The Teacher, the Fedathi Sequence and the Failure Indexes of the Subject Differential and Integral Calculus

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i9.32007

Keywords:

Fedathi Sequence; Integral Differential Calculus; Learning Assessment; Teaching.

Abstract

The failure of students in the discipline of Differential and Integral Calculus is frequent in institutions, whether public or private. It is up to the teacher to reflect on the pedagogical practice, identify how learning is taking place and analyze what changes should be necessary in the planning, conduct and evaluation of the class. The objective of the work is to identify the results of students in the discipline of Differential and Integral Calculus at the Universidade Estadual Vale do Acaraú, over a period of 10 years, presenting the Fedathi Sequence as a possibility of mediation to reduce the low rates in evaluations. The research is exploratory with a quantitative and qualitative approach and indicates that the general failure and dropout rate in the academic periods between 2009.1 to 2019.1 were higher than 50%, reaffirming the national trend. It is concluded that the pedagogical practices based on methodologies that seek to dialogue with the student in the classroom contribute to the evaluation process and also to the final result of the subjects. The Fedathi Sequence is presented as a methodological proposal, supporting the hypothesis that through mediation and evaluation of the knowledge construction process, it is possible to minimize the failure and dropout rates of the discipline.

References

Araújo, C. H. D., & Borges Neto, H. (2022). Sequência Fedathi, H5P e Papiro de Rhind para a promoção do ensino de Matemática. Boletim Cearense de Educação e História da Matemática – Bocehm, 9(26), 16-30, https://revistas.uece.br/index.php/BOCEHM/article/view/8033. Acesso em: 21 abr. 2022.

Barbosa, M. A. (2004). O insucesso no ensino e aprendizagem na disciplina de cálculo diferencial e integral. Curitiba, 2004. p101. Dissertação (Mestrado em Educação) –, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba.

Behrens, M. A. (2000). O Paradigma emergente e a prática pedagógica. Ed Chapgnat.

Cury, H. N. (1990). Análise de erros em demonstrações de geometria plana: um estudo com alunos de 3º grau. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Esteban, M. T. (2000). Avaliar: ato tecido pelas imprecisões do cotidiano. In: GARCIA, R.L. (Org.). Novos olhares sobre a alfabetização. Cortez. 175-192.

Fontes, L. S. (2015). A avaliação da aprendizagem na disciplina cálculo diferencial e integral: em busca de sentidos pedagógicos. 132 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. Editora Atlas SA.

Hoffmann, J. (1994). Avaliação mediadora; uma prática em construção – da pré-escola à universidade. (4a ed.), Educação e realidade, p.13- 104.

Lima, I. G., Sauer, L. Z., & Soares, E. M. S. (2006). Resolução de problemas: Estratégia de aprendizagem de matemática para engenharia. In: XXXIV – Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia. Anais. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo.

Lopes, A. (1999). Algumas reflexões sobre a questão do alto índice de reprovação nos cursos de Cálculo da UFRGS. Sociedade Brasileira de Matemática. (26/27), 123-146.

Luckesi, C. C. (2000). O que é mesmo o ato de avaliar a aprendizagem? Pátio, Rio Grande do Sul, (12), 6-11.

Menezes, D. B. (2018). O Ensino do Cálculo Diferencial e Integral na perspectiva da Sequência Fedathi: Caracterização do comportamento de um bom professor. 2018. 128 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação FACED, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Moretto, V. P. (2010). Prova: um momento privilegiado de estudo, não um acerto de contas. Lamparina, p. 115.

Rezende, W. M. (2003). Ensino de Cálculo: dificuldades de natureza epistemológica. 2003. 450f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

Robert, A., & Schwarzenberger, R. (1991). Pesquisa no ensino e aprendizagem de Matemática um nível avançado. In: David Tall (Ed.): Pensamento matemático avançado. Kluwer Academic Editores.

Sousa, F. E. E. de. (2015). A pergunta como estratégia de mediação didática no ensino de matemática por meio da Sequência Fedathi. 283p.Tese de Doutorado. Curso de Pós-Graduação em Educação. Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará.

Souza, M. J. A. (2010). Aplicações da Sequência Fedathi no Ensino e aprendizagem da Geometria Mediado por Tecnologias Digitais. 2010. 216p. Tese de Doutorado. Curso de Pós-Graduação em Educação. Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará.

Souza, M. J. A. (2013). SequênciaFedathi: Apresentação e Caracterização. In: SOUSA, F.E.et. al. Sequência Fedathi: uma proposta pedagógica para o ensino de Ciências e Matemática. Fortaleza: Edições UFC.

Tall, D. (2002). Advanced Mathematical Thinking. Kluwer Academic Publishers.

Wachovicz, L. A., & Romanowski, J. P. (2002). Avaliação: que realidade é essa? Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 7(2).

Downloads

Published

20/07/2022

How to Cite

LIMA, M. E. da S. .; ARAÚJO, C. H. D. de .; FELÍCIO, M. S. N. B.; SOUSA, T.; SANTOS, D. R. dos .; MENEZES, D. B. . The Teacher, the Fedathi Sequence and the Failure Indexes of the Subject Differential and Integral Calculus. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 9, p. e44011932007, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i9.32007. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32007. Acesso em: 19 aug. 2022.

Issue

Section

Education Sciences