Climate variability and dengue cases in cities in the state of Paraíba, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i11.33256

Keywords:

Climate variability; Dengue; Aedes aegypti.

Abstract

The present study aimed to correlate meteorological variables (rainfall and average air temperature) to reported cases of dengue in cities in the state of Paraíba, from 2007 to 2017. The state of Paraíba presents climate variability due to physical and Atmospheric conditions and variations in these variables generate conditions that favor the increase of breeding sites, consequently the development of the Aedes Aegypti vector and the emergence of diseases transmitted by this mosquito, such as dengue. For this purpose, epidemiological data obtained from the Notifiable Diseases Information System (SINAN) and meteorological data from the Executive Agency for Water Management of the State of Paraíba (AESA) and the National Institute of Meteorology (INMET) were used. Subsequently, these data were spatialized in the Quantum GIS software version 2.14, using the IDW interpolation method. The results showed a low correlation between the two meteorological variables and the reported cases of dengue in the mesoregions of the state. There was a low correlation between air temperature and reported cases of dengue in all mesoregions of the state throughout the study period, and a moderate correlation between reported cases of dengue and rainfall in half of the period. The Borborema and Sertão mesoregions stand out for presenting epidemics in seven of the eleven analyzed years. This condition can be justified by the water crisis due to climate variability, however, it is necessary to analyze other aspects related to the proliferation of the vector, such as socioeconomic issues, with few studies focused on the theme for these mesoregions.

References

Alvares, C. A., Stape, J. L., Sentelhas, P. C., Gonçalves, J. L. De M., & Sparovek, G. (2014). Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 22, 711–728

Andrade, J. A. & Nunes, M. A. (2014). Acesso à água no Semiárido Brasileiro: uma análise das políticas públicas implementadas na região. Revista Espinhaço, 3 (2), 28-39.

Andrade, M. C. (1998). A Terra e o homem no Nordeste, Contribuição ao estudo da questão agraria no Nordeste. Recife: Editora Universitária da UFPE.

Araújo, S. M. S. (2011). A Região Semiárida Do Nordeste Do Brasil: Questões Ambientais e Possibilidades De Uso Sustentável dos Recursos. Rios Eletrônica- Revista Científica da FASETE, 5 (5), 89-98.

Azevedo, P. V. & Silva, V. P. R. (1994). Índice de seca para a microrregião do agreste da Borborema, no Estado da Paraíba. Revista Brasileira de Meteorologia, 9 (1), 66-72.

Baracho, R. M. C, Filho, A. I, Gonçalves, A., Nunes, S. T. S, & Borges, P. F. (2014). A influência climática na proliferação da dengue na cidade de Areia, Paraíba. Revista Gaia Scientia, 8 (1), 66-73.

Barros, A. M. L., Paiva, F. G., Cisneiros. J. N. (2018). Desafios da gestão dos usos múltiplos da água para atendimento energético ante a crise hídrica da bacia hidrográfica do Rio São Francisco. – Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Bahia Análise de Dados, Salvador, 27 (1), 258-278.

Bezerra, J. A. (2022). Urbanização Interiorizada: novas conformações no Território do Nordeste Brasileiro. Sociedade & Natureza.32, 373-383.

Bonfim, O. E. T., Januário, I. R. (2018). Correlação entre a precipitação e temperatura média do ar sobre o número de registros de casos de dengue para cidades de Maceió, João Pessoa e Salvador. Revista de Geografia, 35 (5), 90-102.

Brasil. IBGE. (2022). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. Regioes Geograficas. IBGE https://www.ibge.gov.br/apps/regioes_geograficas/.

Brasil. INMET (2021). Instituto Nacional de Meteorologia. http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=bdmep/bdmep.

Brasil. INPE (2019). Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. CPTEC - Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos. http://enos.cptec.inpe.br/.

Brasil. Ministerio da Saúde. (2018). Gov.br. http://www.brasil.gov.br/editoria/saude/2018/06/paraiba-tem-170-municipios-em-alerta-ou-risco-para-dengue-zika-e-chikungunya

Brasil. Ministério da Saúde. (2018). Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de Controle da Dengue: amparo legal à execução das ações de campo – imóveis fechados, abandonados ou com acesso não permitido pelo morador/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Brasil. Ministerio da Saúde. (2019). Gov.br. http://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/45314-cresce-em-264-o-numero-de-casos-de-dengue-no-pais.

Brasil. Ministerio da Saúde. (2022). Saude de A a Z. Gov.br. https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/d/dengue/dengue.

Buriti, C. D. O., Barbosa, H. A., Paredes-Trejo, F. J., Kumar, T. V., Thakur, M. K., & Rao, K. K. (2018). Um Século de Secas: Por que as Políticas Hídricas não Transformaram a Região Semiárida Brasileira? Revista Brasileira de Meteorologia. 35, 683-688.

Cavalcante, L. P. S, Silva, M. M.P Da, Barros, K.N. N. O, & Lima V. L. A. De (2017) Catadores de materiais recicláveis e vulnerabilidades socioambientais: cenário de um lixão no sertão paraibano. Educação ambiental: ensino, pesquisa e práticas aplicadas. 1ed. Ituiutaba: Barlavento. 5, 263-277.

Costa, M. S. Da, & Araújo, R. A. F. De. (2021). Variabilidade Climática: A Precipitação como Parâmetro de Estudo Para os Casos de Dengue no Litoral, Sertão, Serra e Sul Cearense Entre 2007 e 2019. Revista Brasileira de Meteorologia. 36, 591-601.

Costa, I. M. P, Calado, D. C, (2016.) Incidência dos casos de dengue (2007-2013) e distribuição sazonal de culicídeos (2012-2013) em Barreiras, Bahia. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 25, 735-744

Costa, J. N., Da Silva Jr., J, B. & De Araújo, S. M. S. (2018). Riscos e desastres relacionados a eventos extremos (climáticos e meteorológicos) no estado da Paraíba. Revista de Geociências do Nordeste. 4, 110-25.

Coura, J. E. L, Carvalho, J. R. M, & Sousa, A. F. (2017) Indicadores Sociais de Gestão Pública: uma análise nos maiores municípios da Paraíba. In: IV Congresso Brasileiro de Administração Pública, João Pessoa, PB. A Construção da Administração Pública no Século XXI. João Pessoa, PB. Anais eletrônicos... João Pessoa: Sociedade Brasileira de Administração Pública, 2017.

Cunha, L. S., Medeiros, W. R., Lima Junior, F. A. V., & Pereira, S. A. (2020) Relationship between social inequality indicators and the spatial distribution of Zika Virus cases. Ciência & Saúde Coletiv. 25, 839-1850.

Dancey, C. P. E Reidy, J. (2006). Estatística Sem Matemática para Psicologia: Usando SPSS para Windows. Porto Alegre, Artmed.

Esteves, P. M. Da S. V., & Cruz, F. S (2022). Avaliação dos impactos do processo de desertificação no Seridó Ocidental a indicadores biofísicos e sociais. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento. 11, (3), 1411326082-1411326082.

Ferraz, R. R. N, Barnabé, A. S, Quoniam, L, Santos, A. M. D, & Mariosa, D. F. (2018). Aspectos históricos da criação dos grupos de pesquisa em dengue no Brasil com a utilização da ferramenta computacional Script GP. Ciência & saúde coletiva. 23, 837-848.

Francisco, P. R. M. et al. (2016). Oscilação pluviométrica anual e mensal no estado da paraíba-brasil. Revista de Geografia (Recife), 33 (3), 141-154.

Francisco, P. R. M. et al. (2015). Análise e mapeamento da evaporação para o estado da Paraíba. Agropecuária Científica no Semiárido, 11,111-121.

Francisco, P. R. M. et al. (2015). Variabilidade da temperatura média do ar no estado da Paraíba. Revista Brasileira de Geografia Física,8 (01), 128-135.

Gomes, R.S. (2020). Influência da variabilidade climática nos volumes dos reservatórios do Nordeste do Brasil. 2020. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Guimarães, S. O. et al. (2016). Projeções de mudanças climáticas sobre o Nordeste Brasileiro dos Modelos do CMIP5 e do CORDEX. Revista Brasileira de Meteorologia, 31 (3), 337-65.

Jesus, J. B. de et al. (2019). Ardity index and climatic risk of desertification in the Semi-arido state of Sergipe. Revista Brasileira de Climatologia, 12, 114-135.

Lyra, M. J. A. et al. (2018). Diagnóstico de um Complexo Convectivo de Mesoescala Observado no Semiárido do Nordeste Brasileiro. Revista Brasileira de Geografia Física,11 (6), 1998-2009.

Maciel, C. & Pontes, E. T. (2015). Seca e convivência com o semiárido: adaptação ao meio e patrimonialização da Caatinga no Nordeste brasileiro. 1. Ed Rio de Janeiro: Consequência Editora.

Magalães, G. B. & Zanzela, M. E. (2013). Comportamento espacial da dengue e sua relação com o clima na região metropolitana de fortaleza. Revista Brasileira de Climatologia,12.

Marengo, J. A., Cunha, A. P., & Alves, L. M. (2016). A seca de 2012-15 no semiárido do Nordeste do Brasil no contexto histórico. Revista Climanálise, 3, 49-54.

Medeiros, R. M. De, Saboya, L. M. F, De França, M. V, De Araújo, W. R, Cunha Filho, M, De Holanda, R. M, & Junior, J. C. M. C. (2021). Comparativos Das Variabilidades Do Clima E Do Conforto Ambiental Nos Municípios De Campina Grande E Monteiro, PB. RECIMA21-Revista Científica Multidisciplinar-ISSN 2675-6218. 2, 11, e211874-e211874.

Medeiros, R. M. De, Sousa, E. P. De, & Gomes Filho. (2014). M. F. Ocorrência de eventos extremos de precipitação em Campina Grande - Paraíba, Brasil. Multidimensão e Territórios de Risco - III Congresso Internacional de Riscos.

Monteiro, H. S. C. (2014). Estudo da formação e características da situação socioeconômica e física da microrregião do Curimataú. (Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação – Geografia) Repositório Institucional da UFPB - Centro de Ciências Exatas e da Natureza - Universidade Federal da Paraíba. PB.

Monteiro, V. B., & Araujo, J. A. (2020) Aspectos socioeconômicos e climáticos que impactam a ocorrência de dengue no Brasil: análise municipal de 2008 a 2011 por regressões quantílicas para dados em painel. http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/53224

Nakatani-Macedo, C. D, Fiuza-Moura F. K, Ferreira. C. R, & Camara M. R. G. Da, (2016) Projeções do envelhecimento da população do Nordeste de 2000 a 2030 e suas implicações na renda. Nexos Econômicos. 10, 1, 107-133.

Oliveira, V. G. (2016). Estimativa do balanço de radiação na região semiárida dos Estados da Paraíba e Rio Grande do Norte utilizando o sensor MODIS. Campina Grande, 2016, 76 f: il. color. Dissertação (Mestrado em Meteorologia) – Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Tecnologia e Recursos Naturais.

Paraíba, AESA. (2010) Agência Executiva de Gestão das Águas. Governo do Estado. aesa.pb.gov.br/aesa-website/documentos.

Paranhos, R., Figueiredo Filho, D., Rocha, E., Silva Júnior, J. A., Neves, J. A., & Santos, M. (2014). Desvendando os mistérios do coeficiente de correlação de Pearson: o retorno. Leviathan (São Paulo), 8, 66-95.

Pereira, M. D. B., Moura, M. De O., & Lucena, D. B. (2020) Análise da variabilidade pluviométrica interanual da Zona da Mata Nordestina e a identificação de anos padrão. Revista Brasileira de Climatologia, 26, 30-50.

Porto, E, Costa, S. De S, & Cavalcanti, Y. M. (2022) Indicadores de saúde da pessoa idosa no nordeste brasileiro. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, 11, 2, e-24411225548-e24411225548.

Rodrigues, E. A. S., Costa, I. M., & Lima, S. C. (2018). Epidemiologia da dengue, zika e chikungunya entre 2014 a 2016 em Uberlândia (MG). Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 14 (30), 62 – 81.

Santiago, M. S. (2018). Análise Socioambiental da Oferta de Água a Partir da Captação de Águas de Chuvas: Estudo de Caso do Tanque do Araçá, Esperança-PB. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal de Campina Grande. Brasil.

Santos, J. A. F. (2018). Classe social, território e desigualdade de saúde no Brasil. Saúde e Sociedade. 27, 556-572.

Santos, J. B. (2016). Estudo da correlação entre variáveis meteorológicas e a incidência de casos de dengue em Maceió, Alagoas, Brasil. 97 f. Dissertação (Mestrado em Meteorologia) - Instituto de Ciências Atmosféricas, Programa de Pós-Graduação em Meteorologia, Universidade Federal de Alagoas, Maceió.

Sena, J. P. O., Moraes Neto. J. M., & Lucena, D. B (2019). Variabilidade da Precipitação em Sumé e São João do Cariri e suas consequências na agropecuária. Revista Brasileira de Climatologia, 25 (278).

Sena. J. P. O, Moraes Neto. J. M., & Lucena, D B. (2021). Índice de Vulnerabilidade Geral dos municípios do semiárido brasileiro. Revista Brasileira de Geografia Física. 14,01, 310-321.

Silva, E. T. C. Da et al. (2020). Análise espacial da distribuição dos casos de dengue e sua relação com fatores socioambientais no estado da Paraíba, Brasil, 2007-2016. Saúde em Debate. 44, 465-477.

Silva Nóbrega, R., Santiago, C. S. F., & Ayane, G. (2016). Tendências do controle climático oceânico sob a variabilidade temporal da precipitação no Nordeste do Brasil. Revista de Geografía Norte Grande, 63, 9-26.

Silva, N. T. Da, Oliveira M. M De., & Cunico, C. (2021). Vulnerabilidade Socioambiental do Município de João Pessoa, Paraíba. Caderno Prudentino de Geografia.1, 43, 127-151.

Silva, S. A., Candeias, A. L. B., Gomes, D. D, & Souza, W. M. (2018). Variabilidade espaço-temporal da precipitação aa Bacia Hidrográfica do Rio Mundaú (PE/AL). Revista Brasileira de Climatologia, 23.

Silva, S. J, Mariano, Z. F., & Scopel, I. (2008). A dengue no Brasil e as políticas de combate ao Aedes aegypti: da tentativa de erradicação as políticas de controle. Revista Hygeia, 3(6), 163- 175.

Soares, A. S. D.et al. (2014). Avaliação das estimativas de chuva do satélite TRMM no Estado da Paraíba. Revista Brasileira De Recursos Hídricos, 21, 288-299, 2016.

Torres, M. A. N., Ribeiro, P. C., Junior, A. R. G., Ribeiro, Z. M., & Rodrigues, J. A. J. (2021). Climatologia aplicada ao estudo da dengue na cidade de São Luís, Maranhão, Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física, 14(7), 3842-3856.

Valladares, G. S. et al. (2019). Influência de variáveis ambientais na ocorrência da dengue utilizando geoprocessamento em Teresina, Piauí. Hygeia-Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 15 (34), 102-114.

Viana, D. V. & Ignotti, E. (2013). A ocorrência da dengue e variações meteorológicas no Brasil: revisão sistemática. Revista Brasileira Epidemiologia, 16(2), 240-56.

Published

15/08/2022

How to Cite

OLIVEIRA, A. A. de; MONTEIRO, J. B. .; SANTIAGO, D. de B. .; MOURA, D. C. . Climate variability and dengue cases in cities in the state of Paraíba, Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 11, p. e50111133256, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i11.33256. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33256. Acesso em: 3 oct. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences