Development of a pharmaceutical management plan for medicinal gases in a public university hospital in Belém

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i2.30236

Keywords:

Gases; Hospital management; Hospital Pharmacy Service.

Abstract

Objective: Develop a plan for the management, monitoring and use of GM in the HUJBB. Material and methods: This is an exploratory and observational field research with a qualitative approach, carried out with a situational diagnosis, using a checklist with 28 items according to norms and legislation on medicinais gases. It was considered as a sample, the places that store and distribute the GM. The results were treated with the management tools, Swot Matrix and 5W2H, in different phases: identification and data analysis. Results: Of the 28 items, 9 items did not meet the standards and legislation: Storage area, receipt of GM, identification of empty cylinders, cylinder valve protection helmet, cylinder labels, severe corrosion and emergency alarms in care units. Through the Swot Matrix, the strengths and weaknesses, threats and opportunities were observed and by the 5W2H method, 7 corrective action plans were proposed for the adjustments of the items. Conclusion: This work was developed to meet the needs of reorganizing the Management of GM by the Pharmacy Sector at HUJBB. In this sense, it was observed that there was still a lack of actions on the part of the institution so that the standards and precepts of quality were actually a reality in the hospital. Pharmacists are expected to adopt the informative instrument generated by this research, Manual of Guidance on Medicinal Gases, on the main issues inherent to GM and also, it could be expanded to other university hospitals, as a management and monitoring tool.

References

ANVISA (2002). Diretoria Colegiada. Resolução da Diretoria Colegiada-RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Brasília, https://sbim.org.br/legislacao/821-rdc-anvisa-n-50-21-de-fevereiro-de-2002.

ANVISA (2008a). Diretoria Colegiada. Resolução RDC Nº 69, de 1 de outubro de 2008. Dispõe sobre as Boas Práticas de Fabricação de Gases Medicinais. Brasília, http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2008/rdc0069_01_10_2008.html.

ANVISA (2008b). Diretoria Colegiada. Resolução de Diretoria Colegiada – RDC Nº 70, de 1 de outubro de 2008. Dispõe sobre a notificação de Gases Medicinais. Brasília, http://antigo.anvisa.gov.br/documents/10181/2718376/RDC_70_2008_COMP.pdf/.

ANVISA (2011). Diretoria Colegiada. Resolução de Diretoria Colegiada – RDC Nº 32, de 05 de julho de 2011. Dispõe sobre os critérios técnicos para a concessão de Autorização de Funcionamento de empresas fabricantes e envasadoras de gases medicinais. Brasília, Resolução DC/ANVISA nº 32 de 05/07/2011 (normasbrasil.com.br).

ABNT (2010). NBR 12176:2010 – Cilindros para gases - Identificação do conteúdo. (3. ed.) Associação Brasileira de Normas Técnicas Rio de Janeiro, 2010. 11 p.

ABNT (2014). NBR 14725: 2014 - Parte 4. Produtos químicos — Informações sobre segurança, saúde e meio ambiente. Parte 4: Ficha de informações de segurança de produtos químicos (FISPQ). Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Rio de Janeiro, 2014. 25p.

ABNT (2016). NBR 12188:2016 – Sistemas centralizados de suprimento de gases medicinais, de gases para dispositivos médicos e de vácuo para uso em serviços de saúde. 3. ed. Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Rio de Janeiro, 2016. 33p.

APEQ (2017). Manual Hospitalar Boas Práticas de Gestão de Gases Medicinais. Associação Portuguesa das Empresas Químicas – Lisboa, 2017. 62p.

Baldi, A. & Pinheiro, F. Perguntas e Respostas sobre a FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos). São Paulo: Conselho Brasileiro de Construção Sustentável – CBCS. Out. 2012. http://www.cbcs.org.br/download.asp?fsfCode=1EB2EC14-EEA6-E59D-8D9A-2EDB217E676A.

Brasil (2002). Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão de Investimentos em Saúde. Projeto Reforsus. Equipamentos médico-hospitalares e o gerenciamento da manutenção: capacitação a distância. Brasília, DF, //bvsms.saude.gov.br/bvs/publicaçoes/equipamentos_gerenciamento1.pdf

Brasil (2005a). Ministério do Trabalho e Emprego. NR 32 - Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Estabelece as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde em geral. Brasília. http://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nr/nr32.htm.

Burmester, H (2013). Gestão da Qualidade Hospitalar. São Paulo: Saraiva.

Calaes, G. D. Villas Bôas, R. C. & Gonzales, A. (2006). Planejamento Estratégico, Competitividade e Sustentabilidade na Indústria Mineral: dois casos de não metálicos no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Cyted, 2006

CFF, (2008). Resolução 470, de 28 de março de 2008. Regula as atividades do Farmacêutico em gases e misturas de uso terapêutico e para fins de diagnóstico. Brasília, http://www.cff.org.br/userfiles/file/resolucoes/res470_2008.pdf.

Dinis, E; Capoulas, M. & Neves, V (2012). Manual de Gases Medicinais. Lisboa: Ordem dos Farmacêuticos: Conselho do Colégio de Especialidade de Farmácia Hospitalar, https://www.ordemfarmaceuticos.pt/pt/publicacoes/manuais/manual-de-gases-medicinais/.

INFARMED (2008). Deliberação n. º 056/CD/2008, de 21 de fevereiro de 2008. Aprova o regulamento dos gases medicinais previsto no n.º 4 do artigo 149 do Decreto-Lei n.º 889, de 30 de agosto, que constitui o anexo a presente deliberação e dela faz parte integrante. Instituto Nacional de Farmácia e do Medicamento, Lisboa. https://www.infarmed.pt/documents/15786/1068535/052-A_Delib_56_2008.pdf.

Lopez, MP & Abreu, FR (2013). Central de gases medicinais: coração de uma instituição hospitalar. Caderno de Estudos Tecnológicos, 1(1), 158-171, jul.

Mccredie, K. (2008). A arte da guerra SUN TZU: uma interpretação em 52 ideias brilhantes. São Paulo, Globo.

Portugal (2006). Ministério da Saúde. Decreto-Lei n. º 176, de 30 de agosto de 2006. Dispõe sobre o Estatuto do medicamento. Diário da República, n.º 167/2006, Série I de 2006-08-30. Lisboa, http://www.cff.org.br/pagina.php?id=262.

Ribeiro, P. (2012). Gestão dos gases medicinais. Relatório de projeto apresentado no I curso de mestrado em gestão da qualidade em saúde - Escola Superior em saúde do vale do AVE.

Silva, L. L (2009). Análise SWOT.

Sousa, JGC. (2014). Gases medicinais na terapêutica farmacológica Experiência profissionalizante na vertente de farmácia comunitária e investigação. 2014. 140f. Dissertação (Mestre em Ciências Farmacêuticas) - Universidade da Beira Interior, Ciências da Saúde, Covilhã.

Ventura, K. S.; Suquisaqui, A. B. V. (2020) Aplicação de ferramentas SWOT e 5W2H para análise de consórcios intermunicipais de resíduos sólidos urbanos. Ambiente Construído, Porto Alegre, 20(1), 333-349.

Published

05/02/2023

How to Cite

SILVA , M. M. P. da .; RIBEIRO, A. F. .; SILVA, K. R. P. da .; SILVA, M. V. S. da . Development of a pharmaceutical management plan for medicinal gases in a public university hospital in Belém. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 2, p. e20612230236, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i2.30236. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30236. Acesso em: 23 may. 2024.

Issue

Section

Health Sciences