Identification and analysis of intervention in a 30-year-old professional with TDAH

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.33286

Keywords:

Professional inclusion; Attention deficit; organizations; Family participation.

Abstract

The study addresses the issue of a professional aged 30 years with suspected ADHD. This is a concept that draws the attention of researchers in the context of inclusive education. It is noticed that in Brazil a paradox exists between what the laws preach and what is actually carried out in practice. Companies are not yet prepared to deal with professionals who have these characteristics. Thus, this article aimed to address the challenges of professional inclusion of a person with ADHD. Thus, it was a bibliographic, qualitative, exploratory and explanatory study, which are part of the methodological framework of the study. Data mining was carried out in the Digital Library of Theses and Dissertations, scientific articles and other academic media. The study showed as results: a) the existence of characteristics of a professional who shows some characteristics of ADHD. And with regard to the conclusions, the study can conclude that the theme of ADHD in organizations needs to be further discussed in terms of its debate and suggests the participation of the family and other professionals who act as satellites to this patient, as a way of making professional inclusion in all decision-making processes of the organization is more fruitful. The biggest challenge for a company is an inclusive bias is to guarantee access and permanence of these professionals in all existing processes in companies, with a view to achieving greater efficiency in their various professional activities, in addition to having and exercising all their citizen rights.

References

Antonny. S., & Ribeiro. J. P. (2014).. A criança hiperativa. Uma visão da abordagem gestáltica. 20(2). scielo.br/pdf

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO DEFICIT DE ATENÇÃO. TDAH (2010). no adulto: Estudos Recentes: São Paulo. tdah. Org. br

Castro. C. X. L. & Ricardo, F. (2018). Consequências de transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na Idade Adulta. tdah. Org. br

Dias. G.et al. (2007). Diagnosticando o TDAH em adultos na prática clínica. Rio de Janeiro. tdah. Org. br

Fontelles, M. J., Simões, M. G., Farias, S. H & Fontelles, R. G. S. (2009). Metodologia da pesquisa científica: diretrizes para a elaboração de um protocolo de pesquisa. Revista paraense de medicina, 23(3), 1 – 9.

Gil, A.C. (2019). Como Elaborar Projetos de Pesquisa. (7 ed.). Atlas.

Grevet. E. H. et al. (2003). Proposta de uma abordagem psicoeducacional em grupos para pacientes adultos com transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade. Rio Grande do Sul.

Kestelman. I. (2021). Motivação e TDAH. Manaus. tdah. Org. br/motiavaçãoetdah

Lima. F. A. O. (2011). Transtorno do Déficit de Atenção e hiperatividade: entendendo melhor a criança com TDAH no contexto da escola pública. Brasília. 2011; Disponível em: bdm.unb.br

Lopes. R. M. F. (2005). Avaliação do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade em adultos. (TDAH): Uma revisão de literatura. Rio Grande do Sul.

Louza. M. R, & Mattos. P. (2007). Questões atuais no tratamento farmacológico o TDAH em adultos com metilfenidato. São Paulo.

Mattos. P. et al. (2017). Adaptação transtorno para o português da escala Adult Self – Resport Scale para avaliação do transtorno do déficit de atenção/hiperatividade (TDAH) em adultos. Rio de Janeiro.

Mattos. P. et al. (2010). Validade de Constructo e Confiabilidade da versão em língua portuguesa do Questionário de Qualidade de Vida em Adultos que apresentam TDAH (AAQoL). São Paulo.

Mendes, E.G. (2008). Inclusão escolar com colaboração: unindo conhecimento, perspectivas e habilidades profissionais. In: Martins, L.A.R. et al. Políticas e práticas educacionais inclusivas. Natal: EDUFRN.

Mendes, M. (s.d.). TDAH: Transtorno e Déficit de Atenção e Hiperatividade. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/23653

Minayo, M.C.S. (2013). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Hucitec.

PROIS. Projeto Inclusão Sustentável. (2011). TDAH. Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. São Paulo. tdah.org.br

Rodrigues, M.P. (2022). Evolução das matrículas de educação especial na educação infantil, fundamental e médio entre os anos de 2009 e 2020. Research, Society and Development, 11(1), p. 1 -9.

Segenreich. D. et al. (2010). Validação semântica da versão em língua portuguesa do Questionário de Qualidade de Vida em Adultos (AAQoL) que apresentam transtorno de déficit e atenção. Rio de Janeiro.

Triviños, A. (2010). Introdução à pesquisa de ciências sociais. Atlas.

Quiroga. J. A. R. (2008).. TDAH em adultos: Factores genéticos, evolución y tratamento farmacológico. Barcelona. 2009 Disponível em: da Veiga. Fernanda Machado. Hiperatividade artigo 18. Belo Horizonte. portal.pucminas.br

Zanella, L .C. H. (2013). Metodologia de pesquisa. Florianópolis: UFSC/Departamento de Ciências da Administração

Zorgan. T. R. (2010). Hiperatividade: Um olhar Psicopedagógico.Rio Grande do Sul.. bage.ideau.com.br

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. Bookman Editora.

Published

09/08/2022

How to Cite

MELLO , B. L. C. de .; SALES, R. L. .; BRAGA, F. C. .; DE OLIVEIRA, H.; NOBRE , J. .; PEREIRA, A. L. .; SOUZA, A. S. de .; SANTOS , A. M. dos .; DUQUE, R. de C. S. . Identification and analysis of intervention in a 30-year-old professional with TDAH. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e538111033286, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.33286. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33286. Acesso em: 2 oct. 2022.

Issue

Section

Health Sciences