Logistic analysis in grain production in Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.30597

Keywords:

Livestock; Rotated pasture; Beef cattle.

Abstract

Brazil occupies a relevant position in the production of food from agribusiness, in crops such as corn, soybeans and coffee. However, logistics is one of the biggest problems in Brazilian food production and, more specifically, grains. The objective of this work was to analyze the logistics of grain production in Brazil, which in fact influences the entire production chain. Logistics is an important activity in agribusiness and despite the difficulties encountered such as the lack of investments, it is a step that contributes to the country in terms of economy. The transport system is essential for the movement of the country's economy, without it products would not reach consumers, industries would not have access to raw materials and would not even be able to sell their production. It is a sector that enables all other sectors. In addition, transport adds to the quality of logistics services, as it directly impacts delivery time, reliability and product safety. Choosing the mode of transport to be used is extremely important and despite agribusiness being strong in Brazil, there are still many difficulties in transporting cargo. There are several types of modes, but not all of them are used, being the road the main one. The country has the fourth largest road network in the world, but most of it is unpaved. Brazil needs planning and investment to solve the problem of the transport logistics matrix.

Author Biography

Ana Izabella Freire, Universidade Federal de Viçosa

Possui graduação em Agronomia (2013) e mestrado em Genética e Melhoramento de Plantas pela Universidade Federal de Lavras - UFLA (2015). Doutora em Fitotecnia pela Universidade Federal de Viçosa - UFV (2019) Estagiária na empresa DUPONT DO BRASIL S.A - DIVISÃO PIONEER SEMENTES, atuando com produção de sementes de milho (2013). Tem experiência com ênfase em Produção de Sementes e Genética e Melhoramento de Plantas. Estágios de docência durante o mestrado e doutorado em disciplinas relacionadas a diversas áreas. Licenciada em Letras Português/Inglês pela Faculdade Alfa América. Docente no Centro Universitário UNA durante 2 semestres.

References

Anec (2011). Associação Nacional dos Exportadores de Cereais.

Assis, T. F. de et. al. (2015) Aplicação de indicadores de sustentabilidade no estudo de alternativas de rota para a exportação da soja da região norte do mato grosso. Caderno RET, 7 (1), 55-70.

Arruda, LG. & Denadai, M.S. (2016). Perdas no escoamento de grãos do Brasil.

Agência acional dos transportes terrestres – ANTT. (2020). Registro Nacional de Transportes Rodoviários de Carga. https://public.tableau.com/views/RNTRCemNmeros/Dashboard?:language=pt&: display_count=y&publish=yes&:origin=viz_share_link?:showVizHome=no.

Armazens, F. O. (2021). Cenário atual do transporte ferroviário de cargas. 2021

Buranello, R. (2018). Manual do Direito do Agronegócio. 2. ed. São Paulo: Saraiva Educação.

Barbero, J.A. (2010). A logística de cargas na América Latina e no Caribe.

Ballou, R. H. (2011) Logística Empresarial de transportes, Atlas.

Brasil, D. (2021). Transporte Intermodal ou Multimodal? Saiba quando escolher cada um.

Barreto, R. C. P. & Ribeiro, A. J. M. (2020). Logística no Brasil: uma análise do panorama dos modais rodoviários e ferroviários no cenário nacional demonstrando as vantagens e desvantagens das referidas modalidades. Revista Livre de Sustentabilidade e Empreendedorismo, v. 5, n. 3, p. 145–176.

Cnt (2014). Confederação Nacional do Transporte. Boletim Estatístico. http://www.cnt.org.br/Paginas/Boletins_Detalhes.

Cia (2014). Central Inteligence Agency. https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/br.

Conab (2018). Companhia Nacional de Abastecimento. http://www.conab.gov.br.

Coeli, C. C. M. (2004). Análise da demanda por transporte ferroviário: o caso do transporte de grãos e farelo de soja na Ferronorte.

Correia, A. M. R.; Mesquita, A. (2014). Mestrados e Doutoramentos. 2ª. ed. Porto: Vida Economica Editorial, p. 328.

Christino, F.M. (2017). Mobilidade na cidade do Rio de Janeiro: uma pesquisa para identificar os motivos para usar ou não o sistema de ônibus, com ênfase no BRT.

CNI (2012). Confederação Nacional das Indústrias.

CNT (2022). PEC da Infraestrutura pode reverter queda de investimentos públicos em transporte. https://cnt.org.br/agencia-cnt/pec-da-infraestruturapode-reverter-quedas-de-investimentos.

Calcagno, L.; Fernandes, A.; Souza, R. (2021). Um país fora dos trilhos: as consequências do abandono das ferrovias brasileiras. 2021.

Dnit (2015). Departamento Nacional de Infra estrutura de Transportes. Historico das rodovias e ferrovias. http://www.dnit.gov.br.

Embrapa (2017). Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuaria. https://www.embrapa.br/soja/cultivos/soja.

EMBRAPA. Perdas por qualidade nos grãos de soja nas safras 2014-15 a 2016- 17. Perdas em transporte e armazenagem de grãos, p. 100. 2020. < http://www.paranacooperativo.coop.br/ppc/images/Comunicacao/2021/noticias/02/23/ publicacao/publicacao_clique_aqui_23_02_2021.pdf#page=100>.

Esalq-Log (2018). Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística e Agroindustria. Projetos de pesquisa e Extensão desenvolvidos. http://esalqlog.esalq.usp.br.

Fleury, P. F. (2005). Gestão Estratégica do transporte. Centro de Estudos em Logística.

Filho, G. L. R. A. & Cremasco, C. P.; Souza, R. O (2009) Análise estatística da movimentação no porto de Presidente Epitácio, SP, (1) 1, 56-63.

Freitas, L. A (2003). Importância da eficiência logística para o posicionamento competitivo das empresas no mercado internacional. Caderno RAU. http://www.unime.com.br

Goulart, V. D. (2018). Logística de Transporte - Gestão Estratégica no Transporte de Cargas.

Geraldo J. V.; Deguirmendjan C. C.; Yoshidai H. Y (2016). Atributos da distribuição de carga e indicadores de desempenho logístico. Caderno RT, 2237-1346.

Holanda, G. G.; Silva, A. F.; Lavor, N. B. Souza.; (2020). Custos logísticos do transporte no modal rodoviário: desafios para a competitividade das empresas. Revista multidisciplinar e de psicologia. V.14, n 51.

Hijjar, M. F (2004). Logística, soja e comércio internacional. Centro de Estudo em Logística.

ILOS (Instituto de Logística e Supply Chain), 2020. https://www.ilos.com.br/web/tag/matriz-de-transportes/

Lopes, E. P. Logística de escoamento dos produtos agropecuários no Brasil: estrangulamentos dos fluxos de exportação. In: MACHADO JUNIOR, Paulo Claudio; REIS NETO, Stelito Assis dos (org.). Perdas em transporte e armazenagem de grãos: panorama atual e perspectivas. Brasília: Conab, 2021. Cap. III: Perdas de grãos no Brasil - abordagens e iniciativas mitigatórias. p. 87-99. https://www.conab.gov.br/institucional/publicacoes/outras-publicacoes/item/download/ 35953_e93eba0ef12529526cef749f8d465f7b.

Ministério da Agricultura do Brasil. Plano de Ação da Câmara do Agro 4.0, Brasília (2021). https://www.gov.br/mcti/ptbr/acompanhe-o mcti/transformacaodigital/arquivoscamaraagro/ca_plano-deacao-2021-2024_26-04-2021.pdf.

Nascimento, P. B. (2016). Análise da viabilidade da utilização da Cabotagem como alternativa à utilização do transporte rodoviário.

Nazário, P. (2005). Intermodalidade: importância para a logística e estágio atual no Brasil. Caderno CEL. COPPEAD.

Ometto, J. G. S (2006). Os gargalos da agroindústria.

Ontl (2021), Simulador de Custo de Transporte, https://ontl.epl.gov.br/aplicacoes/simulador-de-custode-transporte/.

Padovezi, C. D. (2001). Hidrovias no Brasil: tecnologia para o desenvolvimento do Sistema de Transportes de Cargas.

Rebelo, J. (2011). Logística de Carga no Brasil: Como reduzir Custos Logísticos e Melhorar Eficiência? Sustainable Development Department, Latin America and the Caribbean Region, The World Bank.

Rabelo, J. (2011). Logística de Carga no Brasil.

Roessing, A. C. et al, (2007). Perfil da infra-estrutura de transportes para o escoamento da soja no Brasil.

Sandoval, M.A.L. S/D Spricigo, R.; Silva, M.P. (2011). Construindo o Conceito de Plataformas Logísticas – Estado da Arte no Brasil e no Mundo.

Silva, K. S. (2015). Logística Brasileira: um estudo teórico do modal aquaviário cabotagem.

Silva, W. S. (2014). Transporte Aquaviário.

SENAI (2020). Fundamentos de Logística. Cursos de Competências Transversais. Notas de aula. Portal SENAI EAD.

Wanke, P. F (.2010). Logística e transporte de cargas no Brasil: Produtividade e eficiência no século XXI, Atlas.

Published

01/06/2022

How to Cite

NASCIMENTO, V. V. F. do .; PEREIRA, G. F. X. .; MELO, C. C. V. .; FREIRE, A. I. .; SOUZA, F. B. M. de .; MARTINS, A. D. . Logistic analysis in grain production in Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e47911730597, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.30597. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30597. Acesso em: 21 feb. 2024.

Issue

Section

Review Article