pdf.

Dessotte, C. A. M. et al. (2016). Classificação dos pacientes segundo o risco de complicações e mortalidade após cirurgias cardíacas eletivas. Revista Eletrônica De Enfermagem, 18. https://doi.org/10.5216/ree.v18.37736

Dmitruk, H. B. (Org.). (2001). Cadernos metodológicos: diretrizes da metodologia científica. 5. ed. Chapecó: Argos, 2001. 123 p. Dhttps://issuu.com/argoseditora/docs/trecho_cortesia_cadernos_metodologicos

Ferenhof, H. A. & Fernandes, R. F. (2016). Passos a passo para construção da Revisão Sistemática e Bibliométrica. 3.02 https://docplayer.com.br/6994688-Passo-a-passo-para-construcao-da-revisao-sistematica-e-bibliometria.html

Ferenhof, H. A. & Fernandes, R. F. (2016). Desmistificando a Revisão de Literatura como Base para Redação Científica: Método SSF. Revista ACB. 21 (3), 550-563.

Figueiredo, F. S. F et al. (2018). Mortalidade por Doenças Cardiovasculares no Estado do Paraná. Cogitare Enferm. 23 (4), e56973. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i4.56973

Flores, C. et al. (2008). Orientações multidisciplinares para familiares cuidadores e pacientes internados na unidade de cardiologia intensiva (UCI): Promovendo qualidade de vida nos pós alta hospitalar. Santa Maria. Dissertação de Mestrado.

Fonseca, F. A. H. (2006). Doenças Cardiovasculares: Terapêutica Clínica. Ed. Tlanmark.

Furtado, M. V. et al. (2017). Efetividade da Terapia Medicamentosa e dos Procedimentos de Revascularização como Estratégia Inicial na Doença Arterial Coronariana Estável: Estudo de Coorte. International Journal of Cardiovascular Sciences. 30 (5), 408-415. 10.5935/2359-4802.20170069

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Guyton, A. C. & Hall, J. F. (2011). Tratado de Fisiologia Médica. (12a ed.), Elsevier Ed.

Laizo, A.; Delgado, F. E. F. & Rocha, G. M. (2010). Complicações que aumentam o tempo de permanência na unidade de terapia intensiva na cirurgia cardíaca. Juiz de Fora, 2010. Dissertação de Mestrado.

Lisboa, L. A. F. et al. (2010). Evolução da Cirurgia Cardiovascular no Instituto do Coração: Análise de 71.305 Operações. Arq. Bras. Cardiol., 94 (2), 174-181. https://doi.org/10.1590/S0066-782X2010000200006

Ludke, M. & André, M. E. D. A. (1993). Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. Editora Pedagógica e Universitária.

Mansur, A. P. & Favarato, D. (2016). Mortalidade cardiovascular nas 5 regiões do Brasil. Arq. Bras. Cardiologia. 2016, 107 (21). https://doi.org/10.5935/abc.20160102

Mattos, L. A. et. al. (2008). Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia – Intervenção Coronária Percutânea e Métodos Adjuntos Diagnósticos em Cardiologia Intervencionista. Arq. Bras. Cardiol.; 91(6 supl.1):1-58. http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2008/diretriz_INTERVENCAO_PERCUTANEA-9106.asp

Mendes, K. D. S.; Silveira, R. C. de C. P. & Galvão, C. M. (2008). Revisão Integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto – enfermagem; 17 (4), https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

Mendes, V. H. P. (2015). Determinantes genéticos de doença arterial coronariana em uma amostra da população brasileira. Dissertação de mestrado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; São Paulo.

Nettina, S. M. (2011). Prática de Enfermagem. (9a ed.), Guanabara Koogan.

Pereira, M. G. (1995). Epidemiologia - Teoria e Prática. Guanabara koogan.

Oliveira, B. S.; Silva, A. C. O.; Azevedo, P. R.; Silva, L.D.C. (2016). Impacto da Doença Coronariana no Cotidiano das Mulheres. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, 30 (1), 305-315. https://doi.org/10.18471/rbe.v1i1.14591

Oliveira, L. B. et al. (2015). Avaliação da carga de trabalho no pós-operatório de cirurgia cardíaca segundo o Nursing Activities Score. Rev. Esc. Enferm. USP. 49 (Esp):80-86. https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000700012

Pereira, A. H. (2006). Angioplastia da carótida versus endarterectomia: o velho e o novo. J. Vasc. Bras., 5 (3). https://doi.org/10.1590/S1677-54492006000300003

Portes, L. A. (2011). Estilo de Vida e Qualidade de Vida: semelhanças e diferenças entre os conceitos. Life Style, 1 (1), 8–10. https://revistas.unasp.edu.br/LifestyleJournal/article/view/128

Quadros, A. S. et al. (2016). Infarto Agudo do Miocárdio na Prática Clínica Diária. International Journal of Cardiovascular Sciences. 29 (4), 253-261. 10.5935/2359-4802.20160053

Richardson, R. J. et al. (1999). Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Rosseto, K. R. C. et al. (2017). Intervenção Educativa de Enfermagem ao Cliente Submetido à Cirurgia Cardíaca. Rev. baiana enferm. 31 (4), e22441. https://doi.org/10.18471/rbe.v31i4.22441

Rother, E. T. (2007). Revisão Sistemática x Revisão Narrativa. Acta Paulista de Enfermagem. 20 (2). https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001.

Santos, R. D. et al. (2016). Procardiol - Programa de Atualização em Cardiologia: Sociedade Brasileira de Cardiologia. Porto Alegre: Artmed Panamericana.

Sharis, P. J; Cannon, C. P. (2003). Cardiologia Baseada em Evidências. Editora Revinter.

Silva, M. A. & Marchi, R. (1997). Saúde e qualidade de vida no trabalho. Best Seller., 181 p.

Silveira, C. R. et. al. (2016). Desfechos Clínicos de Pacientes Submetidos à Cirurgia Cardíaca em um Hospital do Noroeste do Rio Grande do Sul. Rev. Enferm UFSM. 6 (1), 102-111. DOI: https://doi.org/10.5902/2179769216467

Simão, A. F. et al. (2013). Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz Brasileira de Prevenção Cardiovascular. Arq. Bras. Cardiol. 101 (6Supl.2): 1-63. https://doi.org/10.5935/abc.2013S012

Smeltzer, S. C; Bare, B. G. (2013). Brunner & Suddarth: Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 10º ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Sobotta, J. et al. (2012). Atlas de Anatomia Humana. 23. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Tavares, A. (2000). Polimorfismos dos genes adenina-angiotensina-aldosterona e as moléstias cardiovasculares. Revista Brasileira de Hipertensão, 7 (3), 237-242. https://doi.org/10.1590/S0066-782X2004001700003

Published

02/06/2022

How to Cite

CARVALHO, B. V. P. .; SILVA, R. S. da . Sociodemographic and clinical profile of patients submitted to cardiac surgery . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e49211730150, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.30150. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30150. Acesso em: 2 mar. 2024.

Issue

Section

Health Sciences