Assessment of the quality of life of nurses working in the emergency department of a hospital in Recife - PE

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.32500

Keywords:

Quality of life; Emergency; Nursing.

Abstract

Quality of life is an eminently human notion and encompasses many meanings that reflect knowledge, experiences and values of individuals and communities. care provided. This article aimed to: evaluate the quality of life of nurses working in general emergency. To work on the object in question, a cross-sectional field study with a quantitative approach was used. It was carried out in an emergency hospital in Recife-PE. The study complied with the determinations of the Declaration of Helsinki and Resolution 196/96 of the National Commission for Ethics and Research in Human Beings and was only started after approval by the Ethics Committee. The population surveyed consisted of 33 general emergency nurses from the target emergency hospital, from June to July 2009. The instrument used to determine quality of life was the SF-36. The general average of quality of life was 62%, the highest average was 90% and the lowest 20%, the highest domain was functional capacity with 76% and the lowest was vitality with 53%. The best measure of quality of life is not how much a service is offered, but how close the results are to the fundamental goals of prolonging life, relieving pain, restoring joint and preventing disability, seeking to reduce the impact of disease on the individual's life.

References

Andrade, L. R., Santini, C. R. G., Gonçalves, L. H. T. & Nassar, S. M. (2000). O profissional de enfermagem e a qualidade de vida: uma abordagem fundamentada nas dimensões propostas por Flanagan. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 8(4): 7-14.

Almeida, P. J. S. & Pires, D. E. P. (2007). O trabalho em emergência: entre o prazer e o sofrimento. Rev. Eletr. Enf., 9(3):617-29.

Brasil. Ministério da Saúde. (1996). Resolução nº 196, de 10 de Outubro de 1996. Brasília - DF. <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/1996/res0196_10_10_1996.html>.

Bittencourt, R. J. & Hortale, V. A. (2007). A qualidade nos serviços de emergência de hospitais públicos e algumas considerações sobre a conjuntura recente no município do Rio de Janeiro. Ciênc. saúde coletiva, 12(4): 929-934.

Cunha, J. A., Freire, I. S., & Piau, T. B. (2021). Estresse laboral da equipe de enfermagem nos serviços de urgência e emergência. Revista de Enfermagem, 14(14), 64-79.

Dal Pai, D. & Lautert, L. (2008). O trabalho em urgência e emergência e a relação com a saúde das profissionais de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 16(3): 439-444.

de Araujo, V. D. S. C., de Oliveira Pereira, R. M., de Souza, L. O., de Almeida, L. D. S., Cordeiro, P. M., da Silva, S. J. L., & de Souza, T. T. G. (2020). Avaliação dos fatores associados ao nível de estresse ocupacional das equipes de enfermagem que atuam nos serviços de urgência e emergência. Revista Eletrônica Acervo Saúde, (52), e3586-e3586.

de Souza, M. M. C., de Araújo, H. Z. M. & Marchiori, B. P. (2000). Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciênc. saúde coletiva, 5(1): 7-18.

de Melo, B. K. & Ferraz, B. E. R. (2006). Estresse do enfermeiro em unidade de emergência. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 14(4): 534-539.

Del Vecchio, F., Pereira, F. J. & de Campinas, F. I. M. (2006). Estudo das relações entre qualidade de vida e nível de atividade física em escolares de Campinas. Movimento e Percepção, 6(9).

dos Reis, F. S., França, I. F., Barbosa, I. E. B., Fonseca, A. R., de Souza Mota, B., de Figueiredo Lira, F. C., & Avinte, V. O. (2021). Síndrome de burnout em profissionais de Enfermagem que atuam no setor de urgência e emergência. Research, Society and Development, 10(7), e20910716372-e20910716372.

Fleury, S. E. M. & da Costa, Z. C. M. L. (2004). Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cad. Saúde Pública. 20(2): 580-588.

Júnior, G. S., Passos, K. G., Oliveira, L. M. D., Okuno, M. F. P., Alonso, A. C., & Belasco, A. G. S. (2022). Atividades de vida diária, sintomas depressivos e qualidade de vida de idosos. Acta Paul Enferm, 35.

Köche, J. C. (2016). Fundamentos de metodologia científica. Editora Vozes.

Leite, T. S. A. (2018). Estresse Ocupacional Em Enfermeiros Que Atuam Na Urgência E Emergência: Uma Revisão Integrativa. Humanidades & Inovação, 5(11), 268-276.

Marchiori, B. P. (2000). Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciênc. saúde coletiva, 5(1): 163-177.

Pinho, C. M. (2020). Aspectos associados ao estresse em enfermeiros que atuam em serviços de urgência e emergência. Revista Enfermagem Digital Cuidado e Promoção da Saúde, 5, 1.

Schmidt, D. R. C. & Dantas, R. A. S. (2006). Qualidade de vida no trabalho de profissionais de enfermagem, atuantes em unidades do bloco cirúrgico, sob a ótica da satisfação. Rev Latino-am Enfermagem, 14(1):54-60.

Silva, E., Pedro, M. A, Sogayar, A. M. C. B, Mohovic, T., Janiszewski, M., Silva, C. C. L. O, & Knobel, E. (2002). Estudo Epidemiológico da Sepse no Brasil (BASES): resultados preliminares dos primeiros 439 pacientes. In Critical Care 6(1), 1-2. BioMed Central.

Spadoti, D. R. A., Okino, S. N. & Bernadete, M. M. (2003). Pesquisas sobre qualidade de vida: revisão da produção científica das universidades públicas do Estado de São Paulo. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 11(4): 532-538.

Published

24/07/2022

How to Cite

PONTES, A. F. .; ESTELITA, R. R. de O. .; ALCANTARA, L. F. de L. .; PAIXÃO, T. B. L. da .; SANTOS, A. M. dos .; SANTOS, J. V. B. dos .; ARAÚJO, S. L.; LIMA, M. E. X. do R.; RODRIGUES, N. A. .; ANDRADE, Ângela R. L. de . Assessment of the quality of life of nurses working in the emergency department of a hospital in Recife - PE. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e112111032500, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.32500. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32500. Acesso em: 1 oct. 2022.

Issue

Section

Health Sciences