Different types of fertilization in sorghum biomass brs 716 and estimates for biofuel production in the northwest of Rio Grande do Sul

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.30207

Keywords:

Renewable sources; Production; Treatments.

Abstract

Oil remains the world's primary energy source. As it is a non-renewable source, as the demand for fuels increases, the search for renewable energy sources intensifies. The world production of sorghum has remained stable over the last few years, in the range above 60 million tons. The objective of the present work was to evaluate the adaptability of Sorghum Biomassa BRS 716 in different fertilization strategies in the Northwest of the State of Rio Grande do Sul. The experiment was carried out in 2 agricultural years, containing 4 replications, namely: T1 – Without Fertilization; T2 – NPK fertilization (Nitrogen, Phosphorus and Potassium); T3 – Fertilization with DLS (Liquid Swine Manure) both according to the Fertilization and Liming Manual for the States of RS and SC. As a result, through estimates for the potential production of bioethanol from sorghum biomass in the region with production varying between 1st and 2nd year of cultivation with 16,000 liters to 30,000 liters of bioethanol/hectare, and corn productivity produced 371 liters to 2,600 liters of bioethanol/hectare. No significant differences were observed between the treatments, only in the years of cultivation, due to the climatic intemper that occurred in the period. Sorghum stands out as a potentially outstanding crop in the region, mainly in its final stage of development. It is considered that sorghum BRS 716 showed high yields in the region for PMV (potential green mass).

Author Biographies

Ketelyn Eduarda Schimdt, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul – Três Passos, Brasil

Divanilde Guerra, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul – Três Passos, Brasil

Danni Maisa da Silva, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul – Três Passos, Brasil

Marciel Redin, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul – Três Passos, Brasil

Eduardo Lorensi de Souza, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul – Três Passos, Brasil

Ritieli Berticelli, Universidade de Passo Fundo

Universidade de Passo Fundo – UPF – Passo Fundo, Brasil

Mastrangello Enivar Lanzanovva, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul – Três Passos, Brasil

Daniela Mueller de Lara, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

 

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul – Soledade, Brasil

Fernando Almeida Santos, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul – Porto Alegre, Brasil

References

Aguiar, A. T. E. et. al. (2014). Boletim 200: Instruções Agrícolas para as principais culturas econômicas.7° Edição. Campinas: Instituto Agronômico (IAC), 452p

Almeida, L. G. F. (2019). Etanol de segunda geração utilizando sorgo biomassa (Sorghum bicolor). http://acervo.ufvjm.edu.br/jspui/bitstream/1/2066/6/luciana_gomes_fonseca_almeida.pdf.

Athenas, 2019. Nutrição de plantas. Disponível:< http://www.nutricaodeplantas.agr.br/site/culturas/mamao/asp_gerais.php>.

Azevedo, V. et al. (2016). Caracterização de biomassa visando a produção de etanol de segunda geração. Revista Brasileira de Engenharia e Sustentabilidade, 2(2), 61-65.

Bach Knudsen, K. E (1997). Teor de carboidratos e lignina de materiais vegetais usados na alimentação animal. Anim. Feed Sci. Tecnol., 67(4): 319-338

Batista, V. A. P.; Avaliação Bioenergética de Sorgos Biomassa, Sacarino e Forrageiro. 2016. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-graduação em Fitotecnia, para obtenção do título de Magister Scientiae. Universidade Federal de Viçosa. Minas Gerais – Brasil. < http://repositorio.uft.edu.br>.

Bndes. Etanol 2G: inovação em biocombustíveis. https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/conhecimento/noticias/noticia/etanol-2g-inovacao-biocombustiveis.

Borghi, et al. (2020) Sorgo biomassa BRS 716 para produção de forragem e palha em sistema de plantio direto e preparo convencional com soja. Disponível: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/1126603

Buckerridge, M. S. (2015). Comparação entre os sistemas fotossintéticos C3 e C4. http://felix..up.br/pessoal/marcos/minhaweb3/PDFs/Pratictese.pdf>. >.

Conab - Companhia Nacional de Abastecimento (2019). Relatório mensal de sorgo. https://www.conab.gov.br/info-agro/analises-do-mercado-agropecuario-e-extrativista>.

Damasceno, C. M. B. (2013) Análise morfoagronomica e bioquímica de um painel de sorgo energia para caractericas relacionadas a qualidade da biomassa. Sete Lagoas: Embrapa. 190. https://ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/ppgca/Disseratcao%20Ana%20Lucia_15_09_2017.pdf

De Souza, L. F.et al. (2016) Desempenho produtivo de híbridos de sorgo biomassa em diferentes ambientes. In: Embrapa Milho e Sorgo-Artigo em anais de congresso (ALICE). In: CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO, 31., Bento Gonçalves. Milho e sorgo: inovações, mercados e segurança alimentar: anais. Sete Lagoas: Associação Brasileira de Milho e Sorgo.

Decicino, T. (2016). A importância do posicionamento de cultivares de soja para o sucesso da cultura. http://www.monsoy.com.br.

Duarte, J. de O. (2019). Sorgo: aspectos econômicos. https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/486643/sorgo-aspectos-economicos

Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Milho e Sorgo (2014). Cultivo do Sorgo. Brasília.

Embrapa, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Cultivar BRS 716. (2015) https://www.embrapa.br/busca-de-imagens/-/midia/busca/Barley.

Embrapa, Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias. Sorgo BRS 716. (2016) Soluções Tecnológicas. < https://www.embrapa.br/busca-de-solucoes-tecnologicas/-/produto-servico/4654/sorgo-biomassa-brs-716>.

Embrapa, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Cultivo do sorgo e economia de produção (2017). https://www.spo.cnptia.embrapa.br/.

Embrapa, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (2019). Sorgo biomassa é ótima opção para geração de energia. https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/2246665/sorgo.

Franco, A. (2011) Indicadores e resultados do sorgo. Disponível: <http://repositorio.uft.edu.br>.

Guimarães, V. F. et al. (2017) Bactérias Promotoras de Crescimento Vegetal: da FBN à regulação hormonal, possibilitando novas aplicações. ZAMBOM, MA; KUHN, OJ; SILVA, NLS Da; STANGARLIN, JR, p. 193-212.

Inpe, Instituto Nacional de Meteorologia. (2017) Índices pluviométricos e temperatura médias. http://www.inpe.br7

Inmet Estação meteorológica de Santo Augusto – RS / Centro de previsão de tempo e estudos climáticos. https://www.cptec.inpe.br/previsao-tempo/rs/santo-augusto

Lanza, A. L. L. et al. (2016) Análise de crescimento de plantas de sorgo biomassa (BRS 716). http://www.abms.org.br/cnms2016_trabalhos/docs/1163.pdf>.

Lanza. A. L. L. Avaliação forrageira do sorgo biomassa (brs 716) (2017) em diferentes épocas de corte e estratégias de adubação em cobertura. Disponível: < https://ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/ppgca/Disseratcao%20Ana%20Lucia_15_09_2017.pdf>

Marafon, A. C. et al. (2017). Uso da biomassa para a geração de energia. Documentos 211- Embrapa Tabuleiros Costeiros. https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/222989/1/Flavio-dissertacao-Vera.pdf.

May, A.; Silva, D. D.; Santos, F. C. (2013) Cultivo do sorgo biomassa para a cogeração de energia elétrica. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo. 65 p. (Embrapa Milho e Sorgo. Documentos, 152). https://ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/ /Dis_15_09_2017.pdf>.

Monochio, c. Andrade, B. R.; R.P. Rodriguez; Moraes, B. S. (2017) Ethanol from biomass: A comparative overview. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 80, 743-755. http://acervo.ufvjm.edu.br/jspui/bitstream/1/2066/6/luciana_gomes_fonseca_almeida.pdf>.

Mota, M.R. et al. (2015) – Fontes estabilizadas de nitrogénio como alternativa para aumentar o rendimento de grãos e a eficiência de uso do nitrogénio pelo milho. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 39(2), 512-522. < https://revistas.rcaap.pt/rca/article/download/25241/19364/107057>.

Parrella, R. A. C. et al. (2014). Sorgo do plantio à colheita. Viçosa: Editora UFV, 275p. https://ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/ppgca/ _15_09_2017.pdf>.

Parrella, R.A.C. et al. (2010) Desenvolvimento de híbridos de sorgo sensíveis ao fotoperíodo visando alta produtividade de biomassa. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo, 2010. 25p (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 28). http://www.abms.org.br/cnms2016_trabalhos/docs/1163.pdf.

Piracicaba (2020). Engenharia Sucroalcooleira Etanol De Cana X Etanol De Milho. https://www.piracicabaengenharia.com.br/etanol-de-cana-x-etanol-de-milh>.

Reis, A. L. S. et al. (2016). Second generation ethanol from sugarcane and sweet sorghum bagasses using the yeast Dekkera bruxellensis. Industrial Crops and Products, 92, 255-262, http://acervo.ufvjm.edu.br/jspui/bitstream/1/2066/6/luciana_gomes_fonseca_almeida.pdf>.

Resende, A. V. et al. (2016). Adubação maximiza o potencial produtivo do sorgo. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo. http://www.abms.org.br/cnms2016_trabalhos/docs/1163.pdf>

Santos et al., (2012). Rendimento teórico da produção de etanol por hectare de cana processada. Bioenergia e biorrefinaria, cana de açúcar e espécies florestais. 141.

Santos, F. C. et al.(2014). Efeito da Adubação de Cobertura com Nitrogênio e Potássio na Cultura do Sorgo Biomassa. Sete Lagoas: Embrapa / Milho e Sorgo; 73) (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento). <http://repositorio.uft.edu.br>.

Sebrae. O que é etanol? (2016). https://brt.ifsp.edu.br/phocadownload/userupload/.>.

Silva, M. D. (2018) Produção de etanol de segunda geração por Saccharomyces cerevisiae ATCC 26602 a partir da hidrólise ácida de sabugo de milho (Zea mays L.).

Sluiter, B. H, D. Templeton (2008). Determination of Structural Carbohydrates and Lignin in Biomass. NREL Laboratory Analytical Procedures for standard biomass. https://www.nrel.gov/docs/gen/fy13/42618.pdf

Souza, H. (2018). Características agronômicas e potencial bioenergético das cultivares de sorgo sacarino e biomassa sob baixa latidude. <http://repositorio.uft.edu.br>.

Streck, E.V. et al. (2008) Solos do Rio Grande do Sul. Emater/RS. 222p

Syngenta (2021). Culturas energéticas: geração de biocombustíveis a partir de fontes renováveis. https://blog.syngentadigital.ag/culturas-energeticas-geracao-de-biocombustivel-partir-de-fontes-renovaveis/.

Published

03/06/2022

How to Cite

SCHIMDT, K. E. .; GUERRA, D.; SILVA, D. M. da .; BOHRER, R. E. G. .; REDIN, M.; SOUZA, E. L. de .; BERTICELLI, R. .; LANZANOVVA, M. E.; LARA, D. M. de .; SANTOS, F. A. Different types of fertilization in sorghum biomass brs 716 and estimates for biofuel production in the northwest of Rio Grande do Sul. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e51511730207, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.30207. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30207. Acesso em: 4 jul. 2022.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences