The application of the Consolidation of Labor Laws in the contracts of cruise ship workers

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i9.31596

Keywords:

Cruises; Ship's flag; Workers; Labor rights.

Abstract

Among the topics related to labor issues, hiring and the rights of professionals working on maritime cruises are a fruitful subject to be addressed in the field of debate. The study aimed to analyze these issues, focusing on the problem of crew location. Sometimes in national waters, sometimes in foreign waters, these workers live not only with their work routine, but also with the doubt of which legislation applies to their profession: whether it is Brazilian law or international declarations and agreements. This is an exploratory and descriptive study of a qualitative nature. The study showed that despite advances in Brazilian legislation, it is still not possible to say precisely which law prevails, and in this context not only this complex situation but also rights such as overtime and night shift that are guaranteed by national legislation are vilified by foreign companies. of cruises. Faced with such a scenario, the study concludes that it is necessary to deepen the discussions on this issue, since those who are working there are human beings in search of a dignified life, which needs to be preserved and with labor rights duly protected.

Author Biographies

Adeline Sevilha Guarnieri, Escola Paulista de Direito

Advogada, especialista em Direito Processual Civil e Direito e Processo do Trabalho pela Escola Paulista de Direito-EPM; Experiência nas diversas áreas do direito: Trabalhista; Consumidor; Eleitoral; Tributário; Cível; Família e Previdênciário; Assessoria parlamentar e participação nos programas Summer Job - do Gabinete da Vereadora de São Paulo Janaína Lima - NOVO e “Trabalha e Confia” do deputado Estadual Felipe Rigoni- NOVO; Perfil empreendedor, com pontos fortes: automotivação, independência e determinação, bem como foco na realização e entrega de resultados. Experiência com consultivo e contencioso cível e trabalhista; Habilidade em negociação e solução extrajudicial de conflitos; Inglês Avançado; Pacote Office Avançado;

Francisco Diógenes Freires Ferreira, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte; Instituto Federal da Paraíba

Mestre em Ensino na linha de pesquisa de ciências sociais e humanas

Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Professor do Instituto Federal da Paraíba

Ingrid Raissa Guerra Lins, Universidade Federal da Paraíba

Mestranda em Gestão Pública e Cooperação Internacional na Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Bacharel em Direito pela UFPB.

Francisco Carneiro Braga, Universidade Estácio de Sá.

Doutorando em Educação pela Universidade Estácio de Sá.

Mestre em Educação, pela Universidade do Sul de Santa Catarina, campus Tubarão- SC, Brasil

Katia Regina Araujo de Alencar, Universidade de Brasília

Mestre em Desenvolvimento Sustentável/CDS/UnB

 

References

Abílio, L. C. (2020). Uberização: a era do trabalhador just-in-time? Estudos Avançados, 34, 111-126.

Antunes, R. (2009). O trabalho, sua nova morfologia e a era da precarização estrutural. Theomai, (19), 47-57.

Belmonte, A.A. (2018). Cruzeiros marítimos: normas nacionais e internacionais aplicáveis às relações de trabalho. Revista de Direito: trabalho, sociedade e cidadania, 5(5), 26-52.

Branco, P.M.C., Comaru, F.A. & Silva, S.J. (2020). Uberização e Covid-19: esgarçando as contradições do trabalho no século XXI. Revista Novos Rumos Sociológicos, 8(14), 116 – 134.

Brasil (1943). Consolidação das Leis do Trabalho. Rio de Janeiro: Diário Oficial da União.

Brasil. Tribunal Superior do Trabalho (1985). Súmula n° 207, de 11 de julho de 1985. Brasília: TST.

Brasil (1988). Constituição Federal da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal.

Brasil (2002). Lei n° 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Brasília: Senado Federal.

Brasil. (2004). Decreto n°5.005. Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil (2004). Emenda Constitucional n° 45, de 30 de dezembro de 2004. Brasília: Senado Federal.

Brasil (2006). Conselho Nacional de Imigração. Resolução Normativa CNI n°7, de 5 de setembro de 2006. Brasília: CNI.

Brasil. Tribunal Superior do Trabalho (2012). Resolução n° 181, de 16 de abril de 2012. Brasília: TST.

Campos, I.A.Z. & I.Z.A. (2018). A legislação aplicável ao tripulante de navio de cruzeiro: uma análise do Princípio da Força da Gravidade. Revista Jurídica, 3(52), 554 – 574.

Castro, J.D. (2014). O Estado como garantidor dos direitos humanos. RPGE, 35(74), 111 – 146.

Comporto, J.R.C. (2015). Das relações de trabalho marítimo em navios de bandeira de conveniência. Dissertação de Mestrado, Universidade Católica Santos, SP, Brasil. https://tede.unisantos.br/handle/tede/2002?locale=pt_BR

Gil, A.C. (2019). Como elaborar projetos de pesquisa. 7th. São Paulo: Atlas.

Maciel, H.L.M., Cutrim, R.R.G. & Medeiros, H.G. (2021). Os contratos trabalhistas em navio de cruzeiro: estudo sobre o caso MSC Crociere S.A e da MSC Cruzeiros do Brasil LTDA X Juliana de Souza Bordalo. In: Medeiros, H.G., Sousa, M.T.C. & Raposo, R.O.B.S. (Eds.). Temas Emergentes do Direito Internacional Privado. São Luís: EDUFMA.

Mantouvalou, V. (2012). Are labour rights human rights? Eur. Lab., 3, 151.

Marx, K. (1985). A miséria da filosofia. São Paulo: Global.

Marx, K. (1996). O capital. Crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural.

Mazzuoli, V.O. (2011). Curso de Direito Internacional Público. 4 th. São Paulo: Revista dos Tribunas.

Mendonça, T.R. (2013). A eficácia espacial das normas trabalhistas no contexto da doutrina clássica: para uma reconfiguração teórico-dogmática, em face das relações individuais e coletivas de trabalho supra-estatais. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, PE, Brasil. https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10861

Minayo, M.C.S. (2013). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Oliveira-Monteiro, N.R., Peterlevitz, G.C.L. & Scachetti, R. E. (2018). Queixas e benefícios ao trabalho embarcado: relatos on-line de trabalhadores de cruzeiros marítimos. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 18(43), 1 – 9.

OIT (1929). Organização Internacional do Trabalho. C1- Convenção 1, sobre duração de trabalho (Indústria). Genebra: OIT.

OIT. (2006). Organização Internacional do Trabalho. C 186 – Convenção sobre o Trabalho Marítimo. Genebra: OIT.

ONU. (1948) Organização das Nações Unidas. Declaração universal dos direitos humanos. New York: ONU.

Rodrigues, A.I. (2021). Trabalhadores em cruzeiros turísticos: o conflito de leis do trabalho no espaço. Dissertação de Mestrado, Universidade Católica de Santos, SP, Brasil. https://tede.unisantos.br/handle/tede/7424

Slee, T. (2017). Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Elefante.

Sousa, W.A.P. & Gonçalves, M.A. Trabalhadores uberizados em Campo Grande – MS: uma aproximação. Pegada, 22(2), 21 – 48.

Published

13/07/2022

How to Cite

GUARNIERI, A. S.; GUIMARÃES JUNIOR, J. C. .; FERREIRA, F. D. F. .; LINS, I. R. G. .; BRAGA, F. C. .; ALENCAR, K. R. A. de . The application of the Consolidation of Labor Laws in the contracts of cruise ship workers. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 9, p. e39611931596, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i9.31596. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/31596. Acesso em: 13 aug. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences