Prenatal consultation by nurses from the perspective of pregnant women: an integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i11.33400

Keywords:

Prenatal Care; Nursing Care; Perception.

Abstract

Objective: This study aimed to describe the vision of pregnant women about the nurse's prenatal consultation. Methodology: This is an integrative literature review conducted with 10 articles published between 2018 and 2022 and indexed in the Virtual Health Library (BVS), CAPES Periodicals Portal and Scientific Electronic Library Online (SciELO). During the search 300 articles were found with the use of predefined descriptors and the Boolean Operators AND and OR, being excluded literature reviews, case reports, publications not available in Portuguese and that did not converge with the study proposal. Results: In the selected studies, the prenatal care provided by the nurse was mostly perceived as satisfactory, with the reception and good communication being highlighted. However, factors associated with dissatisfaction were found, such as doubts about the technical capacity of the professional to conduct consultations and long waiting times. Conclusion: Therefore, it was essential to know the perception of patients and thus identify flaws and qualities of care, providing subsidies for professional improvement.

Author Biographies

Abraão Albino Mendes Júnior, Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão

Graduado em Enfermagem pela Universidade CEUMA (UniCEUMA). Mestrando em Gestão de Programas e Serviços de Saúde pela UniCEUMA. Especialista em Saúde Pública com Ênfase em Estratégia Saúde da Família pela Faculdade Venda Nova do Imigrante. Colaborador Científico da Liga Acadêmica de Habilidades de Enfermagem (LAHEN). Experiência em Enfermagem com ênfase em Saúde Coletiva.

Welison da Silva Ferreira Sá, Universidade CEUMA

Graduando em enfermagem bacharelado pela Universidade CEUMA.

Alan Costa Carvalho, Universidade CEUMA

Graduado em Enfermagem pela Universidade Ceuma (UniCEUMA). Epecialista em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), Programa Saúde da Família (PSE) e Enfermagem do Trabalho. Pós-graduando em Obstetricia e Neonatologia pela UniCEUMA. Foi presidente da Liga Acadêmica de Terapia Intensiva - LATIN da Universidade CEUMA e líder discente do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem e Saúde Coletica do Maranhão - NUPESCMA.

Cintia Maria De Lima Barbosa, Universidade CEUMA

Graduado em enfermagem pela Universidade CEUMA (UniCEUMA). Pós-Graduanda em Saúde Pública com Ênfase em Saúde da Família pela Faculdade Venda Nova do Imigrante (FAVENI). Preceptora de estágio pela UniCEUMA.

Soraya Christina Silva e Silva Fernandes, Universidade CEUMA

Graduada em Enfermagem pelo Centro Universitário do Maranhão - CEUMA. Especialista em Saúde da Família/Clínica na Atenção Primária e em Terapia Intensiva pela Faculdade Redentor. Experiência em enfermagem assistencial. Atualmente é Enfermeira da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Presidente Vargas em São Luís, MA e Preceptora de estágio pela Universidade CEUMA.

Ricardo Amorim de Sousa Garcia, Universidade CEUMA

Graduado em Enfermagem pela Universidade Ceuma. Mestre em Gestão de Programas de Serviços de Saúde da Universidade Ceuma. Especialização em Obstetrícia e Saúde Pública pela Universidade Ceuma, Especialização em Enfermagem do Trabalho pelo Universidade Potiguar. Formação em bacharel de Direito. Experiência na área de docência/pesquisador superior em prática de estágio tais como Simulador Realístico em Saúde, Centro Cirúrgico, Obstetrícia e Saúde Coletiva. Experiência de trabalho na Secretaria de Saúde do Estado do Maranhão como coordenador no departamento do Idoso e tabagismo. Coordenador atual das Ligas Acadêmicas: Liga Acadêmica de Obstetrícia - LAObs e mais a Liga Acadêmica de Queimaduras - LAQ.

Nailde Melo Santos, Universidade CEUMA

Doutoranda em Odontologia pela Universidade CEUMA. Mestre em Enfermagem com área de Especialização Acadêmica em Enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão -UFMA. Graduada em Enfermagem pela UFMA. Especialista em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) , Nefrologia Multidisciplinar e em Tecnologias Educacionais e Educação à Distância. Enfermeira do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão HU-UFMA. Possui experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Administração Hospitalar, Urgência e Emergência, Unidade de Terapia Intensiva e Transplante Renal. Docente da Pós-Graduação/Especialização nas áreas de: Urgência e Emergência, Centro Cirúrgico, Unidade de Terapia Intensiva, Nefrologia Multidisciplinar e Gestão Hospitalar. Docente de Graduação e Pós-Graduação na Área de Enfermagem. Coordenadora do Curso de Enfermagem da Universidade CEUMA

Ana Patrícia Fonseca Coelho Galvão, Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Doutoranda em Ciências da Saúde da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo-SP (2021), na linha de pesquisa Epidemiologia, prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças neurológicas e transtornos mentais. Graduada em Enfermagem (2006). Mestrado em Saúde e Ambiente pela Universidade Federal do Maranhão (2016). Especialista nas áreas: Saúde da Família: Clínica na Atenção Primária (2007) e Saúde Mental: Atenção Psicossocial pela Universidade Estácio de Sá-RJ (2010), MBA em Auditoria Hospitalar e Geriatria/Gerontologia pela Universidade Pitágoras Unopar (2020) e Gestão de Políticas Informadas por Evidências-Sírio Libanês-SP (2020). Atuação como Docente da Universidade Ceuma (2019) e Faculdade Pitágoras (2013-2021), coordenando projetos de extensão em diversas áreas. Aprovada para os atos de Autorização, Reconhecimento e Renovação de Reconhecimento de Cursos de Graduação, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).Têm experiência nas áreas de Saúde Pública e Saúde Mental com ênfase em psicopatologias, estudando os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental.

References

Alves, F., Castro, E. M., Souza, F., Lira, M., Rodrigues, F., &; Pereira, L. P. (2019). Group of high-risk pregnant women as a health education strategy. Grupo de gestantes de alto-risco como estratégia de educação em saúde. Revista gaucha de enfermagem, 40, e20180023. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2019.20180023.

Alves, T. F., & Coelho, A. B. (2021). Mortalidade infantil e gênero no Brasil: uma investigação usando dados em painel. Ciência & Saúde Coletiva, 26, 1259-1264.

Andrade, F. M.; Castro, J. F. C.; & da Silva, A. V. (2016). Percepção das gestantes sobre as consultas médicas e de enfermagem no pré-natal de baixo risco. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 6(3).

Assunção, C. S., Rizzo, E. R., Dos santos, M. E., De Carvalho, J. B., Basílio, M. D., & Messias, C. M. (2019). The Nurse in Prenatal Care: The Pregnant Women Expectations / O Enfermeiro no Pré-Natal: Expectativas de Gestantes. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, 11(3), 576. https://doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i3.576-581

Braga, E., & Da Silva, M.P., (2006). Comunicação competente -visão de enfermeiros especialistas em comunicação* Competent communication -a view of nurse experts in communication Comunicación competente -visión de enfermeros especialistas en comunicación.

Brasil, Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS. Distrito Federal, 2013.

Brasil, Ministério da Saúde. (2012) Caderno de Atenção Básica: Atenção ao Pré-Natal de Baixo Risco. p.13-316, Brasília, DF.

Chaves, I. S., Rodrigues, I. D. C. V., Freitas, C. K. A. C., & Barreiro, M. do S. C. B. (2020). Consulta de pré-natal de enfermagem: satisfação das gestantes. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online), 814–819.

Código de Ética, Resolução nº 0564, 06 Dezembro 2017, Brasil, http://www.coren-es.org.br/codigo-de-etica.

Cruz, R. de S. B. L. C., Caminha, M. de F. C., & Filho, M. B. (2014). Aspectos históricos, conceituais e organizativos do pré-natal. Revista Brasileira de Ciências Da Saúde, 18(1), 87–94.

Da Silva, A. A. B., & Andrade, C. (2020). O papel do enfermeiro na assistência, educação e promoção da saúde no pré-natal. Research, Society and Development, 9(10), e9989109477-e9989109477.

DECRETO No94.406/87. 08 Junho 1987, http://www.cofen.gov.br/decreto-n-9440687_4173.html. Acesso 12 fevereiro de 2022.

Dell’osbel, R. S.; Gregoletto, M. L. Cremonese, Cleber. (2019).; Sintomas depressivos em gestantes da atenção básica: prevalência e fatores associados. ABCS Health Sci, 44(3):187-194, 2019.

Demarchi, R. F. et al. (2021). Percepção de gestantes e puérperas primíparas sobre maternidade. Rev. enferm. UFPE on line, p. 2663-2673, 2017.

Dos Santos, J.; & Dias, P. C. Percepção das gestantes em relação à assistência pré-natal nas Unidades Básicas de Saúde. Research, Society and Development, 10(10), e268101018785-e268101018785, 2021.

Ferreira, B. A., da Silva, E. M., da Costa Belarmino, A., Franco, R. G. D. F. M., de Nojosa Sombra, I. C., & de Freitas, A. S. F. (2021). Integralidade do cuidado de enfermagem do pré-natal ao puerpério. Journal of Health & Biological Sciences, 9(1), 1-6.

Ferreira, M. D. L. S. M., Penques, R. M. V. B., & Marin, M. J. S. (2014). Acolhimento na percepção dos enfermeiros da Atenção Primária à Saúde. Aquichan, 14(2).

Franco, T. B.; Bueno, W. S.; & Merhy, E. E. (1999). O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 15, 345-353.

Joana Briggs Institute (2014). Reviewers' Manual 2014 edition. The Joanna Briggs Institute.

Ganong, L. H. (1987).Integrative reviews of nursing research. Res Nurs Health 10: 1-11

Livramento, D. D. V. P. D., Backes, M. T. S., Damiani, P. D. R., Castillo, L. D. R., Backes, D. S., & Simão, A. M. S. (2019). Percepções de gestantes acerca do cuidado pré-natal na atenção primária à saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, 40.

Marques, T. M., Marski, B. D. S. L., Souza, B. F. D., Bonelli, M. A., Fabbro, M. R. C., & Wernet, M. (2022). Adolescentes grávidas que experienciaram o nascimento prematuro: percepções acerca do cuidado pré-natal. Escola Anna Nery, 26.

Medeiros, F. F., de Lemos Santos, I. D., de Oliveira Franchi, J. V., Caldeira, S., Ferrari, R. A. P., & Cardelli, A. A. M. (2022). Tempo de espera ao acesso ambulatorial especializado no pré-natal de alto risco: estudo de método misto. Research, Society and Development, 11(1), e16611124626-e16611124626.

Menezes, L. O.; Almeida, N. S.; & Dos santos, M. V. F. A assistência do enfermeiro no pré-natal. Research, Society and Development, 10(14), e270101422161-e270101422161, 2021.

Motta, C. T., & Moreira, M. R. (2021). O Brasil cumprirá o ODS 3.1 da Agenda 2030? Uma análise sobre a mortalidade materna, de 1996 a 2018. Ciência & Saúde Coletiva, 26, 4397-4409.

Mourão, C. M. L. et al.(2009). Comunicação em enfermagem: uma revisão bibliográfica.

Nascimento, D., Nascimento, D., Silva, V. F., & Belarmino, C. M. V., do Lago, V. C. A. L. P. (2021). Assistência de enfermagem ao pré-natal na atenção básica: uma revisão integrativa. Revista Artigos. Com, 27, e7219-e7219.

Pereira, Itamara Prates; & Giotto, Ani Cátia. Percepção das gestantes em relação ao atendimento pré-natal de baixo risco realizado pelo enfermeiro. Revista de Iniciação Científica e Extensão, v. 2, n. Esp. 2, p. 250-257, 2019.

Phillippi, J. C. et al. (2016). Facilitators of prenatal care in an exemplar urban clinic. Women and Birth, 29(2), 160-167, 2016.

Prudêncio, P. S., & Mamede, F. V. (2018). Avaliação do cuidado pré-natal na atenção primária a saúde na percepção da gestante. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39.

RESOLUÇÃO COFEN No 516/2016. 23 Junho 2016, www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/23066874/do1-2016-06-27-resolucao-n-516-de-23-de-junho-de-2016-23066793. Accessed 10 Jan. 2022.

Rocha, A. C.; & Andrade, G. S. (2017). Atenção da equipe de enfermagem durante o pré-natal: percepção das gestantes atendidas na rede básica de Itapuranga–GO em diferentes contextos sociais. Revista Enfermagem Contemporânea, 6(1), 30-41.

Santos Carvalho, S., & Freitas de Oliveira, L. (2020). Percepção de adolescentes gestantes sobre a assistência de enfermagem ao pré-natal. Enfermagem Em Foco, 11(3).

Seixas, C. T. et al. (2019). O vínculo como potência para a produção do cuidado em Saúde: o que usuários-guia nos ensinam. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 23, e170627.

Serra, S. C., Carvalho, C. A. D., Batista, R. F. L., Thomaz, E. B. A. F., Viola, P. C. D. A. F., Silva, A. A. M. D., & Simões, V. M. F. (2022). Fatores associados à mortalidade perinatal em uma capital do Nordeste brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, 27, 1513-1524.

Silva, A. A. et al. (2019). Pré-natal da gestante de risco habitual: potencialidades e fragilidades. Revista de Enfermagem da UFSM, 9, 15, 2019.

Silva, L. S. D., Leal, N. P. D. R., Pimenta, C. J. L., Silva, C. R. R. D., Frazão, M. C. L. O., & Almeida, F. D. C. A. D. (2020). Contribuição do enfermeiro ao aleitamento materno na atenção básica. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online), 774-778.

Published

19/08/2022

How to Cite

MENDES JÚNIOR, A. A.; SÁ, W. da S. F.; CARVALHO, A. C.; BARBOSA, C. M. D. L. .; FERNANDES, S. C. S. e S. .; GARCIA, R. A. de S.; SANTOS, N. M.; GALVÃO, A. P. F. C. Prenatal consultation by nurses from the perspective of pregnant women: an integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 11, p. e187111133400, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i11.33400. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33400. Acesso em: 28 sep. 2022.

Issue

Section

Review Article