The role of the technical responsible for the evolution of family agro-industries of animal source foods

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i14.35499

Keywords:

Conformity; Technical responsibility; Quality.

Abstract

Despite the importance of the technical responsible (TR) in agro-industries of animal source foods, this function is undervalued, and often can be perceived only as a figurative role, which considerably increases the risk for consumers health who eat products from companies that neglect the role of TR's. Therefore, the aim of this study was to demonstrate the importance of the TR performance in family agro-industries for the adequacy of these companies to the current legislation. For this purpose, eight family agro-industries located in Rio Grande do Sul with the active role of a technical responsible were analyzed. The analysis of the effect of technicians in responsible for the family agro-industries was carried out in two stages: characterization of family agro-industries through SWOT analysis and analysis of compliance in relation to the Good Manufacturing Practices (GMP), by the checklist of RDC 275/ 2002 applied over eight months of TR attendance. All eight agro-industries showed an increase in the percentage of compliances during the performance of the technician in charge. The overall average increase in compliance was 14.6%. The active monitoring of the TR in agro-industries has directly resulted in an increase in the compliance of the family agro-industries that process products of animal origin, when conducted along with the commitment of the owners and with the support of the local inspection agents.

References

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária dos Produtos de Origem Animal. Decreto no 10.468 de 18 de agosto de 2020 que altera o Decreto nº 9.013, de 29 de março de 2017, que regulamenta a Lei nº 1.283, de 18 de dezembro de 1950, e a Lei nº 7.889, de 23 de novembro de 1989, que dispõem sobre o regulamento da inspeção industrial e sanitária de produtos de origem animal. https://www.in.gov.br/web/dou/-/decreto-n-10.468-de-18-de-agosto-de-2020-272981604

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no 326, de 30 de julho de 1997. Aprova o Regulamento Técnico sobre Condições Higiênicos-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/inspecao/produtos-vegetal/legislacao-1/biblioteca-de-normas-vinhos-e-bebidas/portaria-no-326-de-30-de-julho-de-1997.pdf/view

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) no 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2002/anexos/anexo_res0275_21_10_2002_rep.pdf

Corbari, F., Miranda, C. A. R., & Zonin, W. J. (2019). Agroecologia e produção orgânica: panorama e desafios desde o cenário global até a bacia do Paraná 3. Revista GeoPantanal 14(26), 15-31.

CRMVRS - Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul. (2017). Guia Básico de Responsabilidade Técnica em Segurança dos Alimentos. Acesso em 17 de setembro. Disponível em: https://www.crmvrs.gov.br/PDFs/GUIA_RT_SEG_ALIMENTOS_WEB.pdf

Dias, J., & Rodolpho, D. (2021). Análises dos perigos e pontos críticos de controle (APPCC): importância para a agroindústria de alimentos. Revista Interface Tecnológica, 18(2), 701-710.

Feltrin, M. M. Adaptação de um checklist de Boas práticas de fabricação para agroindústrias familiares com potencial de adesão ao SUSAF-RS. (2017). Dissertação (Mestrado Profissional na área de Alimentos de Origem Animal) - Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Fernandes, D. R. (2012). Uma visão sobre a análise da Matriz SWOT como ferramenta para elaboração da estratégia. Revista de Ciências Jurídicas e Empresariais, 13(2), 57-68.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Bookman editora.

IBM Corp. Released 2011. IBM SPSS Statistics for Windows, Version 20.0. Armonk, NY: IBM Corp.

Junqueira, A.H.; Moretti, S. L. A. 2018. Comunidade que Sustenta a Agricultura (CSA): tecnologia social de venda direta de alimentos e de revalorização das identidades alimentares territoriais. Estudos Sociedade e Agricultura, 26(3), 517-538.

Nascimento, J. S., Bezerra, G. J., Schlindwein, M. M., & Padovan, M. P. (2016). Produção agropecuária, agregação de valor e comercialização pela agricultura familiar no estado do Mato Grosso do Sul. Redes: revista do desenvolvimento regional, 21(3), 320-334.

Neto, F. N. Alvarenga, A. L. B.; Machado, R. L. P.; Dutra, A. S. de; Monteiro, R. P.; Pinto, M. S. V.; Rodrigues, A. R. P. (2016). Manual para internalização das Boas Práticas de Fabricação em agroindústrias familiares. Rio de Janeiro: Embrapa. 48 p.

Nunes, V. M. A., De Araújo, I. D. T., Nobre, T. T. X., Alcântara, M. S., Leite, A. C. C. S., Maciel, F. C. S., Sodré, L. L., & Araújo, T. S. (2019). Estratégia multimodal para adesão dos profissionais às boas práticas de higienização de mãos. Research, Society and Development, 8(3), e1183774.

Quintão, C. S. C., Pereira, D. C. S., Silvério, A. F., Reis, M. R. R., Martins, A. D. O., & Martins, M. L. (2013). Avaliação das Boas Práticas de Fabricação em Laticínio do Município de Rio Pomba, MG. Revista de Higiene Alimentar. 27(226/227), 69-72.

Santos, W. B. M., Costa, W. S., Souza, R. G., Feitosa, T. J. O., Pinto, A. U., Oliveira, B. C., Araújo, M. S., & Carvalho, J. D. G. (2020). Análise das boas práticas de fabricação na produção de queijo de coalho em laticínios artesanais localizados na Região Centro Sul do Ceará. Research, Society and Development, [S. l.], 9(7), e22973504. DOI: 10.33448/rsd-v9i7.3504

Schultz, W., & Waquil, P. D. (2011). Políticas públicas e privadas e competitividade das cadeias produtivas agroindustriais. Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. Editora da UFRGS.

SEAPDR - Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural. (2022). Programa Estadual de Agroindústria Familiar (PEAF). https://www.agricultura.rs.gov.br/upload/arquivos/202208/24122733-relacao-agroindustrias-inclusas-ate-19-agosto-2022.pdf

SENAC - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial. Manual de elementos de apoio para o sistema APPCC. (2001). Rio de Janeiro: SENAC/Departamento Nacional. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/66004018/28747976-Elementos-de-Apoio-Boas-Práticas-e-Sistema-APPCC.

Souza, R., Verona, L., Fachinello, M., & Martins, S. (2012). Insumos em agroecossistemas familiares com produção de base ecológica na região oeste de Santa Catarina. In WORKSHOP INSUMOS PARA A AGRICULTURA SUSTENTÁVEL, 1, 142-145.

Published

21/10/2022

How to Cite

BONATTO, C. B.; CARDOSO, S.; OLIVEIRA, T. E. de . The role of the technical responsible for the evolution of family agro-industries of animal source foods. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 14, p. e125111435499, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i14.35499. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/35499. Acesso em: 26 nov. 2022.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences