Evalution of irrational use of medicines by residentes of a neighborhood of Vitória – PE during the new Coronavirus pandemic

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i9.32012

Keywords:

Self-medication; COVID-19; Over-the-counter medications.

Abstract

This research aims to analyze the behavior of residents of a neighborhood in Vitória de Santo Antão-PE about the indiscriminate use of medicines during the period of the SARS-CoV-2 quarantine. This is an observational, cross-sectional study with a qualitative and quantitative approach. The inclusion criteria were over 18 years old who lived in the Matriz neighborhood, in the city of Vitória-PE and non-literate individuals were excluded. A self-completion questionnaire was applied face-to-face, with an active search for participants who lived in the neighborhood. With the results obtained, it is possible to verify a pattern of self-medication in the population (66.9%) with a sociodemographic profile represented by women (66.39%), individuals aged 21-29 years (33.60%), brown (42.32%), complete higher education (29.04%) and RFM between 1 and 3 minimum wages (42.32%). The most used drug class were anti-inflammatory drugs (18.1%). Almost 47% self-medicated as a way to prevent coronavirus. 65.60% of respondents understand the risks of inappropriate use and 66.14% say that the pandemic has impacted self-medication. SARS-CoV-2 has reignited debates and discussions in the health area, and it is of paramount importance to analyze the impacts that the pandemic has had on the indiscriminate consumption of medicines. There is a need to develop new research on these impacts on the Brazilian population, as well as to encourage health education and the rational use of medicines.

References

ANVISA. (2021). Informações Técnicas: ANVISA alerta para os riscos do uso indiscriminado de paracetamol. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. http://antigo.anvisa.gov.br/informacoes-tecnicas13/-/asset_publisher/WvKKx2fhdjM2/content/anvisa-alerta-para-os-riscos-do-uso-indiscriminado-de-paracetamol/33868?p_p_auth=ExcikhzS&inheritRedirect=false#:~:text=Resumo%3A,bula%2C%20para%20cada%20faixa%20et%C3%A1ria.

Andrade, E. A., Vanessa, G. M. & Mariana, A. L. (2021). Perfil de uso de medicamentos e automedicação, em uma população universitária frente a pandemia da COVID-19. Brazilian Journal of Development, Curitiba. 7(7), 3772-84

Barbosa, J. C. S. & Resende, F. A. (2018). Perfil do uso indiscriminado de medicamentos na cidade de Cordisburgo – MG. Revista Brasileira de Ciências da Vida. 6(2), 135-40.

Barros, M. B. A., Lima, M. G., Malta, D. C., Szwarcwald, C. L., Azevedo, R. C. S., Romero, D., Souza, P. R. B. Jr., Azevedo, L. O., Machado, I. E., Damacena, G. N., Gomes, C. S., Werneck, A. O., Silva, D. R. P., Pina, M. F. & Gracie, R. (2020). Relato de tristeza/depressão, nervosismo/ansiedade e problemas de sono na população adulta brasileira durante a pandemia de COVID-19. Epidemiologia e Serviços de Saúde [online]. 29(4), 1-12.

Bertoldi, A.D, Tavares, N. U. L., Hallal, P. C., Araújo, C. L. & Menezes, A. M. B. (2014). Automedicação em adolescentes de 18 anos: estudo de coorte de nascimentos de Pelotas (Brasil) em 1993. Saúde J Adolescente, Rio Grande do Sul. 55 (2), 175-181.

Brasil. (2004). Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução Nº 338, de 06 de maio de 2004. Brasília. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2004/res0338_06_05_2004.html#:~:text=III%20%2D%20a%20Assist%C3%AAncia%20Farmac%C3%AAutica%20trata,e%20ao%20seu%20uso%20racional.

Cassoni, T. C. J., Corona, L. P., Romano-Lieber, N. S., Secoli, S. R., Duarte, Y. A. O. & Lebrão, M. L. (2014). Uso de medicamentos potencialmente inapropriados por idosos do Município de São Paulo, Brasil: Estudo SABE. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30(8), 1708-20.

Ely, L. S., Engroff, P., Guiselli, S. R., Cardoso, G. C., Morrone, F. B. & Carli, G. A. (2015). Uso de anti-inflamatórios e analgésicos por uma população de idosos atendida na Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia [online]. 18(3), 475-485.

Estrela, C. (2018). Metodologia Científica: Ciência, Ensino, Pesquisa. Editora Artes Médicas.

