Cotton production chain in Brasil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.31730

Keywords:

Productive chain; Cotton; SWOT analysis; Adding value; Competitiveness.

Abstract

The cotton supply chain has a high prominence in Brazilian agribusiness, contributing significantly to the country's economy. Considering the relevance of this product, this work aimed to study the cotton supply chain, in order to verify strategies for adding value to the it, as a way to increase the competitiveness of this segment and provide greater gain to the producer. The study was carried out based on articles and scientific papers, as well as by obtaining statistical data from official research surveys. Through the analysis of the configuration of the cotton chain, it was observed that the production and exports of cotton in the country kept growing in recent years, highlighting Brazil as the fifth largest producer and second largest exporter at a global level, while imports and consumption had significant decreases, favoring the Brazilian positioning in the worldwide market. That said, the modernization of the Brazilian' manufacturing parks and the adoption of new production systems, in addition to the use of new technologies, increasingly benefits the cotton value added. In addition, it can be concluded through the SWOT analysis that the cotton chain has innumerable strong points and opportunities that propel and highlight the national cotton culture in relation to the worldwide market. However, because it is highly competitive and sensitive to geopolitical instabilities, it is necessary to constantly apply innovative strategies that make it possible to maintain its competitiveness in relation to international trade.

References

ABAPA (2020). Algodão com responsabilidade: 80% da produção brasileira é sustentável. https://abapa.com.br/mais-noticias/algodao-com-responsabilidade-80-da-producao-brasileira-e-sustentavel/#:~:text=Algod%C3%A3o%20com%20responsabilidade%3A%2080%25%20da%20produ%C3%A7%C3%A3o%20 brasileira%20%C3%A9%20sustent%C3%A1vel,-Publicado%20em%3A%209&text=Produzir%20algod%C3%A3o%20zelando%20pelos% 20trabalhadores,Algod% C3%A3o%20Brasileiro%20Respons%C3%A1vel%20(ABR)

ABRAPA (2017). A cadeia do algodão brasileiro: Safra 2016/2017, desafios e estratégias. Brasília: ABRAPA, 2017, 248p.

ABRAPA (2018). Relatório de Gestão Biênio 2017-2018. <https://www.abrapa.com.br/BibliotecaInstitucional/Relat%C3%B3rio%20de%20Gest%C3%A3o_Bi%C3%AAnio%202017-2018.pdf>. Acesso em: 16 mar. 2021.

ABRAPA (2020). Principais indicadores da cotonicultura brasileira e mundial https://abapa.com.br/wp-content/uploads/2020/01/Paper-Presid%c3%aancia-Principais-Indicadores-Cotonicultura-15jan2020vsfi....pdf

ABRAPA (2022). Safra de algodão do Brasil terá desafios para crescer no próximo ciclo. https://www.abrapa.com.br/Paginas/Not%C3%ADcias%20Abrapa.aspx?noticia=949

Alane, G. H., & Pandolfi, M (2019). Cadeia produtiva do algodão e sua importância para o agronegócio brasileiro. IMTEC - Simpósio de Tecnologia da Fatec Taquaritinga, 5 (1), 280-291.

Alves, L., Sanches, A., Osaki, M., Barros, G., & Adami, A (2021). Cadeia agroindustrial e transmissão de preços do algodão ao consumidor brasileiro. Revista de Economia e Sociologia Rural, 59 (3), 18.

Associação Mineira dos Produtores de Algodão- AMIPA (2022). Beneficiamento. https://amipa.com.br/ben-algodoeiras

Arlindo, A. (2021). Agregação de valor nas cadeias produtivas https://www.embrapa.br/olhares-para-2030/agregacao-de-valor-nas-cadeias-produtivas-agricolas/-/asset_publisher/SNN1QE9zUPS2/content/arlindo-de-azevedo-moura?inheritRedirect=true

AMPA. (2018). História do Algodão. https://ampa.com.br/historia-do-algodao/

Antero, S (2006). Articulação de políticas públicas a partir dos fóruns de competitividade setoriais: a experiência recente da cadeia produtiva têxtil e de confecções. Revista de Administração Pública, 40 (1), 23.

Araújo, J., Vita, K., Fachini, M., & Duarte, R. (2015). Análise de SWOT: Uma ferramenta na criação de uma estratégia empresarial. ENCONTRO CIENTÍFICO E SIMPÓSIO DE EDUCAÇÃO UNISALESIANO, 5, 15p.

Batista, I. (2022). A qualidade do algodão brasileiro no mercado internacional e a busca por espaço dando valor ao produto https://www.noticiasagricolas.com.br/videos/agronegocio/312462-a-qualidade-do-algodao-brasileiro-no-mercado-internacional-e-a-busca-por-espaco-dando-valor-ao-produto.html#.YpTPhXbMIdX

Berti, L. (2019). Elaboração de uma análise SWOT: o estudo de caso da Berti Hortifruti. 2019.57p. Monografia (Graduação em Engenharia de Produção)- Escola de Engenharia de Lorena, Universidade de São Paulo, Lorena.

Bolsa de Brasileira de Mercadorias- BBM. (2022). Conflito entre Rússia e Ucrânia pode se refletir no mercado de algodão? https://www.bbmnet.com.br/blog/conflito-entre-russia-e-ucrania-pode-se-refletir-no-mercado-do-algodao

Bertolleti, A., Camilo, E (2007). Estudo do algodão no estado do paraná e sua cadeia produtiva têxtil. Caderno De Administração, 15 (1), 40-50.

Cavalcanti, A. M., & Santos, G. F. (2021). A indústria têxtil no Brasil: uma análise da importância da competitividade frente ao contexto mundial. Exacta.

Cavalcante, A., Tannús, S (2020). Competitividade da cotonicultura em países selecionados. Revista Competitividade e Sustentabilidade, 7 (3), 638-652.

CEPEA (2019). ALGODÃO/PERSPEC 2019: Rentabilidade atrativa eleva área; produção e exportação podem ser recordes. https://www.cepea.esalq.usp.br/br/releases/algodao-perspec-2019-rentabilidade-atrativa-eleva-area-producao-e-exportacao-podem-ser-recordes.aspx

CEPEA. (2020). Algodão/Retro 2019: Produção e exportação atingem recordes em 2019 https://www.cepea.esalq.usp.br/br/releases/algodao-retro-2019-producao-e-exportacao-atingem-recordes-em-2019.aspx

CEPEA (2022). Agromensal Algodão. Cepea, 2022, 2p.

Coelho, A. (2002). A cultura do algodão e a questão da integração entre preços internos e externos. 2002. 18p. Dissertação (Mestrado em Teoria Econômica) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

CONAB (2017). A cultura do algodão: Análise dos custos de produção e da rentabilidade nos anos-safra 2006/07 a 2016/17. Brasília: Conab, 2017, 33p.

Copetti, LS, Coronel, DA, & Souza, AM (2020). Transmissão da situação da taxa de câmbio para os preços de exportações brasileiras de algodão. Ciência E Natura , 42 , e5.

Costa, A., & Rocha, E. (2009). Panorama da cadeia produtiva têxtil e de confecções e a questão da inovação. BNDES Setorial, 29, 159-202.

Costa, W., & Pandolfi, M. (2021). Análise da viabilidade da produção de leite de cabra por meio da ferramenta SWOT: um estudo de caso. Interface Tecnológica,18 (2), 10p.

Cotton Brazil (2022). Algodão brasileiro https://cottonbrazil.com/pt/algodao-brasileiro/

Cunha, S., & Oliveira, A. (2019). A adesão da fibra de algodão orgânico branco e o naturalmente colorido ao mercado da moda sustentável. Editora Blucher, 413-423.

Embrapa. (2017). Cultura do algodão no cerrado. (2th ed.).

https://www.spo.cnptia.embrapa.br/conteudo?p_p_id=conteudoportlet_WAR_sistemasdeproducaolf6_1ga1ceportlet&p_p_lifecycle=0&p_p_state=normal&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-1&p_p_col_count=1&p_r_p_-76293187_sistemaProducaoId=7718&p_r_p_-996514994_topicoId=7985

Farina, E (1999). Competitividade e coordenação de sistemas agroindustriais: um ensaio conceitual. Gestão & Produção, 6 (3), 147-161.

FEBRATEX (2019). Tecnologia para indústria têxtil: o que há de mais moderno no setor? https://fcem.com.br/noticias/tecnologia-para-industria-textil-o-que-ha-de-mais-moderno-no-setor/

Ferraz, J. C., Kupfer, D. & Haguenauer, L. (1996). Made in Brazil. Ed. Campus.

Ferreira, E. P., Gruber, C., Merino, E. A. D., Merino, G. S. A. D., & Vergara, L. G. L. (2019). Gestão estratégica em frigoríficos: aplicação da análise SWOT na etapa de armazenagem e expedição. Gestão & Produção, 26(2).

Ferrel, O. C., Hartline, D., Lucas, J. R., George, H.; & Luck, D. J. (2000). Estratégia de marketing. Atlas.

Freitas, M. (2012). Planejamento estratégico: aplicando uma análise swot na empresa auto sueco CO. Monografia (Bacharelado em Administração) - Universidade de Brasília. Brasília.

IBGE. Classificação nacional de atividades econômicas. https://sidra.ibge.gov.br/tabela/7243#resultado

IBGE. Tabela 7243- Estrutura do investimento das empresas industriais com 30 ou mais pessoas ocupadas, segundo as divisões, os grupos e as classes de atividades- Brasil https://sidra.ibge.gov.br/tabela/7243

Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária- IMEA (2022). Boletim mensal algodão: custo de produção. IMEA, 2022, 3p.

Koche, J. C. (2011). Fundamentos de metodologia científica. Petrópolis: Vozes.

Kotler, P., & Armstrong, G. (1996). Princípios de marketing. (4th ed.). Prentice Hall.

Lamas, F. (2020). O mercado global de algodão- efeitos da pandemia decorrente do novo coronavírus. https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/51799538/artigo---o-mercado-global-do-algodao---efeitos-da-pandemia-decorrente-do-novo-coronavirus#:~:text=%C3%89%20esperada%20uma%20redu%C3%A7%C3%A3o%20da,ser%20definida%20nos%20pr%C3%B3ximos%20dias.&text=Embrapa%20Agropecu%C3%A1ria%20Oeste-,O%20algod%C3%A3o%20%C3%A9%20a%20fibra%20t%C3%AAxtil%20mais%20consumida%20no%20mundo,mais%20variadas%20formas%20pela%20humanidade.

Las Casas, A. L. (2001). Plano de marketing para micro e pequena empresa. (2th ed.). Atlas.

Leite, M., & Gasparotto, A. (2018). Análise SWOT e suas funcionalidades: o autoconhecimento da empresa e sua importância. Revista Interface Tecnológica, 15 (2), 184-195.

Libânio, C. & Amaral, F. (2017). Framework de Gestão de Design para a Indústria de Vestuário. Brazilian Business Review, 14 (1), 20.

Lima, L. (2021). Análise comparada da trajetória do desenvolvimento da agricultura orgânica no Brasil e na Dinamarca. Doutorado (Pós-Graduação em Desenvolvimento Econômico)- Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Lima, R. (2016). Análise SWOT ferramenta para tomada de decisões: Um Estudo de Caso na Cerâmica Soledade Ltda. 2016. 18f.Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Ciências Contábeis) - Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande.

Maia Neto. (2013). Caracterização, possibilidades e limitações do mercado do algodão no Brasil. Dissertação (Pós-Graduação em Economia)- Universidade Federal de Pernambuco, Caruaru.

MAPA. (2007). Cadeia produtiva do algodão. Série Agronegócios- MAPA/SPA, 4, 110p.

Menezes, I. (2009). Caracterização in situ e diversidade genética de algodoeiros mocós (Gossypiumhirsutum raça marie galante) da região nordeste do Brasil. 2009. 91f. Dissertação (Mestrado em Genética e Biologia Molecular) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Neiva, C. (2016). Análise Mercadológica da Cadeia do Algodão. 2016. 44f. Dissertação (Mestrado em Ciências e Tecnologia de Sementes) -Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.

Oliveira, D. P. R (2004). Planejamento estratégico: conceitos, metodologias e práticas. (21a ed.), Atlas. 335 p.

Pereira, A., Shitsuka, D., Parreira, F., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM.

Porter, M. E. (1996). Estratégia competitiva. Campus.

Rangel, A., Silva, M., & Costa, B. (2010). Competitividade da indústria têxtil brasileira. Revista de Administração e Inovação, 7 (1), 151-174.

Rossi, A. C. M., Souza, E., & Silva, M. (2020). Reguladores de crescimento na cultura do algodão (Gossypiumhirsutum L.). Research, Society and Development, 9 (9), 21.

Saab, M., Neves, M., Cláudio, L. (2009). O desafio da coordenação e seus impactos sobre a competitividade de cadeias e sistemas agroindustriais. Revista Brasileira de Zootecnia, 38, 412-422.

Santos, E. (2019). Aumento da produção de algodão no Brasil traz novos desafios para a pesquisa, aponta documento da Embrapa https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/43931817/aumento-da-producao-de-algodao-no-brasil-traz-novos-desafios-para-a-pesquisa-aponta-documento-da-embrapa#:~:text=mundial%20de%20algod%C3%A3o.-,O%20algod%C3%A3o%20%C3%A9%20quarta% 20cultura%20mais%20importante %20da%20agricultura%20brasileira,desempenho%20espetacular%2C%20crescendo%20131%25.

Severino, L., Rodrigues, S., Chitarra, L., Lima Filho, J., Mota, E., Marra, R., & Araújo, A. (2019). Produto: ALGODÃO - Parte 01: Caracterização e Desafios Tecnológicos. Embrapa, 29.

Schultz, G., & Waquil, P. (2011). Políticas públicas e privadas e competitividade das cadeias produtivas agroindustriais. Editora da UFRGS.

Soares, P. (2010). Cadeia produtiva têxtil do algodão: Globalização e Competitividade. 2010. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Sociedade Nacional de Agricultura- SNA. (2020). Setor de fibras debate ameaças e oportunidades no contexto da Covid-19. https://www.sna.agr.br/setor-de-fibras-debate-ameacas-e-oportunidades-no-contexto-da-covid-19/

Spínola, V., Xavier, M. (2005). Desafios ao Fortalecimento da Cadeia do Algodão: o Caso da Região Oeste. Revista Desenbahia, 23.

Valle, C., Dorr, A., Possani, L. (2017). Aplicabilidade do método swot na cadeia produtiva do fumo no Rio Grande do Sul. Revista Conbrad, 2 (1), 57-76.

Viera, A., Lunas, D., Garcia, J. (2016). Ambiente institucional na dinâmica da cotonicultura brasileira. Política Agrícola, 25(2), 14.

Zeferino, M. (2020). Mercado de Algodão: cenário na pandemia 2019/20 e perspectivas 2020/21. Análises e Indicadores do Agronegócio, 15 (8).

Published

31/07/2022

How to Cite

FERREIRA, B. N. .; MONTEBELLO, A. E. S. .; SANTOS, J. A. dos .; MARJOTTA MAISTRO, M. C. Cotton production chain in Brasil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e298111031730, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.31730. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/31730. Acesso em: 27 nov. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences