Epidemiological profile of anti-rabies post-exposure care from wild animals’ aggressions in Pernambuco, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.32593

Keywords:

Infectious diseases; Epidemiology; Prophylaxis; Rhabdoviridae.

Abstract

Rabies is endemic in the state of Pernambuco with the last case of the disease recorded in 2017, in the city of Recife. Since knowledge regarding the current epidemiological situation contributes to the establishment of control strategies over the disease in the state, the main objective of this study was to describe and evaluate the profile of notified human anti-rabies care, from wild animals aggressions, registered in the Notifiable Diseases Information System (SINAN) from 2011 to 2017. During the evaluation, 6,363 human anti-rabies consultations were observed, and it was possible to analyze the variables collected during the service and relate them to the Technical Norms of Human Rabies Prophylaxis from the Ministry of Health. The results revealed that adult males compose the profile most attacked with bite-like exposures and with single predominant lesions. Concerning the aggressor animal there was an increase in the incidence of aggressions from Chiropterans. It is concluded that the health actions evaluated in this work need to improve control strategies over the wild rabies cycle, with attention to bats, relevant animals in the epidemiological chain of transmission of primary and secondary forms, and improve actions in the population health education.

References

Aguiar, T., Costa, E. C., Rolim, B. N., Romijn, P. C., Morais, N. B. D., & Teixeira, M. F. D. S. (2011). Risco de transmissão do vírus da raiva oriundo de sagui (Callithrix jacchus), domiciliado e semidomiciliado, para o homem na região metropolitana de Fortaleza, Estado do Ceará. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 44, 356-363.

Antunes, K. D., Matos, J. C. C., Mol, L. P., Oliveira, M. A., Arcebispo, T. L. M., Santos, V. G., ... & Silva, M. X. (2018). Descriptive analysis of rabies in wild animals in the state of Sergipe, Brazil. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, 70, 169-173.

Azevedo, J. P. D., Oliveira, J. C. P. D., Palmeira, P. D. A., Formiga, N. V. L., & Barbosa, V. S. D. A. (2018). Avaliação dos atendimentos da profilaxia antirrábica humana em um município da Paraíba. Cadernos Saúde Coletiva, 26, 7-14.

Belotto, A.J. (1985) A raiva no Brasil em 1984: aspectos operacionais e epidemiológicos. Rev Fund SESP, 167–182.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação. Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. [acessado em 2020 ago 02]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_procedimentos_vacinacao.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Protocolo de tratamento da raiva humana no Brasil/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica - Brasília: Ministério da Saúde, 2011. [acessado em 2020 ago 02]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_tratamento_raiva_humana.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Raiva. In: Brasil. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. - 3ª ed. - Brasília: Ministério da Saúde, 2019. p. 626-651. [acessado em 2020 ago 02]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Normas Técnicas de Profilaxia da Raiva humana/Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. - Brasília: Ministério da Saúde, 2011. [acessado em 2020 ago 02]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/images/pdf/2014/dezembro/22/Normas-tecnicas-profilaxia-raiva.pdf.

Brasil. Nota informativa no 26-SEI/2017-CGPNI/DEVIT/SVS/MS de 17 de julho de 2017. Altera o protocolo antirrábico humano. [acessado em 2020 ago 02]. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/agosto/04/Nota-Informativa-N-26_SEI_2017_CGPNI_DEVIT_SVS_MS.pdf.

Conselho Regional de Medicina do Estado de Pernambuco (CREMEPE). Confirmada a morte de empresária por raiva humana. [acessado em 2020 ago 02] Disponível em: http://cremepe.org.br/2017/07/04/confirmada-morte-de-empresaria-por-raiva-humana/.

Dantas-Torres, F., & Oliveira-Filho, E. F. D. (2007). Human exposure to potential rabies virus transmitters in Olinda, State of Pernambuco, between 2002 and 2006. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 40, 617-621.

DdV, E. (2009). Protocolo para tratamento de raiva humana no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 18, 385-94.

Deus, G. T. D., Becer, M., & Navarro, I. T. (2003). Diagnóstico da raiva em morcegos não hematófagos na cidade de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Centro Oeste do Brasil: descrição de casos. Semina Ciências Agrárias, 24(1), 171–176.

Favoretto, S. R., de MATTOS, C. C., de MATTOS, C. A., Campos, A. C. A., Sacramento, D. R., & Durigon, E. L. (2013). The emergence of wildlife species as a source of human rabies infection in Brazil. Epidemiology & Infection, 141(7), 1552-1561.

Gohn, M. G. & Hom, C. S. (2008). Abordagens Teóricas no Estudo dos Movimentos Sociais na América Latina. Caderno CRH, 21(54), 439-455.

Ito, M., Arai, Y. T., Itou, T., Sakai, T., Ito, F. H., Takasaki, T., & Kurane, I. (2001). Genetic characterization and geographic distribution of rabies virus isolates in Brazil: identification of two reservoirs, dogs and vampire bats. Virology, 284(2), 214-222.

Kotait, I., Carrieri, M.L., & Takaoka, N.Y. (2009). Raiva – Aspectos gerais e clínica; Manual Técnico do Instituto Pasteur. São Paulo, Instituto Pasteur. 49 p. (Manuais, 8).

Mundim, A.P.M. (2005). Exposição à raiva humana no Município de Cuiabá-MT: epidemiologia e avaliação das medidas preventivas [dissertação]. Mato Grosso: Universidade Federal de Mato Grosso.

Rocha, S.M. (2014). Raiva silvestre: o perfil epidemiológico no Brasil (2002 a 2012) [dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília/Faculdade de Agronomia e Veterinária.

Santos, C. V. B. D., Melo, R. B. D., & Brandespim, D. F. (2017). Perfil dos atendimentos antirrábicos humanos no agreste pernambucano, 2010-2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 26, 161-168.

Scheffer, K. C., Carrieri, M. L., Albas, A., Santos, H. C. P. D., Kotait, I., & Ito, F. H. (2007). Vírus da raiva em quirópteros naturalmente infectados no Estado de São Paulo, Brasil. Revista de Saúde Pública, 41, 389-395.

Schneider, M.C., Romijn, P.C., Uieda, W., Tamayo, H., da Silva, D.F., Belotto, A., da Silva, J.B., & Leanes, L.F. (2009). Rabies transmitted by vampire bats to humans: An emerging zoonotic disease in Latin America?. Revista Panamericana de Salud Pública, 25(3), 260–269.

Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS/MS). Raiva humana: situação epidemiológica. [acessado em 2020 ago 05]. Disponível em: https://saude.gov.br/o-ministro/961-saude-de-a-a-z/raiva/41858-situacao-epidemiologica.

Silva, G. M. D., Brandespim, D. F., Rocha, M. D. G. D., Leite, R. M. B., & Oliveira, J. M. B. D. (2013). Notificações de atendimento antirrábico humano na população do município de Garanhuns, Estado de Pernambuco, Brasil, no período de 2007 a 2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 22(1), 95-102.

Silva, S.R. (2011). Análise dos atendimentos antirrábico humano pós- exposição às agressões por animais silvestres, em Pernambuco. [monografia]. Recife: Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz.

Vargas, A., Romano, A. P. M., & Merchán-Hamann, E. (2019). Raiva humana no Brasil: estudo descritivo, 2000-2017. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 28, e2018275.

Veloso, R. D., Aerts, D. R. G. D. C., Fetzer, L. O., Anjos, C. B. D., & Sangiovanni, J. C. (2011). Motivos de abandono do tratamento antirrábico humano pós-exposição em Porto Alegre (RS, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, 16, 537-546.

Veloso, R. D., Aerts, D. R. G. D. C., Fetzer, L. O., Anjos, C. B. D., & Sangiovanni, J. C. (2011). Perfil epidemiológico do atendimento antirrábico humano em Porto Alegre, RS, Brasil. Ciência & saúde coletiva, 16(12), 4875-4884.

Wada, M. Y., Rocha, S. M., & Maia-Elkhoury, A. N. S. (2011). Situação da raiva no Brasil, 2000 a 2009. Epidemiologia e serviços de saúde, 20(4), 509-518.

World Health Organization (WHO). WHO Expert Committee on Rabies [‎‎‎‎‎meeting held in Geneva from 24 to 30 September 1991]‎‎‎‎‎: eighth report, 1992. [acessado em 2020 ago 02]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/39308

Zangirolami-Raimundo, J., Echeimberg, J. D. O., & Leone, C. (2018). Tópicos de metodologia de pesquisa: Estudos de corte transversal. J Hum Growth Dev, 28(3), 356-60.

Published

27/07/2022

How to Cite

RÊGO, A. G. de O. do .; RODRIGUES, D. dos S. .; FARIAS, C. K. da S. .; VIEIRA, A. M. .; FRANCO, L. de O. .; MAIA, R. de C. C. .; ALVES, L. C. . Epidemiological profile of anti-rabies post-exposure care from wild animals’ aggressions in Pernambuco, Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e200111032593, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.32593. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32593. Acesso em: 4 oct. 2022.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences