Nurses in patient care in clinical sepsis framework: integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.33008

Keywords:

Nursing; Sepsis; Intensive Care Units.

Abstract

The research aims to describe the role of professional nurses to patients with septic conditions, establish factors that contribute to the occurrence of sepsis in adult ICUs and identify signs and symptoms of patients with sepsis. This is an integrative literature review, carried out in the BDENF, LILACS, SCIELO and VHL databases. The descriptors were used: Nursing; sepsis; Intensive Care Units, including original articles, between the years 2010 to 2018. The search generally brought up protocols, research on nurses' knowledge, nursing care, clinical signs, risk factors, identification of signs and symptoms and the process of nursing. The role of nurses in the context of care involves the application of comfort measures consistent with the patient's clinical conditions, implementation of institutional protocols to guide care, monitoring of care by the entire team involved and use of the nursing process. Nurses are professionals of great relevance in the intensive environment, playing the role of preventing or considerably reducing the progression of sepsis to the most severe forms.

Author Biographies

Vanessa Leopoldino de Moraes, Universidade Paranaense

Enfermeira graduada pela Universidade Paranaense

Emilli Karine Marcomini, Universidade Estadual de Maringá

Graduada em Enfermagem pela Universidade Paranaense. Mestra em Biotecnologia, Universidade Federal do Paraná. Doutoranda do Programa em Ciências da Saúde, Universidade Estadual de Maringá, Paraná.

Andressa Paola Oliveira Queiroz Martins, Universidade Paranaense

 Graduada em Enfermagem pela Universidade Estadual de Maringá. Mestra em Gerenciamento dos Serviços de Saúde e Enfermagem pelo programa de pós-graduação em enfermagem da Universidade Federal do Paraná (2015).

References

Borguezam, C. B., Sanches, C. T., Albaneser, S. P. R., Moraes, U.R.O., Grion, C.M.C & Kerbauy, G. (2021) Protocolo clínico gerenciado: impacto da implementação nos indicadores de qualidade do tratamento da sepse. Rev Bras Enferm., 74 (2).

Dutra, C. S. K., Silveira, L. M., Santos A.O, Pereira, R.& Stabile, A.M. (2014) Diagnósticos de enfermagem prevalentes no paciente internado com sepse no centro de terapia intensiva. Cogitare Enferm, 19(4), 747-54.

Farias, L. L., Pinheiro Junior, F. M. L., Braide, A. S. G., Macieira, A. L., Araújo, M. V. U. M., Viana, M. C. C. & Correira J. W. (2013) Perfil clínico e laboratorial de pacientes com sepse, sepse grave e choque séptico admitidos em uma unidade de terapia intensiva. Rev Saúde Públ, 6 (3),50-60.

Freitas, M. F. A., Picanço, C. M., Assis, Y. I. & Assis, M. P. H. (2021) Fatores associados ao desenvolvimento de sepse em pacientes internados em terapia intensiva cirúrgica: estudo retrospectivo. Cienc Cuid Saude, 20, e56643.

Garrido, F., Tieppo, L., Pereira, M. D. S., Freitas, R., Freitas, W. M., Filipini, R., Coelho, P. G., Fonseca, F. L. A. & Fiorano, A. M. M. (2017) Ações do enfermeiro na identificação precoce de alterações sistêmicas causadas pela sepse grave. ABCS Health Sci, 42(1), 15-20.

Instituto Latino-Americano de Sepse (SP). (2018) Implementação de protocolo gerenciado de sepse. Protocolo clínico. Atendimento ao paciente adulto com sepse / choque séptico. Disponível em: https://www.ilas.org.br/assets/arquivos/ferramentas/protocolo-de-tratamento.pdf.

Instituto Latino-Americano de Sepse (SP). (2015) Sepse: um problema de saúde pública. Conselho Federal de Medicina. Brasília: CFM, 90 p. Disponível em: https://ilas.org.br/assets/arquivos/upload/Livro-ILAS(Sepse-CFM-ILAS).pdf.

Maioline, B. B. N., Pinto, R. L., Forato, K. F., Rodrigues, M. V. P., Rossi, R. C., Santos, E. C. N. & Giuffrida, R. (2020) Fatores de risco associados ao agravamento de sepse em pacientes em unidade de terapia intensiva de um hospital de ensino. Colloquium Vitae, 12(3), 47–64.

Ministério da Saúde (BR). (2010) Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Brasília: Ministério da Saúde [acesso em 23 de agosto 2021].Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0007_24_02_2010.html.

Moher, D., Liberati, A., Tetzlaff, J. & Altman, D. G. (2010) The PRISMA GROUP. Preferred reporting items for systematic reviews and meta-analyses: The PRISMA statement. International Journal of Surgery, 8(5):336-41.

Noronha, D. F., Pinheiro, E. I. O., Silva, J. L. & Garcia, C. P. C. (2021) Identificação precoce da sepse em Unidade de Terapia Intensiva. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Salvador (Brasil): Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública; 2016. [acesso em 27 de outubro 2021]. Disponível em: https://www.repositorio.bahiana.edu.br:8443/jspui/bitstream/bahiana/759/1/TCC_BAHIANA__FINALIZADO.pdf

Pedrosa, K. K. A., Oliveira, S. A., & Machado, R. C. (2018) Validação de protocolo assistencial ao paciente séptico na Unidade de Terapia Intensiva. Rev Bras Enferm, 71(3), 1106-1114.

Pires, H. F. M., Pereira, F. C., Ribeiro, M. S. & Silva, J. D. G. (2020) Sepsis in an intensive care unit in a public hospital: study of prevalence, diagnostic criteria, risk and mortality factors. Brazilian Journal of Development, 6(7), 53755-53773.

Ramalho Neto, J. M., Barros, M. A. A., Oliveira, M. F., Fontes, W. D. & Nóbrega, M. M. L. (2011a) Assistência de enfermagem a pacientes sépticos em uma unidade de terapia intensiva adulto. Facene/Famene, 9(2).

Ramalho Neto, J. M., Campos, D. A., Marques, L. B. A., Ramalho, C. R. O. C. & Nóbrega, M. M. L. (2015) Concepções de enfermeiros que atuam em unidade de terapia intensiva geral sobre sepse. Cogitare Enfermagem, 20(4), 711-716.

Ramalho Neto, J. M., Bezerra, L. M., Barros, M. A. A., Nóbrega, M. M. L. & Fontes, W.D . (2011b) Processo de enfermagem e choque séptico: os cuidados intensivos de enfermagem. Rev enferm UFPE on line, 5(9), 2260-7.

Santos, A. M., Souza, G. R. & Oliveira, A. M. L. (2016) Sepse em adultos na unidade de terapia intensiva: características clínicas. Arquivos Médicos do Hospital e Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, 61, 3-7.

Silva, K. B. & Nogueira, V. (2022) Conhecimento de enfermeiras intensivas de um hospital público sobre sepse. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento 11(2), e26911225767.

Silva, P. S., Ferreira, F. C. M & Gonçalves, J. M. (2012) O cuidado do enfermeiro na terapia intensiva ao paciente com sinais de sepse grave. Rev enferm UFPE on line, 6(2), 324-31.

Siqueira, B. F., Rosanelli, C. S., Stumm, E. M. F., Loro, M. M., Piovesan, S. M. S., Hildebrandt, L. M. & Bernat, A. C. (2011) Concepções de enfermeiros a sepse em pacientes em terapia intensiva. Revista enfermagem UFPE online, 5(1), 115-121.

Souza, M. T., Silva, M. D. S. & Carvalho, R. (2010) Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein 8(1), 102-6.

Viana, R. A. P. P., Machado, F. R. & Souza, J. L. A. S. (2017). Sepse, um problema de saúde pública: a atuação e colaboração da enfermagem na rápida identificação e tratamento da doença. Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Instituto Latino Americano de Sepse. 2ª ed. São Paulo: COREN/SP. Disponível em: https://ilas.org.br/assets/arquivos/ferramentas/livro-sepse-um-problema-de-saude-publica-coren-ilas.pdf.

Zonta, F. N. S, Velasquez, P. G. A., Velasquez, L. G., Demetrio, L. S., Miranda, D. & Silva, M. C. B. D. (2018) Características epidemiológicas e clínicas da sepse em um hospital público do Paraná. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, 8(3).

Published

08/08/2022

How to Cite

MORAES, V. L. de .; MARCOMINI, E. K. .; MARTINS, A. P. O. Q. Nurses in patient care in clinical sepsis framework: integrative review . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e509111033008, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.33008. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33008. Acesso em: 1 dec. 2022.

Issue

Section

Health Sciences