The importance of use the constellation as a preliminary measure to the family cases mediation

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i11.33506

Keywords:

Mediation; Family; Constellation; Family Right; Systemic law.

Abstract

O objetivo do presente estudo é analisar, por meio do método dedutivo e da pesquisa bibliográfica, a importância do uso da Constelação como medida preliminar às audiências de mediação familiar. Devida à grande demanda do Poder Judiciário, hoje, há um altíssimo acúmulo de processos judiciais, tornando natural e urgente a busca por outras abordagens e métodos que auxiliem na resolução de tais lides. Assim, em observância à valorização da justiça multiportas e, por intermédio da Resolução n. 125/2010 do Conselho Nacional de Justiça, que estimula práticas que proporcionam tratamento adequado dos conflitos de interesse, a Constelação Familiar já está sendo aplicada – mesmo que de forma muito tímida – na justiça brasileira, humanizando as práticas conciliatórias. Desta forma, se verificará, como conclusão, que a junção do Pensamento e Direito Sistêmico e da Constelação Familiar podem ser instrumentos de grande valia no judiciário, especialmente na resolução de conflitos familiares, tendo em vista o caráter sui generis das lides envolvendo Direito Familiar.

References

Araújo, F. C. (2016). Curso de processo civil. Malheiros.

CNJ. (2021). Justiça em números 2021. Brasília: Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

CNJ. (2010). Política judiciária nacional de tratamento adequado dos conflitos de interesses no âmbito do Poder Judiciário e outras providências. https://atos.cnj.jus.br/atos/detalhar/156.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.

Brasil. (2015). Código de Processo Civil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm.

Dias, M. B. (2013). Manuak de dureito das famílias. (9a ed.). Revista dos Tribunais.

Esperandio, C. R., & Garcia, G. F. B. (2019). Métodos alternativos de solução de conflitos no direito de família. https://www.revistadostribunais.com.br/maf/app/favdoc/document?docguid=I33be5ce02a9811e98f04010000000000.

Ferreira, J. L., Trendinnick, & A. F. A. C. (2019). A justiça que humaniza e acolhe. In Ferreira, J. L. (Org.), Conversando sobre constelação familiar na justiça (pp. 37-51). Tirant Lo Blanch.

Ferreira, J. L., Trendinnick, & A. F. A. C. (2019). A justiça que humaniza e acolhe. In Pachá, A. (Org.), Conversando sobre constelação familiar na justiça (p. 7). Tirant Lo Blanch.

Ferreira, J. L., & Trendinnick, A. F. A. C. (2019). A justiça que humaniza e acolhe. In Tredinnick, A. F. A. C. (Org.), Conversando sobre constelação familiar na justiça (pp. 7-21). Tirant Lo Blanch.

Fogaça, M. V. Constelação familiar como instrumento para solucionar o conflito entre os genitores pela guarda dos filhos. https://www.revistadostribunais.com.br/maf/app/favdoc/document?docguid=I00d51750cb4111ebb30886bef5d0291e.

Gonçalves, C. R. (2018). Direito civil brasileiro: Direito de família. (15a ed.). Saraiva.

Idoeta, P. A. (2018) Constelação Familiar: Técnica terapêutica é usada na Justiça para facilitar acordos e ‘propagar cultura de paz’. https://www.bbc.com/portuguese/brasil-43204514.

Lacerda, S. M. N. (2017). Direito Sistêmico e Direitos Humanos: A aplicação das constelações familiares para tratamento dos conflitos judiciais. II Simpósio Internacional Interdisciplinar em Ciências Sociais Aplicas. Disponível em: chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://sites.uepg.br/simposiocsa/docs/gt6/012.pdf.

Neto, J. L. L. (2015). O novo CPC adotou o modelo multiportas!!! E agora?. https://www.revistadostribunais.com.br/maf/app/favdoc/document?docguid=Ib6ec5710222311e5bdc5010000000000.

Ludke, M., & Andre, M. E . D. A. (2013). Pesquisas em educação: uma abordagem qualitativa. E.P.U.

Margraf, P. D. O., & Santos, M. C. D. (2018). Método da constelação familiar sistêmica como justiça restaurativa na redução da alienação parental. https://www.revistadostribunais.com.br/maf/app/favdoc/document?docguid=Id044be70cb9211e88110010000000000

Medina, J. M. G. (2016). Direito processual civil moderno. (2a ed.). Revista dos Tribunais.

Siqueira, J. P. F. H. D., & Salim, C. A. (2020). Justiça multiportas: uma análise da mediação no novo Código de processo civil brasileiro. https://www.revistadostribunais.com.br/maf/app/favdoc/document?docguid=I852e4bb01b0d11eaaedd010000000000.

Storch, S. (2020). A origem do pensamento sistêmico. Tagore.

Storch, S. (2014). Direito Sistêmico: A justiça curativa, de soluções profundas e duradouras. https://direitosistemico.wordpress.com/2014/06/25/direito-sistemico-a-justica-curativa-de-solucoes-profundas-e-duradouras/.

Storch, S. (2016). Direito Sistêmico: primeiras experiências com constelações no judiciário. 2016. https://direitosistemico.wordpress.com/2016/08/23/publicado-artigo-sobre-as-primeiras-experiencias-com-constelacoes-no judiciario/.

Storch, S. (2018). Por que aprender direito sistêmico. https://direitosistemico.wordpress.com/2017/04/10/por-que-aprender-direito-sistemico/.

Published

16/08/2022

How to Cite

CINQUE, H.; ARAÚJO, F. C. de . The importance of use the constellation as a preliminary measure to the family cases mediation . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 11, p. e101111133506, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i11.33506. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33506. Acesso em: 7 oct. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences