Health conditions of universitary professors linked to a federal institution of higher education in the interior of northeastern of Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.33142

Keywords:

Working Conditions; Universities; Faculty; Teaching; Health status.

Abstract

The present work aims to investigate the health conditions of professors from a federal institution of higher education in the interior of northeastern of Brazil.  This is a descriptive cross-sectional study, carried out with 39 professors from the Federal University of Sergipe. Of the 39 interviewees, the majority were female, married, white and with a doctorate. It was found that 74% (n=29) of the professionals declared dissatisfied / very dissatisfied with the activities developed at work and 31% (n=12) reported some morbidity. Among the referred morbidities, there was a higher prevalence of diseases related to mental health (50%; n=6). The data obtained show a high prevalence of dissatisfaction with the activities developed in teaching, as well as worsening mental health, despite the relatively high motivation and quality of life at work.

Author Biographies

Renata Jardim, Federal University of Sergipe

Doctor and Master in Public Health from the Federal University of Minas Gerais. Professor at the Department of Health Education at the Federal University of Sergipe (UFS), Professor Antônio Garcia Filho university campus. Researcher at the Transdisciplinary Nucleus of Studies in Collective Health (NUTESC).

Manoel Gomes de Oliveira Junior, Federal University of Sergipe

Course in Occupational Therapy at the Campus of the Federal University of Sergipe. Basic course in the PediaSuit® Intensive Care Protocol. Professional Certification of Neurocompatible Movement®. Specialization in progress in Human Rights and Social Struggles at the Center for Anthropology and Forensic Archeology at the Federal University of São Paulo. Currently, he is part of one of the teams of the Physical Rehabilitation and Applied Behavior Analysis Sector at the Matheus Alvares Neurological Rehabilitation Center, in the care of children and adolescents.

Marcia Schott, Federal University of Sergipe

Doctor in Education from the State University of Campinas and Master in Public Health from the National School of Public Health/FIOCRUZ. Professor at the Department of Health Education at the Federal University of Sergipe (UFS), Professor Antônio Garcia Filho university campus. Researcher at the Transdisciplinary Nucleus of Studies in Collective Health (NUTESC).

Alan Santos Reis, Federal University of Sergipe

Graduando em Medicina pela Universidade Federal de Sergipe - UFS/Campus Prof. Antônio Garcia Filho

Luiz Eduardo Oliveira Matos, Federal University of Sergipe

Pharmacist (2016) from the Federal University of Sergipe (UFS). Resident in the Multiprofessional Postgraduate Program in Hospital Health Care (HUL-UFS/EBSERH). Researcher at the Transdisciplinary Nucleus of Studies in Collective Health (NUTESC).

References

Batista, E. C. & Matos, L. A. L. de. (2016) O trabalho docente no ensino superior e a saúde vocal: um estudo de revisão bibliográfica. Estação Científica (UNIFAP), 6(2), 67-77.

Batista, N. A., & Batista, S. H. (2014) Docência em saúde: temas e experiências. (2a ed.), Senac.

Borsoi, I. C. F. (2012). Trabalho e produtivismo: saúde e modo de vida de docentes de instituições públicas de ensino superior. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 15(1), 81-100.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde de A – Z: Depressão. [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, 2021.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde do trabalhador e da trabalhadora [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Cadernos de Atenção Básica, n. 41 – Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

Bunton, Sarah A. et al. (2012) Predictors of workplace satisfaction for US medical school faculty in an era of change and challenge. Academic Medicine, 87(5), 574-581.

Cardoso, C. G. L. do V., & Costa, N. M. da S. C. (2016) Fatores de satisfação e insatisfação profissional de docentes de nutrição. Ciênc. saúde coletiva, 21(8), 2357-2364.

Costa, N. M. da S. C. (2009) Career satisfaction among medical school professors: a case study in Brazil. Revista Brasileira de Educação Médica, 33(3), 339-348.

Cunha, J. A. (2001) Manual da versão em português da Escala Beck. Casa do Psicólogo.

Davoglio, T. R. et al. (2017) Motivação para a permanência na profissão: a percepção dos docentes universitários. Psicol. Esc. Educ., 21(2), 175-182, http://dx.doi.org/10.1590/2175-3539201702121099.

Dejours, C. (2006) A banalização da injustiça social. Tradução de Luiz Alberto Monjardim. (7a ed.), FGV.

Diehl, L., & Marin, A. H. (2016). Adoecimento mental em professores brasileiros: revisão sistemática da literatura. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 7(2), 64-85.

do Vale, P. C. S., & Aguillera, F. (2016). Estresse dos professores de ensino fundamental em escolas públicas: Uma revisão de literatura. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, 5(1), 86-94.

Ferrarini, R. et al. (2019) etodologias ativas e tecnologias digitais. Revista Educação Em Questão, 57(52), 1-30.

Ferreira, L. L. (2019) Lições de professores sobre suas alegrias e dores no trabalho. Cadernos de Saúde Pública, 35

Forattini, C. D., & Lucena, C. A. (2015) Adoecimento e sofrimento docente na perspectiva da precarização do trabalho. Laplage em Revista, 1(2), 32-47.

Freitas, C. R., & Cruz, R. M. (2008). Saúde e trabalho docente. XXVIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Brasil, 1-15

Freitas, R. P. de Abreu et al. (2011) Índice de depressão em professores de um campus em implantação da UFRN. Revista Extensão & Sociedade, 3(3), 30

Gorenstein, C. & Andrade, L. H. S. G. (1998) Inventário de depressão de Beck: propriedades psicométricas da versão em português. Rev Psiq Clin. 25(5), 245-50.

Hernandes, Ra. S. et al. (2020) Curso de Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Sergipe: trajetória, construções e desafios. Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional, 4(6), 838-849.

Linstone, H. A., & Turoff, M. (2002). The Delphi method: Techniques and applications. Addison Wesley Newark, NJ: New

Lopes, M. C. R. (2006). “Universidade produtiva” e trabalho docente flexibilizado. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 6(1), 35-48.

Marqueze, E. C., & Moreno, C. R. de C. (2009) Satisfação no trabalho e capacidade para o trabalho entre docentes universitários. Psicologia em estudo, 14(1), 75-82

Matos, L. E. O. et al. (2022). Mental health of higher education students in a scenario of active learning and teaching methodologies. Research, Society and Development, 11(7), e28811729944.

Mazzola, J. J., Schonfeld, I. S., & Spector, P. E. (2011). What qualitative research has taught us about occupational stress. Stress and Health, 27(2), 93-110.

Medeiros, Y. P. O. de et al. (2020) Uso da voz no ensino superior: o que dizem os professores. Rev. CEFAC, 22(4), e13519.

Moreira, H. de R., et al. Qualidade de vida no trabalho e síndrome de burnout em professores de educação física do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, 14(2), 115-122, 2009.

Neves, M. Y. R., & Silva, E. S. (2006) A dor e a delícia de ser (estar) professora: trabalho docente e saúde mental. Estud. pesqui. psicol., 6(1), 63-75

Oliveira, A. da S. D., et al. (2017) Trabalho, produtivismo e adoecimento dos docentes nas universidades públicas brasileiras. Psicologia Escolar e Educacional, 21(3), 609-619

Organização das Nações Unidas (ONU). Policy Brief: COVID-19 and the need for action on mental health. 13 maio 2020.

Penteado, R. Z., & Souza Neto, S. de. (2019) Mal-estar, sofrimento e adoecimento do professor: narrativas do trabalho e da cultura docente à docência como profissão. Saúde e Sociedade, 28, 135-153

Portal UFS. Campus Universitário Professor Antônio Garcia Filho. [recurso eletrônico], 2021.

Rodrigues, L. T. M. et al. (2020) Estrés y depresión en docentes de una institución pública de enseñanza. Enfermería Global, 19(57), 209-242

Shen, X. et al. (2014) The association between occupational stress and depressive symptoms and the mediating role of psychological capital among Chinese university teachers: a cross-sectional study. BMC psychiatry, 14(1), 329

Souza, C. L., de et al. (2011) Fatores associados a patologias de pregas vocais em professores. Revista de Saúde Pública, 45, 914-921

Souza, K. R. de et al. (2021) Trabalho remoto, saúde docente e greve virtual em cenário de pandemia. Trabalho, Educação e Saúde, v. 19

Tostes, M. V. et al. (2018) Sofrimento mental de professores do ensino público. Saúde em Debate, 42(116), 87-99

Universidade Federal de Sergipe (UFS). (2019). UFS em números: edição especial

Vasconcelos, I., & Lima, R. de L. de. (2020) “É um malabarismo com vários pratos ao mesmo tempo!”: o trabalho docente em universidades públicas. Serviço Social & Sociedade, (138), 242-262

Published

07/08/2022

How to Cite

JARDIM, R. .; OLIVEIRA JUNIOR, M. G. de .; SCHOTT, M.; REIS, A. S. .; MATOS, L. E. O. Health conditions of universitary professors linked to a federal institution of higher education in the interior of northeastern of Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e443111033142, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.33142. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33142. Acesso em: 2 dec. 2022.

Issue

Section

Health Sciences