Farias, A., Lima, K. C., Oliveira, Y. M. C., Leal, A. A. F., Martins, R. R. & Freitas, C. H. S. M. (2021). Prescrição de medicamentos potencialmente inapropriados para idosos: um estudo na Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 26(5), 1781-1792.

Ferreira Júnior, E. & Almária, M. B. (2018). Atenção farmacêutica a idosos portadores de doenças crônicas no âmbito da atenção primária à saúde. Infarma - Ciências Farmacêuticas, 30(2), 95-101.

Fávero, V., Sato, M. & Santiago, R. (2018). Uso de ansioliticos: abuso ou necessidade? Visão Acadêmica, 18(4), 98-106.

Gonçalves, C. A., Gonçalves, C. A., Dos Santos, V. A. dos S. A., Sarturi, L., & Terra Júnior, A. T. (2017). Intoxicação medicamentosa: relacionada ao uso indiscriminado de medicamentos. Revista Científica Da Faculdade De Educação E Meio Ambiente, 8(1), 135–143.

Leal, W. S., Melo, D. N. A., Silva, F. C. S., Nazaré, K. A., Rodrigues, B. T. F., Fernandes, E. L., Araújo, M. E. da S., Martins, J. L., & Freitas, L. M. A. de . (2021). Análise da automedicação durante a pandemia do novo coronavírus: um olhar sobre a azitromicina. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 7(8), 580–592.

Lima, C. C, Benjamin, S. C. C. & Dos Santos, R. F. S. (2017). Mecanismo de resistência bacteriana frente aos fármacos: uma revisão. Revista Cuidar Enfermagem. 11(1), 105-113.

Malta, D. C., Gomes, C. S., da Silva, A. G., Cardoso, L. S. M., Barros, M. B. A., Lima, M. G., Souza, P. R. B. Jr. & Szwarcwald, C. L. (2020). Uso dos serviços de saúde e adesão ao distanciamento social por adultos com doenças crônicas na pandemia de COVID-19. Brasil. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 26 (07), 2833-2842.

Matos, J. F., Pena, D. A. C., Parreira, M. P., dos Santos, T. C. & Coura-Vital, T. (2018). Prevalência, perfil e fatores associados à automedicação em adolescentes e servidores de uma escola pública profissionalizante. Cad. Saúde Colet. Rio de Janeiro. 26(1), 76-83.

Melo, R. C. & Pauferro, M. R. V. (2020). Educação em saúde para a promoção do uso racional de medicamentos e as contribuições do farmacêutico neste contexto. Brazilian Jornal of Development, Curitiba, 6(5), 32162-32173.

Menezes, C. R., Sanches, C. & Chequer, F. M. D. (2020). Efetividade e toxicidade da cloroquina e da hidroxicloroquina associada (ou não) à azitromicina para tratamento da COVID-19. O que sabemos até o momento? J. Health Biol Sci, 8(1), 1-9.

Naves, J. O. S., de Castro, L. L. C., de Carvalho, C. M. S. & Merchán-Hamann, E. (2010). Automedicação: uma abordagem qualitativa de suas motivações. Ciência & Saúde Coletiva, 15(1), 1751-1762.

Noronha, J. I., Giardini, I. J. M., Pasotti, D. V. & Teixeira, C. M. P. P. (2021). Análise da prevalência da automedicação com anti-inflamatórios não esteroidais em uma drogaria de espírito santo do pinhal – sp. Revista Faucldades do Saber, 6(13), 814-822.

Nunes, C. R. M., Alencar, G. O., Bezerra, C. A., Barreto, M., F. & Machado, E. (2017). Panorama das intoxicações por medicamento no Brasil. Revista e-ciência, 5(2), 98-103.

Oliveira, L. J., Silva, K. S. & Gonçalves, A. C. S. (2021). Aumento do uso de antibióticos durante a pandemia de covid-19 em cidade no interior de minas gerais. Ecima21 - revista científica multidisciplinar, 2(8), 1-11.

Oliveira, S. B. V., Barroso, S. C. C., Bicalho, M. A. C. & Reis, A. M. M. (2018). Perfil de medicamentos utilizados por automedicação por idosos atendidos em centro de referência. Einstein (São Paulo), 16 (4), 1-7.

Pereira A. S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [free e-book]. Santa Maria/RS. Ed. UAB/NTE/UFSM.

Piga, B. M. F., Shima, V. T. B. & Romanichen, F. M. D. F. (2021). Análise das prescrições de ansiolíticos e antidepressivos antes e durante a pandemia da covid-19. Brazilian Journal of Development, Curitiba, 7(11), 107178-93.

