Brazilian Nursing Higher Education and sociological's history of identities

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i9.31529

Keywords:

History of Nursing; Education, Nursing; Education, higher.

Abstract

Objective: to describe how the Nursing higher education in Brazil was processed over time, considering its historical context and the relationship with its identity. Methods: exploratory-descriptive literature review, with a qualitative approach. It is an excerpt from a doctoral thesis. Results: based on the studies listed, a historical reconstruction of the structure of Nursing higher education and its relationship with the construction of the professional identity of undergraduates was established. Conclusions: the organizational historicity narrated infers that by shifting nursing care from the concept of vocation to a concept called scientific, nurses were not able to solve their identity problem. Furthermore, the importance of promoting the review and readjustment of the National Curriculum Guidelines for Nursing Graduation is highlighted, in view of the changes in the labor market and the incisive educational changes determined in the last year for pandemic reasons and which have already been 20 years since these were created.

Author Biographies

Emillia Conceição Gonçalves dos Santos, Universidade Federal Fluminense

Doutoranda pela Universidade Federal Fluminense. Licenciatura em Enfermagem e Obstetrícia, Especialista em Clínica Médica e Cirúrgica, Mestre em Ciências do Cuidado em Saúde, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Universidade Federal Fluminense (EEAAC-UFF). Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.

Mauro Leonardo Salvador Caldeira dos Santos, Universidade Federal Fluminense

Enfermeiro, Doutor em Filosofia da Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina. Prof. Associado IV da Universidade Federal Fluminense. Professor do Programa da Pós-Graduação da Escola de Enfermagem Mestrado e Doutorado da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense (EEAAC-UFF). Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.

Rodrigo Leite Hipolito, Universidade Federal Fluminense

Doutor em Enfermagem e Mestre pelo Programa de Pós graduação em Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGENF). Professor adjunto IV do curso de graduação em Enfermagem da Universidade Federal Fluminense (EEAAC-UFF). Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.

Yasmin Saba de Almeida, Universidade Federal Fluminense

Mestranda pelo Programa Acadêmico em Ciências do Cuidado em Saúde da Universidade Federal Fluminense (EEAAC-UFF). Especialista em Gestão em Saúde (UFRGS). Bacharel e Licenciatura em Enfermagem (UFF). Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.

Suzy Darlen Dutra de Vasconcelos, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca

Mestre em Enfermagem (UFRJ). Especialista em Qualificação para o Magistério Superior. Licenciatura Plena pela Faculdade de Educação da UFRJ-EEAN. Enfermeira e Professora do Ensino Básico Técnico e Tecnológico do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ). Rio de Janeiro, Brasil.

Mildred Ferreira Medeiros, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Ciências pela UERJ. Mestre em Morfologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Graduada em Ciências Biológicas - modalidade Genética pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora auxiliar na Universidade Veiga de Almeida – RJ, Professora substituta na UFRJ e Professora do Centro Universitário La Salle - Niterói, RJ. Rio de Janeiro, Brasil.

Wesley Barcellos de Assis, Hospital Universitário Antônio Pedro

Enfermeiro do Hospital Universitário Antônio Pedro da Universidade Federal Fluminense (HUAP-UFF). Especialista em Epidemiologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.

Patrícia Veras Neves de Oliveira, Hospital Universitário Clementino Fraga Filho

Doutoranda e Mestre em Ciências do Cuidado em Saúde pela Universidade Federal Fluminense. Especialista em Projetos Assistenciais em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Maria e Especialista em Cuidados ao Paciente de Alta Complexidade. Graduada em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Enfermeira da Hematologia/Oncologia do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho – UFRJ. Rio de Janeiro, Brasil.

Caroline Brelaz Chaves Valois, Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas

Enfermeira da Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas. Especialista em Geriatria e Gerontologia pela Faculdade Internacional Signorelli. Especialista em Urgência e Emergência em Enfermagem pela Universidade Federal do Amazonas. Amazonas, Brasil.

Eugênio Patrício de Oliveira, Hospital da Criança Santo Antônio

Médico formado pela Universidade Federal da Paraíba. Especialização em Dor e Cuidados Paliativos pela Unyleya. Pós graduando em Dor e Medicina Paliativa pela UFRGS-HCPA. Médico Residente em Pediatria pelo Hospital da Criança Santo Antônio. Médico Assistente da Neonatologia do Hospital Materno-Infantil Nossa Senhora de Nazareth. Boa Vista, Roraima, Brasil.

