Evaluation of Hospitalization in Emergency Care Units in the West of Paraná due to Primary Care Sensitive Causes

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.32632

Keywords:

Primary Health Care; Emergency medical services; Length of stay.

Abstract

Objective: To define and evaluate the causes of hospitalizations due to Primary care-sensitive conditions in Emergency Care Units in Cascavel-PR. Methodology: Qunatitative, observational, cross-sectional and prospective study, developed through data collection and analysis (name, gender, age, neighboorhood, length of stayand primary cause of hospitalization) contained in medical records of users of the Emergency Care Units of Cascavel-PR, who were waiting for a hospital vacancy and hospitalizaed for more than 24 hours. Results and discussion: Between September and November 2021, 451 medical records were analyzed. As for age, there is an increase in the number of patients concomitantly with advancing age. There was no significant finding regarding the gender variable. There was a predominance of hospitalizations for a period close to 24 hours. The most common causes of hospitalization were Covid-19 and psychiatric illness. AMong the 3 sanitary districts of Cascavel, there were proportionately more hospitalizations of patients from district 2. A greater number of hospitalizations was identified in the Brasília Emergency Care Unit, but with a shorter average length of stay. Conclusion: The causes of hospitalization for conditions sensitive to primary care are similar to those in the rest of the country, but there was a significant increase in the rate of hospitalizations due to the Covid-19 pandemic.

References

Alfradique, M. E., Bonolo, P. de F., Dourado, I., Lima-Costa, M. F., Mackinko, J., Mendonça, C. S., Oliveira, V.B., Sampaio, L. R. F., Simioni, C. de Turci., M. A. (2009). Internações por condições sensíveis à atenção primária: a construção da lista brasileira como ferramenta para medir o desempenho do sistema de saúde (Projeto ICSAP - Brasil). Cad. Saúde Pública, 25(6): 1337-1349. doi:10.1590/S0102-311X2009000600016

Billings, J., Zeitel, L., Lukomnik, J., Carey, T. S., Blank, A. E., & Newman, L. (1993). Impact of socioeconomic status on hospital use in New York City. Health Aff (Millwood), 12(1): 162-173. doi:10.1377/hlthaff.12.1.162.

Brasil. Instituto Trata Brasil. Ranking do Saneamento(2007). Disponível em: https://tratabrasil.org.br/datafiles/estudos/ranking/2017/relatorio-completo.pdf. Acesso em: 21 fev. 22.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Regulação, Avaliação e Controle. Manual técnico do Sistema de Informação Hospitalar. Brasília: Editora do Ministério da Saúde (2007). Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/07_0066_M.pdf. Acesso em 22 fev. 22.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2488, de 21 de outubro de 2011. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html. Acesso em 21 fev. 22.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual Instrutivo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Sistema único de Saúde (SUS). Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2013. ISBN978-85-334-1997-1. Acesso em 19 fev. 22.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 221, de 17 de abril de 2018. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2008/prt0221_17_04_2008.html. Acesso em 18 fev. 22.

Brasil, V. P., & Costa, J. S. (2016). Hospitalizações por condições sensíveis à atenção primária em Florianópolis, Santa Catarina - estudo ecológico de 2001 a 2011. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 25(1): 75-84. doi:10.5123/S1679-49742016000100008.

Cardoso, C. S., Pádua, C. M., Rodrigues-Júnior, A. A., Guimarães, D. A., Carvalho, S. F., Valentin, R. F., Oliveira, C. D. (2013). Contribuição das internações por condições sensíveis à atenção primária no perfil das admissões pelo sistema público de saúde. Revista Panamericana de Salud Pública, 34(4): 227-234.

Cascavel. Secretaria Municipal de Saúde. Plano Municipal de Saúde de Cascavel 2018-2021. Cascavel, 2018.

Cascavel. Secretaria Municipal de Saúde. Divisão de Assistência Farmacêutica. CI 21/2022. Reforço - Prazo de validade dos Receituários. 2022.

Cascavel. Instituto de Planejamento de Cascavel. GeoPortal. Disponível em: https://geocascavel.cascavel.pr.gov.br/geo-view/index.ctm. Acesso em: 02 fev. 2022.

Cordeiro, V. (2016). Tempo de permanência do usuário na Unidade de Pronto Atendimento - UPA. Recife: Faculdade-Anchieta.

Costa, G. A., O’Dwyer, G., Carvalho, Y. d., Campos, H. d., & Rodrigues, N. C. (2020). Perfil de atendimento de população idosa. Saúde Debate, 44(125): 400-410. doi:10.1590/0103-1104202012509.

Costa, J. S. D.; Teixeira, A. M. F. B.; Moraes, M.; Strauch, E. S.; Silveira, D. S.; Carret, M. L. V.; Fantinel, E. (2017). Hospitalizações por condições sensíveis à atenção primária em Pelotas: 1998 a 2012. Revista Brasileira de Epidemiologia, Pelotas, 20(2): 345-357.

Estrela, C. (2018). Metodologia científica: Ciência, ensino, pesquisa. 3ª edição. Porto Algre: Artes médicas

Faria, R. M. (2020). A territorialização da Atenção Básica à Saúde do Sistema Único de Saúde do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 11:4521-4530. doi:10.1590/1413-812320202511.30662018.

Fernandes, V. B., Caldeira, A. P., Faria, A. A., & Neto, J. F. (2009). Internações sensíveis na atenção primária como indicador de avaliação da Estratégia Saúde da Família. Revista de Saúde Pública, 43(6): 928-936. doi:10.1590/S0034-89102009005000080.

Goldim, J. R. (2004). Ética Aplicada. Fonte: https://www.ufrgs.br/bioetica/aloca.html. Acesso em: 02 fev. 2022.

Lima, R. M., & Dias, J. A. (2010). Gastroenterite Aguda. Nascer e Crescer, 19(2): 85-90.

Morosini, M. V., & Corbo, A. D. (2007). Modelos de Atenção. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz.

Oliveira, T. C., Medeiros, W. R., & Lima, K. C. (2015). Diferenciais de mortalidade por causas nas faixas etárias limítrofes de idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 18(1): 85-94. doi:10.1590/1809-9823.2015.14203

Pereira, A. de A. (2020). Rede de Atenção: Saúde Mental. Belo Horizonte: Nescon/UFMG. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/rede-de-atencao-saude-mental%20_18_05_2020.pdf. Acesso em: 12 fev. 2022.

Perpetuo, I. H., & Wong, L. R. (2006). Atenção Hospitalar Por Condições Sensíveis À Atenção Ambulatorial (Csaa) E As Mudanças No Seu Padrão Etário: Uma Análise Exploratória Dos Dados De Minas Gerais. Anais do XII Seminário sobre a Economia Mineira.

Silva, H. G. N.; Santos, L. E.S.; Oliveira, A. K. S. Efeito da pandemia do novo Coronavírus na saúde mental de indivíduos e coletividades. Journal of Nursing and Health, 2020. 10: e20104007. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/enfermagem/article/view/18677/11414. Acesso em: 22 fev. 2022

Toso, B. R. G. de Oliveira, Ross, C., Sotti, C. W., Brisch, S. V., & Cardoso, J. M. (2016). Profile of children hospitalizations by primary care sensitive conditions. Acta Scientiarum: Health Sciences, 38(2): 231-238. doi:10.4025/actascihealthsci.v38i2.29422

Published

27/07/2022

How to Cite

BASTIANI, F. G. de; OLIVEIRA, C. S. de; OLIVEIRA, L. E. de; SUGA, R. T. .; CAPORAL, M. R. . Evaluation of Hospitalization in Emergency Care Units in the West of Paraná due to Primary Care Sensitive Causes. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e181111032632, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.32632. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32632. Acesso em: 4 oct. 2022.

Issue

Section

Health Sciences