Obstetric profile of parturientes admitted in a Normal Birth Center in the region South Mato-Grossense

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.30158

Keywords:

Pregnant Women; Birthing Centers; Health profile.

Abstract

The Ministry of Health recognizes the need to propose improvements in care during childbirth and birth that are in line with the different needs of pregnant women. Thus, knowing the sociodemographic and obstetric profile enables the assessment of relevant factors for proper care. This study aimed to analyze the obstetric profile of parturient women admitted to an intra-hospital Normal Childbirth Center. This is a quantitative, cross-sectional study, carried out with data from a maternity hospital located in a large philanthropic hospital in a municipality in the south of Mato Grosso. The data refer to parturients attended from January to December of 2020, totaling 2,340 women. Variables related to age, obstetric history, number of prenatal consultations and others were analyzed. After analyzing the data, the results obtained were, by the majority of women aged between 19 and 35 years old, primigravid (38.4), with their usual risk births 1,266 (52.1%), assisted by nurses obstetrician 1,442 (59.4%), record 6 or more prenatal consultations (73.5%) and 89.2% of the parturients did not need to be referred for cesarean surgery.  It is concluded that the profile of parturients found corroborates the findings of national investigations and points to an obstetric service that meets the ministerial guidelines. The research findings will serve as feedback for the local health service, in addition to subsidizing the formulation of strategies for maternal and child care at regional and national levels, understanding the functioning of the obstetric care network and the relevance of the study to the scientific community.

References

Borja, T. J., de Mendonça Faustino, W., dos Santos, L. S., da Silva Nascimento, B. G., de Lima, D. R. A., & da Costa Silva, J. C. M. (2018). O cuidado prestado por doulas em uma maternidade pública: o olhar das puérperas. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 8.

Brasil. (1999). Portaria Nº 985 de 05 de agosto de 1999. Cria o Centro de Parto Normal (CPN), no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), para o atendimento à mulher no período gravídico-puerperal. DOU - Diário Oficial da União [Internet]. Brasília, 1999.

Brasil. (2005). Lei nº 11.108 de 07 de abril de 2005. Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Garantir às parturientes o direito à presença do acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 8 de abril de 2005.

Brasil. (2011). Manual prático para implementação da Rede Cegonha. Brasília, 2011. p.22.

Brasil. (2011). Portaria Nº 1.459 de 24 de junho de 2011. Alterado pela PRT nº 904/GM/MS de 29 de maio de 2013. Revogada pela PRT GM/MS nº 11 de 07 de janeiro de 2015. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Ministério da Saúde. Brasília, 2011.

Brasil, . (2012). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Cadernos de Atenção Básica, n. 32. Ministério da Saúde. Brasília, 2012.

Brasil. (2015). Portaria Nº 11 de 7 de janeiro de 2015. Redefine as diretrizes para implantação e habilitação de Centro de Parto Normal (CPN), no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Ministério da Saúde. DOU - Diário Oficial da União. Brasília, 2015.

Brasil. (2017). Departamento de Informática do SUS. Sistema de Informação sobre Nascidos vivos-SINASC. [Internet]. Ministério da Saúde, 2017.

Brasil. (2017). Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida [recurso eletrônico]. Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Brasília, 2017.

Brasil. (2017). Manual de acolhimento e classificação de risco em obstetrícia. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Departamento de Atenção Hospitalar e Urgência. Brasília, 2017.

Brasil. (2019). nota técnica para organização da rede de atenção à saúde com foco na atenção primária à saúde e na atenção ambulatorial especializada – saúde da mulher na gestação, parto e puerpério. Ministério da Saúde. Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. São Paulo, 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Gama, S. G. N. D., Viellas, E. F., Medina, E. T., Angulo-Tuesta, A., Silva, C. K. R. T. D., Silva, S. D. D., ... & Esteves-Pereira, A. P. (2021). Atenção ao parto por enfermeira obstétrica em maternidades vinculadas à Rede Cegonha, Brasil–2017. Ciência & Saúde Coletiva, 26, 919-929.

Ganchimeg, T., Ota, E., Morisaki, N., Laopaiboon, M., Lumbiganon, P., Zhang, J., ... & WHO Multicountry Survey on Maternal Newborn Health Research Network. (2014). Pregnancy and childbirth outcomes among adolescent mothers: a World Health Organization multicountry study. BJOG: An International Journal of Obstetrics & Gynaecology, 121, 40-48.

Knechtel, M. D. R. (2014). Metodologia da pesquisa em educação: uma abordagem teórico-prática dialogada. Curitiba: Intersaberes.

Leal, M. D. C., Bittencourt, S. D. A., Esteves-Pereira, A. P., Ayres, B. V. D. S., Silva, L. B. R. A. D. A., Thomaz, E. B. A. F., ... & Vilela, M. E. D. A. (2019). Avanços na assistência ao parto no Brasil: resultados preliminares de dois estudos avaliativos. Cadernos de Saúde Pública, 35.

Leal, M. D. C., Esteves-Pereira, A. P., Viellas, E. F., Domingues, R. M. S. M., & Gama, S. G. N. D. (2020). Assistência pré-natal na rede pública do Brasil. Revista de Saúde Pública, 54, 08.

Lehugeur, D., Strapasson, M. R., & Fronza, E. (2017). Manejo não farmacológico de alívio da dor em partos assistidos por enfermeira obstétrica. Revista de Enfermagem UFPE on line, 11(12), 4929-4937.

Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (2002). Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro Senado, Brasília, DF, 2002.

Medeiros, R. M. K., Teixeira, R. C., Nicolini, A. B., Alvares, A. S., Corrêa, Á. C. D. P., & Martins, D. P. (2016). Cuidados humanizados: a inserção de enfermeiras obstétricas em um hospital de ensino. Revista Brasileira de Enfermagem, 69, 1091-1098.

Middleton, P., Shepherd, E., & Crowther, C. A. (2018). Induction of labour for improving birth outcomes for women at or beyond term. The Cochrane database of systematic reviews, 5(5), CD004945. https://doi.org/10.1002/14651858.CD004945.pub4.

Monguilhott, J. J. D. C., Brüggemann, O. M., Freitas, P. F., & d'Orsi, E. (2018). Nascer no Brasil: a presença do acompanhante favorece a aplicação das boas práticas na atenção ao parto na região Sul. Revista de Saúde Pública, 52.

Oms. (2015). Declaração da Organização Mundial da Saúde sobre Taxas de Cesáreas. Human Reproduction Program [Internet]. Acesso: https://www.who.int/reproductivehealth/hrp/en/.

Prandini, N. R., Maciel, K. F., & do Carmo Vicensi, M. (2016). Perfil das gestantes atendidas na maternidade do hospital universitário santa terezinha, joaçaba, sc1. Unoesc & Ciência-ACBS, 7(1), 105-110.

Pereira A. S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [free e-book]. Santa Maria/RS. Ed. UAB/NTE/UFSM.

Reis, A. M., Teixeira Beltrame, R. C., Santos Arantes, R. B., de Paula Correa, Á. C., & Pereira Martins, D. (2020). TAXAS DE CESARIANAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO A PARTIR DA CLASSIFICAÇÃO DE ROBSON. Ciência, Cuidado e Saúde, 19.

Rocha, F. R., Melo, M. C., de Medeiros, G. A., Pereira, É. P., Boeckmann, L. M. M., & Dutra, L. M. A. (2017). Análise da assistência ao binômio mãe-bebê em centro de parto normal. Cogitare Enfermagem, 22(2).

Salvo, G. M. D., Quitete, J. B., Knupp, V. M. A. O., Sales, J. D. L., Camilo, L. A., & Terra, N. O. (2021). A influência das características maternas e obstétricas no perfil neonatal. Rev. enferm. UFPE on line, 1-15.

Scapin, S. Q., Gregório, V. R. P., Collaço, V. S., & Knobel, R. (2018). Indução de parto em um hospital universitário: métodos e desfechos. Texto & Contexto-Enfermagem, 27.

Silva, F. M. B. D., Paixão, T. C. R. D., Oliveira, S. M. J. V. D., Leite, J. S., Riesco, M. L. G., & Osava, R. H. (2013). Assistência em um centro de parto segundo as recomendações da Organização Mundial da Saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47, 1031-1038.

Silva, R. C. F. D., Westphal, F., Assalin, A. C. B., Silva, M. I. M. D., & Goldman, R. E. (2020). Satisfação de puérperas acerca da assistência ao parto e nascimento. Rev. enferm. UFPE on line, 1-9.

Sousa, L. S., Souto, R. E. M., Fernandes, B. K. C., da Costa Escoto, C. M. G., de Castro Damasceno, A. K., & de Melo, L. P. T. (2021). Indicadores maternos dos partos assistidos em um centro de parto normal intra-hospitalar. Revista Enfermagem Atual In Derme, 95(34).

Viellas, E. F., Franco, T. D. L., Gama, S. G. N. D., Baldisserotto, M. L., Prado, P. F. D., Rodrigues, M. R., ... & Domingues, R. M. S. M. (2021). Assistência ao parto de adolescentes e mulheres em idade materna avançada em maternidades vinculadas à Rede Cegonha. Ciência & Saúde Coletiva, 26, 847-858.

Published

02/06/2022

How to Cite

VIEIRA, S. T.; CÔRT, J. C. D. .; ALVARES, A. S.; BELTRAME, R. C. T.; DALPRÁ, L. de A. e S.; LIMA , J. F.; OLIVEIRA, J. C. de S.; MEDEIROS, R. M. K. Obstetric profile of parturientes admitted in a Normal Birth Center in the region South Mato-Grossense. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e49311730158, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.30158. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30158. Acesso em: 17 aug. 2022.

Issue

Section

Health Sciences