Pitta, M. G. da R., Lima, L. P. de, Carvalho, J. S. de, Teixeira, D. R. C., Nunes, T. R de S., Moura, J. A. da S., Viana, D. C. F., & Pitta, I. da R. (2021). Analysis of the self-medication profile in COVID-19 pandemic in Brazil. Research, Society and Development, 10(11), 1-14.

Romano-lieber, N. S., Corona, L. P., Marques, L. F. G. & Scoli, S. R. (2019). Sobrevida de idosos e exposição à polifarmácia no município de São Paulo: Estudo SABE. Revista Brasileira de Epidemiologia [online]. 21(2), 1-11.

Ruiz-garbajosa, P. & cantón, R. (2021). COVID-19: Impact on prescribing and antimicrobial resistance. Rev Esp Quimioter, 34(1), 63-68.

Santos, A. N. M. N.. Nogueira, D. R. C. N. & Borja-Oliveira, C. R. (2018). Self-medication among participants of an Open University of the Third Age and associated factors. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia [online]. 21(4), 419-427.

Santos, K. P., Costa, M. C. M., Rios, M. C. & Rios, P. S. de S. (2014). Adesão a farmacoterapia em pacientes cadastrados no hiperdia em uma unidade básica de saúde em aracaju, se. Infarma - Ciências Farmacêuticas, 26(4), 233–239.

Santos, L. G., Baggio, J. A. O., Leal, T. C., Costa, F. A., Fernandes, T. R. M. O., Silva, R. V., Armstrong, A., Carmo, R. F. & Souza, C. D. F. (2021). Prevalência de Hipertensão Arterial Sistêmica e Diabetes Mellitus em Indivíduos com COVID-19: Um Estudo Retrospectivo em Pernambuco, Brasil. Arq. Bras. Cardiol., 117(2), 416-422.

Sato, T. O., Ferminiano, N. T. C., Bastião, M. V., Moccellin, A. S., Driusso, P. & Mascarenhas, S. H. Z. (2017). Doenças Crônicas não Transmissíveis em Usuários de Unidades de Saúde da Família - Prevalência, Perfil Demográfico, Utilização de Serviços de Saúde e Necessidades Clínicas. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 21(1), 35-42.

Secoli, S. R. (2010). Polifarmácia: interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos. Rev Bras Enferm, Brasília. 63(1), 136-40.

Silva, J. C. S., de Souza, F. C. R. & Aoyama, E. A. (2021). A incidência do uso indiscriminado de medicamentos. ReBIS [Internet]. 2(1), 95-9.

Silva, L. C. C. & Araújo, J. L. (2020). Atuação do Farmacêutico clínico e comunitário frente a pandemia da COVID-19. Research, Socety and Development, Brasília, 9(7), 1-10.

Silva, Y. A. & Fontoura, R. (2014). Principais Consequências da Automedicação em Idosos. Revista de Divulgação Científica Sena Aires. 3(1), 75-82.

Stefano, I. A. C., Conterno, L. O., Filho, C. R. S. & Marin, M. J. S. (2017). Uso de medicamentos por idosos: análise da prescrição, dispensação e utilização num município de porte médio do estado de São Paulo. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, Rio de Janeiro. 20(5), 681-692.

Teixeira, B. C., Campos, L. S. & Casalini, C. E. C. (2019). Perfil da automedicação em estudantes de ensino superior: impacto na resistência bacteriana. Revista Saúde Integrada. 12(24), 67-78.

Vosgerau, M. Z. S., Soares, D. A., de Souza, R. K. T., Matsuo, T. & Carvalho, G. S. (2011). Consumo de medicamentos entre adultos na área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva. 16(1), 1629-1638.

World Health Organization. (1998). The Role of the pharmacist in self-care and self-medication: report of the 4th WHO Consultative Group on the Role of the Pharmacist, The Hague, The Netherlands, 26-28 August 1998. Geneva.

Published

12/07/2022

How to Cite

COSTA , A. V. de L. M. .; ANJOS , K. R. B. dos; AGRELES, M. A. A. .; CAMPOS, L. A. de A. .; CAVALCANTI, I. M. F. Evalution of irrational use of medicines by residentes of a neighborhood of Vitória – PE during the new Coronavirus pandemic . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 9, p. e35211932012, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i9.32012. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32012. Acesso em: 19 aug. 2022.

Issue

Section

Health Sciences