References

Angerami, E. L. S., Gomes, D. L. S., Mishima, S. M., Hayashida, M., Ribeiro, C. M. M., & Reis, J. N. (1996). Estudo comparativo da nomenclatura das matérias e disciplinas do currículo mínimo com a utilizada pelas escolas de enfermagem da região sudeste - Brasil. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 4(1), 31-46. https://doi.org/10.1590/S0104-11691996000100004

Aperibense, P. G. G. S. (2016). Uniformes e suas relações com a identidade profissional do enfermeiro formado pela Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1969-1985) [Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro]. http://objdig.ufrj.br/51/teses/844209.pdf

Baptista, S. S., & Barreira, I. A. (1997). A luta da Enfermagem por um espaço na universidade [Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro].

Baptista, S. S., & Barreira, I. A. (2000). A enfermagem na universidade brasileira: buscando espaços, conquistando posições. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 4(1), 21-30. http://revistaenfermagem.eean.edu.br/2017/detalhe_artigo.asp?id=1162

Baptista, S. S., & Barreira, I. A. (2006). Enfermagem de nível superior no Brasil e vida associativa. Revista Brasileira de Enfermagem, 59(spe), 411-416. https://doi.org/10.1590/S0034-71672006000700005

Barros, A. P. (2003). Perfil do auxiliar de enfermagem que atua na assistência à crianças e adolescentes internados em Hospitais do Recife-PE [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco]. ATTENA Repositório Digital da UFPE. https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/9686/1/arquivo8690_1.pdf

Berwick, D. M., & Cassel, C. K. (2020). The NAM and the Quality of Health Care — Inflecting a Field. New England Journal of Medicine, 383, 505-508. https://doi.org/10.1056/NEJMp2005126

Bourdieu, P. (2015). A economia das trocas simbólicas (5a ed.). Perspectiva.

Carlos, A. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa (6a ed.). Atlas.

Costa, R. K. S., & Miranda, F. A. N. (2009). Sistema Único de Saúde e da família na formação acadêmica do enfermeiro. Revista Brasileira de Enfermagem, 62(2), 300-304. https://doi.org/10.1590/S0034-71672009000200021

Duarte, A. P., Vasconcelos, M., & Silva, S. V. (2016). A trajetória curricular da graduação em Enfermagem no Brasil. Revista Eletrônica de Investigação e Desenvolvimento, 1(7), 51-63. http://reid.ucm.ac.mz/index.php/reid/article/view/120

Ferreira, L. O., & Salles, R. B. B. (2019). A origem social da enfermeira padrão: o recrutamento e a imagem pública da enfermeira no Brasil, 1920-1960. Nuevo Mundo Mundos Nuevos. https://doi.org/10.4000/nuevomundo.77966

Figueiredo, N. M. A. (2010). Método e metodologia na pesquisa científica (3a ed.). Yendis.

Geovanini, T., Moreira, A., Dornelles, S., & Machado, W. C. A. (2018). História da Enfermagem: versões e interpretações (4a ed.). Revinter.

Grace, P. J., & Zumstein-Shaha, M. (2019). Using Ockham's razor to redefine "nursing science". Nursing Philosophy, 21(2), e12246. https://doi.org/10.1111/nup.12246

International Council of Nurses. (2021). Nursing Definitions. https://www.icn.ch/nursing-policy/nursing-definitions

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2006). A trajetória dos cursos de graduação na área da saúde: 1991-2004. INEP.

Jankevicius, J. V., & Humerez, D. C. (2015). Conceitos Básicos das Diretrizes Curriculares Nacionais (Dcns) dos cursos de Graduação da Área de Saúde. http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2015/11/Artigo-Conceitos-Básicos-das-Diretrizes-Curriculares-Nacionais-Dcns-dos-cursosd-Graduação-da-Área-de-Saúde.pdf

Kletemberg, D. F., Vieira, M., Bertoncini, J. H., Padilha, M. I., & Borenstein, M. S. (2015). O fascínio da ciência na área da saúde (1960-1990). In M. I. Padilha, M. S. Borenstein, & I. Santos. Enfermagem: história de uma profissão (2a ed.). Difusão Editora.

Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. (1961, 28 dezembro). Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4024.htm

Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986. (1986, 26 junho). Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências. http://www.cofen.gov.br/lei-n-749886-de-25-de-junho-de-1986_4161.html

Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990. (1990, 20 setembro) Dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm

Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996, 23 dezembro). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Leher, R. (2013). A universidade reformanda: atualidade para pensar tendências da educação superior 25 anos após sua publicação. Revista Contemporânea de Educação, 8(16), 305-329. https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/1702

Martins, G. D. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação cientifica. Atlas.

Mecone, M. C. C., Freitas, G. F., & Bonini, B. B. (2015). Nursing training in the Brazilian Red Cross in the 1940s: a Foucaultian approach. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49(Spe. 2), 60-67. https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000800009

Medeiros, M., Tipple, A. C. V., & Munari, D. B. (1999). A expansão das escolas de Enfermagem no Brasil na primeira metade do século XX. Revista Eletrônica de Enfermagem, 1(1). https://doi.org/10.5216/ree.v1i1.666

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (10a ed.). HUCITEC.

Nightingale, F. (1860). Notes on nursing: What it is, and what it is not. Dover Publications.

Oguisso, T. (2014). Trajetória histórica da Enfermagem. Manole.

Oguisso, T., & Freitas, G. F. (2015). História da Enfermagem: Instituições e Práticas de Ensino e Assistência. Águia Dourada.

Oguisso, T., Freitas, G. F., & Takashi, M. H. (2013). Edith Magalhães Fraenkel: The greatest figure of Brazilian Nursing. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47(05), 1219-1226. https://doi.org/10.1590/S0080-623420130000500029

Padilha, M. I., Borenstein, M. S., & Santos, I. (2015). Enfermagem: história de uma profissão (2a ed.). Difusão Editora.

Paixão, W. (1979). História da Enfermagem (5a ed.). Julio C. Reis.

Parecer CNE/CES nº 33/2007, aprovado em 1º de fevereiro de 2007. (2007, 27 agosto). Consulta sobre a carga horária do curso de graduação em Enfermagem e sobre a inclusão do percentual destinado ao Estágio Supervisionado na mesma carga horária. http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2007/pces033_07.pdf

Parecer CNE/CES nº 1.133, aprovado em 7 de agosto de 2001. (2001, 3 outubro). Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Enfermagem, Medicina e Nutrição. http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/ces1133.pdf

Pereira, L. A., & Santos, T. C. F. (2013). The pioneering role of the brazilian nursing association in research development: from the journal to the research center. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 17(3), 526-533. https://doi.org/10.1590/S1414-81452013000300017

Porto, F., & Amorim, W. (2012). História da Enfermagem: Identidade, Profissionalização e Símbolos (2a ed.). Editora Yendis.

Porto, F., & Oguisso T. (2010). Anna Justina Ferreira Nery. In F. Porto, & W. Amorim. História da Enfermagem. Editora Yendis.

Portaria MEC nº 1.721, de 15 de dezembro de 1994. (1994, 16 dezembro). Estabelece o currículo mínimo do Curso de Graduação em Enfermagem.

Resolução CNE/CES nº 3, de 7 de novembro de 2001. (2001, 9 novembro). Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem. http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2012/03/resolucao_CNE_CES_3_2001Diretrizes_Nacionais_Curso_Graduacao_Enfermagem.pdf

Resolução CNE/CES nº 4, de 6 abril de 2009. (2009, 7 abril). Dispõe sobre carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação em Biomedicina, Ciências Biológicas, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Nutrição e Terapia Ocupacional, bacharelados, na modalidade presencial. http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rces004_09.pdf

Rezende, J. M. (2009). À sombra do plátano: crônicas de história da medicina. Editora Unifesp.

Saffiotti, H. (2013). A mulher na sociedade de classes: mito e realidade (3a ed.). Vozes.

Santos, L. C. (2019). Perspectivas históricas das reformas educacionais nas universidades de Enfermagem no Brasil [Dissertação de Mestrado, Universidade de Uberaba]. Repositório Uniube. https://repositorio.uniube.br/handle/123456789/1127

Scochi, C. G. S., Munari, D. B., Gelbcke, F. L., Erdmann, A. L., Gutiérrez, M. G. R., & Rodrigues, R. A. P. (2013). Pós-graduação Stricto Sensu em Enfermagem no Brasil: avanços e perspectivas. Revista Brasileira de Enfermagem, 66(spe), 80-89. https://doi.org/10.1590/S0034-71672013000700011

Scott, P. A., Matthews, A., & Kirwan, M. (2013). What is nursing in the 21st century and what does the 21st century health system require of nursing?. Nursing Philosophy, 15(1), 23-34. https://doi.org/10.1111/nup.12032

Silva, T. A. (2015). Identidade e escolhas profissionais na perspectiva de graduandos de Enfermagem [Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo]. Biblioteca Digital da USP. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7140/tde-08012016-145526/pt-br.php

Silva, T. A. (2019). Identidade profissional da enfermeira gestora do Programa de Integração Docente-Assistencial (1978 - 2015) [Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo]. Biblioteca Digital da USP. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7140/tde-04032020-153420/pt-br.php

Silva, M. G., Fernandes, J. D., Teixeira, G. A. S., & Silva, R. M. O. (2010) Processo de formação da(o) enfermeira(o) na contemporaneidade: desafios e perspectivas. Texto & Contexto – Enfermagem, 19(1), 176-184. https://doi.org/10.1590/S0104-07072010000100021

Silva, T. A., Freitas, G. F., Takashi, M. H., & Albuquerque, T. A. (2019). Identidad profesional del enfermero: una revisión de literatura. Enfermería Global, 18(54), 563-600. https://doi.org/10.6018/eglobal.18.2.324291

Silveira, C. A., & Paiva, S. M. A. (2011). A evolução do ensino de Enfermagem no brasil: uma revisão histórica. Ciência, Cuidado e Saúde, 10(1), 176-183. https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v10i1.6967

Souza, C. J. (2014). Integralização do Ensino Teórico-Prático: mobilizando as competências do enfermeiro docente na graduação em Enfermagem [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Fluminense]. Repositório Institucional da Universidade Federal Fluminense. https://app.uff.br/riuff/handle/1/1019

Souza, N. V. D. O., Pires, A. S., Gonçalves, F. G. A., Tavares, K. F. A., Baptista, A. T. P., & Bastos, T. M. G. (2017). Formação em Enfermagem e o mundo do trabalho: percepções de egressos de Enfermagem. Aquichan, 17(2), 204-216. https://doi.org/10.5294/aqui.2017.17.2.9

Teixeira, E., Vale, E. G., Fernandes, J. D., & De Sordi, M. R. L. (2006). Trajetória e tendências dos cursos de enfermagem no Brasil. Revista Brasileira de Enfermagem, 59(4), 479-487. https://doi.org/10.1590/S0034-71672006000400002

Teixeira, K. R. B., Queirós, P. J. P., Pereira, L. A., Peres, M. A. A., Almeida Filho, A. J., & Santos, T. C. F. (2017) Associative organization of nursing: struggles for the social recognition of the profession (1943-1946). Revista Brasileira de Enfermagem, 70(5), 1075-1082. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0186

Trentini, M., Paim, L., & Silva, D. M. G. V. (2014). Pesquisa convergente assistencial: delineamento provocador de mudanças nas práticas de saúde. (3a ed.). Moriá.

World Health Organization. (2020). Nursing and Midwifery. https://www.who.int/health-topics/nursing#tab=tab_1

Published

11/07/2022

How to Cite

SANTOS, E. C. G. dos .; SANTOS, M. L. S. C. dos; HIPOLITO, R. L.; ALMEIDA, Y. S. de; VASCONCELOS, S. D. D. de; MEDEIROS, M. F.; ASSIS, W. B. de; OLIVEIRA, P. V. N. de; VALOIS, C. B. C.; OLIVEIRA, E. P. de. Brazilian Nursing Higher Education and sociological’s history of identities. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 9, p. e32611931529, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i9.31529. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/31529. Acesso em: 13 aug. 2022.

Issue

Section

Health Sciences